Libertação das propensões pecaminosas.

Não precisamos reter propensões pecaminosas

Existe um grande debate na igreja Adventista do Sétimo Dia sobre a humanidade de Cristo, vemos dois extremos sendo defendido, uma parte da igreja defende que Jesus não assumiu a natureza caída porque não tinha propensões ou inclinações para pecar, uma outra parte defende que Jesus assumiu natureza caída e possuía sim inclinações ou propensões para pecar herdadas. Curioso é o fato de não ser levado em consideração a possibilidade de Jesus ter assumido natureza caída e não ter tido propensões ou inclinações para pecar. Ao que parece para a maioria, a natureza só pode ser considerada caída se tiver algum tipo de propensão ou inclinação para pecar se manifestando. Se não existe propensão ou tendência para pecar então não é natureza caída. Repito que não levam em consideração a possibilidade de natureza caída sem propensão ou tendência para pecar se manifestando.

Existe sim a possibilidade da natureza caída ser transformada e as propensões ou tendências para pecar estarem sendo guiadas pelo Espírito e não mais pela carne, (Romanos 8: 4-5). Existe sim a possibilidade das propensões ou inclinações pecaminosas, voltadas para o pecado, serem erradicadas ou eliminadas.

Não digo erradicadas ou eliminadas definitivamente, isso somente ocorrerá na glorificação. Digo eliminadas ou erradicadas, no sentido de subjugadas, propensões ou inclinações antes voltadas para o mal agora voltadas para o bem pelo poder de Deus.

Até a glorificação continuaremos susceptíveis a estarmos sendo guiados pela carne, com propensões ou tendências para o pecado se manifestando, desejos e pensamentos voltados para o pecado, caso não estejamos sendo guiados pelo Senhor o Espírito Santo.

Jesus assumiu nossa natureza e provou que ela não é desculpa para continuarmos vivendo como escravos do pecado.  Ele provou que é possível para aqueles que entregam suas vidas a Ele, serem transformados a tal ponto que estarão vivendo com desejos e pensamentos totalmente voltados para o bem. Essa é a verdadeira norma de santidade que o Senhor tem para aqueles que almejam a salvação, esta é a norma necessária para subsistir no tempo de angústia.

Nem mesmo por um pensamento poderia nosso Salvador ser levado a ceder ao poder da tentação. Satanás encontra nos corações humanos algum ponto em que pode obter apoio; algum desejo pecaminoso é acariciado, por meio do qual suas tentações asseguram a sua força. Mas Cristo declarou de Si mesmo: “Aproxima-se o príncipe deste mundo, e nada tem em Mim.” João 14:30. Satanás nada pôde achar no Filho de Deus que o habilitasse a alcançar a vitória. Tinha guardado os mandamentos de Seu Pai, e não havia nEle pecado que Satanás pudesse usar para a sua vantagem. Esta é a condição em que devem encontrar-se os que subsistirão no tempo de angústia”. O Grande Conflito, p. 623.

Convido então meus irmãos para analisarem a possibilidade que não tem sido levada em consideração.

Natureza caída, transformada, purificada, com propensões ou tendências voltadas para o bem pelo poder de Deus.

POSSIBILIDADE DE LIVRAMENTO DAS PROPENSÕES PECAMINOSAS

CARÁTER PURIFICADO “Precisamos compreender que pela fé em Cristo é nosso privilégio ser participante da natureza divina e livrar-nos da corrupção das paixões que há no mundo. Então somos purificados de todo pecado, de todos os defeitos de caráter. Não precisamos reter nenhuma propensão pecaminosa”. [Citação de Efésios 2:1-6] Comentários de Ellen G. White, SDABC, vol. 7, p. 943; Lição da Escola Sabatina, 2° Trim. 1990, Cristo o Único Caminho p. 149.

Vimos nesse texto e veremos em outros que não precisamos reter nossas inclinações ou propensões pecaminosas.

Imagina que uma pessoa se entregue realmente a Deus, e seja plenamente transformado e purificado pela graça de Deus, a tal ponto que, suas propensões e inclinações antes voltadas para o mal, agora estejam voltadas para o bem. Não mais dominadas pela carne, mas sim pelo Espírito.

          “Porque os que se inclinam para a carne cogitam das coisas da carne; mas os que se inclinam para o Espírito, das coisas do Espírito. Porque o pendor da carne dá para a morte, mas o do Espírito, para a vida e paz”. Romanos 8:5-6

Então agora pergunto. Eu poderia afirmar que essa pessoa, descendente de Adão, por não ter mais suas inclinações ou propensões voltadas para o pecado, não possui mais a natureza caída? A resposta é: NÃO! Essa pessoa continua possuindo natureza caída e por conta disso continua sendo susceptível ao pecado, continua susceptível a ter novamente suas inclinações sou propensões voltadas para o mal, caso se afaste de Deus.

Transformado: Natureza caída, não mais CORROMPIDA, inclinações ou propensões não mais voltadas para o mal, pelo poder de Deus.

As tendências que foram influenciadas numa direção errada, voltam-se para a direção certa. Disposições e sentimentos errados são desarraigados. Santo temperamento e emoções santificadas são agora o fruto produzido na árvore cristã. Ocorreu uma transformação completa. Esta é a obra que deve ser efetuada”. (Elder E. P. Daniels and the Fresno Church, págs. 8 e 9). MM, E RECEBEREIS PODER 1999, P. 50

“No coração renovado pela graça divina, o amor é o princípio da ação. Modifica o caráter, governa os impulsos, domina as paixões, subjuga a inimizade e enobrece as afeições. Este amor, abrigado na alma, ameniza a vida e espalha ao redor uma influência enobrecedora”. Caminho a Cristo, p. 47.

Da mesma forma que não podemos afirmar que esse descendente de Adão por não possuir mais suas propensões voltadas para o mal, não possui mais a natureza caída, não podemos também afirmar que Cristo por não possuir propensões ou inclinações para o pecado não assumiu nossa natureza caída para nos salvar.

Da mesma forma que a pessoa que foi libertada de suas propensões pecaminosas continua sendo susceptível a ter em sua vida novamente todas as propensões voltadas para o mal, Cristo também era SUSCEPTÍVEL, a ter em Sua vida as propensões ou inclinações voltadas para o mal.

“Tive a liberdade e poder para apresentar Jesus, que tomou sobre Si as fraquezas e levou a dor e as tristezas da humanidade, vencendo em nosso favor. Ele foi feito à semelhança de Seus irmãos, com as mesmas susceptibilidades físicas e mentais. Assim como nós, em tudo Ele foi tentado, mas sem pecar; e Ele sabe como socorrer aqueles que são tentados. Estais oprimidos e perplexos? Assim esteve Jesus. Sentis a necessidade de encorajamento? Assim sentia Jesus. Da maneira como vos tenta Satanás, assim tentava ele a majestade do céu”.-RH, 10/02/1885. Ellen White e a Humanidade de Cristo, p. 152.

Cristo assumiu nossa natureza caída e NUNCA teve propensões pecaminosas, nunca foi corrompido ou contaminado pelo pecado, provando assim, que nós, mesmo ainda estado em nossa natureza caída podemos pela graça de Deus, não termos mais nossas propensões ou inclinações voltadas para o mal. Não continuarmos vivendo corrompidos e contaminados pelo pecado.

“A combinação da natureza divina com a humana O fez capaz de ceder às tentações de Satanás. A provação de Cristo aqui foi muito maior do que a de Adão e Eva, pois Cristo tomou a nossa natureza caída, mas não corrompida; e, a menos que Ele desse ouvidos às palavras de Satanás em lugar das palavras de Deus, não seria corrompido”. Manuscrito 57, 1890; Ellen White e a Humanidade de Cristo, p. 158.

“Pelas quais ele nos tem dado grandíssimas e preciosas promessas, para que por elas fiqueis participantes da natureza divina, havendo escapado da corrupção, que pela concupiscência há no mundo”. 2 Pedro 1:4

“Cristo revestiu Sua divindade com a humanidade, e veio a este mundo para viver uma vida livre da contaminação do pecado, para que os seres humanos, lançando mão da divindade, possam tornar-se participantes da natureza divina, escapando assim da corrupção que há no mundo mediante a sensualidade”. Olhando Para o Alto p. 297

“O Senhor Jesus veio ao nosso mundo, não para revelar o que Deus podia fazer, e, sim, o que o homem podia realizar, mediante a fé no poder de Deus para ajudar em toda emergência. O homem deve, pela fé, ser participante da natureza divina e vencer toda tentação com que é assaltado. O Senhor requer agora que todo filho e filha de Adão, pela fé em Jesus Cristo, O sirva na natureza humana que temos atualmente”. Mensagens Escolhidas, vol. 3 Pág. 140

“A história da vida cotidiana de Jesus é o registro exato do cumprimento do propósito de Deus para com o homem. Sua vida e caráter eram o desdobramento ou a representação da perfeição de caráter que o homem consegue por se tornar participante da natureza divina, e vencendo o mundo na luta diária. The Youth’s Instructor, 23 de abril de 1912”. A Fé Pela Qual Eu Vivo, pág.114

Defeito de Caráter é Pecado

Uma coisa precisa ficar muito claro, DEFEITO DE CARÁTER É PECADO, imaginar que Cristo tivesse tido algum tipo de paixão ou propensão pecaminosa como nós é o mesmo que afirmar que Ele tivesse tido defeito de caráter, ou seja, tivesse tido PECADO. Tal pensamento é inadmissível diante de tantas revelações de que nosso Salvador foi o único IMACULADO neste mundo.

Deus somente aceitará os que estão decididos a ter um alvo elevado. Coloca cada agente humano sob a obrigação de fazer o melhor. De todos é requerido perfeição moral. Nunca devemos abaixar a norma de justiça com o fim de acomodar à prática do mal, tendências herdadas ou cultivadas. Precisamos compreender que imperfeição de caráter é pecado. Todos os justos atributos de caráter habitam em Deus como um todo perfeito e harmonioso, e todo aquele que aceita a Cristo como Salvador pessoal, tem o privilégio de possuir estes atributos”. P J, p. 330

Não devemos baixar a norma da justiça a fim de acomodar tendências herdadas ou cultivadas para o mal.

“Deus requer perfeição moral em todos. Os que receberam luz e oportunidades devem, como mordomos de Deus, aspirar à perfeição, e nunca, nunca baixar a norma de justiça a fim de acomodar tendências herdadas e cultivadas para o mal. Cristo tomou sobre Si nossa natureza humana e viveu nossa vida, para mostrar-nos que podemos ser semelhantes a Ele participando da natureza divina. Podemos ser santos, como Cristo foi santo na natureza humana”. MM 1980, Este Dia Com Deus p. 30

SUBTÍTULOS IMPORTANTES

Nossa lição da Escola Sabatina expressa a opinião oficial da nossa igreja e vejam que a lição faz claramente uma relação de propensão para o mal como sendo pecado, “PURIFICAÇÃO DE TODO PECADO” p. 50 Também como sendo defeito de caráter, na p. 149 a lição usa o subtítulo, “CARÁTER PURIFICADO”. Depois desses subtítulos a lição nos mostra o texto da serva do Senhor onde ela escreve “Então somos purificados de todo pecado, de todos os defeitos de caráter. Não precisamos reter nenhuma propensão pecaminosa”.

É muito claro o fato da nossa lição da Escola Sabatina nos ensinar que, propensão para o mal é pecado e também é defeito de caráter.

Lição E. S. PROPENSÃO PECAMINOSA = PECADO

PURIFICAÇÃO DE TODO PECADO “Precisamos compreender que pela fé em Cristo é nosso privilégio ser participante da natureza divina e livrar-nos da corrupção das paixões que há no mundo. Então somos purificados de todo pecado, de todos os defeitos de caráter. Não precisamos reter nenhuma propensão pecaminosa”. [Citação de Efésios 2:1-6] Comentários de Ellen G. White, SDABC, vol. 7, p. 943; Lição da Escola Sabatina, 2° Trim. 1990, Cristo o Único Caminho p. 50

Lição E. S. PROPENSÃO PECAMINOSA = DEFEITO DE CARÁTER

CARÁTER PURIFICADO “Precisamos compreender que pela fé em Cristo é nosso privilégio ser participante da natureza divina e livrar-nos da corrupção das paixões que há no mundo. Então somos purificados de todo pecado, de todos os defeitos de caráter. Não precisamos reter nenhuma propensão pecaminosa”. [Citação de Efésios 2:1-6] Comentários de Ellen G. White, SDABC, vol. 7, p. 943; Lição da Escola Sabatina, 2° Trim. 1990, Cristo o Único Caminho p. 149.

 “Não precisamos reter nem uma propensão pecaminosa. […] Ao participarmos da natureza divina, as tendências hereditárias ou cultivadas para o mal são separadas do caráter, e somos tornados uma força viva para o bem. Aprendendo sempre do divino Mestre, partilhando diariamente de Sua natureza, cooperamos com Deus vencendo as tentações de Satanás”. Para conhece-lo, p. 95

“Cristo veio viver a lei em Seu caráter humano exatamente na maneira pela qual todos podem viver a lei na natureza humana se procederem como Cristo procedeu” Ellen White e a Humanidade de Cristo, p. 166.

   Propensão = Defeito de Caráter

Me lembro certa vez de ter dito que propensão para pecar ser defeito de caráter e uma irmã disse “não, não é”, me lembro de ter feito para a irmã a mesma pergunta que farei aqui para aqueles que porventura também não aceitarem ser propensão para pecar defeito de caráter. A pergunta é: Propensão para pecar se manifestando através de desejos como por exemplo, desejo de roubar, desejo de matar, desejo de adulterar é ou não é defeito de caráter?

   Defeito de Caráter = Pecado

 Se A=B e B=C Isso implica logicamente que A=C

    PROPENSÃO PARA PECAR = DEFEITO DE CARÁTER

      DEFEITO DE CARÁTER = PECADO

                   CONCLUSÃO LÓGICA

      PROPENSÃO PARA PECAR = PECADO

Não precisamos reter nossas propensões para pecar.

Não precisamos reter nossas propensões para pecar, ou seja, não precisamos reter nossos defeitos de caráter, isso revela que não precisamos continuar vivendo em pecado ou com pecado.

Existe a necessidade de que propensões, inclinações ou tendências para pecar sejam pela graça de Deus, completamente subjugadas e eliminadas antes do fechamento da porta da graça. Entende-se que essas manifestações de propensões, Inclinações ou tendências para pecar são na verdade, manifestações de defeito de caráter e com defeito de caráter ninguém herdará o reino dos Céus.

 Nos adventistas do sétimo dia, integrantes de um movimento no Brasil denominado MV, eu percebi a não aceitação de que, propensão, inclinação ou tendência pecaminosa seja, defeito de caráter, sendo também, portanto pecado. Infelizmente esses irmãos insistem em querer colocar em Jesus aquilo que Deus deseja retirar de nós.

Vejam que nos textos a seguir em um livro que é referência para eles, defenderem a possibilidade de Cristo ter tido propensões herdadas e que continuar vivendo com propensões herdadas se manifestando não é pecado.

“Do mesmo modo, Ellen White constantemente fazia a diferença entre a natureza herdada e a natureza pecaminosa cultivada. Por um lado, ela escreveu que Jesus ‘tinha toda a força da paixão da humanidade’; por outro, ela declara que ‘Ele é um irmão em nossas debilidades, mas não em possuir idênticas paixões’, ‘não possuindo as paixões de nossa natureza humana decaída’. É bem possível que ela tivesse em mente a diferença entre tendências herdadas para pecar, pelas quais não somos culpados, e tendências cultivadas, que nos tornam pecadores. Pra Ellen White bem como para seus contemporâneos adventistas, ‘semelhantemente a todo filho de Adão, Ele [Cristo] aceitou os resultados da operação da grande lei da hereditariedade’, mas sem jamais ceder a essas tendências”. Tocado por Nossos Sentimentos p. 113

Para esses irmãos a propensão ou inclinação pecaminosa só é pecado quando ela é cultivada. Se é herdada, não é pecado, sendo assim eles não se importam em acreditar que Jesus possuiu essas propensões ou inclinações pecaminosas herdadas.

“Más propensões são aqueles impulsos para o pecado que foram cultivados e fortalecidos pela indulgência para com o pecado. Propensões naturais são aquelas tendências herdadas. A culpa está contida numas mas não em outras. Isso não é pecaminoso a menos que alguém ceda à propensão”. Tocado por Nossos Sentimentos p. 225

Essa argumentação não é válida ao constatarmos que Deus não faz essa diferença entre propensões herdadas e cultivadas, uma sendo pecado a outra não. O que percebemos é que para Deus, ambas precisam ser “desarraigadas”, “eliminadas” ou “subjugadas. Não podemosbaixar a norma de justiça a fim de acomodar tendências herdadas e cultivadas para o mal”.

“Deus requer perfeição moral em todos. Os que receberam luz e oportunidades devem, como mordomos de Deus, aspirar à perfeição, e nunca, nunca baixar a norma de justiça a fim de acomodar tendências herdadas e cultivadas para o mal. Cristo tomou sobre Si nossa natureza humana e viveu nossa vida, para mostrar-nos que podemos ser semelhantes a Ele participando da natureza divina. Podemos ser santos, como Cristo foi santo na natureza humana”. Este Dia Com Deus p. 30

“Ao participarmos da natureza divina,são eliminadas do caráter as tendências hereditárias e cultivadas para o mal, e tornamo-nos um vivo poder para o bem”.  SDA Bible Commentary, vol. 7, p. 943; Cuidado De Deus, p. 366.

“As inclinações e desejos humanos não santificados devem serdesarraigados da vida como obstáculos ao crescimento cristão”. Carta 13, 1902, Evangelismo p. 347

“Ao participarmos da natureza divina, as tendências hereditárias ou cultivadas para o mal são separadas do caráter, e somos tornados uma força viva para o bem. […] Deus opera, e o homem opera, para que o homem seja um com Cristo assim como Cristo é um com Deus. “- Ellen G. White, Para Conhecê-lo (Meditações Matinais, 1965), pág. 95 (Lição da Escola Sabatina 4° Trim. 1994 pág. 168)

“Uma obra real é operada pelo Espírito Santo no caráter humano, e seus frutos são visíveis; como a árvore boa produz bons frutos, assim a árvore que realmente está plantada no jardim do Senhor produzirá bom fruto para a vida eterna. Pecados habituais são vencidos; na mente não são acolhidos maus pensamentos; maus hábitos são expelidos do templo da alma. As tendências que foram influenciadas numa direção errada, voltam-se para a direção certa. Disposições e sentimentos errados são desarraigados. Santo temperamento e emoções santificadas são agora o fruto produzido na árvore cristã. Ocorreu uma transformação completa. Esta é a obra que deve ser efetuada”. (Elder E. P. Daniels and the Fresno Church, págs. 8 e 9). MM, E RECEBEREIS PODER 1999, P. 50

 “As tendências que controlam o coração natural devem ser subjugadas pela graça de Cristo, antes que o homem caído esteja em condições de entrar no Céu, e partilhar da comunhão com os anjos puros e santos”. Atos Dos Apóstolos p. 273

“Os que fazem isso, andam com Deus, como fez Enoque, e imperceptivelmente para eles, tornam-se um com o Pai e o Filho. Realiza-se dia a dia na mente e no coração uma mudança, e as inclinações naturais e os caminhos naturais são moldados segundo o caminho e o Espírito de Deus”. MM 1956, Filhos e Filhas de Deus, p. 296

“É por meio do Espírito que o coração é purificado. Por Ele torna-se o crente participante da natureza divina. Cristo deu Seu Espírito como um poder divino para vencer toda tendência hereditária e cultivada para o mal, e gravar Seu próprio caráter em Sua igreja”. DTN, p. 671.

“Ninguém será trasladado para o Céu enquanto seu coração estiver cheio do refugo da Terra. Primeiro tem de ser corrigido todo defeito do caráter moral, removida toda mancha pelo sangue purificador de Cristo e vencidos todos os traços de caráter desagradáveis e repulsivos”. Testimonies, vol. 1, p. 704 e 705; Maranata O Senhor Vem, p. 56.

Irmãos, os que retiverem tendências hereditárias para o erro não podem permanecer com Ele”. Lendo essa clara afirmação da serva do senhor, como afirmar que propensão ou inclinação herdada não é pecado?

Cristo morreu a fim de elevá-los e enobrecê-los, e os que retiverem tendências hereditárias para o erro não podem permanecer com Ele. Ele sofreu tudo quanto é possível à carne humana sofrer e resistir, para que passemos triunfantemente por todas as tentações que Satanás invente a fim de destruir-nos a fé”. Filhos e Filhas de Deus, pág. 294

Novo nascimento é um marco entre a morte do velho homem e o nascimento do novo homem. Para que esse novo nascimento realmente tenha ocorrido deverá ser constatado uma mudança radical de condição de vida do velho homem para o novo homem. Velho homem dominado por propensões, inclinações, tendências para pecar, novo homem libertado, pela graça de Deus libertado dessas propensões, inclinações, tendências para pecar, vivendo agora, não segundo a carne mas, segundo o Espírito. O novo homem agora “co-participante da natureza divina” libertado, “da corrupção das paixões que há no mundo”.

 “Não sois capazes, por vós mesmos, de sujeitar vossos desígnios, desejos e inclinações à vontade de Deus; mas se permitires, Deus efetuará a obra por vós, destruindo até “os conselhos e toda altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo o entendimento à obediência de Cristo”. II Cor. 10:5. Haveis de então operar “vossa salvação com temor e tremor; porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a Sua boa vontade”. Filip. 2:12 e 13. para cooperar com Deus.” O Maior Discurso De Cristo, p. 141-143.

NECESSIDADE DE GRANDE TRANSFORMAÇÃO

Existe a necessidade de uma grande transformação em nossa natureza caída e corrompida, essa transformação ocorre no novo nascimento, ou seja, quando nascemos do Senhor o Espírito Santo.

Vejam nos textos a seguir a maravilhosa obra que o Senhor deseja realizar em nós.

“O amor de Deus para com os Seus filhos durante o período de sua mais intensa prova, é tão forte e terno como nos dias de sua mais radiante prosperidade; mas é necessário passarem pela fornalha de fogo; sua natureza terrena deve ser consumida para que a imagem de Cristo possa refletir-se perfeitamente”. Grande Conflito, p. 621.

“Cristo […] não transgrediu a lei de Deus em nenhum detalhe. Mais que isso, Ele eliminou qualquer desculpa do homem caído que pudesse alegar alguma razão para não guardar a lei de Deus. Cristo estava cercado das fraquezas da humanidade, era afligido com as mais ferozes tentações, tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, e mesmo assim desenvolveu um caráter reto. Nenhuma mancha de pecado foi encontrada sobre Ele”. -ST, 16/01/1896; Ellen White e a Humanidade de Cristo, p. 173.

        “A fim de que o preceito da lei se cumprisse em nós, que não andamos segundo a carne, mas segundo o Espírito” Rom. 8:4

“A menos que sejam corrigidas pelo Santo Espírito de Deus, nossas tendências naturais encerram em si mesmas os germes da morte”. CBV, p. 455.

“Sem o processo transformador que só pode ocorrer pelo poder divino, as propensões originais para pecar permanecem no coração com toda a sua intensidade, para forjar novas correntes, para impor uma escravidão que jamais poderá ser rompida pelo poder humano. Mas os homens nunca poderão entrar no Céu com seus velhos gostos, inclinações, ídolos, ideias e teorias. O Céu não seria um lugar de alegria para eles; pois tudo estaria em conflito com seus gostos, apetites e inclinações, e se oporia dolorosamente a seus traços de caráter naturais e cultivados”. M.E. v 3, p. 191.

“Os pensamentos corruptos devem ser expulsos. Todo o pensamento deve ser levado cativo a Jesus Cristo. Toda propensão animal deve ser sujeita às faculdades mais altas da alma. O amor de Deus deve reinar supremo; Cristo deve ocupar um trono não dividido. Nosso corpo deve ser considerado como havendo sido comprado. Os membros do corpo devem tornar-se instrumentos de justiça”. O Lar Adventista, págs. 127 e 128.; Mente, Caráter e Personalidade, vol. 1, p. 236.

“Vosso amor-próprio será ofendido, a alta opinião que tendes de vós mesmos será decepada pelo martelo e o machado, e a aspereza de vosso caráter será aparada; e quando o eu e as propensões carnais são tirados, então a pedra assume as devidas proporções para o edifício celeste, e começa o processo de polir, refinar, sujeitar, aperfeiçoar, e sereis moldados segundo o modelo do caráter de Cristo”. Filhos e Filhas de Deus, p. 319.

“Se alguém acaricia e cultiva tendências hereditárias para o mal, condescendendo com inclinações, apetites e paixões carnais, não poderá jamais entrar no reino de Deus. Mas a pessoa que se esforça por reprimir as más inclinações, que está disposta a ser governada pelo Espírito de Jesus Cristo, é transformada”.

“Cristo morreu a fim de elevá-los e enobrecê-los, e os que retiverem tendências hereditárias para o erro não podem permanecer com Ele. Ele sofreu tudo quanto é possível à carne humana sofrer e resistir, para que passemos triunfantemente por todas as tentações que Satanás invente a fim de destruir-nos a fé”. Filhos E Filhas de Deus, p. 294.

 “Assim os semeadores têm alguma coisa que fazer, para que a semente não seja sufocada pelos espinhos ou venha a perecer pela pouca profundidade do solo. Logo no início da vida cristã, deve ensinar-se aos crentes seus princípios fundamentais. Deve-se-lhes ensinar que não serão salvos somente pelo sacrifício de Cristo, mas que também devem tornar a vida de Cristo a sua vida e o caráter de Cristo o seu caráter. Ensine-se a todos, que precisam levar fardos e renunciar às inclinações naturais”. P. J. p. 57-58.

“O Espírito de Deus produz uma nova vida na pessoa, levando os pensamentos e os desejos à obediência da vontade de Cristo”. MCP, v. 2, p. 658.

“Os que fazem isso, andam com Deus, como fez Enoque, e imperceptivelmente para eles, tornam-se um com o Pai e o Filho. Realiza-se dia a dia na mente e no coração uma mudança, e as inclinações naturais e os caminhos naturais são moldados segundo o caminho e o Espírito de Deus. Eles crescem em conhecimento espiritual, e vão-se desenvolvendo até à estatura completa de homens e mulheres em Cristo Jesus”. Filhos e Filhas de Deus, p. 296.

“Não sois capazes, por vós mesmos, de sujeitar vossos desígnios, desejos e inclinações à vontade de Deus; mas se permitires, Deus efetuará a obra por vós, destruindo até ‘os conselhos e toda altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo o entendimento à obediência de Cristo’”. II Cor. 10:5. O Maior Discurso De Cristo, p. 142

“Os que fazem isso, andam com Deus, como fez Enoque, e imperceptivelmente para eles, tornam-se um com o Pai e o Filho. Realiza-se dia a dia na mente e no coração uma mudança, e as inclinações naturais e os caminhos naturais são moldados segundo o caminho e o Espírito de Deus”. MM 1956, Filhos e Filhas de Deus, p. 296

“Deus comunicou Seus dons ao homem para serem usados, não de acordo com ideias hereditárias ou fantasiosas, não de acordo com impulsos ou inclinações naturais, mas de acordo com Sua vontade“. Este Dia com Deus, p. 29.

 “Ao participarmos da natureza divina, são ELIMINADAS DO CARÁTER as tendências hereditárias e cultivadas para o mal, e tornamo-nos um vivo poder para bem”. Cuidado De Deus, p. 366.

“As inclinações e desejos humanos não santificados devem ser desarraigados da vida como obstáculos ao crescimento cristão. Carta 13, 1902”. Evangelismo, p. 347.

“As coisas velhas, suas paixões naturais e as tendências herdadas ou cultivadas para o mal, dissipam-se e ele é renovado e santificado”. MM 1962, Nossa Alta Vocação, p. 213

“O novo nascimento consiste em ter novos motivos, novos gostos, novas tendências. Os que são gerados para uma nova vida, pelo Espírito Santo, tornam-se participantes da natureza divina, e em todos os seus hábitos e práticas evidenciarão sua ligação com Cristo. […]” MM EXALTAI-O 1992 P. 124

TRANSFORMAÇÃO DA NOSSA NATUREZA

Uma verdade que infelizmente está sendo ignorada é a possibilidade de que nossa natureza seja transformada, natureza caída corrompida para natureza caída, agora não mais corrompida. Essa transformação é operada pela graça de Deus e somente será mantida enquanto o transformado continuar em íntima comunhão com nosso maravilhoso Deus.

“A vida cristã não é uma modificação ou melhoramento da antiga, mas uma transformação da natureza. Tem lugar a morte do eu e do pecado, e uma vida toda nova. Essa mudança só se pode efetuar mediante a eficaz operação do Espírito Santo”.  O Desejado De Todas As Nações, p. 172

“Olhando sempre a Jesus com os olhos da fé, seremos fortalecidos. Deus fará as mais preciosas revelações a Seu povo faminto e sequioso. Verificarão que Cristo é um Salvador pessoal. Ao alimentarem-se de Sua palavra, acharão que ela é espírito e vida. A palavra destrói a natureza carnal, terrena, e comunica nova vida em Cristo Jesus. O Espírito Santo vem ter com a alma como Consolador. Pela transformadora influência de Sua graça, a imagem de Deus se reproduz no discípulo; torna-se uma nova criatura”. O Desejado De Todas As Nações, p. 391

“Quando a alma se rende inteiramente a Cristo, novo poder toma posse do coração. Opera-se uma mudança que o homem não pode absolutamente operar por si mesmo.É uma obra sobrenatural introduzindo um sobrenatural elemento na natureza humana”. O Desejado De Todas As Nações, p. 324

“O poder da escolha deu-o Deus ao homem; a ele compete exercê-lo. Não podeis mudar vosso coração, não podeis por vós mesmos consagrar a Deus as vossas afeições; mas podeis escolher servi-Lo. Podeis dar-Lhe a vossa vontade; Ele então operará em vós o querer e o efetuar, segundo a Sua vontade. Desse modo toda a vossa natureza será levada sob o domínio do Espírito de Cristo; vossas afeições centralizar-se-ão nEle; vossos pensamentos estarão em harmonia com Ele”. Caminho a Cristo, p. 47

“Somos retidos nos laços de Satanás, ‘em cuja vontade’ (II Tim. 2:26) estamos presos. Deus deseja curar-nos, libertar-nos. Mas como isto requer uma completa transformação, uma renovação de nossa natureza toda, é necessário rendermo-nos inteiramente a Ele. A luta contra o próprio eu é a maior batalha que já foi ferida. A renúncia de nosso eu, sujeitando tudo à vontade de Deus, requer luta; mas a alma tem de submeter-se a Deus antes que possa ser renovada em santidade”.  Caminho a Cristo, p. 43

“’As palavras que Eu vos digo, são espírito e vida’. S. João 6:36. ‘A energia criadora que trouxe à existência os mundos, está na Palavra de Deus. Essa Palavra comunica poder, gera vida. Cada mando é uma promessa, aceito voluntariamente, recebido na alma, traz consigo a vida do Ser infinito. Transforma a natureza, cria de novo a alma à imagem de Deus”. Educação p.126.

Impulsos para obediência

“Finalmente, irmãos, tudo que é verdadeiro, tudo que é respeitável, tudo que é justo, tudo que é puro, tudo que é amável, tudo que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento”. Filipenses 4:8

“O apóstolo se compara a uma pessoa disputando uma carreira, esforçando cada nervo para alcançar o prêmio. “Pois eu assim corro”, diz ele, “não como a coisa incerta; assim combato, não como batendo no ar. Antes subjugo o meu corpo, e o reduzo à servidão, para que, pregando aos outros, eu mesmo não venha de alguma maneira a ficar reprovado.” I Cor. 9:27. Para que não viesse a correr incertamente ou a esmo na carreira cristã, Paulo se submetia a severo exercício. As palavras “subjugo o meu corpo”, literalmente significam repelir por severa disciplina os desejos, os impulsos e as paixões”. Atos dos Apóstolos, p. 314.

“No coração renovado pela graça divina, o amor é o princípio da ação. Modifica o caráter, governa os impulsos, domina as paixões, subjuga a inimizade e enobrece as afeições. Este amor, abrigado na alma, ameniza a vida e espalha ao redor uma influência enobrecedora”. Caminho a Cristo, p. 47.

Obediência a Deus é liberdade do cativeiro do pecado, livramento das paixões e impulsos humanos. O homem pode ser vencedor de si mesmo, vencedor de suas inclinações, vencedor dos principados e potestades, e dos “príncipes das trevas deste século”, e das “hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais”. Efés. 6:12”. A Ciência do Bom Viver, p.131.

O Espírito de Deus produz uma nova vida na pessoa, levando os pensamentos e os desejos à obediência da vontade de Cristo”. MCP, vol. 2, p. 658

“Uma obra real é operada pelo Espírito Santo no caráter humano, e seus frutos são visíveis; como a árvore boa produz bons frutos, assim a árvore que realmente está plantada no jardim do Senhor produzirá bom fruto para a vida eterna. Pecados habituais são vencidos; na mente não são acolhidos maus pensamentos; maus hábitos são expelidos do templo da alma. As tendências que foram influenciadas numa direção errada, voltam-se para a direção certa. Disposições e sentimentos errados são desarraigados. Santo temperamento e emoções santificadas são agora o fruto produzido na árvore cristã. Ocorreu uma transformação completa. Esta é a obra que deve ser efetuada”. (Elder E. P. Daniels and the Fresno Church, págs. 8 e 9). MM, E RECEBEREIS PODER 1999, P. 50

“Toda a verdadeira obediência vem do coração. Deste procedia também a de Cristo. E se consentirmos, Ele por tal forma Se identificará com os nossos pensamentos e ideais, dirigirá nosso coração e espírito em tanta conformidade com o Seu querer, que, obedecendo-Lhe, não estaremos senão seguindo nossos próprios impulsos”. DTN, p.668.

Cristo nos salva DO pecado e não NO pecado.

Eis aí uma grande verdade ignorada por muitos, Cristo saldo do pecado e não no pecado, ninguém, absolutamente ninguém será salvo nos seus pecados.

“E dará à luz um filho e chamarás o seu nome JESUS; porque ele salvará o seu povo dos seus pecados”. Mateus 1:21

“Mas orar em nome de Cristo significa muito. Quer dizer que havemos de aceitar-Lhe o caráter, manifestar-Lhe o espírito e fazer Suas obras. A promessa do Salvador é dada sob condição. “Se Me amardes”, diz, “guardareis os Meus mandamentos.” João 14:15. Ele salva os homens, não em pecado, mas do pecado; e os que O amam manifestarão seu amor pela obediência”. DTN, p. 668

Se um pecado é nutrido na alma, ou uma prática errônea conservada na vida, todo o ser é contaminado. O homem torna-se instrumento de injustiça”. DTN, p.313

“Alguns há, que parece sempre buscarem a pérola celestial. Não renunciam, porém, completamente a seus maus hábitos. Não morrem para o próprio eu, para que Cristo viva neles. Por este motivo, não acham a pérola valiosa. Não venceram sua ambição profana e seu amor às atrações do mundo. Não tomam a cruz e não seguem a Cristo no caminho da abnegação e sacrifício. Quase cristãos, mas não plenamente, parecem estar perto do reino do Céu, mas não podem ali entrar. Quase, mas não completamente salvos, significa estar não quase, porém completamente perdidos”. Parábolas de Jesus, p. 118

Certa vez ao conversar com alguns irmãos sobre esse tema um irmão me perguntou qual a diferença entre o que eu estava defendendo e a crença “carne santa”. Os defensores da crença carne santa acreditavam que eles poderiam alcançar um nível de santidade onde não haveria mais para eles a possibilidade de pecarem, já no que estou apresentando, a libertação de nossas propensões ou inclinações pecaminosas somente será realidade para aqueles que realmente estiverem vivendo em plena comunhão com nosso Salvador. Até a glorificação continuaremos susceptíveis a termos novamente nossos defeitos de caráter se manifestando caso nos afastemos de Cristo.

Diante de tão importantes mensagens do Senhor fica muito evidente que se almejamos realmente a salvação, devemos entender que precisamos permitir que o Senhor nos liberte der todos, absolutamente todos nossos pecados, de todos nossos defeitos de caráter.

“É requerida obediência exata, e os que dizem não ser possível levar uma vida perfeita, lançam sobre Deus a acusação de injustiça e falsidade”. – Reimpressões De Review and Herald, vol. 6 p. 519. (Lição da Escola Sabatina, 2° trim. 1989, “Triunfo no Presente e Glória no Futuro” p. 48)

JUSTIFICAÇÃO

“Cristo não é ministro do pecado. Somos perfeitos nEle, aceitos no Amado, unicamente se permanecemos nEle”. Fé e Obras, p. 107

“Ele me veste de Sua justiça, que responde a todas as exigências da lei. Sou completo nAquele que introduz a justiça eterna. Ele me apresenta a Deus nas vestes imaculadas das quais nenhum fio foi tecido por qualquer instrumento humano. Tudo é de Cristo, e toda a glória, honra e majestade devem ser dados ao Cordeiro de Deus, que tira os pecados do mundo.” Mensagens Escolhidas vol. 1 p. 396

Infelizmente existem em nosso meio aqueles que por causa de afirmações como essas do Espírito de profecia, “[…] Somos perfeitos nEle”, “Sou completo nAquele que introduz a justiça eterna”. Tendem a pensar na justiça de Cristo como uma capa para encobrir pecados não confessados e não abandonados, mas vejam a afirmação da serva do Senhor no texto a seguir.

NÃO CAPA PARA PECADOS NÃO CONFESSADOS, NÃO ABANDONADOS

“Não é genuíno nenhum arrependimento que não opere a reforma. A justiça de Cristo não é uma capa para encobrir pecados não confessados e não abandonados; é um princípio de vida que transforma o caráter e rege a conduta. Santidade é integridade para com Deus; é a inteira entrega da alma e da vida para habitação dos princípios do Céu”. O Desejado De Todas As Nações, p. 555 – 556

“Todos estes esperam ser salvos pela morte de Cristo, ao passo que recusam viver Sua vida de abnegação. Exaltam as riquezas da livre graça, e procuram cobrir-se com a aparência de justiça, esperando assim ocultar os defeitos de caráter, mas seus esforços serão vãos no dia de Deus. A justiça de Cristo não encobrirá pecado algum acariciado”. Parábolas de Jesus p.316

JUSTIFICAÇÃO, JUSTIÇA IMPUTADA E COMUNICADA

Acho que seja bastante interessante vermos o que nos foi ensinado sobre justificação em uma das nossas lições da Escola Sabatina.

JUSTIÇA IMPUTADA: O perdão de Deus. Justificação como ato legal da parte de Deus. “A lei requer justiça, e esta o pecador deve à lei; mas é ele incapaz de a apresentar. A única maneira em que pode alcançar a justiça é pela fé. Pela fé pode ele apresentar a Deus os méritos de Cristo, e o Senhor lança a obediência de Seu Filho a crédito do pecador. A justiça de Cristo é aceita em lugar do fracasso do homem, e Deus recebe, perdoa, justifica a alma arrependida e crente, trata-a como se fosse justa, a ama-a tal qual ama Seu Filho”. Mensagens Escolhidas, vol. 1, p. 367

JUSTIÇA COMUNICADA, Santificação. Justificação como transformação do coração. “Aproximando-se da cruz erguida o pecador, e prostrando-se ao pé da mesma, atraído pelo poder de Cristo, dá-se uma nova criação. É-lhe dado um novo coração. Torna-se uma nova criatura em Cristo Jesus. A santidade acha que nada mais há para requerer. Deus mesmo é ‘justificador daquele que tem fé em Jesus’. Rom. 3:26”. Parábolas de Jesus, p. 163

“Mas, embora Deus possa ser justo e ao mesmo tempo justificar o pecador, pelos méritos de Cristo, homem algum pode cobrir sua alma com as vestes da justiça de Cristo, enquanto comete pecados conhecidos, ou negligencia conhecidos deveres. Deus requer entrega do coração, antes que possa ter lugar a justificação; e para que o homem conserve essa justificação, tem de haver obediência contínua, mediante ativa e viva fé que opera por amor e purifica a alma”. Mensagens Escolhidas, vol. 1, p. 366; Lição da Escola Sabatina 2º Trim. 1990, CRISTO O ÚNICO CAMINHO, P. 45 – 46

“É imputada a justiça pela qual somos justificados; aquela pela qual somos santificados, é comunicada. A primeira é nosso título para o Céu; a segunda, nossa adaptação para ele”. (Review and Herald, 4 de junho de 1895.) Mensagens Aos Jovens, p. 35

QUANDO DEUS CONSIDERA JUSTO

“Em nenhuma das 41 vezes que o verbo justificar é usado no Antigo Testamento Hebraico Deus declara justo a alguém que não o é. Por exemplo, Êxodo 23:7 diz o seguinte: ‘Da falsa acusação te afastarás; não matarás o inocente e o justo, porque não justificarei o ímpio’. O ponto é que o Senhor nunca declara justo àquele que não se tornou justo pela relação do concerto com Ele. Essa relação abrange a presença de Deus na vida. Ele declara justos àqueles que são justos em virtude de Sua presença na vida deles”. Lição da Escola Sabatina 2º Trim. 1990, CRISTO O ÚNICO CAMINHO, P. 46

“O estudo do verbo imputar no Antigo Testamento revela que Deus nunca considera que alguém é alguma coisa que ele não é. Por exemplo, Finéias foi considerado como justo porque, em virtude de sua união com Deus, ele era justo. (Ver Sal. 106:30 e 31; Núm. 25:13.) Pode-se dizer a mesma coisa de Abrão. A justiça lhe foi imputada porque sua fé envolveu total união com o Deus do concerto eterno. A imputação expressava a realidade de que a justiça de Deus tornara posse da vida de Abraão. Como é salientado pela lição, a imputação da justiça (justificação) é a concessão da justiça de Cristo ao crente pelo Espírito Santo. Esta experiência é a fonte de nosso poder espiritual”. Lição da E. S. 2º Tri. 1990, Cristo O Único Caminho, p. 63

“Não há segurança nem repouso nem justificação na transgressão da lei. Não pode o homem esperar colocar-se inocente diante de Deus em paz colo Ele, mediante os méritos de Cristo, se ao mesmo tempo continua em pecado”. (Ellen G. White, Mensagens Escolhidas, vol. 1, p. 213), Lição da Escola Sabatina 3º Trim. 2010, A Redenção em Romanos, p. 100

A verdadeira obediência

 “Toda a verdadeira obediência vem do coração. Deste procedia também a de Cristo. E se consentirmos, Ele por tal forma Se identificará com os nossos pensamentos e ideais, dirigirá nosso coração e espírito em tanta conformidade com o Seu querer, que, obedecendo-Lhe, não estaremos senão seguindo nossos próprios impulsos. A vontade, refinada, santificada, encontrará seu mais elevado deleite em fazer o Seu serviço. Quando conhecermos a Deus como nos é dado o privilégio de O conhecer, nossa vida será de contínua obediência. Mediante o apreço do caráter de Cristo, por meio da comunhão com Deus, o pecado se nos tornará aborrecível”. DTN, p. 668.

Até quando rejeitaremos a verdadeira norma que o Senhor tem para nós?

Até quando continuaremos neste mundo repleto de pecado e dor?

“Por quarenta anos a incredulidade, a murmuração e a rebelião excluíram o antigo Israel da terra de Canaã. Os mesmos pecados têm retardado a entrada do Israel moderna na Canaã celestial. Em nenhum dos casos houve falta da parte das promessas de Deus. É a incredulidade, o mundanismo, a falta de consagração e a contenda entre o professo povo de Deus que nos têm detido neste mundo de pecado e dor por tantos anos”. Eventos Finais, p. 38

1 comment so far

  1. Márcio on

    muito bom estudo


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: