Archive for junho \28\UTC 2013|Monthly archive page

Lição da escola sabatina: Reavivamento e Reforma

Lição reavivamento e reformaDesastres naturais, aumento das doenças, violência, fome e outras coisas mais são cumprimento de profecias indicando que o fim está próximo. Vivemos os últimos dias deste mundo de dor e sofrimento e sendo assim será de grande valia estudarmos o tema Reavivamento e Reforma que iniciaremos esta semana.

Povo de Deus, peçamos ao Senhor Espírito Santo que nos encha de sabedoria para podermos ter plena compreensão da mensagem de Deus para nós nestes estudos que faremos. Que o Senhor nos ajude para que a mensagem desta lição possa ser compreendida e aceita e vivida. Atendamos ao convite:

 “Um reavivamento da verdadeira piedade entre nós, eis a maior e a mais urgente de todas as nossas necessidades.” Mensagens Escolhidas vol. 1 pág. 121

Neste terceiro trimestre de 2013 estaremos estudando a lição intitulada Reavivamento e Reforma de autoria do Pr. Mark Finley.  Na introdução da lição encontramos quatro importantíssimas perguntas que seguem:

  1. Será que Deus está esperando algum momento mágico para derramar o Espírito Santo sobre a igreja?
  2. O que significa uma vida cheia do Espírito?
  3. Há algo que possamos fazer para cooperar com Deus, a fim de receber o Espírito Santo?
  4. Onde começam o reavivamento e a reforma?

Desafiamos nossos queridos irmãos a responderem estas perguntas no decorrer dos 13 estudos que seguirão até o final de setembro. Com certeza será um grande aprendizado, mais ainda, um preparo para o encontro com Jesus em breve.

Ao final do trimestre apresentaremos os textos desta lição onde encontramos as respostas a estas questões. Estas respostas são extremamente importantes para nossa salvação e que, portanto, não deverão ficar sem respostas.

Apresentaremos também outros textos do Espírito de profecia que não estão nessa lição e que tratam do tema reavivamento e reforma como forma de esclarecimento e complemento para nosso estudo. A lição Reavivamento e Reforma (3° trim. 2013) está maravilhosa. Além das respostas que postaremos ao final do trimestre, a cada semana estaremos apresentando um pequeno comentário sobre a lição da semana.

Reavivamento e reforma  são assuntos de extrema importância para este momento da igreja e nada acontece por acaso: “Para tudo há uma ocasião, e um tempo para cada propósito debaixo do céu.” Eclesiastes 3:1. Portanto, atendamos ao momento desta graça divina acontecer em nossa vida. Deus está nos fazendo um convite para ressuscitarmos espiritualmente em Cristo.

Assim, cheios de poder do Senhor Espírito Santo atuando em nós ricamente, que a nossa conversão seja genuína e que pelo poder do Senhor, esta mensagem seja realmente praticada na nossa vida. Somente assim, compreendendo, aceitando e praticando o verdadeiro reavivamento espiritual, pelo poder de Deus, alcançaremos a libertação deste mundo.

Que o Senhor nos ajude e nos ilumine! MARANATA!

Reavivamento: nossa grande necessidade

Lápide morto espiritualmente

Somos uma igreja composta por membros que ainda estão “mortos em ofensas e pecados” (Ver Efé. 2:4-7, Col. 2:13). Para mudarmos esta situação, sem dúvida alguma, o reavivamento é nossa grande e urgente necessidade.

Definindo reavivamento temos:

“Reavivamento significa renovação da vida espiritual, um avivamento das faculdades da mente e do coração, uma ressurreição da morte espiritual.” Mensagens Escolhidas vol. 1 pág. 128.

A lição da escola sabatina deste trimestre destaca o texto a seguir que descreve as características que a igreja de Deus possui:

“No momento em que a água chegava em Laodicéia, estava morna. Jesus usou esse simbolismo para representar a condição de Sua igreja nos últimos dias, descrita como autoconfiante, complacente, apática e indiferente espiritualmente. Uma igreja que perdeu sua paixão e que precisa de um reavivamento espiritual.” Lição da E. S., 3° trim. 2013, Reavivamento e Reforma, pág. 3

Lamentavelmente a igreja de Deus, ignorando sua real condição e sua necessidade de mudança, insiste em ser “[…] autoconfiante, complacente, apática e indiferente espiritualmente.”

A igreja de Deus está dormindo ou negando os princípios divinos neste tempo de grande perigo. Pior ainda é que nela existem os que reagem de forma negativa contra aqueles que tentam despertá-la desse sono letal. Misericórdia Senhor!

Precisamos admitir que, insistir em permanecer no pecado ou com algum pecado, é continuar rejeitando o reavivamento que o Senhor deseja nos oferecer. É continuar rejeitando a plenitude do Senhor Espírito Santo.

O Senhor pode “hoje” mudar nossa condição

Precisamos acreditar e aceitar que no poder do Senhor, é possível a plena libertação da escravidão do pecado.

“Em Apocalipse 3:14, a palavra grega para “princípio” é archê. Pode significar “princípio” no sentido de que a pessoa a quem ela se refere é o iniciador do evento ou ação. Nesse contexto, archê se refere a Jesus como Aquele que dá início, ou é a causa primeira de toda criação. Em outras palavras, Ele é o criador (João 1:1-3; Ef. 3:8-9). Isso é extremamente significativo. Jesus, que por Sua palavra trouxe os mundos à existência, que criou a terra. Aquele cuja palavra fez com que existisse vida, esse mesmo Jesus falou de esperança para Laodiceia. O Criador todo-poderoso pode criar nova vida. Pode criar novos anseios espirituais em nosso coração. Ele pode transformar nossa vida espiritual.” Lição da E. S., 3° trim. 2013, Reavivamento e Reforma, pág. 4

Destacando: “O Criador todo-poderoso pode criar nova vida. Pode criar novos anseios espirituais em nosso coração. Ele pode transformar nossa vida espiritual.”

O mesmo Deus todo-poderoso que criou os Céus e a Terra pode nos transformar de tal forma que, enquanto estivermos permitindo que Ele realmente reine em nosso coração estaremos vivendo completamente libertados da escravidão do pecado. Deus seja louvado!

Não podemos ficar como cegos diante desta possibilidade

Que o Senhor continue nos iluminando, ilumine também a liderança da igreja, para que vejamos e aceitemos essa grande verdade, a possibilidade de transformação da nossa vida operada pelo Senhor Espírito Santo, de nos libertar da escravidão do pecado agora, antes que seja demasiado tarde.

Deus pode nos curar da cegueira espiritual

“Um dos enganos fatais de Satanás é cegar-nos para a realidade de nossas necessidades espirituais. Alguns dos líderes religiosos do tempo de Jesus eram cegos para a própria pobreza espiritual. Eles eram membros da “igreja” que, enquanto esperavam a vinda do Messias, liam a bíblia, guardavam o sábado e devolviam o dízimo. No entanto, muitos estavam em trevas quanto ao tipo de reino espiritual que o Messias anunciaria. Jesus os chamou de “guias cegos” (Mat. 23:24). Paulo escreveu à igreja de Corinto sobre os incrédulos “nos quais o deus desse século cegou o entendimento” (2 Cor. 4:4). Se permitirmos, Ele vai restaurar nossa visão espiritual perdida. Por isso, Jesus disse que veio para proclamar a “restauração da vista aos cegos” (Lc 4:18). Se permitirmos, Ele vai restaurar nossa visão espiritual perdida. No Novo Testamento, toda vez que Jesus abria os olhos dos cegos, estava revelando Seu desejo de abrir os olhos da nossa mente, a fim de nos habilitar a vê-Lo claramente.” Lição da E. S., 3° trim. 2013, Reavivamento e Reforma, pág. 6

Clamemos assim: “Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece as minhas inquietações. Vê se em minha conduta algo que te ofende, e dirige-me pelo caminho eterno.”  Salmos 139:23-24

Uma repreensão amorosa

“Nosso Senhor ama tanto Seu povo que não quer permitir a perdição dele. Deus fará o que for preciso para reacender a chama espiritual no coração desse povo. Sua forte repreensão é motivada por um amor ainda mais forte. O castigo revela Seu desejo de nos curar. O profeta Oséias ecoa esse sentimento com esse chamado ao arrependimento. “Vinde, e tornemos para o Senhor, porque Ele nos despedaçou e nos sarará; fez a ferida e a ligará” (Os. 6:1). Lição da E. S., 3° trim. 2013, Reavivamento e Reforma, pág. 5

“As vestiduras brancas são a justiça de Cristo, que pode ser introduzida no caráter. Pureza de coração e de motivo caracterizarão os que estão lavando suas vestiduras e tornando-as brancas no sangue do cordeiro” (Ellen G. White, The Advent Review e Sabbath Herald [A Revista do Advento e Arauto do Sábado], 24 de julho de 1888). Lição da E. S. 3° trim. 2013, Reavivamento e Reforma, pág. 9

Que os nossos professores atendam realmente o apelo da lição na pág. 10:

“Enfatize que a mensagem a Laodiceia, em Apocalipse 3, é o apelo de Deus para irmãos além da experiência cristã casual (que nos custa pouco), para uma vida de total comprometimento com Jesus. Esse apelo não é apenas para abandonarmos atitudes e hábitos que nos separam de Jesus, mas para conhecermos e amarmos a Cristo de modo tão profundo que jamais pensaríamos em desagradar Aquele que tanto nos ama.” Lição da E. S., 3° trim. 2013, Reavivamento e Reforma, pág. 10, (Texto adicional na lição de professores).

“Um poderoso reavivamento ocorrerá em Seu povo. Cristo santificará e purificará Sua igreja a fim de que ela seja apresentada diante dEle “sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante” e para apresentá-la como “igreja gloriosa” diante do trono de Deus.” Lição da E. S., 3° trim. 2013, Reavivamento e Reforma, pág. 12, (Texto adicional na lição de professores).

Para melhor compreensão dos assuntos abordados, aconselhamos que os irmãos leiam os artigos a seguir. Estes artigos estão intimamente ligados ao estudo da lição desta semana.

Deus seja para sempre louvado!

O verdadeiro servo de Deus

Bom servoVigiai, pois, porque não sabeis a que hora há de vir o vosso Senhor. Mas considerai isto: se o pai de família soubesse a que vigília da noite havia de vir o ladrão, vigiaria e não deixaria minar a sua casa. Por isso, estai vós apercebidos também; porque o Filho do homem há de vir à hora em que não penseis.”  Mateus 24:42-44

O Senhor deseja que nós estejamos atentos, vigilantes e buscando o devido preparo para não sermos encontrados despreparados na volta de Jesus.

Mas como o Senhor quer que vigiemos? Será aquele tipo de vigilância vivendo uma obediência forçada, legalista, que não é motivada pelo amor, mas sim motivada simplesmente pelo medo de perder a salvação?

Devemos lembrar que tudo que não é motivado pelo amor o Senhor não aceita. Esta afirmação é confirmada através do texto da carta de Paulo aos Coríntios: “Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria. E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.” 1 Coríntios 13:1-3

Sempre diante de algum acontecimento que indica que a vinda de Jesus está próxima, as pessoas procuram mais a Deus fazendo a Sua vontade. Mas aqueles que nesses momentos alarmantes buscam a Deus simplesmente motivados pelo medo de perderem a salvação, com o passar do tempo deixam de acreditar que Jesus está voltando e então voltam para aquela vida negligente de conformidade com os erros e costumes mundanos.

A vigilância que o Senhor espera de nós é aquela motivada pelo amor. Aqueles que amam a Deus estarão vigilantes vivendo a santidade no poder do Senhor. Estes verdadeiros servos de Deus foram transformados pelo nosso Senhor Espírito Santo. Portanto possuem inclinação para as coisas do Espírito, sentem prazer nas coisas de Deus e o medo que sentem é o de desonrar o Seu nome, querem viver de forma que glorifique a Deus, estão ansiosos para encontrarem ao Senhor. 

O verdadeiro servo de Deus quando pensa que talvez ainda passe muito tempo antes que Jesus volte sente tristeza. Mesmo assim, continua procurando no poder do Senhor, viver em conformidade com os princípios divinos porque continua querendo viver glorificando ao Senhor. Continua também não querendo desonrar o Seu nome, mesmo sabendo que talvez morra nesse mundo. Continua buscando no Senhor força e poder para que enquanto aqui viver, viva como filho do Rei. 

Bem-aventurado aquele servo que o seu senhor, quando vier, achar servindo assim.”  Mateus 24:46

A seguir um comentário precioso de Ellen White a respeito de Mateus 24:46 e de nossa preparação para volta do Senhor:

“Como não sabemos o tempo exato de Sua vinda, somos advertidos a vigiar. “Bem-aventurados aqueles servos, os quais, quando o Senhor vier, achar vigiando!” Luc. 12:37 e 42. Os que vigiam, à espera da vinda do Senhor, não aguardam em ociosa expectativa. A expectação da vinda do Senhor fará os homens temerem-nO, bem como aos Seus juízos contra a transgressão. Deve despertá-los para o grande pecado de Lhe rejeitar os oferecimentos de misericórdia. Os que aguardam o Senhor, purificam a alma pela obediência da verdade. Com a vigilante espera, combinam ativo serviço. Como sabem que o Senhor está às portas, seu zelo é avivado para cooperar com as forças divinas para salvação de almas. Estes são os sábios e fiéis servos que dão “o sustento a seu tempo” à casa do Senhor. Estão declarando a verdade especialmente aplicável a este tempo. Como Enoque, Noé, Abraão e Moisés, cada um declarou a verdade para seu tempo, assim hão de os servos de Cristo agora dar a especial advertência para sua geração.

Mas Cristo apresenta outra classe: “Porém, se aquele mau servo disser consigo: O meu Senhor tarde virá; e começar a espancar os seus conservos, e a comer e a beber com os ébrios, virá o Senhor daquele servo num dia em que O não espera.”  Mat. 24:48-50.

O mau servo diz em seu coração: “O meu Senhor tarde virá.” Não diz que Cristo não virá. Não zomba da idéia de Sua segunda vinda. Mas, em seu coração e por suas ações e palavras declara que a vinda do Senhor demora. Afasta da mente dos outros a convicção de que o Senhor presto virá. Sua influência leva os homens a uma presunçosa, negligente demora. São confirmados em sua mundanidade e torpor. Paixões terrestres, pensamentos corruptos tomam posse da mente. O mau servo come e bebe com os bêbados, une-se com o mundo na busca do prazer. Espanca seus conservos, acusando e condenando aqueles que são fiéis a seu Mestre. Mistura-se com o mundo. Sendo semelhantes, crescem ambos na transgressão. É uma assimilação terrível. É colhido no laço juntamente com o mundo. “Virá o senhor daquele servo… à hora em que ele não sabe, e separá-lo-á, e destinará a sua parte com os hipócritas.” Mat. 24:50 e 51.” O Desejado De Todas As Nações, pág. 624-635

Que seja o desejo de cada um de nós termos o coração completamente transformado pela graça de Deus para que vivamos como leais servos que amam ao Senhor e não como um servo mau que está desonrando o nome do Seu Senhor.

“E dar-vos-ei um coração novo, e porei dentro de vós um espírito novo; e tirarei da vossa carne o coração de pedra, e vos darei um coração de carne.
E porei dentro de vós o meu Espírito, e farei que andeis nos meus estatutos, e guardeis os meus juízos, e os observeis.” Ezequiel 36:26-27

“Ouvi, meus amados irmãos: Porventura não escolheu Deus aos pobres deste mundo para serem ricos na fé, e herdeiros do reino que prometeu aos que o amam?”  Tiago 2:5

“Bem-aventurado o homem que suporta a tentação; porque, quando for provado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor tem prometido aos que o amam.” Tiago 1:12

“E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.” Romanos 8:28

“Mas, como está escrito: As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, E não subiram ao coração do homem, São as que Deus preparou para os que o amam.” 1 Coríntios 2:9

“Saberás, pois, que o SENHOR teu Deus, ele é Deus, o Deus fiel, que guarda a aliança e a misericórdia até mil gerações aos que o amam e guardam os seus mandamentos.” 
Deuteronômio 7:9

Deus seja para sempre louvado!

Paz interior em um mundo repleto de conflitos e divisões

Paz

O que acontecerá aos verdadeiros e fiéis servos de Deus?

“Todo o que nesse dia mau se dispuser a servir a Deus com destemor, segundo os ditames de sua consciência, necessitará de coragem, firmeza e do conhecimento de Deus e Sua Palavra; pois os que forem fiéis a Deus serão perseguidos, seus motivos impugnados, desvirtuados seus melhores esforços e seus nomes repudiados como um mal. Satanás trabalhará com todo o seu poder enganador para influenciar o coração e obscurecer o entendimento, a fim de que o mal pareça bem, e o bem mal. Quanto mais forte e mais pura a fé do povo de Deus, e mais firme sua determinação de obedecer-Lhe, tanto mais ferozmente procurará Satanás instigar contra eles a ira daqueles que, embora se declarando justos, tripudiam sobre a lei de Deus. Requererá a mais firme confiança, o mais heróico propósito reter firme a fé que uma vez foi entregue aos santos.” Atos Dos Apóstolos, pág. 431

 Membros apostatados se tornarão os piores inimigos dos servos de Deus.

“Ao aproximar-se a tempestade, uma classe numerosa que tem professado fé na mensagem do terceiro anjo, mas não tem sido santificada pela obediência à verdade, abandona sua posição, passando para as fileiras do adversário. Unindo-se ao mundo e participando de seu espírito, chegaram a ver as coisas quase sob a mesma luz; e, em vindo a prova, estão prontos a escolher o lado fácil, popular. Homens de talento e maneiras agradáveis, que se haviam já regozijado na verdade, empregam sua capacidade em enganar e transviar as almas. Tornam-se os piores inimigos de seus antigos irmãos.” O Grande Conflito, pág.608

Mesmo diante desses grandes desafios a verdade não deve ser renunciada.

“Não penseis que vim trazer paz à Terra; não vim trazer paz, mas espada.”   Mat. 10:34.

“A paz que Cristo chama Sua paz, e que Ele legou a Seus discípulos, não é uma paz que impede todas as divisões; mas é uma paz concedida e desfrutada em meio a divisões. A paz que o fiel defensor da causa de Cristo tem é a consciência de que está realizando a vontade de Deus e refletindo Sua glória em boas obras. É uma paz interna, antes que externa. De fora estão as guerras e disputas mediante a oposição de reconhecidos inimigos e a frieza e suspeita mesmo daqueles que se dizem amigos.  Cristo insta com Seus seguidores: “Amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem.” Mat. 5:44. Ele deseja que amemos aqueles que nos oprimem e nos prejudicam. Não devemos expressar em palavras e atos o espírito que manifestam, mas aproveitar toda oportunidade de fazer-lhes o bem. Mas, embora nos seja requerido ser semelhantes a Cristo para com aqueles que são nossos inimigos, não devemos, a fim de ter paz, ocultar as faltas dos que vemos estarem em erro. Jesus, o Redentor do mundo, nunca adquiriu paz por acobertar a iniquidade, ou por qualquer coisa semelhante a transigência. Conquanto Seu coração estivesse constantemente transbordando de amor por toda a raça humana, Ele nunca era indulgente com o pecado. Ele era demasiado amigo dos homens para permanecer em silêncio enquanto prosseguiam num curso de ação que arruinaria sua alma – as almas que Ele adquiriu com Seu próprio sangue. Ele foi um severo reprovador de todo vício, e Sua paz era a consciência de ter realizado a vontade de Seu Pai, antes que uma condição de coisas que existiam como resultado de ter realizado Seu dever. Ele trabalhou para que o homem pudesse ser verdadeiro para consigo sendo tudo quanto Deus espera dele, e verdadeiro com seu interesse eterno e mais elevado. Vivendo num mundo maculado e cicatrizado com a maldição acarretada pela desobediência, o homem não poderia estar em paz consigo a menos que Cristo o advertisse, instruísse e repreendesse. Isso seria adquirir paz às expensas do dever. Todos quantos amam a Jesus e àqueles por quem Ele morreu buscarão seguir as coisas que contribuem para a paz. Mas Seus seguidores devem tomar cuidado especial para que em seus esforços de impedir a discórdia, a verdade não seja renunciada, ao evitar divisões, que não sacrifiquem seus princípios. A verdadeira fraternidade nunca pode ser mantida por comprometer o princípio. Quanto mais os cristãos se aproximam do Modelo, … tanto mais experimentarão a força e veneno da velha serpente, o diabo. Manuscrito 23b, 1896.” Olhando Para O Alto, pág. 214

Que o Senhor nos ajude!!!

“Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida.” Apoc. 2:10

O Perdão de Deus

livres do pecado

“O perdão de Deus não é meramente um ato judicial pelo qual Ele nos livra da condenação. É não somente perdão pelo pecado, mas livramento do pecado. É o transbordamento de amor redentor que transforma o coração. Davi tinha a verdadeira concepção do perdão ao orar: “Cria em mim, ó Deus, um coração puro e renova em mim um espírito reto.” Sal. 51:10. E noutro lugar ele diz: “Quanto está longe o Oriente do Ocidente, assim afasta de nós as nossas transgressões.” Sal. 103:12.” O Maior Discurso De Cristo, pág. 114

Este precioso texto nos traz informações importantíssimas. O perdão de Deus não é somente “um ato judicial pelo qual Ele nos livra da condenação.” Nosso maravilhoso Deus quer nos oferecer além do livramento da condenação a libertação do próprio pecado purificando o coração daquele que O aceita como salvador. É não somente perdão pelo pecado, mas livramento do pecado. É o transbordamento de amor redentor que transforma o coração.”

  • Verdadeiro arrependimento

“E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo; porque a promessa vos diz respeito a vós, a vossos filhos, e a todos os que estão longe; a tantos quantos Deus nosso Senhor chamar.” Atos 2:38 e 39.

“Este arrependimento, produzido pela influência da divina graça no coração, levará à confissão e ao abandono do pecado. Tais eram os frutos que o apóstolo declarava terem sido vistos na vida dos crentes coríntios.” Atos Dos Apóstolos, pág. 324

“Sem arrependimento não há salvação. Nenhum pecador impenitente pode crer com o coração para a justiça. Rom. 10:10. O arrependimento é por Paulo descrito como uma piedosa tristeza pelo pecado, a qual “opera arrependimento para a salvação, da qual ninguém se arrepende”. II Cor. 7:10.” ME, vol. pág. 365

Vemos também que para que o homem seja perdoado é necessário que ele tenha o verdadeiro arrependimento que é produzido no coração do homem pela graça de Deus. Este arrependimento não é apenas medo das consequências dos pecados, mas sim uma profunda tristeza pelos pecados cometidos que faz com que o homem confesse seus pecados e sinta um intenso desejo de abandona-los.

  • Verdadeiro arrependimento e o perdão são concedidos por Deus

 “O arrependimento, assim como o perdão, é dom de Deus por meio de Cristo. É pela influência do Espírito Santo que somos convencidos do pecado, e sentimos nossa necessidade de perdão. Ninguém, senão os contritos, é perdoado; mas é a graça de Deus que torna o coração penitente. Ele conhece todas as nossas fraquezas e enfermidades, e nos ajudará.” Fé E Obras , pág. 38

  • É necessário mudança de vida para o perdão

“A confissão não será aceitável a Deus sem o sincero arrependimento e reforma. E preciso que haja decisivas mudanças na vida; tudo que seja ofensivo a Deus tem de ser renunciado. Este será o resultado da genuína tristeza pelo pecado. A obra que nos cumpre fazer de nossa parte, é-nos apresentada claramente: “Lavai-vos, purificai-vos, tirai a maldade de vossos atos de diante dos Meus olhos e cessai de fazer mal. Aprendei a fazer bem; praticai o que é reto; ajudai o oprimido; fazei justiça ao órfão; tratai da causa das viúvas.” Isa. 1:16 e 17. “Restituindo esse ímpio o penhor, pagando o furtado, andando nos estatutos da vida e não praticando iniquidade, certamente viverá, não morrerá.” Ezeq. 33:15. Paulo diz, falando da obra do arrependimento: “Quanto cuidado não produziu isso mesmo em vós que, segundo Deus, fostes contristados! Que apologia, que indignação, que temor, que saudades, que zelo, que vingança! Em tudo mostrastes estar puros neste negócio.” II Cor. 7:11.” Caminho A Cristo, pág. 39

  • O perdão não é incondicional

“Em todo o Seu trato com Suas criaturas, Deus tem mantido os princípios da justiça, revelando o pecado em seu verdadeiro caráter – demonstrando que seu resultado certo é miséria e morte. Nunca houve nem nunca haverá perdão incondicional do pecado. Tal perdão mostraria o abandono dos princípios de justiça que constituem o próprio fundamento do governo de Deus. Isto encheria de consternação o universo dos seres não caídos. Deus indicou fielmente os resultados do pecado; e, se essas advertências não fossem verdadeiras, como poderíamos nós estar certos de que Suas promessas se cumpririam? A pretensa benevolência que quer pôr de parte a justiça, não é benevolência, mas fraqueza.”  Patriarcas e Profetas, págs. 552 e 553.

  • O amor de Deus não O levará a desculpar nossos pecados não vencidos.

“Deus é amor. Demonstrou Ele este amor na dádiva de Cristo. Quando “deu o Seu Filho unigênito, para que todo aquele que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3:16), nada reteve de Sua possessão adquirida. Deu todo o Céu, do qual podemos tirar poder e eficiência para não sermos repelidos nem derrotados por nosso grande adversário. Mas o amor de Deus não O leva a desculpar o pecado. Não o desculpou em Satanás; não o escusou em Adão ou em Caim; nem o desculpará em qualquer outro homem. Não tolerará nossos pecados, e não passará por sobre nossos defeitos de caráter. Espera que vençamos em Seu nome. Os que rejeitam o dom da justiça de Cristo estão rejeitando os atributos de caráter que os constituiriam filhos e filhas de Deus. Rejeitam aquilo que, unicamente, lhes poderia conceder aptidão para um lugar na ceia de bodas.” Parábolas De Jesus, pág. 316-317

Temos visto com muita frequência mensagens que nos conduz a um tipo de comportamento tolerante com o pecado. Quando não acredito que todo pecado pode ser expulso do meu coração, passo a ver como normal e inevitável algumas coisas que ainda estão erradas em minha vida. Queridos irmãos a mensagem do Senhor é muito clara, “Nunca houve nem nunca haverá perdão incondicional do pecado.” Junto com o perdão o Senhor nos concede a transformação do coração, nos purificando e se não for assim não haverá perdão.

É verdade que o Senhor nos ama. Mas o amor de Deus não O leva a desculpar o pecado. (…) Não tolerará nossos pecados, e não passará por sobre nossos defeitos de caráter. Espera que vençamos em Seu nome.

  • Porque o Senhor no final não desculpará pecado não abandonado.

“A influência do tentador não deve ser considerada desculpa para qualquer má ação. Satanás rejubila quando ouve os professos seguidores de Cristo apresentarem desculpas quanto à sua deformidade de caráter. São essas escusas que levam ao pecado. Não há desculpas para pecar. Uma santa disposição, uma vida cristã, são acessíveis a todo filho de Deus, arrependido e crente. O ideal do caráter cristão, é a semelhança com Cristo. Como o Filho do homem foi perfeito em Sua vida, assim devem Seus seguidores ser perfeitos na sua.” O Desejado De Todas As Nações, pág. 311

É tudo muito claro. Existe na graça de Deus poder suficiente para que o homem seja purificado e completamente purificado. Não existe nenhuma justificativa para que o homem permaneça com algum pecado. No final o homem que ainda estiver em pecado não terá nenhuma desculpa para apresentar ao nosso Deus.

Para nossa salvação é extremamente importante compreender AGORA que no final o Senhor não precisará e não irá desculpar nenhum, absolutamente nenhum pecado não vencido e não abandonado. Se buscarmos no Senhor realmente o perdão total, devemos aceitar também a purificação total que Ele nos oferece antes do fechamento da porta da graça.

  • O que acontecerá com aqueles que não buscarem em tempo oportuno a purificação completa.

“Alguns há, que parece sempre buscarem a pérola celestial. Não renunciam, porém, completamente a seus maus hábitos. Não morrem para o próprio eu, para que Cristo viva neles. Por este motivo, não acham a pérola valiosa. Não venceram sua ambição profana e seu amor às atrações do mundo. Não tomam a cruz e não seguem a Cristo no caminho da abnegação e sacrifício. Quase cristãos mas não plenamente, parecem estar perto do reino do Céu, mas não podem ali entrar. Quase, mas não completamente salvos, significa estar não quase, porém completamente perdidos.” Parábolas De Jesus, pág. 118

  • Sem o perdão e a purificação completa, em tempo oportuno, estaremos perdidos para sempre!

Vamos orar e estudar mais para que possamos buscar no Senhor sabedoria para aceitarmos o plano do nosso Deus para nossa salvação e então abandonar os pensamentos que não estão fundamentados na palavra de Deus e que estão nos conduzindo para a perdição eterna.

“Há esperança para cada um de nós, mas de uma só maneira – apegando-nos a Cristo e empregando toda energia para obter a perfeição de Seu caráter. Essa religião piegas que faz pouco do pecado, e só realça o amor de Deus pelo pecador, encoraja os pecadores a crer que Deus os salvará enquanto continuarem no pecado, sabendo que é pecado. É isso que estão fazendo muitos que professam crer na verdade presente.”  Carta 53, 1887. Cristo Triunfante, MM 2002, pág. 80.

Misericórdia Senhor e que Seu nome seja para sempre louvado!

 

Adventista ou Remanescente?

111

“Aqui está a paciência dos santos; aqui estão os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus.”  Apocalipse 14:12

“E o dragão irou-se contra a mulher, e foi fazer guerra ao remanescente da sua semente, os que guardam os mandamentos de Deus, e têm o testemunho de Jesus Cristo.”  Apocalipse 12:17

A igreja Adventista do Sétimo Dia é, sem dúvida alguma, a igreja que abriga os remanescentes do povo de Deus. É a sétima e última igreja do Apocalipse, Laodicéia. Muitos que fazem parte do povo de Deus, mas que ainda não conhecem a verdade atenderão ao chamado do Deus para sair de babilônia e aceitarão o verdadeiro evangelho que é pregado pela igreja Adventista do Sétimo Dia.

Sabendo de tudo isto, reflitamos: basta que eu seja um adventista do sétimo dia para que eu seja digno de ser chamado remanescente?

A igreja Adventista abriga os remanescentes. Todos os adventistas possuem as características dos remanescentes citadas em Apoc. 12:17?

Segundo Apoc. 12:17, remanescentes são aqueles que “guardam os mandamentos de Deus, e têm o testemunho de Jesus Cristo.”        

Não fazem parte dos remanescentes aqueles que simplesmente conhecem e aceitam os mandamentos e na prática não estão vivendo em harmonia com os preceitos do Senhor. Se eu realmente quero fazer parte do remanescente não posso me contentar apenas com um conhecimento teórico da lei de Deus. Preciso saber que é necessário também que eu permita que o Senhor renove meu coração e escreva nele Sua lei (Hebreus 10:16).

É normal vermos e ouvirmos vários irmãos afirmarem com muita segurança que os somos o remanescentes do povo de Deus citados em Apocalipse 12:17. Voltamos a afirmar que realmente a igreja Adventista do Sétimo Dia é a igreja na qual estarão os remanescentes, mas é extremamente importante respondermos: Sou realmente um remanescente? Existe em minha vida aquelas características citadas em Apocalipse 12:17?

Devemos analisar nossa vida. É necessário e urgente buscarmos no Senhor uma transformação completa do meu coração para não estarmos entre aqueles que apenas professam ser parte dos remanescentes e que na realidade não estão vivendo em harmonia com os preceitos do Senhor. Se não buscarmos o poder de Deus para guardar a  Sua lei e ficarmos livres da escravidão do pecado, mesmo estando na igreja remanescente eu não serei um remanescente verdadeiro.

Alerta aos que se contentam apenas com a teoria e que não foram santificados pela verdade

“Um homem pode pregar sermões agradáveis e entretenedores, no entanto estar distanciado no que respeita à experiência religiosa. Ele pode ser elevado ao pináculo da grandeza humana, contudo nunca ter experimentado a obra interior de graça que transforma o caráter. Esse tal é enganado por sua ligação e familiaridade com as verdades sagradas do evangelho, que alcançaram o intelecto, mas não foram levadas ao santuário interior da alma. Temos de ter mais do que uma crença intelectual na verdade.” Review  and Herald, 14 de fevereiro de 1899 (Cristo Nossa Justiça pág. 86-87)

“Nossas doutrinas podem estar corretas; podemos odiar a doutrina falsa, e não receber aqueles que não são fieis ao princípio: podemos trabalhar com incansável energia; mas mesmo isso não é suficiente, […] Uma crença na teoria da verdade não é suficiente. Apresentar esta teoria aos descrentes não o constituirá uma testemunha para Cristo.”- Review and Herald, 3 de fevereiro de 1891 (Cristo Nossa Justiça pág. 87)

Apelo urgente

“O mesmo perigo existe hoje entre o povo que professa ser depositário da lei de Deus. São demasiado prontos em lisonjear-se com o pensamento de que a consideração que têm pelos mandamentos, os preserve do poder da justiça divina. Não aceitam a reprovação do mal, e acusam os servos de Deus de serem por demais zelosos em afastar do acampamento o pecado. Um Deus que aborrece o pecado apela aos que professam guardar Sua lei, a afastarem-se de toda iniqüidade. A negligência em arrepender-se e obedecer a Sua Palavra, trará hoje tão sérias conseqüências para o povo de Deus como fez o mesmo pecado em relação ao Israel antigo. Há um limite para além do qual Ele não retardará por mais tempo os Seus juízos. Testimonies, vol. 4, págs. 166 e 167. Serviço Cristão, pág. 44

Aos Pretensos seguidores de Cristo

“Os pretensos seguidores de Cristo estão em prova diante de todo o universo celeste; mas a sua frieza de zelo e fragilidade dos esforços no serviço de Deus, os identifica com os infiéis. Se o que fazem fosse o melhor que poderiam haver feito, sobre eles não pairaria condenação. Mas se seu coração estivesse dedicado à obra, poderiam fazer muito mais. Sabem, e o mundo também, que em alto grau perderam o espírito de abnegação e de carregar a cruz. Junto ao nome de muitos será escrito, nos livros do Céu: Não produtores, porém consumidores. Por muitos que levam o nome de Cristo, é obscurecida Sua glória, Sua beleza toldada, retida Sua honra. Muitos há, cujos nomes estão nos livros da igreja, mas não sob o governo de Cristo. Não Lhe ouvem as instruções, nem fazem Sua obra. Por isto estão sob o domínio do inimigo. Não fazem positivamente bem, por isto produzem dano incalculável. Por sua influência não ser cheiro de vida para vida, é cheiro de morte para morte.” Parábolas de Jesus, págs. 303 e 304.

Chamado à santidade e uma severa repreensão

“Deus chama Seu povo a serem cristãos em pensamentos, palavras e ações.  Lutero declarou que a religião nunca se acha em tanto perigo, como entre os reverendos. Posso dizer  que muitos dos que manuseiam a verdade não se acham santificados por ela. Não possuem a fé que opera por amor e purifica a alma. Acostumam-se a lidar com as coisas sagradas e, por isto, muitos manuseiam a Palavra de Deus irreverentemente. Não têm andado na luz, antes fecham a ela os olhos. Esta é uma época de assinalada rejeição da graça que Deus designou conceder a Seu povo, para que, nos perigos dos últimos dias, não sejam vencidos pela iniqüidade dominante, e se unam à hostilidade do mundo contra o povo remanescente de Deus. Sob a capa de cristianismo e santificação, há de prevalecer vasta e manifesta impiedade, em grau terrível, e isto continuará até que Cristo venha para ser glorificado em todos os que crêem. Nos próprios pátios do templo, ocorrerão cenas que poucos imaginam. O povo de Deus será provado, para que Ele possa distinguir “entre o que serve a Deus e o que não O serve”. Mal. 3:18. Manuscrito 15, 1886.” Evangelismo, pág. 592- 593

“Estamos nós, como povo peculiar, nação santa, tão insensíveis ao inexprimível amor que Deus nos tem manifestado? Salvação não é ser batizado, não é ter nosso nome nos livros da igreja, nem pregar a verdade. É, porém, uma união viva com Jesus Cristo, ser renovado no coração, fazer as obras de Cristo com fé e serviço de amor, com paciência, mansidão e esperança.” Mensagens Escolhidas, vol. 2 pág. 381

O Senhor tem um povo verdadeiramente leal

“Os cristãos têm de ser na verdade os representantes de Jesus Cristo; não devem ser pretensos cristãos. Há de o mundo formar suas concepções de Deus pela vida daqueles que apenas tomam o nome de Cristo, e não Lhe fazem as obras? Há de ele apontar os que pretendem ser crentes, mas que o não são de coração, que traem sagrados depósitos, e fazem as obras do inimigo, e dizer: “Oh, esses são cristãos, e roubam, e mentem, e não merecem confiança”? Estes não são os que na verdade representam a Deus. Mas Deus não deixará o mundo ser enganado. O Senhor tem um povo particular na Terra, e não Se envergonha de lhes chamar irmãos; pois fazem as obras de Cristo. Tornam manifesto que amam a Deus, pois guardam os Seus mandamentos. Apresentam a imagem divina. São um espetáculo ao mundo, aos anjos e aos homens.” Nossa Alta Vocação, pág. 121

Queridos irmãos que seja o desejo de cada um de nós termos o coração completamente purificado pelo nosso Senhor o Espírito Santo, que seja o objetivo de cada um de nós em nome de Jesus realmente fazer parte dos remanescentes que, “guardam os mandamentos de Deus, e têm o testemunho de Jesus Cristo.”

Deus seja para sempre louvado!