Archive for the ‘Lição da Escola Sabatina’ Tag

Reavivamento Prometido: missão cumprida

 Reavivamento

“Porque a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens. Ela nos ensina a renunciar à impiedade e às paixões mundanas e a viver de maneira sensata, justa e piedosa nesta era presente, enquanto aguardamos a bendita esperança: a gloriosa manifestação de nosso grande Deus e Salvador, Jesus Cristo.” Tito 2:11-13 (NVI)

“O Senhor não demora em cumprir a sua promessa, como julgam alguns. Pelo contrário, ele é paciente com vocês, não querendo que ninguém pereça, mas que todos cheguem ao arrependimento.” 2 Pedro 3:9 (NVI)

Por estes textos percebemos claramente que o Senhor deseja a salvação de todos. Para isso, Ele está concedendo agora a chuva Temporã e em breve, concederá a chuva Serôdia para aqueles que estiverem preparados.

A verdadeira preparação se fará através da purificação de nossa vida ao buscarmos refletir o caráter de Cristo no tempo da Chuva Temporã que vem sobre nós agora. E somente por esta purificação e transformação através do Senhor Espírito Santo, é que seremos dignos de recebermos a Chuva Serôdia.

Ellen G. White afirma assim: “A chuva serôdia, amadurecendo a seara da Terra, representa a graça espiritual que prepara a igreja para a vinda do Filho do homem. Mas a menos que a chuva temporã haja caído, não haverá vida; a ramagem verde não brotará. Se a chuva temporã não fizer seu trabalho, a serôdia não desenvolverá a semente até a perfeição.” Testemunhos Para Ministros, pág. 506.

Ser purificado agora para não ser consumido no futuro

“O estudioso LeRoy Froom explica a expressão “batismo de fogo: “trata-se aqui de uma frase explicativa, completando a idéia. É a maneira escriturística de repetir para salientar e reforçar um só pensamento. Devemos ser batizados com fogo divino agora para escaparmos da destruição do fogo consumidor mais tarde “(A Vinda do Consolador, p.265, 266). A presença pessoal de Cristo, por intermédio do Espírito Santo, é uma presença purificadora. O Espírito Santo sonda íntimo de nosso ser, penetra os pensamentos, purifica o coração e fortalece a vida espiritual.” Comentário Adicional na Lição de Professor, pág. 168

Nossa dificuldade em compreender e aceitar quando e o quanto o Senhor quer e pode nos purificar na chuva Temporã, é na verdade o motivo de não estarmos preparados para recebermos a chuva Serôdia. Vejamos que o Pr. Mark Finley, autor da lição, reconhece que realmente não estamos preparados para recebermos a chuva Serôdia:

“A razão pela qual Deus nos pede que oremos pelo Espírito Santo não é que Ele não esteja disposto a nos dar o Espírito, mas porque não estamos preparados para recebê-Lo.” Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 90 – Lição de Aluno; pág. 162 – Lição de Professor

A lição da escola sabatina traz uma pergunta interessante para iniciarmos um entendimento do preparo que precisamos ter, para recebermos o Espírito Santo. As respostas a estas perguntas nos esclarecerão sobre nossa falta de preparo:

“Quais são os pré-requisitos para receber a chuva serôdia? Por que o Espírito Santo ainda não foi derramado na plenitude do poder?” Comentário Adicional na Lição de Professor, pág. 166

QUAIS SÃO OS PRÉ-REQUISITOS PARA RECEBER A CHUVA SERÔDIA?

  • Oração;
  • nosso desejo de receber;
  • plena purificação dos pecados.

Já afirmamos anteriormente a necessidade da purificação plena para recebermos a Chuva Serôdia e agora, apresentaremos mais alguns textos do Espírito de profecia que confirmam esta necessidade:

“Vi que ninguém poderia participar do “refrigério” a menos que obtivesse a vitória sobre toda tentação, orgulho, egoísmo, amor ao mundo, e sobre toda má palavra e ação. Deveríamos, portanto, estar-nos aproximando mais e mais do Senhor, e achar-nos fervorosamente à procura daquela preparação necessária para nos habilitar a estar em pé na batalha do dia do Senhor.” Primeiros Escritos, pág. 71.

“Cumpre-nos remediar os defeitos de caráter, purificar de toda a contaminação o templo da alma. Então a chuva serôdia cairá sobre nós, como caiu a temporã sobre os discípulos no dia de Pentecoste.” Testemunhos Seletos, vol. 2, pág. 69. Eventos Finais pág. 192

UM ALERTA! – Os que não estão buscando a purificação plena agora esperando que as falhas sejam supridas pela chuva Serôdia “estão cometendo um erro terrível”. Eis a confirmação desta afirmação:

“Muitos têm, em grande parte, deixado de receber a chuva temporã. Não têm obtido todos os benefícios que Deus assim para eles tem provido. Esperam que as falhas sejam supridas pela chuva serôdia. Quando a maior abundância da graça estiver para ser outorgada, tencionam abrir o coração para recebê-la. Estão cometendo um erro terrível.” Testemunhos Para Ministros  pág.  506 -507 (O Batismo do Espírito Santo pág. 60)

 

POR QUE O ESPÍRITO SANTO AINDA NÃO FOI DERRAMADO NA PLENITUDE DO PODER?

Já vimos que a plena purificação é um dos pré-requisitos para recebermos a plenitude do Espírito Santo. Agora não fica difícil sabermos o porquê de não recebermos a Chuva Serôdia. Basta olharmos para nossa vida ainda apegada ao pecado e nossa religiosidade apenas superficial para entendermos porque pedimos, pedimos e não recebemos a tão necessária chuva Serôdia. 

Em nome de Jesus clamamos que mudemos de vida e almejemos aquilo que realmente tem valor:

“Mas, tudo o que é exposto pela luz torna-se visível, pois a luz torna visíveis todas as coisas. Por isso é que foi dito: “Desperta, ó tu que dormes, levanta-te dentre os mortos e Cristo resplandecerá sobre ti“. Tenham cuidado com a maneira como vocês vivem; que não seja como insensatos, mas como sábios, aproveitando ao máximo cada oportunidade, porque os dias são maus. Portanto, não sejam insensatos, mas procurem compreender qual é a vontade do Senhor.” Efésios 5:13-17 (NVI)

Lição reavivamento e reformaPERGUNTAS DA INTRODUÇÃO DA LIÇÃO

No início do trimestre desafiamos nossos irmãos a responderem as perguntas que encontramos na introdução da lição Reavivamento e Reforma:

  1. Será que Deus está esperando algum momento mágico para derramar o Espírito Santo sobre a igreja?
  2. O que significa uma vida cheia do Espírito?
  3. Há algo que possamos fazer para cooperar com Deus, a fim de receber o Espírito Santo?
  4. Onde começam o reavivamento e a reforma?

A seguir alguns textos que encontramos na lição, na bíblia e no Espírito de Profecia onde temos as respostas para estas perguntas:

1. Será que Deus está esperando algum momento mágico para derramar o Espírito Santo sobre a igreja?

“A promessa do Espírito Santo não é limitada a algum século ou raça.” Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 61 – Lição de Professor

“No cenáculo, os discípulos arrependeram-se e confessaram seus pecados a Deus e uns aos outros. Foram reconciliados com Deus e unidos aos irmãos. Prepararam o coração para receber o derramamento do Espírito Santo no Pentecostes. O pecado impede esse mesmo derramamento em nossa vida, bloqueando o fluxo do Espírito de Deus. Arrependimento e confissão de pecados específicos abrem os canais obstruídos da alma, para que recebamos o mais precioso dom de Deus, o Espírito Santo em sua plenitude. Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 75 – Lição de Professor

“Quando a igreja de Cristo estiver unida, focalizada na mensagem e apaixonada pela missão, o reavivamento virá.” Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 88 – Lição de Professor

“A descida do Espírito Santo sobre a igreja é olhada como estando no futuro; é, porém, o privilégio da igreja tê-la agora. Buscai-a, orai por ela, crede nela. Precisamos tê-la, e o Céu espera para concedê-la. Evangelismo, pág. 701.”  Eventos Finais pág. 109

É bom que todos possam compreender claramente que o Senhor não está esperando algum “momento mágico” para nos conceder a chuva Serôdia. Ele deseja nos conceder essa graça maravilhosa agora! É a nossa rebeldia, despreparo e prioridades mundanas que estão impedindo que o Senhor derrame sobre nós a plenitude do Espírito Santo. Misericórdia Senhor!

Irmãos, até quando?

2. O que significa uma vida cheia do Espírito?

“Enfatize que a mensagem a Laodiceia, em Apocalipse 3, é o apelo de Deus para irmos além da experiência cristã casual (que nos custa pouco), para uma vida de total comprometimento com Jesus. Esse apelo não é apenas para abandonarmos atitudes e hábitos que nos separam de Jesus, mas para conhecermos e amarmos a Cristo de modo tão profundo que jamais pensaríamos em desagradar Aquele que tanto nos ama.” Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 10 – Lição de Professor

“Jesus deu um exemplo do que é uma vida cheia do Espírito Santo. É uma vida de obediência voluntária e humilde submissão à vontade do  Pai. E uma vida de oração, dedicada ao serviço e ministério e dominada pelo desejo ardente de ver pessoas salvas no reino do Pai.” Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 60 – Lição de Professor

“Como é uma vida cheia do Espírito Santo? Considere a vida de Jesus, e você perceberá uma vida cheia do Espírito. Ele nasceu do Espírito, recebia diariamente a plenitude do Espírito, foi batizado pelo Espírito e ministrava no poder do Espírito (Lc. 1:35; 4,18; Mt. 3:11-17). Jesus viveu para glorificar oi Pai. Em Sua vida, revelou como era o Pai. Por isso Ele disse: “Eu faço sempre o que Lhe agrada” (João 8:29). Ele foi um filho obediente, comprometido em fazer a vontade do Pai, vivendo para glorificar a Deus (Hb. 5:8; Mt. 26:39; Jo. 17:4). Sua vida refletiu o fruto do verdadeiro reavivamento: uma vida obediente.” Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 64 – Lição de Professor

 “A transformação do caráter é o testemunho de que Cristo habita no ser. O Espírito de Deus produz nova vida na alma, levando os pensamentos e os desejos à obediência à vontade de Cristo, e o homem interior é renovado segundo a imagem de Deus.” Profetas e Reis, pág. 225. (A Vinda do Consolador, pág. 63)

“O Espírito Santo procura habitar em cada alma. Caso Ele seja bem-vindo com hóspede honrado, os que O receberem se tornarão completos em Cristo. A boa obra começada será terminada; os pensamentos santos, as celestiais afeições e os atos semelhantes aos de Cristo tomarão o lugar dos pensamentos impuros, dos sentimentos perversos e dos atos obstinados.” Conselhos Sobre Saúde, pág. 561 (A Vinda do Consolador, pág. 62)

“É pelo Espírito Santo que o coração é purificado. Por meio do Espírito, o crente torna-se participante da natureza divina. Cristo concedeu o Seu Espírito como um poder divino para vencer todas as tendências para o mal, quer hereditárias, quer cultivadas, e imprimir na Igreja o Seu caráter. […]Review and Herald, 19 de novembro de 1908.  (Minha Consagração Hoje, pág. 46)

3. Há algo que possamos fazer para cooperar com Deus, a fim de receber o Espírito Santo?

“Só podemos esperar um reavivamento em resposta a oração.” (Ellen G. White, Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 121). Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 16 – Lição de Professor

“Fazer o que Deus diz, mesmo que isso seja contrário aos nossos desejos pessoais, prepara-nos para receber a plenitude do poder do Espírito Santo.” Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 16 – Lição de Professor

“Arrependimento e confissão são dois prerrequisitos necessários para que recebamos o poder do Espírito Santo em abundância.” Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 68 – Lição de Professor

“É ’a bondade de Deus’ que  nos leva ao arrependimento.É o poder de convencimento do Espírito Santo que nos conscientiza da necessidade de um Salvador que perdoa os pecados. Ao mesmo tempo, devemos lembrar que o Espírito Santo não enche corações  impenitentes. (RO. 2:8; Atos 2:38,39; 3:19). Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 69 – Lição de Professor

“No cenáculo, os discípulos arrependeram-se e confessaram seus pecados a Deus e uns aos outros. Foram reconciliados com Deus e unidos aos irmãos. Prepararam o coração para receber o derramamento do Espírito Santo no Pentecostes. O pecado impede esse mesmo derramamento em nossa vida, bloqueando o fluxo do Espírito de Deus. Arrependimento e confissão de pecados específicos abrem os canais obstruídos da alma, para que recebamos o mais precioso dom de Deus, o Espírito Santo em sua plenitude.” Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 75 – Lição de Professor

“A ‘unidade’, ou harmonia dos discípulos preparou o coração deles para receber a plenitude do poder do Espírito Santo. […] É importante notar que somente depois que os discípulos entraram em união perfeita, quando não mais contendiam pelas posições mais elevadas, o Espírito Santo foi derramado. Estavam unânimes. Todas as divergências haviam sido postas de lado.” (Ellen G. White, Conselhos Para Igreja, p. 98). Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 82 – Lição de Professor

“Quando os obreiros tiverem a presença permanente de Cristo em seu coração, quando estiver morto todo egoísmo, quando não mais houver nenhuma rivalidade, nenhuma contenda por supremacia, quando existir unidade, quando eles se santificarem de maneira que o amor de uns pelos outros seja visto e sentido, então as chuvas da graça do Espírito Santo hão de vir tão seguramente sobre eles como é certo que a promessa de Deus não falhará em um jota ou em um til” (Ellen G. White, Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 175) Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 152 – Lição de Professor

4-   Onde começam o reavivamento e a reforma?

“Um reavivamento da verdadeira piedade entre nós, eis a maior e a mais urgente de todas as nossas necessidades. Importa haver diligente esforço para obter a bênção do Senhor, não porque Deus não esteja disposto a outorgá-la, mas porque nos encontramos carecidos de preparo para recebê-la. Nosso Pai celeste está mais disposto a dar Seu Espírito Santo àqueles que Lho peçam, do que pais terrenos o estão a dar boas dádivas a seus filhos. Cumpre-nos, porém, mediante confissão, humilhação, arrependimento e fervorosa oração, cumprir as condições estipuladas por Deus em Sua promessa para conceder-nos Sua bênção. Só podemos esperar um reavivamento em resposta à oração. Mensagens Escolhidas, vol. 1, pág. 121.” Eventos Finais, pág. 189

“Um reavivamento da verdadeira piedade entre nós, eis a maior e a mais urgente de todas as nossas necessidades.” Está muito claro, o que precisa ser reavivado é a “verdadeira piedade.” Não é fácil definir piedade, mas nos ajudará muito saber quando começa a verdadeira piedade.

Quando começa a verdadeira piedade? “A verdadeira piedade começa quando termina toda transigência com o pecado.” O Maior Discurso de Cristo pág. 91

Precisamos entender e aceitar que o “reavivamento da verdadeira piedade” de que tanto precisamos começa quando termina toda transigência ou tolerância com o pecado. Precisamos parar de ficar justificando nossas atitudes pecaminosas. Ao buscarmos na graça de Deus poder para levarmos uma vida completamente santificada, uma vida sem nenhuma tolerância com o pecado, quando agirmos assim estaremos começando em nossa vida a verdadeira piedade.

A última geração de servos de Deus terá eliminado toda tolerância com o pecado. Pela graça de Deus serão purificados e levarão uma vida santa. Quando ocorrer este processo, os verdadeiros filhos de Deus iluminarão revelando Seu caráter neste mundo mergulhado em trevas.

Lembremos que, o primeiro passo é buscar poder em Deus para morrer o nosso eu e deixá-Lo viver em nós. Ao acontecer esta morte do eu, estaremos em total dependência de Deus, pois já será Ele quem viverá em nós e assim será eliminado a vontade de viver em pecado.

Agora, quando isso vai acontecer? Quando, de uma forma clara e objetiva, iremos no poder de Deus buscar nossa plena libertação da escravidão do pecado? Isso um dia acontecerá, gostaria muito que acontecesse em nossa geração.

Textos que revelam a obra final do povo de Deus na Terra

 “A Terra se encherá da glória de Deus. “A Terra se encherá do conhecimento da glória do Senhor, como as águas cobrem o mar” (Hc 2:14). Em visão profética, João viu um anjo mensageiro descer do Céu “e a Terra se iluminou com a sua glória” (Ap 18:1). A glória de Deus, Seu caráter amoroso, será revelada através do poder do Espírito Santo a um mundo que espera e ao Universo expectante. Cada pessoa no planeta Terra terá a oportunidade de ouvir e compreender a mensagem de Deus para os últimos dias.” Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 163 – Lição de Professor

“Servos de Deus, com o rosto iluminado e a resplandecer de santa consagração, se apressarão de um lugar para o outro para proclamar a mensagem Céu. Por milhares de vozes em toda a extensão da Terra, será dada a advertência. Serão operados prodígios, os doentes serão curados, e sinais e maravilhas seguirão os cristãos “(Ellen G. White, O Grande Conflito, p. 612). A obra na terra será concluída. Jesus virá. Todo o Céu e a Terra se alegrarão. Não há prioridade mais importante em nossa vida do que experimentar um reavivamento da graça de Deus em nosso coração, diariamente, e convidar Seu Espírito Santo para nos moldar á sua imagem (1Jo 3:1-3). Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 164 – Lição de Professor

Sua glória e Seu caráter

“Mediante o derramamento do Espírito Santo no poder da chuva serôdia, a Terra será iluminada com a gloria de Deus. Ocorrerá a maior manifestação do poder do Espírito Santo desde o Pentecoste. A luz da palavra de Deus penetra os mais escuros recantos da Terra. A glória de Deus é o seu caráter (Êx 33:18, 19). O eterno caráter de amor se manifestará em Seu povo, de modo que o mundo e o Universo expectante verão que a graça de Deus é suficiente para superar todos os poderes do mal. Na vida e no testemunho, a igreja revelará esse caráter de amor. Por intermédio do poder divino, a mensagem triunfara e Jesus virá (Mt. 24:14). Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 168 – Lição de Professor

A última geração, vivendo a plenitude do Espírito revelará o caráter de Deus então Jesus voltará. Mais uma vez afirmamos que seria maravilhoso se isso acontecesse na nossa geração.

“Nesta última geração, a parábola do grão de mostarda deve alcançar notável e triunfante cumprimento. A pequena semente tornar-se-á uma árvore. A última mensagem de advertência e misericórdia deve ir “a toda nação, e tribo, e língua, e povo” (Apoc. 14:6), para “tomar deles um povo para o Seu nome” (Atos 15:14); e a Terra será iluminada por Sua glória. (Apoc. 18:1.)” Parábolas de Jesus, pág. 79

“Quando já o fruto se mostra, mete-lhe logo a foice, porque está chegada a ceifa.” Mar. 4:29. Cristo aguarda com fremente desejo a manifestação de Si mesmo em Sua igreja. Quando o caráter de Cristo se reproduzir perfeitamente em Seu povo, então virá para reclamá-los como Seus. Todo cristão tem o privilégio, não só de esperar a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, como também de apressá-la. (II Ped. 3:12.)  Se todos os que professam Seu nome produzissem fruto para Sua glória, quão depressa não estaria o mundo todo semeado com a semente do evangelho! Rapidamente amadureceria a última grande seara e Cristo viria recolher o precioso grão.” Parábolas De Jesus, pág. 69

Deus seja para sempre louvado!

Reforma: vontade de crescer e mudar

Crescer

“Reavivamento é simplesmente um despertar dos mais profundos anseios espirituais. É uma intensificação dos nossos desejos espirituais quando nosso coração é atraído para mais perto de Deus pela influência do Espírito Santo. Reavivamento não implica que não tivemos experiência anterior com Jesus, mas nos chama a uma experiência mais profunda e mais rica. A reforma nos chama para crescer e mudar. Ela nos apela a ir do status quo [estado atual das coisas] espiritual. Convida-nos a reexaminar nossa vida à luz dos valores bíblicos e permitir que o Espírito Santo nos capacite a fazer as mudanças necessárias para viver em obediência à vontade de Deus.” Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 66 – Lição de Aluno; pág. 120 – Lição de Professor

Nosso maravilhoso Deus está nos chamando para uma “uma experiência mais profunda e mais rica.” Nos chama para um estilo de vida realmente em conformidade com Sua vontade. Para atendermos a esse chamado de Deus precisamos realmente de vontade de crescer e mudar.

Não é difícil de entender que quando este processo divino acontecer em nossa vida, estaremos tão ligados à Cristo que nossas atitudes pecaminosas e ofensivas a Deus, deixarão de existir. Esta é uma realidade para “agora”. Vejamos o que a serva do Senhor afirma sobre esta mudança em nossa vida:

A obra de Cristo em purificar o leproso de sua terrível doença, é uma ilustração de Sua obra em libertar a alma do pecado. O homem que foi ter com Jesus estava cheio de lepra. (…) O mesmo se dá quanto à lepra do pecado – profundamente arraigada, mortal e impossível de ser purificada por poder humano. (…) Sua presença tem virtude que cura o pecador. Quem quer que Lhe caia de joelhos aos pés, dizendo com fé: “Senhor, se quiseres, podes tornar-me limpo”, ouvirá a resposta: “Quero: sê limpo.” Mat. 8:2 e 3. Em alguns casos de cura, Jesus não concedeu imediatamente a bênção buscada. No caso da lepra, todavia, tão depressa foi feito o apelo, seguiu-se a promessa. Quando pedimos bênçãos terrestres, a resposta a nossa oração talvez seja retardada, ou Deus nos dê outra coisa que não aquilo que pedimos; não assim, porém, quando pedimos livramento do pecado. É Sua vontade limpar-nos dele, tornar-nos Seus filhos, e habilitar-nos a viver uma vida santa. Cristo “Se deu a Si mesmo por nossos pecados, para nos livrar do presente século mau, segundo a vontade de Deus nosso Pai” Gál. 1:4. E “esta é a confiança que temos nEle, que, se pedirmos alguma coisa, segundo a Sua vontade, Ele nos ouve. E, se sabemos que nos ouve em tudo o que pedimos, sabemos que alcançamos as petições que Lhe fizemos”. I João 5:14 e 15. “Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo, para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça.” I João 1:9.” O Desejado de todas as Nações, pág. 266

É necessário estreitarmos nossa ligação com céu, com Cristo. Nossos defeitos de caráter ou natureza não podem servir de desculpas para vivermos uma vida desregrada, sem reforma. Precisamos parar de justificar nossos erros. O pecado que cometemos entristece e ofende nosso Deus.  Precisamos compreender que pecado habitual ou ocasional, muito ou pouco, pequeno ou minúsculo que seja, se não for abandonado pelo poder de Deus nos levará a perdição.

“Deus é amor. Ele manifestou esse amor na dádiva de Seu Filho unigênito. Contudo, o amor de Deus não desculpa o pecado. Deus não desculpa o pecado em Satanás, em Adão ou em Caim, nem desculpará o pecado em algum dos filhos dos homens. A pervertida natureza humana pode deturpar o amor de Deus, transformando-o num atributo de fraqueza; mas a luz está brilhando da cruz do Calvário, para que o homem possa ter idéias corretas e defender teorias que não sejam deturpadas.” EXALTAI-O, pág. 159

“O pecado é um intruso, por cuja presença nenhuma razão se pode dar. É misterioso, inexplicável; desculpá-lo corresponde a defendê-lo. Se para ele se pudesse encontrar desculpa, ou mostrar-se causa para a sua existência, deixaria de ser pecado.” O Grande Conflito, pág. 493.

Nosso desejo de crescer e mudar deve ter como objetivo a completa libertação do pecado: “Para que vos torneis irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus imaculados no meio de uma geração corrupta e perversa, entre a qual resplandeceis como luminares no mundo.” Filipenses 2:15

Que seja nossa escolha! Libertos de todo peso do pecado!

“Quando o homem finito e pecaminoso põe em ação a própria salvação com temor e tremor, Deus é quem efetua nele tanto o querer como o realizar, segundo a Sua boa vontade. Deus não agirá, porém, sem a cooperação do homem. Este precisa exercitar ao máximo suas faculdades; deve colocar-se como apto e dócil aluno na escola de Cristo; e, ao aceitar ele a graça que lhe é oferecida livremente, a presença de Cristo no pensamento e no coração dar-lhe-á firmeza de propósito para desembaraçar-se de todo peso do pecado, a fim de que o coração seja tomado de toda a plenitude de Deus e Seu amor.” ( Ellen G.  White, Fundamentos Da Educação Cristã, pág 134) Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 68 – Lição de Aluno; pág. 122 – Lição de Professor

Não podemos nos comportar como Pedro e Tomé!

“Pedro e Tomé tinham uma notável característica em comum. Eles abordavam a fé a partir de uma perspectiva humana. Pedro confiava no que ele podia fazer; e Tomé, no que podia ver. Eles dependiam de seu imperfeito julgamento humano.” Lição da E. S. Reavivamento e Reforma, pág. 123

Quando falamos da possibilidade do homem passar a viver sem pecar, geralmente parece-nos impossível e inacreditável. Nos portamos, na prática, como Pedro ou como Tomé. Caímos no erro de olhar para nós, para nossas limitações e esquecemos-nos do Deus do impossível que pode fazer milagres em nós.

Posso todas as coisas naquele que me fortalece.” Fil. 4:13

Esta é uma declaração fortíssima que utilizamos para tantos outros assuntos que acreditamos e que não é diferente para uma purificação divina em nossa vida. Além desta e tantas declarações na palavra de Deus do poder divino disponível para nos libertar do pecado, ainda assim agimos com muita incredulidade. Na realidade também somente acreditamos naquilo que podemos ver (Tomé) e naquilo que podemos fazer (Pedro).

Clamemos que o Senhor aumente nossa fé. Não podemos nos esquecer do poder de Deus. Não podemos continuar abordando as coisas espirituais a “partir de uma perspectiva humana.” Que o Senhor nos ajude a acreditar em Suas promessas. 

“Digo, porém: Andai pelo Espírito, e não haveis de cumprir a cobiça da carne.” Gál. 5:16

Pois quanto a ter morrido, de uma vez por todas morreu para o pecado, mas quanto a viver, vive para Deus. Assim também vós considerai-vos como mortos para o pecado, mas vivos para Deus, em Cristo Jesus. Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para obedecerdes às suas concupiscências” Rom. 6:10-12

“Se você crê na promessa – crê que está perdoado e purificado – Deus supre o fato: você é curado, exatamente como Cristo conferiu ao paralítico poder para caminhar quando o homem acreditou que estava curado. Assim é se você crer. “Não espere até sentir que está curado, mas diga: “Creio-o; assim é, não porque eu  o sinta, mas porque Deus o prometeu.” (Ellen G. White, Caminho a Cristo, p. 51) Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 71 – Lição de Aluno; pág. 125 – Lição de Professor

Voltar para casa

“Reavivamento pode ser definido de maneiras diferentes. Seja qual for a definição, um aspecto não deve ser esquecido: reavivamento significa voltar para casa. É uma fome intensa de conhecer profundamente o amor do Pai. Reforma é a decisão de responder à orientação do Espírito Santo para mudança e crescimento. É a ecolha de desistir de tudo o que impede o relacionamento mais íntimo com Deus. O filho pródigo não poderia ter ao mesmo tempo  o chiqueiro dos porcos e o banquete do pai.” Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 70 – Lição de Aluno; pág. 124 – Lição de Professor

É verdade que reavivamento realmente significa voltar para casa, voltar para Deus. Nosso maravilhoso Deus está agindo como um Pai que deseja que Seus filhos voltem para casa. Todos desejam a salvação, voltar para casa. Mas sinceramente, mesmo sabendo não ser possível queremos ao mesmo tempo “o chiqueiro dos porcos e o banquete do pai”, ainda gostamos de coisas que pertencem somente ao chiqueiro dos porcos como músicas, hábitos de alimentação, vestuário, ganância e outras coisas mais. Temos que entender que voltar para casa é voltar para o reino de Deus e para isso o Senhor quer purificar plenamente nosso coração agora. No reino de luz e não existe nenhuma, absolutamente nenhuma comunhão entre as trevas e a luz. O perdão que o Senhor nos concede nos habilita para o reino de Deus e a santificação ou a purificação do nosso coração nos adapta a ele.

“É imputada a justiça pela qual somos justificados; aquela pela qual somos santificados, é comunicada. A primeira é nosso título para o Céu; a segunda, nossa adaptação para ele. Review and Herald, 4 de junho de 1895.” Mensagens Aos Jovens pág. 35 (Cristo Nossa Justiça pág. 108-109)

“Reforma ocorre quando decidimos responder a um amor que não desiste de nós, quando escolhemos desistir de atitudes, hábitos, pensamentos e sentimentos que nos separam dEle.” Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 70 – Lição de Aluno, pág. 124 – Lição de Professor

Como membros da igreja de Deus temos um excelente conhecimento. O que precisamos é orar mais para que o nosso conhecimento possa ser praticado por cada um de nós para que possamos pregar o evangelho por preceito e exemplo. Precisamos acreditar e aceitar a obra que o Senhor deseja realizar no nosso coração. Quando está obra se tornar realidade, a obediência ao Senhor será natural, espontânea e não mais gostaremos do pecado.

“Toda a verdadeira obediência vem do coração. Deste procedia também a de Cristo. E se consentirmos, Ele por tal forma Se identificará com os nossos pensamentos e ideais, dirigirá nosso coração e espírito em tanta conformidade com o Seu querer, que, obedecendo-Lhe, não estaremos senão seguindo nossos próprios impulsos. […] Mediante o apreço do caráter de Cristo, por meio da comunhão com Deus, o pecado se nos tornará aborrecível.” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, pág. 669)  Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 72 – Lição de Aluno, pág. 126 – Lição de Professor

Este texto é maravilhoso. Porém gostaríamos de reescrevê-lo acrescentando duas frases importantes que não foram escritas no texto da lição:

“Toda a verdadeira obediência vem do coração. Deste procedia também a de Cristo. E se consentirmos, Ele por tal forma Se identificará com os nossos pensamentos e ideais, dirigirá nosso coração e espírito em tanta conformidade com o Seu querer, que, obedecendo-Lhe, não estaremos senão seguindo nossos próprios impulsos. A vontade, refinada, santificada, encontrará seu mais elevado deleite em fazer o Seu serviço. Quando conhecermos a Deus como nos é dado o privilégio de O conhecer, nossa vida será de contínua obediência. Mediante o apreço do caráter de Cristo, por meio da comunhão com Deus, o pecado se nos tornará aborrecível.” O Desejado de Todas as Nações, pág. 669

Esta afirmação é importante pelo fato de que na lição 5 – Obediência: fruto do reavivamento, afirmava: “Jesus deu um exemplo do que é uma vida cheia do Espírito Santo. É uma vida de obediência voluntária e humilde submissão à vontade do Pai. É uma vida de oração, dedicada ao serviço e ministério e dominada pelo desejo ardente de ver pessoas salvas no reino do Pai.” Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 36 – Lição de Aluno

Se Jesus assim vivia, dependia do Espírito Santo e vivia sem pecar, quanto mais nós, a Seu exemplo e comunhão com Deus, precisamos fazer.

“Aquele que diz que está nele, também deve andar como ele andou.” 1 João 2:6

Podemos ser libertados do pecado!

“Na mudança que se opera quando a alma se entrega a Cristo, há o mais alto senso de liberdade. A expulsão do pecado é ato da própria alma. Na verdade, não possuímos capacidade para livrar-nos do poder de Satanás; mas quando desejamos ser libertos do pecado e, em nossa grande necessidade, clamamos por um poder fora de nós e a nós superior, as faculdades da alma são revestidas da divina energia do Espírito Santo, e obedecem aos ditames da vontade no cumprir o querer de Deus.” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, pág. 466) Comentário adicional na Lição do Professor da E. S. Reavivamento  e Reforma, p.130

Deus seja para sempre louvado!

Lição da escola sabatina: Reavivamento e Reforma

Lição reavivamento e reformaDesastres naturais, aumento das doenças, violência, fome e outras coisas mais são cumprimento de profecias indicando que o fim está próximo. Vivemos os últimos dias deste mundo de dor e sofrimento e sendo assim será de grande valia estudarmos o tema Reavivamento e Reforma que iniciaremos esta semana.

Povo de Deus, peçamos ao Senhor Espírito Santo que nos encha de sabedoria para podermos ter plena compreensão da mensagem de Deus para nós nestes estudos que faremos. Que o Senhor nos ajude para que a mensagem desta lição possa ser compreendida e aceita e vivida. Atendamos ao convite:

 “Um reavivamento da verdadeira piedade entre nós, eis a maior e a mais urgente de todas as nossas necessidades.” Mensagens Escolhidas vol. 1 pág. 121

Neste terceiro trimestre de 2013 estaremos estudando a lição intitulada Reavivamento e Reforma de autoria do Pr. Mark Finley.  Na introdução da lição encontramos quatro importantíssimas perguntas que seguem:

  1. Será que Deus está esperando algum momento mágico para derramar o Espírito Santo sobre a igreja?
  2. O que significa uma vida cheia do Espírito?
  3. Há algo que possamos fazer para cooperar com Deus, a fim de receber o Espírito Santo?
  4. Onde começam o reavivamento e a reforma?

Desafiamos nossos queridos irmãos a responderem estas perguntas no decorrer dos 13 estudos que seguirão até o final de setembro. Com certeza será um grande aprendizado, mais ainda, um preparo para o encontro com Jesus em breve.

Ao final do trimestre apresentaremos os textos desta lição onde encontramos as respostas a estas questões. Estas respostas são extremamente importantes para nossa salvação e que, portanto, não deverão ficar sem respostas.

Apresentaremos também outros textos do Espírito de profecia que não estão nessa lição e que tratam do tema reavivamento e reforma como forma de esclarecimento e complemento para nosso estudo. A lição Reavivamento e Reforma (3° trim. 2013) está maravilhosa. Além das respostas que postaremos ao final do trimestre, a cada semana estaremos apresentando um pequeno comentário sobre a lição da semana.

Reavivamento e reforma  são assuntos de extrema importância para este momento da igreja e nada acontece por acaso: “Para tudo há uma ocasião, e um tempo para cada propósito debaixo do céu.” Eclesiastes 3:1. Portanto, atendamos ao momento desta graça divina acontecer em nossa vida. Deus está nos fazendo um convite para ressuscitarmos espiritualmente em Cristo.

Assim, cheios de poder do Senhor Espírito Santo atuando em nós ricamente, que a nossa conversão seja genuína e que pelo poder do Senhor, esta mensagem seja realmente praticada na nossa vida. Somente assim, compreendendo, aceitando e praticando o verdadeiro reavivamento espiritual, pelo poder de Deus, alcançaremos a libertação deste mundo.

Que o Senhor nos ajude e nos ilumine! MARANATA!

Jesus pode nos guardar de tropeçar

não quero tropeçarUm texto formidável para reflexão:

Jesus pode nos guardar de tropeçar

“Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeços e para vos apresentar com exultação, imaculados diante da sua glória.”  Judas 24

1-De quantos pecados Jesus pode nos livrar? Judas 24; 1° cor. 10:13; Efé. 6:16

Não somente Jesus pode nos livrar da apostasia, Ele também pode nos proteger de cair em pecado, e ainda nos apresenta “imaculados diante de Sua glória” (Judas 24). Uma vez que não temos de enfrentar qualquer tentação além de nossa capacidade para resistir quando somos fortalecidos pelo Senhor (1° Cor. 10:13), não há motivos para sermos vencidos por qualquer tentação. Com “escudo da fé, com o qual podeis apagar todos os dardos inflamados do maligno.” (Efé. 6:16) Todos é uma palavra absoluta; não há forma alguma de Satanás atingir a quem está protegido por Cristo.

Argumentar que, por causa das tendências humanas naturais para o pecado, há alguns pecados que não conseguimos vencer é depreciar o poder de Cristo. Ele promete poder para vencer a qualquer tentação, venha de onde vier; e promete neutralizar todos os ataques de Satanás contra nós. Por que duvidar dEle?

2-Que outras promessas encorajadoras temos a respeito do poder de Cristo para nos fazer vitoriosos? João 10:29; Efés. 3:20; Heb. 2:18

As implicações dessas promessas são enormes. Cristo pode nos dar a vitória sobre o orgulho, intolerância, egoísmo, inveja, desonestidade, impureza, amargura e hipocrisia. Ele pode colocar paz onde havia paixão, amor onde havia ódio, e confiança onde havia medo.

“Estamos nos preparando para encontrar-nos com Aquele que, acompanhado por uma comitiva de santos anjos, há de aparecer nas nuvens do céu, para dar aos fiéis e justos o toque final da imortalidade. Quando Ele vier, não nos há de purificar de nossos pecados, remover de nós os defeitos que há em nosso caráter, ou curar-nos das fraquezas de nosso temperamento e disposição. Se acaso esta obra houver de ser efetuada em nós, sê-lo-á totalmente antes daquela ocasião.” Ellen G. White, Testemunhos Seletos, vol. 1, pág. 355

Será que você está pensando que, pelo fato de não ter vencido alguns pecados, Cristo irá desculpa-los e salvar você com seus pecados? Qual o remédio para essa atitude?

Lição da Escola Sabatina, “Iluminados Pelo Espírito” 3° trim. 1995, lição 7, pág. 2

Outro texto:

Onde o pecado é abundante, a graça de Deus é mais abundante ainda (Rom. 5:20), não para equilibrar ou desculpar, mas para perdoar e remover o pecado. “A fim de que, como o pecado reinou pela morte, assim também reinasse a graça pela justiça para a vida eterna, mediante Jesus Cristo nosso Senhor” (Rom. 5:21). A justiça da qual Paulo está falando é a justiça de Cristo que, quando aceita, subjuga o pecado e nos fortifica para viver em harmonia com a vontade de Deus. Temos que conservar bem claro na mente que Cristo pode nos livrar de cair. Não é requerido de nós que, em momento algum, vivamos pela nossa própria força. Pela graça, avançamos com a força de nosso Salvador, a nós concedida pelo Espírito Santo (Rom. 14:4; Efé. 3:15-16). A graça de Deus determina, coloca-nos e nos conserva no caminho da verdade.

“Por meio da poderosa atuação do Espírito Santo que o governo de Satanás será vencido e subjugado. É o Espírito Santo que convence do pecado e o expele da alma com a permissão do agente humano. … Através dos méritos de Cristo pode o homem habilitar-se para exercer as mais nobres faculdades do seu ser e libertar-se do pecado.” Ellen G. White, Minha Consagração Hoje, (Meditações Matinais, 1989, pág. 43). O Senhor não nos permitirá contentar com menos do que a completa vitória que Ele nos concede (1° João 5:4; Fil. 3:14-15)

O padrão do antigo testamento

Perfeição é conformidade com o caráter de Deus. O evangelho é o meio para remover todos os obstáculos e providenciar todos os recursos para conseguir essa conformidade (Rom. 1:16-17; 2° Cor. 4:3-7; 3:17-18).

O que pensaria você a respeito de um sapateiro que coloca uma sola errada em seu sapato, ou de um mecânico que não consegue consertar um defeito visível? É claro que perderia a confiança neles e tentaria encontrar melhor atendimento em outro lugar.

O que pensaria você a respeito de Deus se Ele pudesse apenas salvar a pessoa de parte de seus pecados, mas, pelas Suas limitações deixasse ainda algum resíduo de pecado nessa pessoa? Claro que não iríamos atribuir todo poder e majestade a Deus, nem olharíamos o plano da salvação como algo completo e competente. Mas, graças a Deus, não temos que chegar a essa conclusão. Ele fez uma provisão completa, de acordo com a perfeição de caráter que Ele requer (2° Crôn. 16:9; Sal. 18:30-32; 1° João 2:5).

Lição da Escola Sabatina, “Iluminados Pelo Espírito” 3° trim. 1995, lição 7, pág. 3A

Só nos resta dizer:

Amém! Louvado seja Senhor! Faça a obra que precisa ser feita em meu coração em nome de Jesus.

Iª João e a vitória sobre o pecado

busca

“Se dissermos que não temos pecado nenhum, a nós mesmos nos enganamos, e a verdade não está em nós.” 1° João 1:8

“As ideias de perfeição e viver sem pecado foram tão combatidas que o próprio termo “combatidas” já deveria nos alertar quanto a atos e palavras que nada têm de cristãos. João não está negando a obra de Deus, que acabou de afirmar. A questão, no verso 8, tem a ver com a nossa afirmativa de que não temos pecado. Essa é uma mentira arrogante, baseada na autoconfiança de que tenhamos alcançado um estado no qual vivamos sem pecado, por nós mesmos. Isso transforma numa brincadeira o dom de Deus em Jesus Cristo.” Lição da Escola Sabatina, Deus é Amor, 2° trim. de 1997, lição 2, pág. 4

O texto acima citado deixa claro que as ideias de perfeição e viver sem pecado foram muito “combatidas.” Nada mudou desde 1997 quando este texto foi escrito e cada vez mais têm sido combatidas.

A lição da escola sabatina faz aplicação de 1ª João 1:8, quando pessoas tomadas de arrogância e baseadas em sua alto confiança, alegam ter alcançado um estado no qual estão vivendo sem pecado por suas próprias forças. É certo que esse tipo de atitude deve ser “combatido,” embora com base na experiência de Jesus Cristo em lidar com as pessoas, o termo mais apropriado aqui seria orientado com amor e não combatido.

Aqui, faz-se necessário alguns questionamentos:

  • O que dizer das pessoas que acreditam na perfeição de caráter e na possibilidade de viver sem pecar não por suas próprias forças, mas como o resultado da graça do Senhor que transforma e purifica? 
  • que dizer de pessoas que reconhecem que mesmo tendo obtido a perfeição de caráter e de estarem vivendo sem pecar, jamais pronunciarão de forma arrogante que são perfeitas e que já não estão pecando mais, porque elas mesmas não terão consciência de já terem obtido essa condição?
  • O que dizer  de pessoas que mesmo acreditando que é possível para o homem passar a viver sem pecar, reconhecem que os que alcançarem essa graça maravilhosa e sempre como o salmista, estarão fazendo a seguinte oração: Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece os meus pensamentos. E vê se há em mim algum caminho mau, e guia-me pelo caminho eterno. Salmos 139:23-24?
  • O que dizer das pessoas que acreditam na possibilidade do homem passar a viver sem pecar pela graça de Deus, mas que também reconhecem que a possibilidade de pecar continuará existindo e que essa condição de estar vivendo sem pecar só será mantida enquanto o homem estiver mantendo um relacionamento íntimo e constante com Cristo?
  • Será que essas pessoas também precisam ser combatidas? Será que elas merecem serem chamadas de fanáticas, extremistas, perfeccionistas, hereges e outras coisas mais?

“Se dissermos que não temos cometido pecado, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós.” 1° João 1:10

“Como podemos fazer com que Deus seja visto como mentiroso?” 1° João 1:10

“Note como esse verso aparece na versão de Fhillips: “Se assumimos atitude de afirmar: ‘Não tenho pecado’, simplesmente negamos o diagnóstico de Deus quanto à nossa condição e nos isolamos de ouvir o que Ele tem a nos dizer”

“Mais do que isso, assumimos a mentira do diabo, que garantiu a Eva que ela não morreria como resultado do seu pecado, mas que se tornaria como Deus. O diabo sempre tentou representar Deus de acordo com uma natureza pecaminosa.” Lição da Escola Sabatina, Deus é Amor, 2° trim. de 1997, lição 2, pág. 6

Comentando este verso, a lição da escola sabatina destaca o fato de que quando afirmamos não termos cometidos pecados fazemos com que Deus seja visto como mentiroso. E isso é uma grande verdade, quando negamos que temos cometido pecados, fazemos com que o Senhor seja visto como mentiroso porque segundo a palavra de Deus todos os homens são pecadores. Rom. 5:12

O homem deve reconhecer e aceitar o “diagnóstico” de Deus, aceitar que é pecador, escravo do pecado para que possa então aceitar ao Senhor como seu libertador.

Agora gostaria que os irmãos analisassem com muito carinho o seguinte argumento:

Uma vez que segundo a palavra de Deus o Senhor é capaz de libertar e curar o homem plenamente, prova disso são os textos seguintes,

  • “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque o Senhor me ungiu para pregar boas novas aos quebrantados de coração e proclamar libertação aos cativos e a pôr em liberdade os algemados.” Isaías 61:1
  • “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” João 8:32
  • “Então, romperá a tua luz como a alva, e a tua cura apressadamente brotará, e a tua justiça irá adiante de tua face, e a glória do Senhor será a tua retaguarda.” Isa. 58:8.

Negar o fato de que o Senhor pode libertar o homem da escravidão do pecado, lhe dando condições para que ele passe a viver sem pecar, esta também não é uma forma de afirmar que o Senhor é mentiroso?

“Quem subsistirá no tempo de angústia? Agora, enquanto nosso grande Sumo Sacerdote está a fazer expiação por nós, devemos procurar tornar-nos perfeitos em Cristo. Nem mesmo por um pensamento poderia nosso Salvador ser levado a ceder ao poder da tentação […] Satanás nada pôde achar no Filho de Deus que o habilitasse a alcançar a vitória. Tinha guardado os mandamentos de Seu Pai, e não havia nEle pecado que Satanás pudesse usar para a sua vantagem. Esta é a condição em que devem encontrar-se os que subsistirão no tempo de angústia.” O Grande Conflito, pág. 623.

“É requerida obediência exata, e os que dizem não ser possível levar uma vida perfeita, lançam sobre Deus a acusação de injustiça e falsidade.” Reimpressões de Review and Herald, vol. 6, pág. 519; ver também Review and Herald, 7 de fevereiro de 1957, pág. 30.

Agora veremos três versos importantíssimos de Iª João:

  • “Todo aquele que permanece nele não vive pecando; todo aquele que vive pecando não o viu, nem o conheceu.” 1° João 3:6;
  • “Todo aquele que é nascido de Deus não vive na prática do pecado; pois o que permanece nele é a divina semente; ora, esse não pode viver pecando, porque é nascido de Deus.”1° João 3:9;
  • “Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não vive em pecado; antes, Aquele que nasceu de Deus o guarda, e o maligno não lhe toca.” 1° João 5:18.

Não existem contradições entre Iª João 1:8 e 10 Iª João 3:6, 3:9, 5:18. Estes versos não se contradizem, mas se completam:

  • Iª João 1:8 e 10 representam a condição que o homem deve reconhecer para que possa aceitar ao Senhor como seu salvador;
  • Iª João 3:6, 3:9, 5:18, retratam a condição de vida sem o pecado que o homem terá enquanto Jesus Cristo estiver reinando no seu coração.

“Qual o resultado da salvação?”

“Todo aquele que permanece nele não vive pecando; todo aquele que vive pecando não o viu, nem o conheceu.” 1° João 3:6

“Não é necessário questionar se João está falando de determinado pecado ou do pecado em geral. Todo pecado  procede do diabo (1° João 4:8). Enquanto permitirmos que o Espírito Santo atue em nossa mente, Ele nos livrará de pecar. ‘É possível ser sarado enquanto se está conscientemente cometendo pecado? Não; é a fé genuína que diz: Sei que tenho cometido pecado, mas que Jesus me perdoou; e daqui em diante resistirei à tentação em Sua força e por Sua força.’ ‘Qualquer que nEle tem esta esperança [permanece nEle] purifica-se a si mesmo, como também Ele é puro.’ Tem em sua alma um princípio permanente, que o abilita a vencer a tentação. Qualquer que permanece nEle não peca.’ Deus tem poder para a alma que está em Cristo, quando essa alma se acha sob tentação.’” Ellen G. White, Filhos e Filhas de Deus, MM 1956, pág. 297.

“Você não pode sucumbir aos desejos da natureza pecaminosa e ainda dizer que permanece unido a Jesus. Jesus não está dizendo que o cristão jamais peca,  mas que o pecado sempre será considerado pelo cristão como separação de Deus.  O compromisso não é de não pecar mais; “se, todavia, alguém pecar” (1° João 2:1), pode contar com Cristo como seu advogado celestial.” Lição da Escola Sabatina, Deus é Amor, 2° trim. de 1997, lição 6, pág. 4

Este texto é fantástico! Está claro que: “Enquanto permitirmos que o Espírito Santo atue em nossa mente, Ele nos livrará de pecar.”

Uma observação importantíssima sobre a última frase deste texto da lição da escola sabatina:

O compromisso não é de não pecar mais; “se, todavia, alguém pecar” (1° João 2:1), pode contar com Cristo como seu advogado celestial.”

O homem não pode deixar de firmar um compromisso ou sentir o desejo de, no poder de Deus não pecar mais, simplesmente porque ele tem a Jesus como seu advogado. Isso seria o homem sentir-se livre para pecar devido o fato de ter um advogado. O correto seria:  O compromisso é de não pecar mais; “se, todavia, alguém pecar” ( 1° João 2:1), pode contar com Cristo como seu advogado celestial.”

O próprio texto da lição da escola sabatina deixa claro que, aquele que tem a fé genuína, firma o compromisso de no poder de Deus não pecar mais:

“É possível ser sarado enquanto se está conscientemente cometendo pecado? Não; é a fé genuína que diz: Sei que tenho cometido pecado, mas que Jesus me perdoou; e daqui em diante resistirei à tentação em Sua força e por Sua força.”

“Todo aquele que é nascido de Deus não vive na prática do pecado; pois o que permanece nele é a divina semente; ora, esse não pode viver pecando, porque é nascido de Deus.” 1° João 3:9

“Havendo mostrado o sublime privilégio dos cristãos, o apóstolo volve-se rapidamente para a consequência de sermos filhos de Deus. “Todo aquele que permanece nEle não vive pecando” (1° João 3:6). Integridade moral e espiritual não é uma simples opção na vida cristã. Um estilo de vida santificado é a indicação de que a pessoa é filho de Deus. Do contrário, não faz sentido afirmar que Jesus “Se manifestou para tirar os pecados, e nEle não existe pecado” (verso 5).

O apóstolo nos provê uma teologia do pecado em apenas em alguns versos. O pecado é algo muito grave. Ele nos diz o que é pecado: “a transgressão da lei” (1° João 3:4); “ilegalidade” (RSV). Ele nos diz como se originou o pecado: “o diabo vive pecando desde o princípio” (verso 8). Ele nos diz como o pecado é desfeito: Jesus “Se manifestou para tirar os pecados” (verso 5). Ele diz que devemos estar conscientes dos perigos do pecado: “Filhinhos, não vos deixeis enganar por ninguém” (verso 7). Ele nos diz que pecar é negar a Jesus (verso 6) e tornar-se “filho do diabo” (verso 10).

O que nossa lição ensina é como o pecado e a justiça, como ser filhos das trevas e filhos de Deus são questões diametralmente opostas. O ponto debatido tem que ver com fé e estilo de vida. Em quem devemos crer? De acordo com quem ser moldado a vida? A resposta cristã é clara: o Filho de Deus, que apareceu “para destruir as obras do diabo” (1° João 3:8). E o dever dos cristãos também é claro: “Aqueles que têm essa esperança em Cristo”, aguardando Sua volta, “purificam-se a si mesmos, assim como Cristo é puro” (verso 3, BLH).

Pureza envolve libertação do pecado. “Todo aquele que é nascido de Deus não comete pecado; pois a natureza de Deus permanece nele, e ele não pode pecar porque é nascido de Deus.” (verso 9, RSV). João não estava ensinando que é impossível que os crentes nascidos de novo escolham pecar (ver 1° João 2:1). O que o apóstolo estava ensinando era que enquanto o Espírito Santo reina na mente e no coração, o pecado não pode penetrar ali. O Espírito concede libertação do cativeiro do pecado, de modo que ninguém possa alegar que é cristão e continuar pecando. A direção é mudada:do pecado para justiça, das trevas para luz, deste mundo para o mundo por vir, de filhos do diabo para filhos de Deus. A suprema evidência de que se é filho de Deus consiste em ser semelhante a Ele.” Lição da Escola Sabatina, Deus é Amor, 2° trim. de 1997, lição 6, pág. 4A

 “Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não vive em pecado; antes, Aquele que nasceu de Deus o guarda, e o maligno não lhe toca.” 1° João 5:18

“A realidade da vitória sobre o pecado. A certeza cristã tem que ver com a libertação do poder do pecado: “Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não vive em pecado” (1° João 5:18). Aqui  não é insinuado que o crente não pode cair ou fracassar. Essa questão já foi resolvida em 1° João 2:1. O que é dito aí é que os crentes, enquanto forem dominados pelo Espírito Santo, não irão pecar. Jesus, “Aquele que nasceu de Deus”, livra-os de cair. Ele efetua isso pelo poder do Seu Santo Espírito. Eles não serão escravos do pecado, não viverão sem ajuda sob o poder do pecado, não amarão o pecado e terão vitória pelo poder da habitação do Espírito Santo em seu íntimo. Os cristãos que nasceram de novo escaparam da escravidão do pecado (Rom. 6:14; 8:1 e 2). Eles são agora “escravos da justiça” (Rom. 6:18). O poder de Cristo guarda-os de continuarem no pecado. Jesus é nossa vitória. E não temos substituto; daí a advertência final: “Guardai-vos dos ídolos” (1° João 5:21)” Lição da Escola Sabatina, Deus é Amor, 2° trim. de 1997, lição 11, pág. 4A

Na primeira epístola de João encontramos uma mensagem poderosa de vitória sobre o pecado mediante o poder de Deus. Precisamos aceitar a dura realidade de que somos escravos do pecado, mas também precisamos aceitar que Cristo pode nos libertar dessa escravidão para que possamos viver como verdadeiros filhos de Deus.

“Aquele que pratica o pecado procede do diabo, porque o diabo vive pecando desde o princípio, Para isto, se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo.” 1° João 3:8

“Sabeis também que Ele se manifestou para tirar os pecados, e nEle não existe pecado.” 1° João 3:5

No poder de Deus somos chamados:

  • Para sermos puros como Jesus é puro – “Todo aquele que nEle tem essa esperança torna-se puro, como Ele é puro” 1° João 3:3
  • Vivermos como Jesus viveu – “Aquele que afirma permanecer nEle deve também viver como Ele viveu.” 1° João 2:6
  • Sermos justos como Jesus é justo – “Filhinhos, não vos deixeis enganar por ninguém; aquele que pratica a justiça é justo, assim como Ele é justo.” 1° João 3:7

“Se habitamos em Cristo, se o amor de Deus habita em nós, nossos sentimentos, nossos pensamentos, nossas ações estão em harmonia com a vontade de Deus tal como se expressa nos preceitos de Sua santa lei. “Filhinhos, ninguém vos engane. Quem pratica justiça é justo, assim como Ele é justo.” I João 3:7. A justiça está definida no padrão da santa lei de Deus, expressa nos dez preceitos dados no Sinai.” Ellen G. White, Caminho a Cristo, pág. 61

“Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não vive em pecado; antes, Aquele que nasceu de Deus o guarda, e o maligno não lhe toca.” 1° João 5:18

Que o nosso maravilhoso Deus seja eternamente louvado!