Archive for setembro \29\UTC 2014|Monthly archive page

A Verdade que liberta

 

capa liberdade

“Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará.”João 8:32

Todas as vezes que ouvia ou lia esta frase pensava como as pessoas dessas ou daquelas igrejas precisam conhecer a verdade sobre o sábado, sobre o santuário, a volta de Jesus, Lei de Deus, nova Terra e outras verdades que nós Adventistas acreditamos. Podia pensar em pessoas de todas as igrejas que precisavam conhecer a verdade para serem libertadas. Pensava em todos exceto nos Adventistas do 7° Dia.
Hoje as primeiras pessoas que eu penso são os Adventistas do 7° Dia. Incluindo a mim, é claro.
O que causou esta mudança?
Sem dúvida alguma, foi o fato de Deus ter aberto os meus olhos para que eu visse detalhes muito importantes neste texto como:
1. Para quem Jesus estava falando.
2. A que tipo de conhecimento Jesus estava se referindo.
3. O que realmente é a verdade.
4. Segundo este texto, do que as pessoas precisam ser libertadas.
1. Para quem Jesus estava falando:
Entre as pessoas que estavam ouvindo Jesus estavam os “descendentes de Abraão” (verso 33) – então Jesus estava falando também para o povo de Israel.
Hoje acreditamos que a igreja Adventista do 7° Dia é o “Israel de Deus”. Gál. 6:16
Sendo assim, como Jesus mostrou que esta mensagem se aplicava também ao povo de Israel, hoje também devemos aplicá-la a nós Adventistas do 7° Dia que somos o “Israel de Deus”. Na verdade acredito que esta mensagem deve ser primeiro direcionada para os Adventistas do 7° Dia, na sequência deste estudo compreenderemos o porquê.
2. A que tipo de conhecimento Jesus estava se referindo.
É possível que uma pessoa tenha grande conhecimento da Bíblia Sagrada, personagens, datas, profecias e mesmo assim não ter a vida transformada? Sim é possível.
São pessoas que possuem conhecimento apenas teórico e não prático da palavra de Deus. Aprendem, aprendem, mas não praticam. Não permitem que a palavra os transforme e não se entregam a Deus de forma real.
Sem dúvida alguma o conhecimento a que Jesus estava Se referindo era de entrega, de compromisso com Deus, um conhecimento prático do poder transformador de Deus.
“Um homem pode pregar sermões agradáveis e entretenedores, no entanto estar distanciado de Cristo no que respeita à experiência religiosa. Ele pode ser elevado ao pináculo da grandeza humana, contudo nunca ter experimentado a obra interior de graça que transforma o caráter. Esse tal é enganado por sua ligação e familiaridade com as verdades sagradas do evangelho, que alcançaram o intelecto, mas não foram levadas ao santuário interior da alma. Temos de ter mais do que uma crença intelectual na verdade.”Review and Herald 14/02/1899 (Cristo Nossa Justiça pág. 86 e 87)
“Um conhecimento teórico da verdade é essencial. Mas o conhecimento da maior de todas as verdades não nos salvará; nosso conhecimento deve ser prático.[…] A verdade deve ser levada para dentro de seus corações, santificando-os e purificando-os de todo mundanismo e sensualidade na vida mais privada. O templo da alma deve ser purificado.”- Review and Herald 24/05/1887 ( Cristo Nossa Justiça pág. 88)
3. O que realmente é a verdade.
Antes não pensava que os Adventistas precisavam conhecer a verdade porque para mim a verdade era um conjunto de crenças que estão em harmonia com a Bíblia. Bom, então deduzia que pelo fato dos Adventistas já conhecer este conjunto de crenças não necessitavam mais do conhecimento da verdade.
Hoje acredito que a verdade é um conjunto de crenças que estão em harmonia com a Bíblia e muito mais.
A verdade é Jesus: “Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim.” João 14:6
A verdade é o Senhor Espírito Santo: “…E o Espírito é o que da testemunho, porque o Espírito é a verdade.” 1 João 5:6
Precisamos conhecer a Jesus de uma forma muito íntima, muito pessoal, permitir que o Senhor Espírito Santo faça morada no nosso coração.
Jesus é a verdade que precisamos conhecer. Você conhece Jesus?
4. Do que as pessoas realmente precisam ser libertadas.
“Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” Jo 8:32
Algumas das pessoas para as quais Jesus estava falando não gostaram e disseram: “Responderam-lhe: Somos, descendência de Abrão e jamais fomos escravos de alguém; como dizes tu: Sereis livres?” João 8:33
Jesus agora de uma forma muito clara esclarece a questão e fala para todos do que as pessoas precisam ser libertadas.
“Replicou-lhe Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: Todo o que comete pecado é escravo do pecado. O escravo não fica sempre na casa; o filho, sim, para sempre. Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.”João 8:34-36
A libertação oferecida por Jesus é a libertação plena, real, da escravidão do pecado. Isso é maravilhoso!
O pecado prende, escraviza: “Quanto ao perverso, as suas iniquidades o prenderão, e com as cordas do seu pecado será detido.” Provérbios 5:22
Mas Jesus liberta:
“Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.”João 8:36
“O Espírito do Senhor Deus esta sobre mim, porque o Senhor me ungiu para pregar boas- novas aos quebrantados, enviou-me a curar os quebrantados de coração, a proclamar libertação aos cativos e a pôr em liberdade os algemados.” Isaías 61:1
Vejamos agora este comentário maravilhoso que a serva do Senhor faz desta parte das escrituras.
“Toda alma que recusa entregar-se a Deus, acha-se sob o domínio de outro poder. Não pertence a si mesma. Pode falar de liberdade, mas está na mais vil servidão. Não lhe é permitido ver a beleza da verdade, pois sua mente se encontra sob o poder de Satanás. Enquanto se lisonjeia de seguir os ditames de seu próprio discernimento, obedece à vontade do príncipe das trevas. Cristo veio quebrar as algemas da escravidão do pecado para a alma.”Se pois o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres”.”A lei do Espírito de vida, em Cristo Jesus”nos liberta”da lei do pecado e da morte”. Rom. 8:2.
Não há constrangimento na obra da redenção. Não se exerce nenhuma força externa. Sob a influência do Espírito de Deus, o homem é deixado livre para escolher a quem há de servir. Na mudança que se opera quando a alma se entrega a Cristo, há o mais alto senso de liberdade. A expulsão do pecado é ato da própria alma. Na verdade, não possuímos capacidade para livrar-nos do poder de Satanás; mas quando desejamos ser libertos do pecado e, em nossa grande necessidade, clamamos por um poder fora de nós e a nós superior, as faculdades da alma são revestidas da divina energia do Espírito Santo, e obedecem aos ditames da vontade no cumprir o querer de Deus.
A única condição em que é possível o libertamento do homem, é tornar-se ele um com Cristo. “A verdade vos libertará” (João 8:32); e Cristo é a verdade. O pecado só pode triunfar, enfraquecendo a mente e destruindo a liberdade da alma. A sujeição a Deus é restauração do próprio ser – da verdadeira glória e dignidade do homem. A lei divina, à qual somos postos em sujeição, é a ”lei da liberdade”. Tia. 2:12.” DTN, pág. 466
É fantástico o que o Senhor quer fazer em nossa vida. O Senhor quer nos libertar da escravidão do pecado!
“Seja qual for a má prática, a dominante paixão que, devido à longa condescendência, acorrenta alma e corpo, Cristo é capaz de libertar, e anseia fazê-lo. Comunica vida à alma morta em ofensas. Efés. 2:1. Porá em liberdade o cativo preso pela fraqueza, o infortúnio e as cadeias do pecado.” DTN. Pág. 203
Hoje me entristece constatar que mesmo entre nós Adventistas do 7° Dia são poucos os que acreditam nesta libertação e mais ainda, ver que estes poucos são chamados de extremistas, perfeccionistas e outras coisas mais. Esse é o motivo que me faz pensar primeiro em nosso povo, Adventistas do 7° Dia quando leio ”Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”. Um dia pregaremos essa mensagem para o mundo com grande poder, mas antes, temos que acreditar nela!
No texto a seguir podemos ver o que causou uma grande angústia em Jesus no momento em que Ele estava morrendo para nos salvar. Convido meus irmãos para lerem este texto com muita atenção, pedindo a iluminação de Deus.
“E agora, estava a morrer o Senhor da glória, o Resgate da raça. Entregando a preciosa vida, não foi Cristo sustido por triunfante alegria. Tudo eram opressivas sombras. Não era o temor da morte que O oprimia. Nem a dor e a ignomínia da cruz Lhe causavam a inexprimível angústia. Cristo foi o príncipe dos sofredores; mas Seu sofrimento provinha do senso da malignidade do pecado, o conhecimento de que, mediante a familiaridade com o mal, o homem se tornara cego à enormidade do mesmo. Cristo viu quão profundo é o domínio do pecado no coração humano, quão poucos estariam dispostos a romper com seu poder.” DTN, pág. 752
Depois de ter lido este texto análise sua situação. Você esta entre os que acreditam ou entre os que não acreditam que o homem pode romper com a escravidão do pecado?
Vamos acreditar nesta possibilidade, orar uns pelos outros para que estejamos preparados para o encontro com o Senhor.
“Por quarenta anos a incredulidade, a murmuração e a rebelião excluíram o antigo Israel da terra de Canaã. Os mesmos pecados têm retardado a entrada do Israel moderno na Canaã celestial. Em nenhum dos casos houve falta da parte das promessas de Deus. É a incredulidade, o mundanismo, a falta de consagração e a contenda entre o professo povo de Deus que nos têm detido neste mundo de pecado e dor por tantos anos. Manuscrito 4, 1883.” ME, vol.1 pág. 69

 

 

 

Limpos De Coração

 

foto de coração

É muito comum vermos pessoas fazendo orações pedindo perdão a Deus, realmente devemos fazer isso, Deus é um Pai amoroso que deseja perdoar a todos que realmente se arrependem. O que me incomoda um pouco é que raras vezes vemos essas orações serem acompanhadas também de um pedido de libertação da escravidão do pecado. Não podemos nos contentar em pedir apenas o perdão, nosso Deus também quer nos oferecer o pleno livramento do pecado. Em Salmos 51 vemos Davi confessando a Deus o seu pecado e pedindo perdão, mas é importante observar que juntamente com o perdão Davi também pede ao Senhor; “Cria em mim, ó Deus, um coração puro e renova em mim um espírito reto.”

“A oração de Davi, depois de sua queda, ilustra a natureza da verdadeira tristeza pelo pecado. Seu arrependimento foi sincero e profundo. Não fez nenhum empenho por atenuar a culpa; nenhum desejo de escapar ao juízo que o ameaçava lhe inspirou a oração. Reconheceu a enormidade de sua transgressão; viu a contaminação de sua alma; aborreceu o pecado. Não suplicava unicamente o perdão, mas também um coração puro. Anelava a alegria da santidade – ser reintegrado na harmonia e comunhão com Deus. Era esta a linguagem de sua alma: “Bem-aventurado aquele cuja transgressão é perdoada, e cujo pecado é coberto. Bem-aventurado o homem a quem o Senhor não imputa maldade, e em cujo espírito não há engano.” Sal. 32:1 e 2. “Tem misericórdia de mim, ó Deus, segundo a Tua benignidade; Apaga as minhas transgressões, segundo a multidão das Tuas misericórdias. Porque eu conheço as minhas transgressões, e o meu pecado está sempre diante de mim. Purifica-me com hissopo, e ficarei puro; lava-me, e ficarei mais alvo do que a neve. Cria em mim, ó Deus, um coração puro e renova em mim um espírito reto. Não me lances fora da Tua presença e não retires de mim o Teu Espírito Santo. Torna a dar-me a alegria da Tua salvação e sustém-me com um espírito voluntário. Livra-me dos crimes de sangue, ó Deus, Deus da minha salvação, E a minha língua louvará altamente a Tua justiça.” Sal. 51:1, 3, 7, 10-12 e 14.” Caminho a Cristo, p. 25-26

“Guarda o teu coração”, é o conselho do sábio, “porque dele procedem as saídas da vida.” Prov. 4:23. Conforme o homem “imaginou na sua alma, assim é”. Prov. 23:7. O coração deve ser renovado pela graça divina, ou será em vão procurar pureza de vida. Aquele que tenta edificar um caráter nobre, virtuoso, independente da graça de Cristo, está edificando sua casa sobre areia movediça. Nas cruéis tempestades da tentação certamente será ela derribada. A oração de Davi deve ser a petição de toda alma: “Cria em mim, ó Deus, um coração puro, e renova em mim um espírito reto.” Sal. 51:10. E, tendo-nos tornado participantes do dom celestial, devemos prosseguir até à perfeição, sendo “mediante a fé” “guardados na virtude de Deus”. I Ped. 1:5.’ Mensagem aos Jovens, p. 285

“O perdão de Deus não é meramente um ato judicial pelo qual Ele nos livra da condenação. É não somente perdão pelo pecado, mas livramento do pecado. É o transbordamento de amor redentor que transforma o coração. Davi tinha a verdadeira concepção do perdão ao orar: “Cria em mim, ó Deus, um coração puro e renova em mim um espírito reto.” Sal. 51:10. O Maior Discurso de Cristo, pág. 114.

Todos que realmente desejam a salvação devem lembrar que a promessa é para aqueles que no poder de Deus, alcançaram a purificação do coração. Vamos permitir que realmente Cristo reine no nosso coração. ”Quando Cristo habitar no coração, haverá pureza e refinamento de idéias e maneiras.” Assim pelo poder do Senhor estaremos preparados para alcançarmos a promessa:

Bem-aventurados os limpos de coração, porque verão a Deus. Mateus 5:8.

“A sabedoria, porém, lá do alto é, primeiramente, pura.” Tiago 3:17. Na cidade de Deus não entrará coisa alguma que contamine. Todos quantos houverem de ser seus moradores, hão de se ter tornado aqui puros de coração. A pessoa que está aprendendo de Jesus manifestará crescente desagrado pelas maneiras descuidosas, pela linguagem indecente e pensamentos vulgares. Quando Cristo habitar no coração, haverá pureza e refinamento de idéias e maneiras. Mas as palavras de Jesus: “Bem-aventurados os limpos de coração” (Mateus 5:8), têm um mais profundo sentido — não somente puros no sentido em que o mundo entende a pureza, livres do que é sensual, puros de concupiscências, mas fiéis nos íntimos desígnios e motivos da alma, isentos de orgulho e de interesse egoísta, humildes, abnegados, semelhantes a uma criança. […] Os limpos de coração vêem a Deus em uma nova e mais carinhosa relação, como seu Salvador; e ao passo que Lhe distinguem a pureza e a beleza do caráter, anelam refletir a Sua imagem. Vêem-nO como um Pai ansioso de abraçar um filho arrependido, e o coração enche-se-lhes de indizível alegria […] Os limpos de coração percebem o Criador nas obras de Sua poderosa mão, nas belas coisas que enchem o Universo. Em Sua palavra escrita, lêem em mais distintos traços a revelação de Sua misericórdia, Sua bondade e Sua graça. As verdades ocultas aos sábios e entendidos, são reveladas às criancinhas. A beleza e preciosidade da verdade.[…]estão sendo constantemente desdobradas aos que experimentam um confiante e infantil desejo de conhecer e cumprir a vontade de Deus.[ ..]. Os puros de coração vivem como na visível presença de Deus durante o tempo que Ele lhes concede neste mundo. E também O verão face a face no estado futuro, imortal, assim como fazia Adão quando andava e falava com Deus no Éden. “Agora, vemos como em espelho, obscuramente; então, veremos face a face.” 1 Coríntios 13:12. — O Maior Discurso de Cristo, 24-27.  Filhos e Filhas de DEUS 6 de Abril.

Na lição da Escola Sabatina de 1975 encontramos um texto maravilhoso onde vemos que como cristãos devemos buscar no Senhor o perdão e também e a plena libertação do pecado. A vida sem pecado no poder de Deus é possível. O senhor está esperando por aquela geração que acredite e busque a plena purificação do coração. Desperta povo de Deus! Será assim que iremos glorificar o nome de Deus. Deus seja louvado!

 “Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina: persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem.” 1 Tim. 4:16

“A ênfase de Paulo na lição desta semana esta posta na qualidade das pessoas que estejam aptas a proclamar ao homem as boas-novas a respeito de Deus. Esta qualificação é resultado de fé – o homem cooperando com Deus que prometeu suprir tudo que fosse necessário para restaurar no homem a imagem de seu Criador há muito desfigurada. Tais cristãos sabem por experiência própria que Jesus não somente salva o homem da penalidade do pecado, mas também salva-o do poder do pecado.

Mas tal experiência não pressupõe passivamente que nada há que o homem deva fazer para a obtenção desta qualidade de pessoas. Paulo não se cansa de repetir: ‘Trabalhamos e nos esforçamos’. Mas ele sabe que o poder para o esforço, o poder para vencer, não vem dos recursos do homem, mas da dotação do Espírito de Deus. O homem de fé vive uma vida de gratidão, sabendo que a paz que possui  e as vitórias alcançadas são todas devidas a Deus que prometeu ajudá-lo a ficar firme. Ver Judas 24.

Deus espera por aquela geração que alcance este pensamento e viva a verdade que ele contém: homens e mulheres podem viver sem pecado do mesmo modo que Jesus; homens e mulheres podem levar uma vida tal que Deus, sem sentir-Se embaraçado, pode apontá-los como os que ‘guardam os mandamentos de Deus e a fé de Jesus’. Apoc. 14:12. Eles terão aprendido bem a admoestação de Paulo: ’ “Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina: persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem.’ 1 Tim. 4:16” Lição da Escola Sabatina , 1° parte  “A Fé Em Ação” 3º trim. 1975, p.37

“Tudo está pronto.” Até quando vamos continuar rejeitando o perdão e a purificação que o Senhor tem para nos oferecer? Até quando vamos continuar insistindo em vivermos despreparados para o encontro com o Senhor e assim retardando a volta de Jesus?

“Bem-aventurados os limpos de coração, porque verão a Deus.” Mat. 5:8. Como eles veriam a Deus? – do modo como Enoque O viu. Tiveram o privilégio de andar e falar com Deus. Pela fé Enoque viveu trezentos anos na presença de Deus. Contemplou a fé de Jesus. Desfrutou Seu especial favor. Os sacerdotes e maiorais necessitavam exatamente de tal experiência como a de Enoque. Necessitavam do contínuo senso da presença de Deus. Oh! que riquezas da graça o Senhor almejava outorgar ao favorecido povo de Deus! Isso é representado no convite para a ceia preparada para eles: ‘Tudo está pronto.’ Mat. 22:4.” Manuscrito 96, 1897. Este dia com Deus, MM p. 273

Desperta povo de Deus!!!