A perfeição de Abraão

abraaoAo tratar do assunto “perfeição” alguns irmãos acreditam que o Senhor pode considerar perfeito um homem que em determinadas ocasiões peca, um homem que em determinadas ocasiões ainda demonstra algum defeito de caráter. Para comprovar esta crença citam a vida de Abraão como um exemplo de homem considerado perfeito na bíblia embora ainda revelasse em sua vida atos de uma pessoa imperfeita. (Veja Nisto Cremos pág. 160) 

Existe a possibilidade que Senhor considere um homem justo, íntegro, reto ou perfeito estando ele ainda em pecado, demonstrando ainda possuir algum defeito de caráter? Vejamos a seguir textos da lição da escola sabatina que nos mostram em que condições o Senhor considera um homem justo. 

– Quando Deus considera justo

Quando o Senhor considera que um homem é justo, que foi justificado em Jesus Cristo, é porque ele foi libertado da condenação e também libertado do pecado.

Vejamos este comentário da lição da escola sabatina:

“O estudo do verbo imputar no Antigo Testamento revela que Deus nunca considera que alguém é alguma coisa que ele não é. Por exemplo, Finéias foi considerado como justo porque, em virtude de sua união com Deus, ele era justo. (Ver Sal. 106:30 e 31; Núm. 25:10-13.) Pode-se dizer a mesma coisa de Abraão. A justiça lhe foi imputada porque sua fé envolveu total união com o Deus do concerto eterno. A imputação expressava a realidade de que a justiça de Deus tomara posse da vida de Abraão. Como é salientado pela lição, a imputação da justiça (justificação) é a concessão da justiça de Cristo ao crente pelo Espírito Santo. Esta experiência é a fonte de nosso poder espiritual.” Lição da Escola Sabatina 2° Trim. 1990, pág. 63 – Cristo O Único Caminho

“Em nenhuma das 41 vezes que o verbo justificar é usado no Antigo Testamento Hebraico Deus declara justo a alguém que não o é . por exemplo, Êxodo 23:7 diz o seguinte:”Da falsa acusação te afastarás; não matarás o inocente e o justo, porque não justificarei o ímpio.” O ponto é que o Senhor nunca declara justo àquele que não se tornou justo pela relação do conserto com Ele. Essa relação abrange a presença de Deus na vida. Ele declara justos àqueles que são justos em virtude de Sua presença na vida deles. Sal. 143:2 diz que “frente a Ti nenhum vivente é justo” (BJ). (Comparar com Jó 9:15.) Nenhuma pessoa, nem mesmo Jó, pode afirmar que possui justiça independentemente do Senhor. Justiça à vista de Deus é o resultado de Sua presença divina no coração do crente. (Ver Isaías 51:7; 61:3; 32:15 e 16; 45:24; Sal. 103:17 e 18; Osé. 10:12.) lemos em Isaías 53:11: “O meu Servo, o Justo, com o seu conhecimento, justificará a muitos .” A frase também pode ser traduzida desta maneira: “Pelo seu conhecimento o Meu Servo justo fará com que muitos se tornem justos.”

J. A. Ziesler comenta:”Também é possível que eles sejam justos devido à ação vicária do Servo e na medida em que outros O reconheçam como seu representante […] O Servo pode ser a causa não de muitos serem considerados justos, mas de realmente de serem justos.”- The Meaning of Righteousness in Paul (Cambridge: University press, 1972), pág.19.

H.H. Rowley diz o seguinte sobre o mesmo verso: “A palavra traduzida por justificar é comumente um termo forense, que significa declarar que a pessoa está com a razão. Aqui, porém, ela não pode ter esse significado. Se homens que estão cientes do seu pecado são declarado justos, isto se dá porque eles se tornaram justos. Separaram-se de seus pecados e foram purificados em sua natureza interior.” From Moses to Qumran:Studies in the Old Testament (Nova Iorque: Associated Press, 1963), pág. 102.

Romanos 6:18 descreve os cristãos que experimentam a justificação: “E, uma vez libertados do pecado, fostes feitos servos da justiça.”Para satisfazer os reclamos da lei, nossa fé tem de apoderar-se da justiça de Cristo, aceitando-a como nossa justiça. Mediante a união com Cristo, mediante a aceitação de Sua justiça pela fé, podemos ser habilitados para fazer as obras de Deus e ser cooperadores de Cristo.” Mensagens Escolhidas, vol. 1, pág. 374 ver também a pág. 394

Estude também Romanos 10:6-10; 8:9e10; 6:7; Gál.2:16 a 3:9

Lição da Escola Sabatina 2° trim. 1990, “Cristo O Único Caminho” pág. 46 e 47.

Vimos na lição que são considerados justos aqueles que: Separaram-se de seus pecados e foram purificados em sua natureza interior.”

Vamos analisar o que a serva do Senhor escreveu sobre a vida de Abraão e analisar se o Senhor realmente o considerou perfeito ignorando seus pecados ocasionais e analisar também o tipo de obediência que o Senhor requer do homem.

“Deus havia chamado Abraão para ser o pai dos fiéis, e sua vida devia ser um exemplo de fé para as gerações subseqüentes. Mas sua fé não tinha sido perfeita. Mostrara falta de confiança em Deus, ocultando o fato de que Sara era sua esposa, e novamente com o seu casamento com Hagar. Para que atingisse a mais elevada norma, Deus o sujeitou a outra prova, a mais severa que o homem jamais foi chamado a suportar. Em uma visão da noite foi-lhe determinado que se dirigisse à terra de Moriá, e ali oferecesse seu filho em holocausto sobre um monte que lhe seria mostrado.” Ellen G. White, Patriarcas e Profetas pág. 147

Vemos claramente que no momento em que Abraão cometeu os pecados ao ocultar que Sara era sua esposa e se casar com Hagar, naquele momento, Abraão ainda não havia atingido  a mais elevada norma”. Se Abraão ainda não havia atingido a “mais elevada norma” então nós não podemos afirmar que naquele momento Abraão era considerado perfeito, porque “a mais elevada norma” é o estado de santidade que o Senhor requer do homem, a perfeição de caráter e Abraão ainda não havia atingido esse nível de santidade.

“O sacrifício exigido de Abraão não foi somente para seu próprio bem, nem apenas para o benefício das gerações que se seguiram; mas também foi para instrução dos seres destituídos de pecado, no Céu e em outros mundos. O campo do conflito entre Cristo e Satanás – campo este em que o plano da salvação se encontra formulado – é o compêndio do Universo. Porquanto Abraão mostrara falta de fé nas promessas de Deus, Satanás o acusara perante os anjos e perante Deus de ter deixado de satisfazer as condições do concerto, e de ser indigno das bênçãos do mesmo concerto. Deus desejou provar a lealdade de Seu servo perante o Céu todo, para demonstrar que nada menos que perfeita obediência pode ser aceito, e para patentear de maneira mais ampla, perante eles, o plano da salvação.” Patriarcas e Profetas pág. 154-155

O Senhor não aceita nada menos que perfeita obediência”. Ele não ignora os pecados ocasionais. Não podemos ter como referência o momento em que Abraão estava demonstrando falta de fé. A principal lição de Abraão para nós não são suas faltas e sim aquele momento que ele estava disposto a sacrificar seu filho demonstrando total  confiança em Deus. O Senhor havia sujeitado Abraão a esta prova para que ele atingisse “a mais elevada norma” e pela graça de Deus ele foi vitorioso. Foi naquele momento que Abraão pôde ser considerado justo, íntegro e perfeito.

“Os seres celestiais cooperarão com o agente humano que procura com fé decidida a perfeição de caráter que se manifeste na ação perfeita. A todo que se empenha nesta obra, Cristo diz: Estou à tua destra, para te auxiliar.” Ellen G. White, Parábolas de Jesus pág. 332

Oração: “Ensina-me o Teu caminho, para que eu não erre. Qual é o Teu desejo a meu respeito? Que farei para honrar-Te, meu Deus?” Ellen G. White, Eventos Finais, pág. 71

Deus, somente Deus seja louvado em nossa vida!

Anúncios

No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: