Semelhança divina, semelhança de Cristo

 

Semelhança

Nos textos a seguir veremos que o Senhor quer moldar o nosso caráter a “semelhança divina”,  devemos contemplar a Cristo até sermos  ”transformados à semelhança de Seu belo caráter.”

“E ao se demorar a mente sobre Cristo, é o caráter moldado à semelhança divina. Os pensamentos são saturados do senso de Sua bondade, e de Seu amor. Contemplamos-Lhe o caráter e assim está Ele em todos os nossos pensamentos. Seu amor nos rodeia. Se olharmos ainda que por um momento para o Sol em sua glória meridiana, ao desviarmos os olhos, em tudo que olharmos aparecerá a imagem do Sol. O mesmo se dá quando contemplamos a Jesus; tudo para que olhamos reflete Sua imagem, o Sol da Justiça. Não podemos ver nenhuma outra coisa, nem falar de qualquer outra coisa. Sua imagem está impressa na retina da alma e afeta cada parte de nossa vida diária, suavizando e subjugando toda a nossa natureza. Contemplando, ajustamo-nos à semelhança divina, a saber, à semelhança de Cristo.” Mensagens aos Jovens p. 160

“Deve ser a decisão de toda alma não tanto buscar compreender tudo quanto às condições reinantes no futuro estado, como conhecer o que o Senhor requer nesta vida. É a vontade de Deus que todo professo cristão aperfeiçoe o caráter segundo a semelhança divina.”  Conselhos aos Pais Professores e Estudantes p. 249

“Deus requer que os que afirmam crer na Bíblia, o padrão do caráter cristão, introduzam a semelhança a Cristo em todo o seu serviço, para que nenhuma partícula do sal perca a sua influência preservadora. A semelhança a Cristo sempre deve ser preservada. A mente e o coração têm de ser purificados de todo pecado, de toda dessemelhança a Cristo.” Este Dia Com Deus MM 1980 p. 199

“Nenhum de nós corre o perigo de ser muito devoto, ou de possuir demasiada semelhança de caráter com Cristo. O remédio para a dessemelhança com Cristo e não dar motivo para que seja difamado o vosso bom nome, é viver humildemente, e continuar olhando para Jesus com devota vigilância, até ser transformado à semelhança de Seu belo caráter.” EXALTAI-O MM 1992 p. 111

“O Poder que criou todas as coisas é o que torna a restaurar a alma à Sua própria semelhança. Para os que guardam o sábado, esse dia é o sinal da santificação. A verdadeira santificação consiste na harmonia com Deus, na imitação de Seu caráter. Essa harmonia e semelhança são alcançadas pela obediência aos princípios que são a transcrição de Seu caráter. E o sábado é o sinal da obediência. Aquele que de coração obedecer ao quarto mandamento, obedecerá toda a lei. Será santificado pela obediência.” Maravilhosa Graça, MM 1974, p. 154

 “Deve ser obra da vida cristã, revestir-se de Cristo, e levar a si mesmo para a mais perfeita semelhança com Cristo. Os filhos e filhas de Deus devem avançar na semelhança com Cristo, nosso modelo. Diariamente devem contemplar Sua glória e admirar a Sua incomparável excelência.” Testemunhos Para Ministros, pág. 122.

“Olhando a Jesus, autor e consumador de sua fé, serão transformados à Sua semelhança. Eles crescerão até à plena estatura de homens e mulheres em Cristo Jesus. … Os que verdadeiramente crêem, que confessam e abandonam seus pecados, crescerão mais e mais na semelhança de Cristo, até que se poderá dizer deles no Céu: “Estais perfeitos nEle”. Col. 2:10. Carta 21, 1901.” Nossa Alta Vocação MM 1962 p. 115

Fica evidente a maravilhosa obra que o Senhor deseja realizar em nossa vida, transformar nosso caráter até que alcancemos a semelhança do caráter de Cristo.

Será que estes textos permitem que nós pensemos que a norma ou o padrão de vida estabelecido por Deus para o homem é inferior a norma ou o padrão de vida alcançado por Cristo? Será que aquele pela graça de Deus alcançar a semelhança divina ainda terá algum defeito de caráter?

O que realmente representa para o homem ter o caráter semelhante ao de Cristo.

É extremamente importante que tenhamos uma compreensão precisa do que realmente representa alcançar essa semelhança divina, infelizmente a grande verdade é que o inimigo tem conseguido fazer com que a grande maioria não compreenda realmente o que representa ter um caráter semelhante ao caráter de Cristo.

Analisando a criação compreenderemos o que representa para o homem ter sido moldado à semelhança divina.

Façamos o homem à Nossa imagem, conforme à Nossa semelhança; e domine… sobre toda a Terra”. “Criou Deus, pois, o homem à Sua imagem; … homem e mulher os criou.” Gên. 1:26 e 27. Aqui está claramente estabelecida a origem da raça humana; e o relato divino refere tão compreensivelmente que não há lugar para conclusões errôneas. Deus criou o homem à Sua própria imagem.” Patriarcas e Profetas, p. 44

“O homem deveria ter a imagem de Deus, tanto na aparência exterior como no caráter. Cristo somente é a “expressa imagem” do Pai (Heb. 1:3); mas o homem foi formado à semelhança de Deus. Sua natureza estava em harmonia com a vontade de Deus. A mente era capaz de compreender as coisas divinas. As afeições eram puras; os apetites e paixões estavam sob o domínio da razão. Ele era santo e feliz, tendo a imagem de Deus, e estando em perfeita obediência à Sua vontade.” Patriarcas e Profetas, p. 45

“Ao passo que Adão foi criado sem pecado, à semelhança de Deus, [...] Patriarcas e Profetas, p. 80

Novamente afirmamos ser fundamental que compreendamos com clareza o que representa essa Semelhança que o Senhor deseja que tenhamos com Ele.

“Cristo somente é a “expressa imagem” do Pai (Heb. 1:3); mas o homem foi formado à semelhança de Deus. Sua natureza estava em harmonia com a vontade de Deus. A mente era capaz de compreender as coisas divinas. As afeições eram puras; os apetites e paixões estavam sob o domínio da razão. Ele era santo e feliz, tendo a imagem de Deus, e estando em perfeita obediência à Sua vontade.” Patriarcas e Profetas, p. 45

Esse texto é bastante esclarecedor, nele vemos claramente o que representa essa semelhança do homem com Deus. O homem criado “à semelhança de Deus”  tinha as seguintes características: Sua natureza estava em harmonia com a vontade de Deus, mente capaz de compreender a vontade de Deus, afeições puras, apetites e paixões sob o domínio da razão, e estava em perfeita obediência a vontade de Deus. O homem quando foi criado possuía essa semelhança com Deus, mas ao pecar, perdeu essa semelhança, o Senhor deseja eliminar o pecado em nossa vida restaurando em nós a semelhança com Ele.

O Senhor deseja restaurar em nós a “semelhança divina”

“O Poder que criou todas as coisas é o que torna a restaurar a alma à Sua própria semelhança. Para os que guardam o sábado, esse dia é o sinal da santificação. A verdadeira santificação consiste na harmonia com Deus, na imitação de Seu caráter. Maravilhosa Graça, MM 1974, p. 154

“Orai para que as poderosas energias do Espírito Santo, com todo o seu poder vivificador, restaurador e transformador possam atuar como uma corrente elétrica sobre a alma atacada de paralisia, fazendo com que cada nervo estremeça com nova vida, restaurando o homem todo, de seu estado terreno, morto e sensual, para o de perfeita saúde espiritual. Tornar-vos-eis assim participantes da natureza divina, tendo escapado da corrupção que há no mundo pela concupiscência; e em vossa alma se refletirá a imagem daquele por cujas feridas fostes curados.” Testemunhos Seletos, vol. 2, p. 100.

“Mas não podemos seguir nosso próprio caminho e vontade. Deus tem de trabalhar em nós, por nós, junto de nós e por nosso intermédio. Devemos ser nas mãos de Deus como o barro nas mãos do oleiro, a fim de que Ele nos molde segundo a semelhança divina.” Este Dia Com Deus, MM 1980, p. 63

Viver a vida de Jesus, esse deve ser o nosso objetivo

“Cristo não só morreu como nosso sacrifício, mas viveu como nosso exemplo. Em Sua natureza humana, Ele Se apresenta completo, perfeito, imaculado. Ser um cristão é ser como Cristo. Todo o nosso ser, nossa alma, o corpo, o espírito, devem ser purificados, enobrecidos, santificados, até que reflitamos a Sua imagem e imitemos o Seu exemplo.” RH, 28/01/1882( Ellen White e a Humanidade de Cristo pág. 150 )

“Tende em mente que a vitória e a obediência de Cristo são as de um verdadeiro ser humano. Em nossas conclusões, cometemos muitos erros devido a nossas idéias errôneas acerca da natureza humana de nosso Senhor. Quando atribuímos a Sua natureza humana um poder que não é possível que o homem tenha em seus conflitos com Satanás, destruímos a inteireza de Sua humanidade. Ele concede Sua graça e poder imputados a todos os que O aceitam pela fé. A obediência de Cristo a Seu Pai era a mesma obediência que é requerida do homem.”ME, vol. 3 pág. 139

“Cristo não somente deu regras explícitas mostrando como, podemos tornar-nos filhos obedientes, mas também nos mostrou em Sua própria vida e caráter como fazer exatamente aquilo que é correto e aceitável para Deus, de modo que não haja desculpa para não realizarmos as coisas que são agradáveis a Sua vista. Sempre devemos ser gratos porque Jesus provou para nós, por fatos concretos, que o homem pode guardar os mandamentos de Deus, contradizendo a falsidade de Satanás de que o homem não pode guardá-los. O Grande Mestre veio ao nosso mundo para estar à frente da humanidade, para assim elevar e santificar a humanidade por Sua santa obediência a todos os requisitos de Deus, mostrando que é possível obedecer a todos os mandamentos de Deus. Ele demonstrou que é possível uma obediência que dure toda a vida. Portanto Ele dá ao mundo homens escolhidos e representativos, como o Pai deu o Filho, para exemplificarem em sua vida a vida de Jesus Cristo.” M. E. vol.3 pág. 139

“E vos darei um coração novo e porei dentro de vós um espírito novo; e tirarei o coração de pedra da vossa carne, e vos darei um coração de carne. E porei dentro de vós o meu Espírito, e farei que andeis nos meus estatutos; e guardareis os meus juízos, e os observeis.” Ezequiel 36:26-27

A última geração

A última geração de salvos será composta por servos de Deus, que estarão refletindo a semelhança do caráter de Cristo.

“Ensinava-se aos homens que é possível obedecer à lei de Deus; que, vivendo embora em meio dos pecadores e corruptos, eram capazes, pela graça de Deus, de resistir à tentação, e tornar-se puros e santos. Viram em seu exemplo a bênção de uma vida tal; e sua trasladação foi uma evidência da verdade de sua profecia relativa ao além, com sua recompensa de alegria, glória e vida eterna aos obedientes, e condenação, miséria e morte ao transgressor. Pela fé Enoque “foi trasladado para não ver a morte, … visto como antes da sua trasladação alcançou testemunho de que agradara a Deus”. Heb. 11:5. Em meio de um mundo condenado à destruição por sua iniqüidade, viveu Enoque uma vida de tão íntima comunhão com Deus que não lhe foi permitido cair sob o poder da morte. O caráter piedoso deste profeta representa o estado de santidade que deve ser alcançado por aqueles que hão de ser “comprados da Terra” (Apoc. 14:3), por ocasião do segundo advento de Cristo. Então, como no mundo antes do dilúvio, a iniqüidade prevalecerá. Seguindo os impulsos de seu coração corrompido e os ensinos de uma filosofia enganadora, os homens rebelar-se-ão contra a autoridade do Céu. Mas, como Enoque, o povo de Deus procurará pureza de coração, e conformidade com Sua vontade, até que reflitam a semelhança de Cristo. Como Enoque, advertirão o mundo da segunda vinda do Senhor, e dos juízos que cairão sobre os transgressores; e pela sua santa conversação e exemplo condenarão os pecados dos ímpios. Assim como Enoque foi trasladado para o Céu antes da destruição do mundo pela água, assim os justos vivos serão trasladados da Terra antes da destruição desta pelo fogo.” Patriarcas e Profetas,  P. 89

“Ele deseja que sejamos inspirados e fortalecidos pelo poder que nos dará, se Lhe formos fiéis. Deseja que cada um de nós aperfeiçoe um caráter segundo a semelhança divina. O cristão que não faz isso representa mal a Deus. Ele desonra seu Salvador. Aqueles que têm acesso às palavras escritas na Escritura estão sem escusa se não aplicam tais palavras a si próprios, se assim não purificarem seu coração do pecado. Pelas luzes que brilham do trono de Deus sobre nosso caminho seremos julgados no último grande dia.’ Olhando Para O Alto, MM. 1983, p. 153

“Nosso único fito deve ser a glória de Deus. Cumpre-nos trabalhar com toda a inteligência que Deus nos deu, colocando-nos no conduto de luz, a fim de que venha sobre nós a graça divina para moldar-nos e talhar-nos à semelhança divina.” Maravilhosa Graça, MM 1974, p. 270

“Nossos pensamentos e propósitos são a fonte secreta das ações; conseqüentemente, determinam o caráter. Cada pensamento, sentimento e inclinação, embora sejam invisíveis aos seres humanos, são discernidos pelos olhos de Deus. Com que cuidado, então, devemos examinar nosso coração à luz da lei divina, e comparar-nos com o Modelo infalível, a fim de que nenhum defeito possa ser encontrado em nós no dia de Deus.” Comentários de EGW, “Carta de Tiago” p.19

Que Deus seja louvado e glorificado em nossas Semelhançavidas!!

A vida devocional do remanescente

 

orando7

Vida dupla

Nesta época, pouco antes da segunda vinda de Cristo nas nuvens do céu, deve ser efetuada uma obra como a de João [Batista]. Deus chama homens que preparem um povo para permanecer em pé no grande dia do Senhor. … Para transmitir tal mensagem como a de João precisamos ter uma experiência espiritual como a sua. A mesma obra precisa ser efetuada em nós. Temos de contemplar a Deus, e, contemplando-O, perder de vista o próprio eu. — Testemunhos para a Igreja 8:332-333.

A comunhão com Deus refletir-se-á no caráter e na vida. Os homens conhecerão em nós, como nos primeiros discípulos, que estivemos com Jesus. Eis o que dá ao obreiro um poder que nada mais será capaz de lhe comunicar. Jamais devemos permitir ser privados de tal poder. Carecemos de viver uma vida dupla — vida de pensamento e de ação, de silenciosa prece e infatigável trabalho. — A Ciência do Bom Viver, 512.

Oração e esforço, esforço e oração, serão a ocupação de vossa vida. Deveis orar como se a eficiência e o louvor fossem todos atribuíveis a Deus, e labutar como se o dever fosse todo vosso. — Testemunhos para a Igreja 4:538.

Ninguém, sem oração, se encontra livre de perigo durante um dia ou uma hora que seja. — O Grande Conflito, 530.

Aquele que nada faz senão orar, em breve deixará de o fazer. — Caminho a Cristo, 101.

Firmemente fundados em Cristo

A tempestade vem, a tempestade que há de provar a fé de todo homem, de que espécie é. Os crentes devem estar agora firmemente arraigados em Cristo, do contrário serão extraviados por algum aspecto do erro. — Evangelismo, 361.

Far-nos-ia bem passar diariamente uma hora a refletir sobre a vida de Jesus. Deveremos tomá-la ponto por ponto, e deixar que a imaginação se apodere de cada cena, especialmente as finais. — O Desejado de Todas as Nações, 83.

A única defesa contra o mal, é Cristo habitar no coração mediante a fé em Sua justiça. A menos que nos unamos vitalmente a Deus, nunca poderemos resistir aos não santificados efeitos do amor-próprio, da condescendência com nós mesmos e da tentação para pecar. Podemos deixar muitos hábitos maus, podemos por tempos separar-nos de Satanás; mas sem uma ligação vital com Deus pela entrega de nós mesmos a Ele momento a momento, seremos vencidos. Sem conhecimento pessoal com Cristo e constante comunhão achamo-nos à mercê do inimigo, e havemos afinal de fazer-lhe a vontade. — O Desejado de Todas as Nações, 324.

Cristo, e Ele crucificado, eis o que deve constituir o tema de nossas meditações, de nossas conversas, e de nossas mais gratas emoções. — Caminho a Cristo, 103-104.

Moldados pelo Espírito Santo

O coração humano não conhecerá felicidade enquanto não se submeter a ser moldado pelo Espírito de Deus. O Espírito afeiçoa a renovada alma ao modelo, Jesus Cristo. Mediante Sua influência, a inimizade para com Deus é mudada em fé e amor, e o orgulho em humildade. A alma percebe a beleza da verdade, e Cristo é honrado em excelência e perfeição de caráter. — Nossa Alta Vocação, 150.

Não há um impulso de nossa natureza, nem uma faculdade do espírito ou inclinação do coração, que não necessite achar-se a todo o instante sob a direção do Espírito de Deus. — Patriarcas e Profetas, 421.

O Espírito nos ilumina as trevas, informa nossa ignorância, e ajuda-nos em nossas múltiplas necessidades. Mas a mente precisa dilatar-se constantemente para Deus. Caso seja permitido que se introduza aí o mundanismo, se não temos desejo de orar, nem desejo de comungar com Aquele que é a fonte de força e sabedoria, o Espírito não habita em nós. — Nossa Alta Vocação, 152.

A necessidade de estudar a Bíblia

Nenhum coração renovado poderá ser conservado em estado de aprazibilidade sem a aplicação diária do sal da Palavra.

A graça divina deve ser diariamente recebida, do contrário homem algum permanecerá convertido. — Nossa Alta Vocação, 213.

Seja a vossa fé consubstanciada pela Palavra de Deus. Agarrai firmemente o testemunho vivo da verdade. Tende fé em Cristo como Salvador pessoal. Ele tem sido e será sempre a nossa Rocha dos Séculos. — Evangelismo, 362.

Os cristãos devem estar-se preparando para aquilo que logo irá cair sobre o mundo como terrível surpresa, e esta preparação deve ser feita mediante diligente estudo da Palavra de Deus e pelo levar a vida em conformidade com o seus preceitos. —Profetas e Reis, 626.

Pessoa alguma, a não ser os que fortaleceram o espírito com as verdades da Escritura, poderá resistir no último grande conflito. — O Grande Conflito, 593.

Apenas os que forem diligentes estudantes das Escrituras e receberem o amor da verdade, estarão ao abrigo dos poderosos enganos que dominam o mundo. — O Grande Conflito, 625.

Nosso povo precisa compreender a Palavra de Deus; carecem de um conhecimento sistemático dos princípios da verdade revelada, que os habilitará para o que há de vir sobre a Terra e os impedirá de serem levados em roda por todo vento de doutrina. —Testemunhos Seletos 1:101.

Entesourar as escrituras na memória

Várias vezes, cada dia, preciosos e áureos momentos devem ser dedicados à oração e ao estudo das Escrituras, nem que seja para guardar na memória um só texto, a fim de que haja vida espiritual na alma. — Testemunhos para a Igreja 4:459.

A preciosa Palavra de Deus é a norma para a juventude que quer ser fiel ao Rei do Céu. Estudem eles as Escrituras. Entesourem na memória texto sobre texto e adquiram o conhecimento daquilo que o Senhor disse. — Minha Consagração Hoje, 315.

Edificai um muro de passagens bíblicas ao vosso redor, e vereis que o mundo não poderá demoli-lo. Entesourai as Escrituras na memória e retrucai então a Satanás quando ele vier com as suas tentações: “Está escrito.” Foi dessa maneira que nosso Senhor enfrentou as tentações de Satanás e resistiu a elas. — The Review and Herald, 10 de Abril de 1888.

Pendurai as preciosas palavras de Cristo na galeria da memória. Elas devem ser muito mais apreciadas do que ouro ou prata. — Testemunhos para a Igreja 6:81.

Ao trabalhar, tende convosco uma Bíblia de bolso, e aproveitai toda oportunidade para entesourar na memória suas preciosas promessas. — The Review and Herald, 27 de Abril de 1905.

Chegará o tempo em que muitos serão privados da Palavra escrita. Se, porém, essa Palavra é gravada na memória, ninguém poderá tirá-la de nós. Manuscript Release 760, 24.

Estudai a Palavra de Deus. Entesourai na memória suas preciosas promessas, para que, quando formos desprovidos de nossas Bíblias, ainda estejamos de posse da Palavra de Deus. — Manuscript Releases 10:298.

Desperta povo de Deus!!

 

 

É Deus Exato?

 

 

exato

Temos alguns estudos bíblicos que são preparados para que na pregação do evangelho os adventistas possam estudar com os não adventistas. Gostaria de analisar o  estudo número 15 do estudo “A Bíblia Fala” que tem como título, “É Deus Exato?”

Este estudo tem o seguinte texto como introdução:

“Enquanto conversava com o ministro de sua igreja, disse uma senhora: “Eu sei que não estou procedendo como devia, mas Deus compreenderá. Estou certa de que Ele passará por alto os pequeninos pecados que faço, contanto que eu seja sincera.” Parece ser esta a atitude de muitos professos cristãos. Estão, com efeito, dizendo, por suas ações, que Deus não é exato, que Ele fecha os olhos ao pecado, contanto que a pessoa professe ser sincera em sua maneira de proceder. A bíblia diz que Deus salva Seu povo dos seus pecados, mas em parte alguma diz que os salvará nos seus pecados.

Ensina a bíblia que Deus tem determinadas leis no universo, e que essas leis existem para proteger a liberdade de Suas criaturas. Existem porque Deus viu que a violação desses princípios traria doenças, tristezas e morte a seus violadores. Em Provérbios 16:25 diz Salomão: “Há caminho, que parece direito ao homem, mas afinal são caminhos de morte.”

O homem que tome arsênico, pensando tratar-se de um xarope para tosse, morrerá tão depressa como outro que tomou o mesmo veneno sabendo que o é. Aquilo que o homem pensa, não modifica a substância do que bebe. O pensar uma pessoa que o errado seja certo, não consegue transformar o errado em certo, o mal em bem.

Verdade é que Deus por vezes tem passado por alto alguns atos maus da humanidade. Agora, porém, já concedeu ao homem bastante esclarecimento, de modo que não há desculpa para o pecado. Disse Jesus aos fariseus: “Se fosseis cegos, não teríeis pecado algum, mas, porque agora dizeis: Nós vemos, subsiste o vosso pecado.” S. João 9:40. S. Paulo, em Atos 17:30, afirma que nos tempos da ignorância dom homem Deus passou por alto sua conduta pecaminosa, mas agora lhe ordena que se arrependa.”

Temos neste estudo também alguns exemplos bíblicos de como é exata a obediência que o Senhor requer do homem. Saul, Uzá, Adão, mulher de Ló, homem de Deus.

Já fiz com algumas pessoas este estudo tentando mostrar sempre que Deus não desculpará as pessoas que deliberadamente não querem obedecer ao Senhor, não querem por exemplo guardar o sábado, se abster de alimentos impróprios que destroem o santuário de Deus, enfim não querem obedecer a Deus segundo as orientações da bíblia.

Descobri recentemente que antes que nós adventistas ministremos este estudo aos não adventistas é necessário que nós o façamos a nós mesmos.

Ou será que o Senhor é exato, apenas para os não adventistas?  Na verdade nossa responsabilidade é maior, vamos recapitular uma parte do texto que nos prova que realmente nossa responsabilidade é maior.

Afirmamos que não somos cegos e que não somos ignorantes quanto a vontade de Deus. Então com certeza o Senhor não passará por alto nossos pecados. Deus está clamando pelo nosso arrependimento, por uma mudança de conduta do nosso povo.

Vejamos um texto, no qual, a serva do Senhor, de uma forma muito clara afirma que Deus deseja livrar a “todos” dos seus pecados e não em seus pecados:

“Mas orar em nome de Cristo significa muito. Quer dizer que havemos de aceitar-Lhe o caráter, manifestar-Lhe o espírito e fazer Suas obras. A promessa do Salvador é dada sob condição. “Se Me amardes”, diz, “guardareis os Meus mandamentos.” João 14:15. Ele salva os homens, não em pecado, mas do pecado; e os que O amam manifestarão seu amor pela obediência.” DTN pág. 668

Veja bem este texto tem aplicações para todos, adventistas e não adventistas.

Na verdade como povo que possui mais luz, temos uma responsabilidade maior de sermos mais santos, mais puros.

“Somos da mesma fé, membros de uma família, filhos todos do mesmo Pai celestial, tendo a mesma bendita esperança da imortalidade. Quão íntimo e terno não deveria ser o laço que nos une! O povo do mundo observa-nos para ver se nossa fé está exercendo influência santificadora sobre nosso coração. São rápidos para discernir qualquer defeito de nossa vida, qualquer incoerência de nossos atos. Não lhe demos ocasião para vituperar nossa fé. …”Maravilhosa Graça pág. 208

“Nós, como povo, professamos possuir mais verdades do que qualquer outro na Terra. Neste caso, nossa conduta e caráter devem também corresponder à nossa profissão.”Testemunhos Seletos vol. 2 pág. 12

O Senhor deseja que ensinemos não apenas por preceitos, mas também pelo exemplo.

“A vida de Cristo deve ser revelada na humanidade. O homem foi o ato culminante da criação de Deus, formado à imagem de Deus e destinado a ser Sua similitude; mas Satanás tem procurado obliterar a imagem de Deus no homem e imprimir-lhe sua própria imagem. O homem é muito precioso a Deus porque foi formado à Sua imagem. Este fato deve impressionar-nos com a importância de ensinar, por preceito e exemplo,o pecado de contaminar, pela condescendência com o apetite ou por qualquer outra prática pecaminosa, o corpo que deve representar a Deus para o mundo. …”Exaltai-O MM 1992 pág.48

“O Filho unigênito do infinito Deus, através de Suas palavras e de Seu exemplo prático, deixou-nos um exemplo simples, que devemos imitar. Por meio de Suas palavras Ele nos ensinou a obedecer a Deus, e por experiência própria nos mostra como podemos obedecer a Deus. Esta é precisamente a obra que Ele deseja todo homem faça: obedecer a Deus inteligentemente, e por preceito e exemplo ensinar aos outros o que precisam fazer, de modo a serem obedientes filhos de Deus.

Jesus ajudou o mundo todo a obter um conhecimento inteligente de Sua missão e obra divinas. Ele veio para representar o caráter do Pai ao nosso mundo, e ao estudarmos a vida, as palavras e obras de Jesus Cristo, seremos auxiliados de todas as maneiras no aprendizado da obediência a Deus; ao imitarmos o exemplo que Ele nos deixou, seremos cartas vivas, conhecidas e lidas por todos os homens. Somos instrumentos humanos vivos para representar no caráter a Jesus Cristo perante o mundo.

Cristo deu não apenas regras explícitas mostrando como podemos nos tornar filhos obedientes, mas também nos mostrou através de Sua própria vida e caráter como fazer as coisas que são corretas e aceitáveis diante de Deus, de modo a não haver desculpa para não fazermos as coisas que são agradáveis a Sua vista. …

O Grande Mestre veio ao nosso mundo para estar à testa da humanidade, e desse modo erguê-la e santificá-la por meio de Sua santa obediência a todos os requisitos divinos, mostrando que é possível obedecer a todos os mandamentos de Deus. Ele demonstrou que uma vida toda de obediência é possível. Como o Pai deu o Seu Filho, assim Ele dá ao mundo homens escolhidos, representativos, para exemplificarem em sua vida a vida de Jesus Cristo. Manuscrito 1, 1892.” Cuidado De Deus pág.  344

“Se Adão não pôde suportar a menor das provas, não poderia ter resistido a uma prova maior, caso houvessem sido confiadas a ele maiores responsabilidades.Se tivesse sido designada a Adão alguma prova grande, aqueles cujo coração, se inclina para o mal desculpar-se-iam então, dizendo: “Isto é uma coisa trivial, e Deus não é tão exigente a respeito de coisas pequenas”. E haveria contínua transgressão em coisas consideradas pequenas, as quais ficam sem reprovação humana. O Senhor, porém, tornou patente que o pecado, em qualquer grau, é ofensivo para Ele.” Patriarcas e Profetas, pág. 61

“É requerida obediência exata, e os que dizem não ser possível levar uma vida perfeita, lançam sobre Deus a acusação de injustiça e falsidade.” – Reimpressões De Review and Herald, vol. 6pág. 519, ver também Review and Herald, 7de fevereiro de 1957, pág. 30. (Lição da Escola Sabatina, 2° trim. 1989, “Triunfo no Presente e Glória no Futuro” pág. 48

Deus seja para sempre louvado!

A Verdade que liberta

 

capa liberdade

“Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará.”João 8:32

Todas as vezes que ouvia ou lia esta frase pensava como as pessoas dessas ou daquelas igrejas precisam conhecer a verdade sobre o sábado, sobre o santuário, a volta de Jesus, Lei de Deus, nova Terra e outras verdades que nós Adventistas acreditamos. Podia pensar em pessoas de todas as igrejas que precisavam conhecer a verdade para serem libertadas. Pensava em todos exceto nos Adventistas do 7° Dia.
Hoje as primeiras pessoas que eu penso são os Adventistas do 7° Dia. Incluindo a mim, é claro.
O que causou esta mudança?
Sem dúvida alguma, foi o fato de Deus ter aberto os meus olhos para que eu visse detalhes muito importantes neste texto como:
1. Para quem Jesus estava falando.
2. A que tipo de conhecimento Jesus estava se referindo.
3. O que realmente é a verdade.
4. Segundo este texto, do que as pessoas precisam ser libertadas.
1. Para quem Jesus estava falando:
Entre as pessoas que estavam ouvindo Jesus estavam os “descendentes de Abraão” (verso 33) – então Jesus estava falando também para o povo de Israel.
Hoje acreditamos que a igreja Adventista do 7° Dia é o “Israel de Deus”. Gál. 6:16
Sendo assim, como Jesus mostrou que esta mensagem se aplicava também ao povo de Israel, hoje também devemos aplicá-la a nós Adventistas do 7° Dia que somos o “Israel de Deus”. Na verdade acredito que esta mensagem deve ser primeiro direcionada para os Adventistas do 7° Dia, na sequência deste estudo compreenderemos o porquê.
2. A que tipo de conhecimento Jesus estava se referindo.
É possível que uma pessoa tenha grande conhecimento da Bíblia Sagrada, personagens, datas, profecias e mesmo assim não ter a vida transformada? Sim é possível.
São pessoas que possuem conhecimento apenas teórico e não prático da palavra de Deus. Aprendem, aprendem, mas não praticam. Não permitem que a palavra os transforme e não se entregam a Deus de forma real.
Sem dúvida alguma o conhecimento a que Jesus estava Se referindo era de entrega, de compromisso com Deus, um conhecimento prático do poder transformador de Deus.
“Um homem pode pregar sermões agradáveis e entretenedores, no entanto estar distanciado de Cristo no que respeita à experiência religiosa. Ele pode ser elevado ao pináculo da grandeza humana, contudo nunca ter experimentado a obra interior de graça que transforma o caráter. Esse tal é enganado por sua ligação e familiaridade com as verdades sagradas do evangelho, que alcançaram o intelecto, mas não foram levadas ao santuário interior da alma. Temos de ter mais do que uma crença intelectual na verdade.”Review and Herald 14/02/1899 (Cristo Nossa Justiça pág. 86 e 87)
“Um conhecimento teórico da verdade é essencial. Mas o conhecimento da maior de todas as verdades não nos salvará; nosso conhecimento deve ser prático.[...] A verdade deve ser levada para dentro de seus corações, santificando-os e purificando-os de todo mundanismo e sensualidade na vida mais privada. O templo da alma deve ser purificado.”- Review and Herald 24/05/1887 ( Cristo Nossa Justiça pág. 88)
3. O que realmente é a verdade.
Antes não pensava que os Adventistas precisavam conhecer a verdade porque para mim a verdade era um conjunto de crenças que estão em harmonia com a Bíblia. Bom, então deduzia que pelo fato dos Adventistas já conhecer este conjunto de crenças não necessitavam mais do conhecimento da verdade.
Hoje acredito que a verdade é um conjunto de crenças que estão em harmonia com a Bíblia e muito mais.
A verdade é Jesus: “Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim.” João 14:6
A verdade é o Senhor Espírito Santo: “…E o Espírito é o que da testemunho, porque o Espírito é a verdade.” 1 João 5:6
Precisamos conhecer a Jesus de uma forma muito íntima, muito pessoal, permitir que o Senhor Espírito Santo faça morada no nosso coração.
Jesus é a verdade que precisamos conhecer. Você conhece Jesus?
4. Do que as pessoas realmente precisam ser libertadas.
“Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” Jo 8:32
Algumas das pessoas para as quais Jesus estava falando não gostaram e disseram: “Responderam-lhe: Somos, descendência de Abrão e jamais fomos escravos de alguém; como dizes tu: Sereis livres?” João 8:33
Jesus agora de uma forma muito clara esclarece a questão e fala para todos do que as pessoas precisam ser libertadas.
“Replicou-lhe Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: Todo o que comete pecado é escravo do pecado. O escravo não fica sempre na casa; o filho, sim, para sempre. Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.”João 8:34-36
A libertação oferecida por Jesus é a libertação plena, real, da escravidão do pecado. Isso é maravilhoso!
O pecado prende, escraviza: “Quanto ao perverso, as suas iniquidades o prenderão, e com as cordas do seu pecado será detido.” Provérbios 5:22
Mas Jesus liberta:
“Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.”João 8:36
“O Espírito do Senhor Deus esta sobre mim, porque o Senhor me ungiu para pregar boas- novas aos quebrantados, enviou-me a curar os quebrantados de coração, a proclamar libertação aos cativos e a pôr em liberdade os algemados.” Isaías 61:1
Vejamos agora este comentário maravilhoso que a serva do Senhor faz desta parte das escrituras.
“Toda alma que recusa entregar-se a Deus, acha-se sob o domínio de outro poder. Não pertence a si mesma. Pode falar de liberdade, mas está na mais vil servidão. Não lhe é permitido ver a beleza da verdade, pois sua mente se encontra sob o poder de Satanás. Enquanto se lisonjeia de seguir os ditames de seu próprio discernimento, obedece à vontade do príncipe das trevas. Cristo veio quebrar as algemas da escravidão do pecado para a alma.”Se pois o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres”.”A lei do Espírito de vida, em Cristo Jesus”nos liberta”da lei do pecado e da morte”. Rom. 8:2.
Não há constrangimento na obra da redenção. Não se exerce nenhuma força externa. Sob a influência do Espírito de Deus, o homem é deixado livre para escolher a quem há de servir. Na mudança que se opera quando a alma se entrega a Cristo, há o mais alto senso de liberdade. A expulsão do pecado é ato da própria alma. Na verdade, não possuímos capacidade para livrar-nos do poder de Satanás; mas quando desejamos ser libertos do pecado e, em nossa grande necessidade, clamamos por um poder fora de nós e a nós superior, as faculdades da alma são revestidas da divina energia do Espírito Santo, e obedecem aos ditames da vontade no cumprir o querer de Deus.
A única condição em que é possível o libertamento do homem, é tornar-se ele um com Cristo. “A verdade vos libertará” (João 8:32); e Cristo é a verdade. O pecado só pode triunfar, enfraquecendo a mente e destruindo a liberdade da alma. A sujeição a Deus é restauração do próprio ser – da verdadeira glória e dignidade do homem. A lei divina, à qual somos postos em sujeição, é a ”lei da liberdade”. Tia. 2:12.” DTN, pág. 466
É fantástico o que o Senhor quer fazer em nossa vida. O Senhor quer nos libertar da escravidão do pecado!
“Seja qual for a má prática, a dominante paixão que, devido à longa condescendência, acorrenta alma e corpo, Cristo é capaz de libertar, e anseia fazê-lo. Comunica vida à alma morta em ofensas. Efés. 2:1. Porá em liberdade o cativo preso pela fraqueza, o infortúnio e as cadeias do pecado.” DTN. Pág. 203
Hoje me entristece constatar que mesmo entre nós Adventistas do 7° Dia são poucos os que acreditam nesta libertação e mais ainda, ver que estes poucos são chamados de extremistas, perfeccionistas e outras coisas mais. Esse é o motivo que me faz pensar primeiro em nosso povo, Adventistas do 7° Dia quando leio ”Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”. Um dia pregaremos essa mensagem para o mundo com grande poder, mas antes, temos que acreditar nela!
No texto a seguir podemos ver o que causou uma grande angústia em Jesus no momento em que Ele estava morrendo para nos salvar. Convido meus irmãos para lerem este texto com muita atenção, pedindo a iluminação de Deus.
“E agora, estava a morrer o Senhor da glória, o Resgate da raça. Entregando a preciosa vida, não foi Cristo sustido por triunfante alegria. Tudo eram opressivas sombras. Não era o temor da morte que O oprimia. Nem a dor e a ignomínia da cruz Lhe causavam a inexprimível angústia. Cristo foi o príncipe dos sofredores; mas Seu sofrimento provinha do senso da malignidade do pecado, o conhecimento de que, mediante a familiaridade com o mal, o homem se tornara cego à enormidade do mesmo. Cristo viu quão profundo é o domínio do pecado no coração humano, quão poucos estariam dispostos a romper com seu poder.” DTN, pág. 752
Depois de ter lido este texto análise sua situação. Você esta entre os que acreditam ou entre os que não acreditam que o homem pode romper com a escravidão do pecado?
Vamos acreditar nesta possibilidade, orar uns pelos outros para que estejamos preparados para o encontro com o Senhor.
“Por quarenta anos a incredulidade, a murmuração e a rebelião excluíram o antigo Israel da terra de Canaã. Os mesmos pecados têm retardado a entrada do Israel moderno na Canaã celestial. Em nenhum dos casos houve falta da parte das promessas de Deus. É a incredulidade, o mundanismo, a falta de consagração e a contenda entre o professo povo de Deus que nos têm detido neste mundo de pecado e dor por tantos anos. Manuscrito 4, 1883.” ME, vol.1 pág. 69

 

 

 

Limpos De Coração

 

foto de coração

É muito comum vermos pessoas fazendo orações pedindo perdão a Deus, realmente devemos fazer isso, Deus é um Pai amoroso que deseja perdoar a todos que realmente se arrependem. O que me incomoda um pouco é que raras vezes vemos essas orações serem acompanhadas também de um pedido de libertação da escravidão do pecado. Não podemos nos contentar em pedir apenas o perdão, nosso Deus também quer nos oferecer o pleno livramento do pecado. Em Salmos 51 vemos Davi confessando a Deus o seu pecado e pedindo perdão, mas é importante observar que juntamente com o perdão Davi também pede ao Senhor; “Cria em mim, ó Deus, um coração puro e renova em mim um espírito reto.”

“A oração de Davi, depois de sua queda, ilustra a natureza da verdadeira tristeza pelo pecado. Seu arrependimento foi sincero e profundo. Não fez nenhum empenho por atenuar a culpa; nenhum desejo de escapar ao juízo que o ameaçava lhe inspirou a oração. Reconheceu a enormidade de sua transgressão; viu a contaminação de sua alma; aborreceu o pecado. Não suplicava unicamente o perdão, mas também um coração puro. Anelava a alegria da santidade – ser reintegrado na harmonia e comunhão com Deus. Era esta a linguagem de sua alma: “Bem-aventurado aquele cuja transgressão é perdoada, e cujo pecado é coberto. Bem-aventurado o homem a quem o Senhor não imputa maldade, e em cujo espírito não há engano.” Sal. 32:1 e 2. “Tem misericórdia de mim, ó Deus, segundo a Tua benignidade; Apaga as minhas transgressões, segundo a multidão das Tuas misericórdias. Porque eu conheço as minhas transgressões, e o meu pecado está sempre diante de mim. Purifica-me com hissopo, e ficarei puro; lava-me, e ficarei mais alvo do que a neve. Cria em mim, ó Deus, um coração puro e renova em mim um espírito reto. Não me lances fora da Tua presença e não retires de mim o Teu Espírito Santo. Torna a dar-me a alegria da Tua salvação e sustém-me com um espírito voluntário. Livra-me dos crimes de sangue, ó Deus, Deus da minha salvação, E a minha língua louvará altamente a Tua justiça.” Sal. 51:1, 3, 7, 10-12 e 14.” Caminho a Cristo, p. 25-26

“Guarda o teu coração”, é o conselho do sábio, “porque dele procedem as saídas da vida.” Prov. 4:23. Conforme o homem “imaginou na sua alma, assim é”. Prov. 23:7. O coração deve ser renovado pela graça divina, ou será em vão procurar pureza de vida. Aquele que tenta edificar um caráter nobre, virtuoso, independente da graça de Cristo, está edificando sua casa sobre areia movediça. Nas cruéis tempestades da tentação certamente será ela derribada. A oração de Davi deve ser a petição de toda alma: “Cria em mim, ó Deus, um coração puro, e renova em mim um espírito reto.” Sal. 51:10. E, tendo-nos tornado participantes do dom celestial, devemos prosseguir até à perfeição, sendo “mediante a fé” “guardados na virtude de Deus”. I Ped. 1:5.’ Mensagem aos Jovens, p. 285

“O perdão de Deus não é meramente um ato judicial pelo qual Ele nos livra da condenação. É não somente perdão pelo pecado, mas livramento do pecado. É o transbordamento de amor redentor que transforma o coração. Davi tinha a verdadeira concepção do perdão ao orar: “Cria em mim, ó Deus, um coração puro e renova em mim um espírito reto.” Sal. 51:10. O Maior Discurso de Cristo, pág. 114.

Todos que realmente desejam a salvação devem lembrar que a promessa é para aqueles que no poder de Deus, alcançaram a purificação do coração. Vamos permitir que realmente Cristo reine no nosso coração. ”Quando Cristo habitar no coração, haverá pureza e refinamento de idéias e maneiras.” Assim pelo poder do Senhor estaremos preparados para alcançarmos a promessa:

Bem-aventurados os limpos de coração, porque verão a Deus. Mateus 5:8.

“A sabedoria, porém, lá do alto é, primeiramente, pura.” Tiago 3:17. Na cidade de Deus não entrará coisa alguma que contamine. Todos quantos houverem de ser seus moradores, hão de se ter tornado aqui puros de coração. A pessoa que está aprendendo de Jesus manifestará crescente desagrado pelas maneiras descuidosas, pela linguagem indecente e pensamentos vulgares. Quando Cristo habitar no coração, haverá pureza e refinamento de idéias e maneiras. Mas as palavras de Jesus: “Bem-aventurados os limpos de coração” (Mateus 5:8), têm um mais profundo sentido — não somente puros no sentido em que o mundo entende a pureza, livres do que é sensual, puros de concupiscências, mas fiéis nos íntimos desígnios e motivos da alma, isentos de orgulho e de interesse egoísta, humildes, abnegados, semelhantes a uma criança. [...] Os limpos de coração vêem a Deus em uma nova e mais carinhosa relação, como seu Salvador; e ao passo que Lhe distinguem a pureza e a beleza do caráter, anelam refletir a Sua imagem. Vêem-nO como um Pai ansioso de abraçar um filho arrependido, e o coração enche-se-lhes de indizível alegria [...] Os limpos de coração percebem o Criador nas obras de Sua poderosa mão, nas belas coisas que enchem o Universo. Em Sua palavra escrita, lêem em mais distintos traços a revelação de Sua misericórdia, Sua bondade e Sua graça. As verdades ocultas aos sábios e entendidos, são reveladas às criancinhas. A beleza e preciosidade da verdade.[...]estão sendo constantemente desdobradas aos que experimentam um confiante e infantil desejo de conhecer e cumprir a vontade de Deus.[ ..]. Os puros de coração vivem como na visível presença de Deus durante o tempo que Ele lhes concede neste mundo. E também O verão face a face no estado futuro, imortal, assim como fazia Adão quando andava e falava com Deus no Éden. “Agora, vemos como em espelho, obscuramente; então, veremos face a face.” 1 Coríntios 13:12. — O Maior Discurso de Cristo, 24-27.  Filhos e Filhas de DEUS 6 de Abril.

Na lição da Escola Sabatina de 1975 encontramos um texto maravilhoso onde vemos que como cristãos devemos buscar no Senhor o perdão e também e a plena libertação do pecado. A vida sem pecado no poder de Deus é possível. O senhor está esperando por aquela geração que acredite e busque a plena purificação do coração. Desperta povo de Deus! Será assim que iremos glorificar o nome de Deus. Deus seja louvado!

 “Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina: persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem.” 1 Tim. 4:16

“A ênfase de Paulo na lição desta semana esta posta na qualidade das pessoas que estejam aptas a proclamar ao homem as boas-novas a respeito de Deus. Esta qualificação é resultado de fé – o homem cooperando com Deus que prometeu suprir tudo que fosse necessário para restaurar no homem a imagem de seu Criador há muito desfigurada. Tais cristãos sabem por experiência própria que Jesus não somente salva o homem da penalidade do pecado, mas também salva-o do poder do pecado.

Mas tal experiência não pressupõe passivamente que nada há que o homem deva fazer para a obtenção desta qualidade de pessoas. Paulo não se cansa de repetir: ‘Trabalhamos e nos esforçamos’. Mas ele sabe que o poder para o esforço, o poder para vencer, não vem dos recursos do homem, mas da dotação do Espírito de Deus. O homem de fé vive uma vida de gratidão, sabendo que a paz que possui  e as vitórias alcançadas são todas devidas a Deus que prometeu ajudá-lo a ficar firme. Ver Judas 24.

Deus espera por aquela geração que alcance este pensamento e viva a verdade que ele contém: homens e mulheres podem viver sem pecado do mesmo modo que Jesus; homens e mulheres podem levar uma vida tal que Deus, sem sentir-Se embaraçado, pode apontá-los como os que ‘guardam os mandamentos de Deus e a fé de Jesus’. Apoc. 14:12. Eles terão aprendido bem a admoestação de Paulo: ’ “Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina: persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem.’ 1 Tim. 4:16” Lição da Escola Sabatina , 1° parte  “A Fé Em Ação” 3º trim. 1975, p.37

“Tudo está pronto.” Até quando vamos continuar rejeitando o perdão e a purificação que o Senhor tem para nos oferecer? Até quando vamos continuar insistindo em vivermos despreparados para o encontro com o Senhor e assim retardando a volta de Jesus?

“Bem-aventurados os limpos de coração, porque verão a Deus.” Mat. 5:8. Como eles veriam a Deus? – do modo como Enoque O viu. Tiveram o privilégio de andar e falar com Deus. Pela fé Enoque viveu trezentos anos na presença de Deus. Contemplou a fé de Jesus. Desfrutou Seu especial favor. Os sacerdotes e maiorais necessitavam exatamente de tal experiência como a de Enoque. Necessitavam do contínuo senso da presença de Deus. Oh! que riquezas da graça o Senhor almejava outorgar ao favorecido povo de Deus! Isso é representado no convite para a ceia preparada para eles: ‘Tudo está pronto.’ Mat. 22:4.” Manuscrito 96, 1897. Este dia com Deus, MM p. 273

Desperta povo de Deus!!!

A humanidade de Cristo

 

Capa Humanidade de Cristo

Cristo, natureza igual a nossa, mas sem propensões pecaminosas.

Temos uma natureza pecaminosa e possuímos propensões ou inclinações para o mal. Será que existe alguma forma de que essas propensões sejam AGORA eliminadas ou subjugadas da nossa vida, ou teremos que viver com elas até o momento da glorificação?

Se realmente não é possível que essas propensões sejam eliminadas antes da glorificação, então podemos afirmar que o máximo possível para o homem em seu atual estado é ter o controle de suas atitudes, mas que, no entanto estará sempre vivendo com inclinação ou propensão para fazer o mal.

Na palavra de Deus vemos que o Senhor quer nos conceder um novo coração.

“Dar-vos-ei coração novo e porei dentro de vós espírito novo; tirarei de vós o coração de pedra e voa darei coração de carne. Porei dentro de vós o meu Espírito e farei com que andeis nos meus estatutos, guardeis os meus juízos e os observeis.” Ezequiel 36:26e27

Então também perguntamos: Será que mesmo estando com este novo coração que o Senhor quer nos conceder, ainda estaremos vivendo sempre com inclinação ou propensão para fazer o mal?

Precisamos compreender melhor o que Cristo fez por nós, assim também compreenderemos melhor o que o Senhor deseja fazer em nós, descobriremos o tipo de vida que pelo poder divino realmente podemos viver.

Cristo assumiu nossa natureza caída, mas não corrompida.

Cristo assumiu a natureza humana enfraquecida pelo pecado, mesmo assim não teve propensões para o pecado por estar sempre conectado ao poder de Deus.

“Ellen White é as vezes bastante explícita sobre a diferença entre Cristo e as outras pessoas. Em 1890, por exemplo, ela escreveu que Cristo”” não assumira a natureza dos anjos, porém a humanidade, perfeitamente idêntica á nossa, mas sem mácula do pecado. … Sua natureza finita era pura e imaculada. …Não devemos tornar-nos comuns e terrenos em nossas idéias, e em nossas idéias pervertidas não devemos pensar que a possibilidade de Cristo ceder às tentações de Satanás degradou Sua humanidade e [que] Ele possuía as mesmas propensões pecaminosas e corruptas do ser humano. … Cristo assumiu nossa natureza caída mas não corrompida.” Ms, 57, 1890 ( Em Busca de Identidade pág. 124 )

O fato de Cristo não ter propensões pecaminosas prova que Cristo tinha uma natureza diferente da nossa? Não!

O que Cristo fez foi provar que os homens, mesmo tendo uma natureza caída podem ser libertados das paixões e corrupções que há no mundo, através do poder de Deus, (Ver 2 Ped. 1:4).

Cristo provou que os homens podem, enquanto estiverem realmente sob a influência do Senhor Espírito Santo também não terão propensões pecaminosas, os homens plenamente guiados pelo Espírito Santo têm propensões ou inclinações para o bem e não para o mal, (Ver Rom. 8:6; Gál. 5:16).

Os homens não possuem nenhuma desculpa para continuarem com suas propensões pecaminosas, pois o Senhor providenciou meios para que o homem, mesmo tendo uma natureza caída, enfraquecida pelo pecado, tenha suas propensões subjugadas, ou eliminadas enquanto estiverem realmente guiados e fortalecidos pelo Senhor Espírito Santo. Esse é o motivo da serva do Senhor nos afirmar no texto a seguir que nós não precisamos reter nenhuma propensão pecaminosa.

Purificação de todo pecado. “Precisamos compreender que pele fé em Cristo é nosso privilégio ser participante da natureza divina e livrar-nos da corrupção das paixões que há no mundo. Então somos purificados de todo pecado, de todos os defeitos de caráter. Não precisamos reter nenhuma propensão pecaminosa.” Comentários de Ellen G. White, SDABC, vol. 7, pág. 943 ( Lição da Escola Sabatina 2° Trim. 1990 pág. 50)

 “Se alguém acaricia e cultiva tendências hereditárias para o mal, condescendendo com inclinações, apetites e paixões carnais, não poderá jamais entrar no reino de Deus. Mas a pessoa que se esforça por reprimir as más inclinações, que está disposta a ser governada pelo Espírito de Jesus Cristo, é transformada. [...]” Cristo Triunfante pág. 187

“As mais baixas paixões têm sua sede no corpo, e por seu intermédio operam. As palavras “carne” ou “carnal” ou ainda “concupiscência da carne” envolvem a natureza inferior, corrupta; a carne por si mesma não pode agir contrariamente à vontade de Deus. É-nos ordenado crucificar a carne com suas afeições e concupiscências. Como o faremos? Devemos infligir sofrimento ao corpo? Não; mas dar morte à tentação do pecado. Os pensamentos corruptos devem ser expulsos. Todo o pensamento deve ser levado cativo a Jesus Cristo. Toda propensão animal deve ser sujeita às faculdades mais altas da alma. O amor de Deus deve reinar supremo; Cristo deve ocupar um trono não dividido. Nosso corpo deve ser considerado como havendo sido comprado. Os membros do corpo devem tornar-se instrumentos de justiça.” O Lar Adventista, págs. 127 e 128. (Mente, Caráter e Personalidade vol. 1 pág.236)

“Ao participarmos da natureza divina, as tendências hereditárias ou cultivadas para o mal são separadas do caráter, e somos tornados uma força viva para o bem. [...] Deus opera, e o homem opera, para que o homem seja um com Cristo assim como Cristo é um com Deus. “- Ellen G. White, Para conhecê-lo (Meditações Matinais, 1965), pág. 95 (Ver também Fil. 2:13; 3:12-15) “As imaculadas vestes da justiça de Cristo são colocadas sobre os provados, tentados mas fiéis filhos de Deus.”- Ellen G. White, Testemunhos Seletos, vol. 2 , pág. 178 (Lição da Escola Sabatina 4° Trim. 1994 pág. 168)

Natureza de Adão antes do pecado: Fortalecida sem a corrupção do pecado, sem propensões.

Natureza humana depois do pecado: Enfraquecida corrompida pelo pecado, com propensões.

Natureza que Cristo assumiu para nos salvar: Enfraquecida, mas sempre fortalecida pelo poder de Deus, não corrompida, sem propensões.

Natureza do salvo em Jesus: Antes enfraquecida, sem Deus, agora fortalecida pelo poder de Deus está livre da corrupção e agora sem propensões ou seja com propensões plenamente subjugadas.

O fato de Cristo não ter propensões pecaminosas e nós termos não era porque somente Ele podia desfrutar de uma condição de vida que nós não podemos desfrutar, pois Ele assumiu a natureza humana tão enfraquecida quanto a nossa, Jesus com essa natureza era susceptível a ter essas propensões, nosso Salvador para Se manter não contaminado pelo pecado e sem propensões para o pecado teve que ter uma vida de absoluta comunhão constante com o Pai. No texto a seguir veremos que se nós permitirmos o Senhor Espírito Santo estará nos guiando de tal forma que nossos impulsos ou propensões também serão santificados, assim alcançaremos a mesma condição de vida que Jesus viveu e continuaremos assim enquanto estivermos realmente vivendo na plenitude do poder do nosso Senhor o Espírito Santo.

“Toda a verdadeira obediência vem do coração. Deste procedia também a de Cristo. E se consentirmos, Ele por tal forma Se identificará com os nossos pensamentos e ideais, dirigirá nosso coração e espírito em tanta conformidade com o Seu querer, que, obedecendo-Lhe, não estaremos senão seguindo nossos próprios impulsos. A vontade, refinada, santificada, encontrará seu mais elevado deleite em fazer o Seu serviço. Quando conhecermos a Deus como nos é dado o privilégio de O conhecer, nossa vida será de contínua obediência. Mediante o apreço do caráter de Cristo, por meio da comunhão com Deus, o pecado se nos tornará aborrecível. DTN, pág.668

“A conversão é uma coisa que a maioria das pessoas não aprecia. Não é coisa pequena transformar um espírito terreno, amante do pecado, e levá-lo a compreender o inexprimível amor de Cristo, os encantos de Sua graça e a excelência de Deus, de maneira que o coração seja possuído de amor divino e se torne cativo dos méritos celestiais.Quando a pessoa compreende essas coisas, sua vida anterior parece desagradável e odiosa. Passa aborrecer o pecado; e, quebrantando o coração diante de Deus, abraça Cristo como a vida e alegria da existência. Renuncia a seus antigos prazeres. Tem mente nova, novas afeições, interesses novos e nova vontade; suas dores, desejos e amor, são todos novos. [...] O Céu que antes não possuía nenhum atrativo, passa a ser considerado em sua riqueza e glória; er o pecador o contempla como sua futura pátria, onde verá,amará e louvará aquele que o redimiu por Seu precioso sangue.” Comentários de Ellen G. White, Lição da E S “Vestes da Graça”2° trim. 2011, p. 89

Não podemos nos acomodar com tendências ou propensões herdadas ou cultivadas para o mal, elas representam imperfeições de caráter e imperfeição de caráter é pecado.

“Deus somente aceitará os que estão decididos a ter um alvo elevado. Coloca cada agente humano sob a obrigação de fazer o melhor. De todos é requerido perfeição moral. Nunca devemos abaixar a norma de justiça com o fim de acomodar à prática do mal, tendências herdadas ou cultivadas. Precisamos compreender que imperfeição de caráter é pecado. Todos os justos atributos de caráter habitam em Deus como um todo perfeito e harmonioso, e todo aquele que aceita a Cristo como Salvador pessoal, tem o privilégio de possuir estes atributos.” Parábolas de Jesus, p. 320

Alguns insistem em afirmar que o fato de Cristo não ter propensões pecaminosas prova que Ele tinha uma natureza diferente da nossa. A diferença entre Cristo e nós é que Cristo nunca foi corrompido pelo pecado e nunca teve propensões para o pecado, já nós somos corrompidos e temos propensões para o pecado. Agora precisamos compreender que essa diferença não significa diferença de natureza, Cristo não veio com algum tipo especial de natureza que, de tal forma, somente Ele conseguiria viver livre dessas propensões para o pecado. Cristo veio com uma natureza exatamente igual a nossa, exceto pelo pecado, mesmo com uma natureza exatamente igual a nossa, tendo as mesmas susceptibilidades físicas e mentais, Jesus não foi corrompido pelo pecado, não teve propensões para o pecado. Provando assim para humanidade que nós também podemos ser libertados de todas as propensões pecaminosas pelo poder de Deus..

“Tive a liberdade e poder para apresentar Jesus, que tomou sobre Si as fraquezas e levou a dor e as tristezas da humanidade, vencendo em nosso favor. Ele foi feito à semelhança de Seus irmãos, com as mesmas susceptibilidades físicas e mentais. Assim como nós, em tudo Ele foi tentado, mas sem pecar; e Ele sabe como socorrer aqueles que são tentados. Estais oprimidos e perplexos? Assim esteve Jesus.Sentis a necessidade de encorajamento? Assim sentia Jesus. Da maneira como vos tenta Satanás, assim tentava ele a majestade do céu.”-RH, 10/02/1885. ( Ellen White e a Humanidade de Cristo pág. 152 )

“Cristo tomou sobre Si os pecados e as fraquezas da raça humana tais quais existiam quando desceu à Terra para ajudar o homem. Em favor do gênero humano, tendo sobre Si as fraquezas do homem caído, deveria resistir às tentações de Satanás em todos os pontos em que o homem seria assediado.[...] Assumiu a natureza humana, e suportou as fraquezas e degeneração da raça.Aquele que não conheceu pecado tornou-se pecado por nós. Humilhou-se às maiores profundezas da miséria humana, a fim de estar qualificado para alcançar o homem, e levá-lo da degradação na qual o pecado o havia mergulhado.”Review and Herald, 28 de Julho de 1874 ( Questões Sobre Doutrina pág. 462 e 463 )

Ele não levou sobre Si sequer a natureza dos anjos, mas a humanidade, perfeitamente idêntica à nossa própria natureza com exceção de Ele não ter a mancha do pecado. [...] Manuscrito 57 de 1890 ( Ellen White e a Humanidade de Cristo pág. 53)

Jesus, natureza igual a nossa, mas sem propensões para pecar.

Novamente afirmamos que Jesus não veio com uma natureza especial na qual somente Ele conseguiria viver sem as propensões para o pecado, isso fica evidente pelo fato do Senhor requerer daqueles que buscam a salvação que, pelo Seu poder busquem uma transformação de vida de tal maneira que tenham eliminadas todas as propensões para o pecado. Dessa forma passaremos a viver como Jesus viveu, estaremos livres dos atos e impulsos pecaminosos “enquanto estivermos realmente sob o pleno poder do Senhor Espírito Santo.” Esse é o resultado de ser co-participante da natureza divina. 2 Pedro 1:4

Purificação de todo pecado. “Precisamos compreender que pele fé em Cristo é nosso privilégio ser participante da natureza divina e livrar-nos da corrupção das paixões que há no mundo. Então somos purificados de todo pecado, de todos os defeitos de caráter. Não precisamos reter nenhuma propensão pecaminosa.” Comentários de Ellen G. White, SDABC, vol. 7, pág. 943 ( Lição da Escola Sabatina 2° Trim. 1990 pág. 50)

“Para toda alma em luta por se erguer de uma vida de pecado a uma de pureza, o grande elemento de poder reside no único nome “debaixo do céu”, “dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos”. Atos 4:12. “Se alguém tem sede” de tranqüilizadora esperança, de libertação de propensões pecaminosas, Cristo diz: “Venha a Mim e beba.” João 7:37. O único remédio para o vício é a graça e o poder de Cristo.” A Ciência DoBom Viver, p. 179

“Não precisamos reter uma só propensão pecaminosa. [...] (Efés. 2:1-6.) [...] Ao participarmos da natureza divina, são eliminadas do caráter as tendências hereditárias e cultivadas para o mal, e tornamo-nos um vivo poder para o bem. Sempre aprendendo do Mestre divino, participando diariamente de Sua natureza, cooperamos com Deus para vencer as tentações de Satanás. Deus atua, e o homem atua, para que este possa ser um com Cristo assim como Cristo é um com Deus. Então nos assentamos com Cristo nos lugares celestiais. A mente descansa com paz e segurança em Jesus. SDA Bible Commentary, vol. 7, pág. 943. Maranata, O Senhor Vem, MM 1977, p.223

Natureza de Adão antes do pecado: Fortalecida sem a corrupção do pecado, sem propensões.

Natureza humana depois do pecado: Enfraquecida corrompida pelo pecado, com propensões.

Natureza que Cristo assumiu para nos salvar: Enfraquecida, mas sempre fortalecida pelo poder de Deus, não corrompida, sem propensões.

Natureza do salvo em Jesus: Antes enfraquecida, sem Deus, agora fortalecida pelo poder de Deus está livre da corrupção e agora sem propensões.

Jesus, natureza igual a nossa, mas sem propensões para pecar.

Outros irmãos, que compreendem que Cristo não assumiu uma natureza como a de Adão antes do pecado, insistem em afirmar que Ele possuía as mesmas propensões ou tendências pecaminosas que nós possuímos. Já vimos nesse trabalho que o Senhor requer na vida daqueles que serão salvos uma transformação de vida onde as inclinações ou propensões pecaminosas foram eliminadas ou subjugadas, então para esses irmãos que acreditam que Cristo possuía propensões para o pecado eu gostaria de fazer a seguinte pergunta:

Será que podemos sequer imaginar que o Senhor requer daqueles que serão salvos uma condição de vida superior, mais santa, do que aquela vivida pelo próprio Cristo quando esteve aqui na Terra para nos salvar? Será que Cristo teve propensões pecaminosas e dos salvos é requerido que não as tenha? É um verdadeiro absurdo pensar nessa possibilidade! Se Deus espera que pelo Seu poder passemos a viver sem inclinações para o pecado é porque Cristo viveu sem elas em nossa natureza, provando que para nós também é possível também passar a viver sem elas, enquanto estivermos ligados a Ele como Cristo esteve. Deus seja louvado!

No começo desse capítulo perguntamos que tipo de vida podemos viver tendo recebido o novo coração que o Senhor deseja nos conceder, nos próximos textos encontramos a resposta, vemos que com este novo coração teremos mais que atitudes santas, teremos também pensamentos e desejos santificados, toda tendência hereditária ou cultivada para o mal será vencida e estará subjugada enquanto estivermos realmente vivendo sob a plena direção do Senhor Espírito Santo. Deus seja para sempre louvado!

“A regeneração é o único caminho pelo qual podemos chegar à cidade santa. É estreito, e a porta pela qual passamos é apertada, mas devemos conduzir homens, mulheres e crianças ao longo desse caminho, ensinando-lhes que a fim de serem salvos, precisam ter um novo coração e um novo espírito. Os velhos traços de caráter hereditários têm de ser vencidos. Os desejos naturais da alma precisam ser modificados. Todo engano, toda falsidade, toda crítica precisam ser removidos. Tem de ser vivida a nova vida, que torna os homens e as mulheres semelhantes a Cristo. Devemos, por assim dizer, nadar contra a correnteza do mal. O caminho para o Céu é estreito, cercado pela divina lei de Jeová. Os que seguem esse caminho precisam negar constantemente o próprio eu. Devem obedecer aos ensinos de Cristo. … Não confiemos no homem, mas em Jesus Cristo, O qual morreu para que pudesse conquistar-nos para a justiça. Carta 103, 1905.” Cuidado De Deus, MM 1995, p. 266

“Os jovens tropeçam especialmente nesta frase: “Um coração novo.” Não sabem o que isso significa. Esperam que se realize uma mudança especial em seus sentimentos. A isso chamam conversão. Nesse erro milhares têm tropeçado para sua ruína, sem compreenderem a expressão: “Necessário vos é nascer de novo.” João 3:7. … Quando Jesus fala do novo coração, quer dizer a mente, a vida, todo o ser. Ter uma mudança de coração é retirar do mundo as afeições, e fixá-las em Cristo. Ter um coração novo é possuir nova mente, novos propósitos, motivos novos. Qual é o sinal de um novo coração? – uma vida transformada. Morre-se diariamente, de hora a hora para o egoísmo e o orgulho.” The Youth’s Instructor, 26 de setembro de 1901. Filhos E Filhas De Deus, MM 1956, p. 100

“Embora não houvesse nenhuma mancha de pecado em Seu caráter, Ele condescendeu em ligar nossa decaída natureza humana com a Sua divindade. Tomando assim a natureza humana, Ele honrou a humanidade. Tendo assumido nossa natureza decaída, Ele demonstrou o que ela poderia tornar-se pela aceitação da ampla provisão que fizera para ela e tornando-se participante da natureza divina.” Carta 81, 1896. Mensagens Escolhidas, vol. 3 Pág. 134

“O poder do mal se estivera fortalecendo por séculos, e alarmante era a submissão dos homens a esse cativeiro satânico. Ao pecado só se poderia resistir e vencer por meio da poderosa operação da terceira pessoa da Trindade, a qual viria, não com energia modificada, mas na plenitude do divino poder. É o Espírito que torna eficaz o que foi realizado pelo Redentor do mundo. É por meio do Espírito que o coração é purificado. Por Ele torna-se o crente participante da natureza divina. Cristo deu Seu Espírito como um poder divino para vencer toda tendência hereditária e cultivada para o mal, e gravar Seu próprio caráter em Sua igreja.” O Desejado de Todas as Nações, pág. 671.

“Não hesitamos em dizer-vos que a fim de obter a herança imortal e a natureza eterna, deveis ser vencedores nesta vida probatória. Tudo que macula e mancha a alma precisa ser removido, precisa ser purificado do coração. Temos de saber o que significa ser participante da natureza divina, havendo escapado das corrupções que pela concupiscência há no mundo. Estais dispostos a guerrear contra as concupiscências da carne? Estais prontos a batalhar contra o inimigo de Deus e do homem? Satanás está resolvido a escravizar toda pessoa, se puder fazê-lo; pois realiza um jogo de desespero para conquistar as almas dos homens de Cristo e da vida eterna. Permitireis que ele vos arrebate as graças do Espírito de Deus e implante em vós sua própria natureza corrupta? ou aceitareis a grande provisão da salvação, e, mediante os méritos do Sacrifício Infinito feito em vosso favor, tornar-vos-eis participantes da natureza divina?” Este Dia Com Deus, pág. 173

“Deus tomou todas as providências para nossos pensamentos se tornarem puros, elevados, aprimorados e enobrecidos. Ele não só prometeu purificar-nos de toda a injustiça, mas tomou uma real providência para o suprimento da graça que nos erguerá os pensamentos para Ele e nos habilitará a apreciar Sua santidade. Podemos reconhecer que somos possessão de Cristo e que devemos manifestar ao mundo o Seu caráter. Preparados pela graça celestial, tornando-nos revestidos da justiça de Cristo, nas vestes nupciais, e somos habilitados para participar da ceia das bodas. Tornamo-nos um com Cristo, participantes da natureza divina, purificados, aprimorados, elevados, sendo reconhecidos como filhos de Deus – herdeiros de Deus e co-herdeiros de Jesus Cristo.” The Youth’s Instructor, 28 de outubro de 1897” Mente, Caráter E Personalidade vol.2, pág. 660

 Cristo preparou o caminho para nossa vitória

Em Cristo podemos vencer, não podemos usar nossa natureza como desculpa para continuarmos no pecado, pelo poder de Deus nossa natureza pode ser transformada e enquanto estivermos na plenitude do Senhor Espírito Santo estaremos livres dos atos pecaminosos e até mesmo das propensões pecaminosas. Deus seja louvado!!!

Em nossa própria força, é-nos impossível escapar a os clamores de nossa natureza caída. Satanás trar-nos-á tentações por esse lado. Cristo sabia que o inimigo viria a toda criatura humana, para se aproveitar da fraqueza hereditária e, por suas falsas insinuações, enredar todos cuja confiança não se firma em Deus. E, passando pelo terreno que devemos atravessar nosso Senhor nos preparou o caminho para a vitória.” DTN, pág. 7

Cristo viveu uma vida de perfeita obediência à Lei de Deus, deixando nisto um exemplo perfeito a toda criatura humana. A vida que Ele viveu neste mundo, devemos nós viver, mediante Seu poder, e sob as Suas instruções.” A Ciência Do Bom Viver, p. 180

“O Salvador tomou sobre Si as enfermidades humanas, e viveu uma vida sem pecado, a fim de os homens não terem nenhum temor de que, devido à fraqueza da natureza humana, eles não pudessem vencer. Cristo veio para nos tornar “participantes da natureza divina” (II Ped. 1:4), e Sua vida declara que a humanidade, unida à divindade, não comete pecado.” A Ciência Do Bom Viver, p. 180

“’As palavras que Eu vos digo, são espírito e vida.’ S. João 6:36. ‘A energia criadora que trouxe à existência os mundos, está na Palavra de Deus. Essa Palavra comunica poder, gera vida. Cada mando é uma promessa, aceito voluntariamente, recebido na alma, traz consigo a vida do Ser infinito. Transforma a natureza, cria de novo a alma à imagem de Deus.”Educação pág.126

“Cristo nos imputa Seu caráter imaculado, e nos apresenta ao Pai em Sua própria pureza. Há muitos que julgam ser impossível escapar do poder do pecado, mas a promessa é que podemos ser cheios da plenitude de Deus. Nós ambicionamos muito pouco. O alvo é muito mais elevado.” Review and Herald, 12 de julho de 1892, (Cristo Nossa Justiça p. 109)

“Perfeita conformidade com a vontade de Deus é o elevado alvo que o cristão deve sempre ter em mente.” My Life Today, p. 293, (Lição da E.S. “Vida Santa em Tempos Difíceis” 1973, p.33ª)

“A enobrecedora influência da graça de Deus muda a disposição natural do homem. O Céu não seria um lugar desejável à mente carnal; seu coração natural, não santificado, não sentiria nenhuma atração para esse puro e santo lugar; e se lhes fosse possível ali entrar, nada encontrariam que lhes fosse afim. As tendências que controlam o coração natural devem ser subjugadas pela graça de Cristo, antes que o homem caído esteja em condições de entrar no Céu, e partilhar da comunhão com os anjos puros e santos. Quando o homem morre para o pecado, e passa a viver nova vida em Cristo, divino amor enche-lhe o coração; seu entendimento é santificado; ele bebe da inesgotável fonte de alegria e conhecimento; e brilha em seu caminho a luz de um eterno dia, pois com ele está continuamente a luz da vida.” Atos Dos Apóstolos p. 273

“A velha natureza, nascida do sangue e da vontade da carne, não pode herdar o reino de Deus. Os velhos caminhos, as tendências hereditárias, os hábitos antigos precisam ser abandonados; pois a graça não é herdada. O novo nascimento consiste em ter novos intuitos, novos gostos, novas tendências. Os que, pelo Espírito Santo, são gerados para uma nova vida, tornaram-se participantes da natureza divina, e em todos os seus hábitos e práticas evidenciarão sua relação com Cristo. Quando homens que alegam ser cristãos retêm todos os seus defeitos naturais de caráter e disposição, em que a sua posição difere da dos mundanos? Eles não apreciam a verdade como elemento santificador e refinador. Não nasceram de novo. [...] A genuína conversão modifica as tendências hereditárias e cultivadas para o mal. A religião de Deus é uma textura firme, composta de inúmeros fios entrelaçados com tato e habilidade. Unicamente a sabedoria que provém de Deus pode completar essa textura. Há muitíssimas espécies de tecidos que a princípio têm excelente aspecto, mas não conseguem resistir à prova. Eles desbotam. As cores não são fixas. Sob o calor do verão elas se desvanecem e se dissipam. O tecido não suporta as asperezas do manuseio.” Maranata O Senhor Vem pág.235

Por tudo que Cristo já fez por nós e pelo que Ele deseja fazer em nós devemos ter como objetivo a perfeição de caráter, uma vida com propensões para o bem, impulsos santificados, uma vida de plena libertação da escravidão do pecado no poder de Deus, assim estará vivendo a geração de salvos que contemplará Jesus vindo sobre as nuvens do Céu.

“O amor é o fundamento da piedade. Qualquer que seja a fé, ninguém tem verdadeiro amor a Deus se não manifestar amor desinteressado pelo seu irmão. Mas nunca poderemos possuir esse espírito apenas tentando amar os outros. O que é necessário é o amor de Cristo no coração. Quando o eu está imerso em Cristo, o amor brota espontaneamente. A perfeição de caráter do cristão é alcançada quando o impulso de auxiliar e abençoar a outros brotar constantemente do íntimo - quando a luz do Céu encher o coração e for revelada no semblante.” Parábolas De Jesus, p. 384

“Não amemos de palavra, nem de língua, mas por obra e em verdade” (I João 3:18), escreveu o apóstolo. Atinge-se a plenitude do caráter de Cristo quando o impulso para auxiliar e abençoar a outros brota constantemente do íntimo. É a atmosfera desse amor circundando a alma do crente que o torna um cheiro de vida para vida, e permite que Deus lhe abençoe o serviço.” Atos Dos Apóstolos, p. 551

“Que nossa alma se dilate e eleve, a fim de que Deus nos possa proporcionar um hausto da atmosfera celeste. Podemo-nos conservar tão achegados a Deus que, em cada inesperada provação, nossos pensamentos para Ele se volvam tão naturalmente como a flor se volta para o Sol.” Caminho A Cristo p. 100

“Quando, na plenitude dos tempos, o Filho do Deus infinito saiu do seio do Pai e veio a este mundo. Ele veio sobre o manto da humanidade, revestindo a Divindade com a humanidade. Pai e Filho, em consulta, decidiram que Cristo viria ao mundo como um bebê e viveria igual aos seres humanos, desde a infância até a idade adulta, sofrendo as provas que devem suportar e, ao mesmo tempo, vivendo sem pecado, para que os seres humanos vissem nEle um exemplo do que poderiam se tornar, e para saber por experiência como ajudá-los em suas lutas com o pecado. Ele foi tentado como ser humano é tentado, provado como o ser humano é provado. A Sua vida neste mundo, os seres humanos podem viver, por Seu poder e sob Sua guarda.” Comentários de Ellen G. White, lição da E S, “O evangelho em Gálatas” p. 51

Deus seja louvado pelo que fez e pelo que deseja fazer em nós!!!

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.