Archive for the ‘Livres em Cristo’ Tag

Salário Do Pecado

CemitérioPrecisamos aceitar a verdade de que somos pecadores vivendo como escravos do pecado e de que necessitamos da graça de Deus para nos livrar dessa miserável condição.

“Se dissermos que não temos pecado nenhum, a nós mesmos nos enganamos, e a verdade não está em nós.” 1° João 1:8

O verso acima nos ensina que, se não reconhecemos nossa condição de pecadores, estamos enganando a nós mesmos e a verdade não está em nós.

“Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.” 1 João 1:9

Este outro verso nos ensina como nossa vida de escravos do pecado pode ser mudada. Se confessarmos nossos pecados, Deus é “fiel e justo para nos perdoar os pecados” e ainda mais, Ele também irá nos “purificar de toda injustiça.” O Senhor nos oferece mais que o perdão, Ele nos oferece também a purificação mediante o sangue de Jesus. Louvado seja o Senhor!

“Se dissermos que não temos cometido pecado, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós.” 1° João 1:10

Infelizmente, algumas pessoas têm usado 1ª João 1:8 e 1ª João 1:10 como argumento para justificarem o fato de não acreditarem na possibilidade do homem no poder de Deus passar a viver livre do pecado. Estes versos não estão afirmando ser impossível a libertação do homem do pecado. A mensagem nestes versos é simplesmente a necessidade da conscientização da nossa realidade de escravos do pecado para que, então, cientes da nossa miserável condição, possamos buscar em Jesus o perdão e a purificação.

Nosso principal objetivo

“Filhinhos meus, estas coisas vos escrevo para que não pequeis. Se, todavia, alguém pecar, temos Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo.” 1° João 2:1

Não podemos de forma alguma nos acomodar na condição de escravos do pecado. A mensagem é muito clara.  “Filhinhos meus, estas coisas vos escrevo para que não pequeis.” Entre “estas coisas” que o apóstolo João escreveu para que não pequemos estão os versos 8 e 10 de 1°João.  Sendo assim, estes versos não podem ser utilizados para argumentar contra a possibilidade do homem viver livre do pecado. Não podemos continuar arrumando desculpas para o pecado.  Nosso objetivo diante de tudo que o Senhor disponibiliza para nos libertar deve ser sempre, não pecar.

Em nossa caminhada rumo à libertação do pecado, nosso maravilhoso Deus providenciou meios para que quando pecamos, possamos em Jesus obtermos o perdão. Mas novamente lembramos que não podemos nos acomodar no pecado devido o fato de termos a Jesus como nosso advogado. Jesus não atua como advogado para aqueles que estão acomodados ao pecado. Jesus intercede somente por aqueles que estão na caminhada rumo à plena libertação do pecado. Ao pecarem confessam a Deus sentindo o verdadeiro arrependimento e continuam com o propósito de serem totalmente libertados do pecado. “Filhinhos meus, estas coisas vos escrevo para que não pequeis. Se, todavia, alguém pecar, temos Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo.” 1° João 2:1  Nosso principal objetivo deve ser sempre não pecar. Viver sem pecar.

“Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor.” Rom. 6:23

Algumas pessoas ainda têm afirmado que o que não podemos é pecar de “forma habitual,”  não podemos ser “pecadeiros.”  Se esse tipo de afirmação for  realmente verdadeira nós precisamos então reescrever Romanos 6:23.  “Porque o salário do pecado [Habitual] é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor.”

Uma questão muito importante a ser considerada: Será que podemos nos contentar em ter como objetivo eliminar em nossa vida apenas o pecado habitual?  Será que podemos afirmar que o pecado ocasional não tem também como salário a morte?

A verdade é que pecado tanto habitual como ocasional procede do diabo e ambos conduzem a morte. Portanto devemos ter como objetivo, pelo poder de Deus, eliminar qualquer tipo de pecado em nossa vida. Devemos pensar no pecado como sendo uma doença que resulta em morte. Enquanto tivermos alguma quantidade, mesmo que pequena, desta doença em nós, estaremos condenados à morte. Apenas um pecado contamina todo o ser e torna o homem “instrumento de injustiça”.

Se um pecado é nutrido na alma, ou uma prática errônea conservada na vida, todo o ser é contaminado. O homem torna-se instrumento de injustiça.” DTN, pág.313

Alguém pode dizer: Mas Cristo veio salvar pecadores! Sim, isso realmente é verdade. Mas é bom lembrar que Cristo veio salvar pecadores dos seus pecados: “Ela dará à luz um filho e lhe porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo dos pecados deles.” Mateus 1:21

“O pecado permanece na vida, se não reina mais nela?” Rom. 6:12-14

“Nossa natureza humana decaída certamente continua tendo propensões para o mal. Mas o “eu” decaído é subjugado diariamente pelo poder de Cristo em nosso íntimo. (Ver Gál. 2:20) Em Rom. 6:12, Paulo está falando sobre o perigo de ceder aos impulsos de nossa natureza humana decaída. Quando fazemos isso, o pecado reina em nosso corpo. Quando Cristo reina na vida, o pecado não poderá fazê-lo.

João enfatizou a mesma verdade. (Ver 1° S. João3:8-9) Ele não ensinou que, embora o pecado habitual seja do diabo, o pecado ocasional é permissível. Todo pecado é do diabo, e se Cristo vive na vida pelo Espírito Santo, o pecado não poderá existir ali. (Lição da Escola Sabatina, 4° trim. 1990, A Carta aos Romanos, pág. 74)

Para que não fique nenhuma dúvida de que, nós não podemos continuar pensando que devemos eliminar de nossa vida apenas o pecado habitual, é bom nos lembrarmos de alguns exemplos da palavra de Deus onde vemos que mesmo os pecados ocasionais  ou mesmo apenas um pecado, pode conduzir o homem à morte:

Adão e Eva, não tiveram que desenvolver o hábito de pecar, apenas um único pecado os tornou condenados a morte.

Uzá, não existe nenhuma indicação na palavra de Deus que nos faça acreditar que ele tinha o hábito de tocar na arca, apenas uma vez foi o suficiente para que ele morresse por ter desobedecido ao Senhor. 2° Samuel 6:1-7

Moisés, quarenta anos de obediência no deserto e apenas um pecado o impediu de entrar na terra prometida. Esse único pecado teria impedido sua salvação se ele não tivesse se arrependido e buscado no Senhor o perdão.

“Não houvesse a vida de Moisés sido maculada por aquele único pecado, deixando de dar a Deus a glória de tirar água da rocha, em Gades, e teria entrado na Terra Prometida.” Patriarcas e Profetas, pág. 348.

“Olhando retrospectivamente para suas experiências como chefe do povo de Deus, uma ação errada mareava a relação das mesmas. Se se pudesse apagar aquela transgressão, sentia não se arrecearia da morte. Assegurou- se- lhe que o arrependimento, e a fé no sacrifício prometido, eram tudo que Deus exigia, e de novo Moisés confessou seu pecado, e implorou perdão em nome de Jesus.” Patriarcas e Profetas, pág. 345.

Precisamos parar de arrumar desculpas para o pecado. Precisamos também, urgentemente, entender e aceitar que Cristo veio nos salvar do pecado e ter como objetivo uma vida totalmente livre do pecado pelo poder de Deus.

Ser redimido significa parar de pecar.

Queremos comparar o próximo texto do Espírito de profecia com alguns textos bíblicos que já citamos aqui para que nós possamos entender o que realmente significa ser salvo.

“Quanto mais humilde for a nossa visão a cerca de nós mesmos, mais claramente veremos o caráter imaculado de Jesus. […] Não enxergar o contraste marcante entre Cristo e nós é não conhecer a nós mesmos. Aquele que não aborrece a si mesmo não pode entender o significado da redenção. Ser redimido significa parar de pecar.”- RH, 25/09/1900 (Ellen White e a Humanidade de Cristo, pág. 193)

A primeira parte do texto do Espírito de profecia tem o mesmo objetivo  de 1° João 1:8 e  1° João 1:10, ao nos conscientizar de nossa condição de pecadores para que possamos buscar em Jesus a salvação.

“Quanto mais humilde for a nossa visão a cerca de nós mesmos, mais claramente veremos o caráter imaculado de Jesus. […] Não enxergar o contraste marcante entre Cristo e nós é não conhecer a nós mesmos. Aquele que não aborrece a si mesmo não pode entender o significado da redenção. […]”

“Se dissermos que não temos pecado nenhum, a nós mesmos nos enganamos, e a verdade não está em nós.” 1° João 1:8

“Se dissermos que não temos cometido pecado, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós.” 1° João 1:10

Como ser salvo e o que significa ser salvo

 “Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.” 1 João 1:9

Sendo que o salário do pecado habitual ou ocasional é a morte (Rom. 6:23) e que todos os homens estão condenados porque todos são pecadores (1°João 1:8 e 1:10), em 1° João 1:9 descobrimos como alcançamos a salvação. O Senhor nos concede perdão e purificação, ou seja, nos livra das conseqüências do pecado e do próprio pecado.

Por tudo que já vimos fica agora mais fácil de entender o que realmente significa ser salvo ou redimido: “Ser redimido significa parar de pecar.”-

Deus seja para sempre louvado pelo que já fez e pelo que deseja fazer em nossa vida!!!

Perto do Céu

wall and opened to sky door on a white background

Em um mundo onde a degradação moral se propaga de forma alarmante, o Senhor tem chamado a cada um de seus filhos para uma vida completamente santificada. O Senhor coloca a nossa disposição Sua graça maravilhosa que é capaz de nos transformar em filhos obedientes, retirando de nós tudo que não está de acordo com os santos princípios dos Céus. Os que atenderem ao chamado do Senhor e se entregarem a Ele serão transformados e, então livres do pecado, viverão a plena santidade. Estes demonstrarão para todo o universo o que a graça de Deus pode fazer na vida do homem. Assim estarão glorificando ao Senhor e iluminado a Terra, revelando o Seu caráter.

Temos que estar atentos ao chamado do Senhor e aceitar a obra que Ele deseja realizar em nossa vida. O Senhor tem nos falado através da Bíblia, lições da escola sabatina e do Espírito de profecia. Não podemos negligenciar ou rejeitar os chamados de nosso Pai que tanto nos ama. Não podemos permitir que os cuidados desta vida nos impeçam de darmos a devida atenção à mensagem do Senhor para nós. Não podemos ler as mensagens que o Senhor nos têm concedido de uma forma superficial, mecânica ou legalista. Precisamos urgentemente entender que a nossa salvação depende da plena compreensão e aceitação dessa mensagem por amor a Ele.

Um exemplo de como o Senhor tem nos chamado para vivermos de acordo com Seus princípios é a Meditação Matinal de 2013, Perto Do Céu.

A seguir selecionamos alguns textos desta meditação onde vemos claramente o desejo do Senhor de nos libertar do pecado e dar nova vida. Oremos para que o Senhor elimine nossa cegueira e rebeldia para que possamos ver e aceitar essa preciosa mensagem:

“Nenhum de nós pode, em sua própria força, representar o caráter de Cristo; mas, se Jesus vive no coração, o espírito que nEle habita se revelará em nós; será suprida toda a nossa deficiência.” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 7

“Necessita-se de homens competentes na igreja, trabalhadores bem-sucedidos na vinha do Senhor, homens e mulheres que trabalhem para que a igreja seja transformada à imagem de Cristo, em vez de se conformar aos costumes e práticas do mundo.“ Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 7

 “A religião da Bíblia não é uma roupa que podemos pôr e tirar a nosso gosto. Ela é uma influência envolvente, que nos leva a ser pacientes, abnegados seguidores de Cristo, fazendo como Ele fez, andando como Ele andou. […] Essa religião nos ensina a mostrar paciência e tolerância quando somos postos em lugares em que recebemos tratamento rude e injusto. […] Mas se a Palavra de Deus é um princípio permanente em nossa vida, tudo que tivermos de fazer, cada palavra, cada ato mesmo que trivial, revelará que somos sujeitos a Jesus Cristo, que até nossos pensamentos foram levados cativos a Ele.” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 18

“Roguem a ­Deus que em vocês efetue completa reforma; que os frutos do Seu Espírito habitem em vocês, e que, por sua vida piedosa, brilhem como luzes no mundo. […]” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 20

“A Palavra de Deus combate todo mau traço de caráter, moldando o homem inteiro, interna e externamente, rebaixando o seu orgulho e presunção e levando-o a introduzir o espírito de Cristo nos menores bem como nos maiores deveres da vida. Ela o ensina a ser inabalável em sua lealdade à justiça e pureza, e, ao mesmo tempo, a ser sempre bondoso e compassivo.” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 33

“Mas orar em nome de Cristo significa muito. Quer dizer que havemos de aceitar-Lhe o caráter, manifestar-Lhe o espírito e fazer Suas obras. A promessa do Salvador é dada sob condição. “Se Me amardes”, diz, “guardareis os Meus mandamentos” (Jo 14:15). Ele salva os seres humanos, não em pecado, mas do pecado; e os que O amam manifestarão seu amor pela obediência. Toda a verdadeira obediência vem do coração. Deste procedia também a de Cristo. E se consentirmos, Ele por tal forma Se identificará com os nossos pensamentos e ideais, dirigirá nosso coração e mente em tanta conformidade com Seu querer, que, obedecendo-Lhe, não estaremos senão seguindo nossos próprios impulsos. A vontade, refinada, santificada, encontrará seu mais elevado deleite em fazer Seu serviço (Review and Herald, 14 de julho de 1910).” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 34

Oração feita por Ellen White na Assembleia da Associação Geral: “Nosso Pai celestial, nos achegamos a Ti nesta manhã tal qual estamos, necessitados e totalmente dependentes de Ti. Ajuda-nos a ter uma noção clara do que devemos ser e o caráter que devemos desenvolver, a fim de estarmos preparados para nos unir à família celestial na cidade de nosso Deus. […]” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 37

“Não é em nossa fé que devemos confiar, porém nas promessas de Deus. Quando nos arrependemos de nossas transgressões passadas, contra Sua lei, e resolvemos prestar obediência no futuro, devemos crer que Deus, por amor de Cristo nos aceita e perdoa nossos pecados.” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 51

“Aqueles que andam na luz da verdade emitirão luz aos que estão ao seu redor. São testemunhas vivas de Cristo. Não se assemelharão aos que seguem o mundo, vivem em trevas morais, sendo amantes de si mesmos e das coisas do mundo, e buscam tesouros terrenos. […]” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 67

“A menos que tenhamos luz em nós mesmos, não poderemos deixar nossa luz brilhar aos outros a fim de atrair a atenção deles para as coisas celestiais. Devemos estar imbuídos do Espírito de Jesus Cristo, ou não poderemos manifestar Cristo em nós, a esperança da glória. Devemos permitir que o Salvador habite em nós, ou seremos incapazes de exemplificar em nossa conduta Sua vida de devoção, Seu amor, Sua bondade, piedade, compaixão, abnegação e pureza. Esse é o nosso sincero desejo. O tema de estudo de nossa vida deve ser: Como ajustarei meu caráter ao padrão bíblico de santidade? […]” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 83

“O Senhor tomou grande cuidado para que tudo nos fosse agradável e aprazível, no entanto, empenhou-Se muito mais para nos conceder o dom por meio do qual podemos aperfeiçoar o caráter cristão, segundo o padrão de Cristo.” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 85

Cristo é a grande solução para o pecado. Ninguém pode alegar que as circunstâncias, educação ou temperamento sejam uma desculpa para viver em rebelião contra Deus. Os pecadores são assim por sua escolha deliberada.” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 145

“No plano de restaurar nos seres humanos a imagem divina, foi estipulado que o Espírito Santo atuasse na mente humana e fosse, como a presença de Cristo, uma influência modeladora no caráter humano. Aceitando a verdade, as pessoas também se tornam recipientes da graça de Cristo e dedicam sua santificada capacidade humana à obra em que Cristo Se empenhou – os seres humanos se tornam cooperadores de Deus. É com a finalidade de tornar as pessoas instrumentos para Deus que a verdade divina é inculcada em sua compreensão. […]” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 154

“Existem apenas duas classes em todo o Universo: os que creem em Cristo e cuja fé os leva a guardar os mandamentos de Deus, e os que não creem nEle e são desobedientes. […]”Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 167

“Durante trezentos anos, andou [Enoque] com Deus, dando ao mundo o exemplo de uma vida pura e imaculada, uma vida de notável contraste com a vida dos homens daquela geração obstinada e perversa, que desrespeitava abertamente a santa lei de Deus e se vangloriava de estar livre de suas restrições. Mas o testemunho e o exemplo dele foram igualmente ignorados, pois as pessoas amaram o pecado mais do que a santidade. Enoque, porém, serviu a Deus com singeleza de coração, e o Senhor comunicou a ele Sua vontade. Por meio de uma santa visão, revelou-lhe os grandes acontecimentos relacionados à segunda vinda de Cristo. E, finalmente, esse servo favorecido do Senhor foi levado ao Céu pelos anjos sem ver a morte.” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 188

“Rogamos àqueles que têm ligação com Deus que orem fervorosamente e que não parem aí, mas trabalhem pela purificação da igreja tanto quanto oram por isso. O tempo presente chama homens e mulheres que tenham firmeza moral e de propósito; homens e mulheres que não sejam moldados ou subjugados por quaisquer influências não santificadas. […] “ Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 44

“Sem santificação, diz-nos a Palavra de Deus, ninguém poderá ver o Senhor. Sem pureza de vida é impossível estarmos habilitados a morar com os santos e imaculados anjos, no puro e santo Céu. Nenhum pecado pode haver lá. Nenhuma impureza pode entrar pelos portais de pérola da cidade dourada de Deus. E a questão que compete a nós é: se nos afastamos de todo pecado e satisfazemos as condições que Deus nos propõe para que nos tornemos seus filhos e filhas. Ele requer de nós separação do mundo para que nos tornemos membros da família real. […] Quando todos estivermos prontos, tendo vencido todo pecado, afastado toda iniquidade, estaremos em condições de receber o toque final da imortalidade. [… ]” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 38

“A única fé verdadeira é aquela que “atua pelo amor” (Gl 5:6) e purifica o coração. É como o fermento que transforma o caráter. […] O evangelho de Cristo significa piedade prática, uma religião que eleva aquele que a recebe acima do seu estado de depravação natural. Aquele que contempla o Cordeiro de Deus sabe que Ele tira o pecado do mundo. A verdadeira religião trará como resultado um desenvolvimento na vida e no caráter inteiramente diferente daquele que foi visto na vida dos escribas e fariseus. […]” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 55

 “Se pudermos apreciar essa grande bênção, que benefício será para nós! É-nos dado o privilégio de ser colaboradores juntamente com Deus na nossa salvação. Receber e crer é a parte que nos cabe nesse pacto. Devemos receber a Cristo como nosso Salvador pessoal e continuar crendo nEle. Isso significa permanecer em Cristo, demonstrando, em todo o tempo e sob todas as circunstâncias, uma fé nEle que seja uma representação do Seu carátera fé que opera pelo amor e purifica o coração de toda impureza. […] Cada pessoa deve alcançar uma experiência própria. Ninguém pode depender da experiência ou prática de outros para a salvação. Cada um de nós precisa se familiarizar com Cristo para poder representá-Lo devidamente ao mundo. […] Nenhum de nós necessita justificar seu temperamento irritável, o caráter malformado, egoísmo, inveja, ciúmes ou qualquer impureza da mente, do corpo ou do espírito. Deus nos chamou para glória e virtude. Devemos atender ao chamado. […]” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 58

 “Um caráter formado segundo a semelhança divina é o único tesouro que poderemos levar deste mundo para o vindouro. […] Nas reivindicações que fez, Cristo teve em mente nossa natureza. Cristo tomou sobre Si nossa natureza, e veio para trazer poder moral para ser unido ao esforço humano. […] Nosso espírito pode de tal maneira se identificar com o dEle, que seremos um com Ele em nossos pensamentos e intenções. […] O caráter que uma pessoa forma neste mundo determina seu destino para a eternidade.” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 61

 “Por vezes, ouve-se um suposto seguidor de Cristo dizer: “Vocês não devem ficar surpresos se eu pareço rude, se falo francamente, se manifesto mau humor: esse é o meu jeito de ser.” Você diz para não ficarmos surpresos! Não estaria o Céu surpreso diante de tais manifestações, tendo em vista o plano da salvação que foi elaborado, o infinito sacrifício feito na cruz do Calvário para que você reflita a imagem de Jesus? Esse “seu jeito” vai entrar no Céu? Suponha que alguém se aproxime dos portais de pérola e diga: “Eu sei que fui rude, fui mau, além da minha inclinação para mentir e roubar, mas quero entrar nas mansões celestiais.” Esse tipo de temperamento achará entrada através dos portais da cidade celestial? Não, não! Somente entrarão lá aqueles que observarem os caminhos de Deus.” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 62

 “É privilégio dos filhos de Deus ser libertados do controle das concupiscências da carne e preservar seu peculiar e santo caráter que os distingue dos amantes do mundo. Em seu sentimento moral, em seus hábitos e costumes eles são separados do mundo. Quem são os filhos de Deus? São os membros da família real, e uma “nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes dAquele que vos chamou das trevas para a Sua maravilhosa luz” (1Pe 2:9). […] Devemos colocar nossa vontade ao lado da vontade do Senhor e decidir firmemente que, por Sua graça, seremos libertos do pecado (Review and Herald, 1º de agosto de 1893).” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 77

 […] Podemos viver no ar puro do Céu. Poderemos fechar a porta para a imaginação impura e os pensamentos não santificados se levarmos nosso coração à presença de Deus por meio da oração sincera. Aqueles cujo coração estiver aberto para receber o apoio e a bênção de Deus andarão em uma atmosfera mais santa do que a da Terra e manterão comunhão constante com o Céu. […]” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 21

 “A Bíblia deve ser estudada com especial interesse, pois contém as informações mais valiosas que seres finitos podem obter e mostram a maneira de nos prepararmos para a vinda do Filho do homem nas nuvens do Céu, levando-nos a abandonar o pecado e nos revestindo das vestes brancas do caráter que nos darão entrada às mansões as quais Cristo disse aos Seus discípulos que estava indo preparar para eles. […]” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 31

“Assim como a figueira estéril, muitos exibem seus galhos cobertos de folhagem diante do Senhor, orgulhosamente alegando ser o povo que guarda Seus mandamentos, enquanto Aquele que examina o coração os encontra destituídos de fruto. [… ] A condenação da figueira estéril tem uma aplicação individual aos professos seguidores que manifestam as tendências naturais de um coração não renovado e em sua vida diária contradizem a fé. Eles não representam o caráter de Cristo ao mundo, pois Cristo não está neles.” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 99

“Como o enxerto recebe vida quando ligado à videira, assim o pecador participa da natureza divina quando em união com Cristo. O ser humano finito é ligado com o infinito Deus (Review and Herald, 2 de novembro de 1897).” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 113

“Consideraremos um sacrifício de nossa parte trocar o erro pela verdade, as trevas pela luz, a fraqueza pela força, o pecado pela justiça, um nome e uma herança perecíveis na Terra por honras perduráveis e um tesouro imortal? […]”  Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 128

“As verdades da Palavra de Deus devem ser aplicadas a nós, e nós devemos nos apoderar delas. Se assim o fizermos, elas exercerão uma influência santificadora em nossa vida; elas nos moldarão para que possamos nos preparar para o reino da glória; para que no momento em que a porta da graça se fechar, possamos ver o Rei em Sua formosura e estar na presença de Deus para sempre. […]” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 130

“O pecado domina entre o povo de Deus. […] Muitos se apegam a suas dúvidas e a seus pecados cultivados, enquanto se encontram em tão grande engano que dizem e sentem que não necessitam de nada. […]” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 132

“A descoberta desses defeitos deve levá-los a odiar o espelho ou odiar a si mesmos? Devem rejeitar o espelho que revela tais defeitos? Não. Os pecados cultivados, que o espelho fiel revela existirem em seu caráter, fecharão os portais do Céu para sua entrada, a menos que sejam abandonados e eles se tornem perfeitos diante de Deus.” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 137

“Quando homens e mulheres reconhecem as exigências da lei de Deus e firmam os pés sobre a plataforma da verdade eterna, colocam-se em uma posição em que o Senhor pode lhes conferir poder moral para que deixem sua luz brilhar claramente diante dos homens, para que eles possam ver suas boas obras e glorifiquem nosso Pai que está no Céu.” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 137

“É a graça implantada por Cristo na vida que cria a inimizade contra Satanás. Sem essa graça, continuaríamos cativos de Satanás, servos sempre prontos a lhe cumprir as ordens. O novo princípio no coração cria conflito onde até então reinava a paz. O poder que Cristo comunica nos habilita a resistir ao tirano e usurpador. Sempre que se vê alguém aborrecer o pecado em vez de amá-lo, quando resiste àqueles desejos que exerciam domínio interior e os vence, vê-se aí a operação de um princípio inteiramente de cima (Review and Herald, 18 de julho de 1882).” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 159

“Ao crermos no Filho, seremos obedientes a todos os mandamentos do Pai, e teremos vida por meio de Jesus Cristo. […]  Cristo é a nossa esperança e o nosso refúgio. Sua justiça é atribuída apenas ao obediente. Vamos aceitá-la pela fé, para que o Pai não encontre em nós pecado algum (Review and Herald, 21 de setembro de 1886).” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 160

“Se a mente é moldada pelos objetos com os quais está mais relacionada, então pensar e falar em Jesus vai capacitá-los para que sejam semelhantes a Ele em espírito e em caráter. Vocês refletirão Sua imagem naquilo que é grandioso, puro e espiritual. Terão a mente de Cristo e Ele os enviará ao mundo como Seus representantes espirituais. […]” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 162

“É o crescer no conhecimento do caráter de Cristo que santifica o coração.” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 162

“Cristo jamais deve ser esquecido. […] É Ele quem dissipa todas as nossas dúvidas; é o penhor de todas as nossas esperanças. Quão precioso é o pensamento de que verdadeiramente podemos nos tornar participantes da natureza divina, e assim vencer como Cristo venceu! […]” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 162

“Por meio do sacrifício de Cristo, o ser humano é capacitado a obedecer. […] O Filho de Deus, revestido da natureza humana e tentado em todos os pontos como nós somos tentados, enfrentou e resistiu aos assaltos do inimigo. Na força dEle, os seres humanos podem obter a vitória, enfrentar o tentador e não ser vencidos por seus ardis e arrogantes ofertas. Ao aceitar Cristo como seu Salvador pessoal, homens e mulheres podem permanecer firmes contra as tentações do inimigo. […]” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 175

”É a submissão ao pecado que traz grande infelicidade ao coração. Não é a pobreza, mas a desobediência que reduz a esperança da pessoa de ganhar a vida eterna, que o Salvador veio conceder-lhe. As verdadeiras riquezas, a verdadeira paz, o verdadeiro contentamento e a felicidade duradoura são encontrados apenas na submissão completa a Deus, na reconciliação perfeita com a vontade dEle. Cristo veio ao nosso mundo viver em imaculada pureza para, assim, mostrar aos pecadores que em Sua força eles também podem obedecer aos santos preceitos de Deus, às leis de Seu reino. Ele veio engrandecer a lei e dignificá-la por meio de Sua perfeita conformidade com seus princípios. Ele unificou a humanidade e a divindade, para que os seres humanos caídos possam se tornar participantes da natureza divina. […] Do Pai foi que Cristo constantemente extraía poder que O capacitava a manter Sua vida livre da mácula ou mancha do pecado (Review and Herald, 4 de julho de 1912).” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 178

“Em todos os momentos e em todos os lugares o cristão deve ser aquilo que o Senhor planejou que fosse: uma pessoa livre em Cristo Jesus. O dever cumprido no Espírito de Cristo será realizado com prudência santificada. Seremos guiados como que por uma luz celestial ao mantermos ligação vital com Deus. […] Os que se arrependeram de seus pecados e lançaram o espírito cansado e sobrecarregado aos pés de Cristo, que se submeteram ao Seu jugo e se tornaram Seus colaboradores, serão participantes com Cristo de Seus sofrimentos, como também de Sua natureza divina. […] Jesus é o nosso exemplo, e dEle recebemos força e graça para andar em humildade e contrição diante de Deus (Signs of the Times, 22 de agosto de 1895).” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 182

“Os que têm fome e sede de justiça são cheios do profundo desejo de ser semelhantes a Cristo no caráter, de se assemelhar à Sua imagem, de guardar o caminho do Senhor e fazer justiça e juízo. Devemos sempre cultivar o mais sincero desejo pela justiça de Cristo. Nenhum desejo temporal deve atrair e distrair nossa mente a tal ponto de não experimentarmos a fome de espírito de possuir os atributos de Cristo. […] Em meio a problemas e aflições, o coração anseia pelo amor e poder de Deus. Há o intenso desejo de certeza, esperança, fé, confiança. Buscamos o perdão, a paz e a justiça de Cristo. […] Todo aquele que busca o Senhor de todo coração tem fome e sede de justiça. […]” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 183

“[…] Ligado a Ele, a fonte de toda sabedoria, o ser humano pode alcançar o topo da excelência moral!” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 204

“Deixará você as escuras moradas da miséria e do pecado em busca das mansões que Jesus foi preparar para Seus seguidores? Rogamos, em Seu nome, que firme seus pés resolutamente na escada e suba rumo ao alto. Abandone seus pecados, procure vencer seus defeitos de caráter e apegue-­se a Jesus, o caminho, a verdade e a vida. Podemos, cada um de nós, ser vencedores. Nenhum daqueles que perseverar perderá a vida eterna. Os que crerem em Cristo nunca perecerão. Ninguém os arrancará de Sua mão (Signs of the Times, 31 de julho de 1884).” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 218

“As pessoas podem falar de liberdade, do Evangelho da liberdade. Mas a influência da esperança evangélica não levará o pecador a considerar a salvação de Cristo como uma questão de livre graça, enquanto continuar vivendo em transgressão à lei de Deus. Quando a luz da verdade nasce em seu espírito, e ele compreende plenamente as reivindicações de Deus e percebe a extensão de suas transgressões, reformará seus caminhos. Irá se tornar leal a Deus mediante o fortalecimento em seu Salvador, e levará uma vida nova e pura.” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 283

“Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito {Gál. 5:25}. [ … ] Não podemos discernir espiritualmente o caráter de Deus, ou aceitar a Jesus Cristo pela fé, a menos que nossa vida e caráter sejam marcados pela pureza, “derribando raciocínios e todo baluarte que se ergue contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo pensamento à obediência a Cristo”(2Co. 10:5). [ … ] Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 296

“A fonte do coração se deve purificar para que a corrente se possa tornar pura. Não há segurança para uma pessoa que tenha religião meramente legal, uma forma de piedade. A vida cristã não é uma modificação ou melhoramento da antiga, mas uma transformação da natureza. Tem lugar a morte do eu e do pecado, e uma vida toda nova. Essa mudança só se pode efetuar mediante a eficaz operação do Espírito Santo.” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 297

“Temos senão um único período de graça para formar o caráter, e nosso destino depende do tipo de caráter que formamos. Os que na Terra formam um caráter que, por meio da graça de Cristo, apresenta o modelo celestial, serão aperfeiçoados pela graciosa influência do Espírito Santo para receber a recompensa eterna. Tornam-se participantes da natureza divina […] . Sabemos que nosso caráter deve ser semelhante ao de Cristo, para que seja um hino de louvor e gratidão a Deus […]. Terão parte na vida eterna aqueles que r4eceberem a bondade, a misericórdia e o amor de Cristo e pela contemplação são transformados à imagem dEle. Os atributos de seu caráter são como os de Cristo e não podem falhar na última prova para o povo de Deus, […]” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 371

“O trabalho que Deus começou no coração humano mediante Sua luz e conhecimento deve estar continuamente avançando. Cada indivíduo deve estar consciente da própria necessidade. Deve o coração ser esvaziado de toda mancha, purificado para habitação do Espírito. Foi pela confissão e pelo abandono do pecado, por meio de fervorosa oração e da entrega pessoal a Deus, que os discípulos se prepararam para o derramamento do Espírito Santo no dia de Pentecostes. O mesmo trabalho, apenas em grau mais elevado, deve ser feito agora. […]” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 360

“Todo aquele que entrar por aquelas portas e caminhar por aquelas ruas terá sido transformado e purificado aqui pelo poder da verdade, e a coroa de glória imortal adornará a fronte do vencedor.” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 356

“Como é difícil para Cristo colocar a idéia correta da natureza espiritual de Seu reino na mente de Seus discípulos. Como é difícil para eles reconhecer a necessidade da oração constante, do arrependimento sincero, da conquista cada vez maior da perfeição de caráter, que é o sal da experiência cristã e a evidência da operação do Espírito Santo no coração. […]” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 355

“Por Sua obediência perfeita tornou possível a todo homem obedecer aos mandamentos de Deus. Quando nos sujeitarmos a Cristo, nosso coração se une ao Seu, nossa vontade imerge em Sua vontade, nosso espírito torna-se um com Seu espírito, nossos pensamentos serão levados cativos a Ele; vivemos Sua vida. Isto é o que significa estar trajado com as vestes de Sua justiça. Quando então o Senhor nos contemplar, verá não o vestido de folhas de figueira, não a nudez e deformidade do pecado, mas Suas próprias vestes de justiça que são a obediência perfeita à lei de Jeová. [.., ] Não haverá oportunidade futura em que as pessoas poderão se preparar para a eternidade. Nesta vida é que devemos trajar as vestes da justiça de Cristo. Essa é nossa única oportunidade de formar o caráter para o lar que Cristo preparou para os que obedecem aos Seus mandamentos. Rapidamente, os dias do tempo de graça estão terminando. O fim está próximo.” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 307

“Verdadeira santificação não é nada mais nem menos do que amar a Deus e de todo coração e andar de modo irrepreensível em Seus mandamentos e preceitos. Santificação não é uma emoção, mais um princípio de origem celestial, que coloca todas as paixões e desejos sobre o domínio do Espírito de Deus. Essa obra é efetuada por meio de nosso Senhor e Salvador.” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 292

“Jesus recuperou o Céu para o ser humano, suportando a prova a que Adão deixou de resistir, pois Ele obedeceu perfeitamente à lei, e todos os que têm correta compreensão do plano da redenção verão que não podem ser salvos enquanto continuam na transgressão dos santos preceitos de Deus. Precisam cessar de transgredir a lei e se apegar às promessas divinas que se acham a nossa disposição por meio dos méritos de Cristo.” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 293

“Como Cristo viveu a lei na humanidade, assim podemos fazer, se nos apegarmos ao poderoso Deus em busca de força. Ao compreender que não podemos fazer nada de nós mesmos, receberemos sabedoria do alto para honrar e glorificar a Deus. E contemplando “a glória do Senhor”, seremos “transformados, de glória em glória, à Sua própria imagem” (2 Co. 3:18)” Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, 282

“Agora, enquanto nosso grande Sumo Sacerdote está a fazer expiação por nós, devemos procurar tornar-nos perfeitos em Cristo. Nem mesmo por um pensamento poderia nosso Salvador ser levado a ceder ao poder da tentação. Satanás encontra nos corações humanos algum ponto em que pode obter apoio; algum desejo pecaminoso é acariciado, por meio do qual suas tentações asseguram a sua força. Mas Cristo declarou de Si mesmo: “Aproxima-se o príncipe deste mundo, e nada tem em Mim.” João 14:30. Satanás nada pôde achar no Filho de Deus que o habilitasse a alcançar a vitória. Tinha guardado os mandamentos de Seu Pai, e não havia nEle pecado que Satanás pudesse usar para a sua vantagem. Esta é a condição em que devem encontrar-se os que subsistirão no tempo de angústia. “ Meditação Matinal 2013 – Perto do Céu, pág. 308

O “Caminho” para a libertação

andar como Jesus andou

Temos visto pessoas usando 1° João 1:8 e 1° João 1:10  para justificar a existência e principalmente a permanência do pecado na vida dos homens, sendo portanto segundo essas pessoas impossível que o pecado seja eliminado completamente na vida do homem. Será que essas pessoas estão certas ao chegarem a essa conclusão se baseando nesses dois versos? Que seja o desejo de cada um de nós recebermos do Senhor sabedoria para estudarmos Sua palavra! Que o Senhor Espírito Santo nos ilumine!

“Se dissermos que não temos pecado nenhum, a nós mesmos nos enganamos, e a verdade não está em nós.” 1° João 1:8

“Se dissermos que não pecamos, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós.”  1 João 1:10

1° João 1:8 e 1° João 1:10 é a declaração de uma condição que todos os homens devem reconhecer, somos todos pecadores e necessitamos da graça de Deus.

Quando acontece o diagnóstico de uma grave doença passa existir a necessidade que, o portador desta doença, aceite o diagnóstico e consequentemente sinta a necessidade também de ser tratado e também aceite o tratamento. 1° João 1:8 é o diagnóstico da doença chamada pecado. Os portadores desta doença são todos os homens. Tratamento: o sangue de Jesus.

“Todo aquele que é nascido de Deus não vive na prática do pecado; pois o que permanece nele é a divina semente; ora, esse não pode viver pecando, porque é nascido de Deus.” 1° João 3:9

Aparentemente existe contradição entre 1° João 1:8, 1° João 1:10 e 1 João 3:9. Mas não existe. Estes versos realmente não se contradizem, mas se completam.

1° João 1:8 e 1° João 1:10  descrevem uma condição que devemos reconhecer como sendo uma realidade na vida de todos os homens para então nos achegarmos a Deus, buscando cura, restauração e libertação.

1° João 3:9 descreve a condição de vida que alcançará todo aquele que realmente estiver vivendo ao lado de Jesus: uma vida livre da escravidão do pecado.                                      

  • O Caminho da libertação

Agora uma mudança da nossa vida como pecadores declarada em 1° João 1:8 para uma vida livre do pecado declarada em 1° João 3:9 existe um Caminho que podemos encontrar nas santas escrituras:

  • “Se dissermos que não temos pecado nenhum, a nós mesmos nos enganamos, e a verdade não está em nós.” 1 João 1:8
  • “Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.” 1 João 1:9
  • “Se dissermos que não temos cometidos pecado, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós.” 1 João 1:10

Vemos que entre dois versos que nos fala da nossa condição como pecadores está um verso nos mostra o Caminho para a libertação. Nesse verso encontramos o perdão que o Senhor quer nos oferecer (Justiça Imputada) e também a purificação que o Senhor quer operar em nossa vida, (Justiça Comunicada).

“O perdão de Deus não é meramente um ato judicial pelo qual Ele nos livra da condenação. É não somente perdão pelo pecado, mas livramento do pecado. É o transbordamento de amor redentor que transforma o coração.” O Maior Discurso de Cristo, pág. 114

“A religião de Cristo significa mais que o perdão dos pecados; significa remover nossos pecados e encher o vácuo com as graças do Espírito Santo. Significa iluminação divina e regozijo em Deus. Significa um coração despojado do próprio eu e abençoado pela presença de Cristo. Quando Cristo reina na alma há pureza e libertação do pecado. A glória, a plenitude, a perfeição do plano do evangelho são cumpridas na vida. A aceitação do Salvador traz paz perfeita, perfeito amor, segurança perfeita. A beleza e fragrância do caráter de Cristo manifestadas na vida, testificam de que em verdade Deus enviou Seu Filho ao mundo para o salvar.” Parábolas de Jesus, pág. 419-420

“Como o perdão de Deus é identificado com a justificação, os mesmos dois aspectos que se encontram no perdão precisam ser incluídos na definição bíblica da justificação: a)  O ato legal pelo qual Deus declara extinta a culpa do pecador (Rom.8:1)e lhe atribui a justiça de Cristo; e b) a transformação do coração do pecador na experiência do novo nascimento.” Lição da Escola Sabatina, 2° trim. 1990,  Cristo o Único Caminho, pág. 43

Vejamos no texto a seguir  que 1 João 1:9  pode e deve ser aplicado destacando também a purificação que o Senhor deseja realizar em nossa vida e não somente de perdão:

“Quando pedimos bênçãos terrestres, a resposta a nossa oração talvez seja retardada, ou Deus nos dê outra coisa que não aquilo que pedimos; não assim, porém, quando pedimos livramento do pecado. É Sua vontade limpar-nos dele, tornar-nos Seus filhos, e habilitar-nos a viver uma vida santa. Cristo “Se deu a Si mesmo por nossos pecados, para nos livrar do presente século mau, segundo a vontade de Deus nosso Pai” Gál. 1:4. E “esta é a confiança que temos nEle, que, se pedirmos alguma coisa, segundo a Sua vontade, Ele nos ouve. E, se sabemos que nos ouve em tudo o que pedimos, sabemos que alcançamos as petições que Lhe fizemos”. I João 5:14 e 15. “Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo, para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça.” I João 1:9.” DTN, pág. 266

  • Purificação através do sangue de Jesus 

“Se, porém, andarmos na luz, como Ele está na luz, mantemos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, Seu Filho, nos purifica de todo pecado.” 1 J oão 1:7 

“A religião de Jesus Cristo significa algo mais do que conversa. A justiça de Cristo consiste em ações corretas e boas obras provenientes de motivos puros e altruístas. Justiça exterior, enquanto faltar o adorno interior, de nada valerá. “Ora, a mensagem que, da parte dEle, temos ouvido e vos anunciamos é esta: que Deus é luz, e não há nEle treva nenhuma. Se dissermos que mantemos comunhão com Ele e andarmos nas trevas, mentimos e não praticamos a verdade. Se, porém, andarmos na luz, como Ele está na luz, mantemos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, Seu Filho, nos purifica de todo pecado.” I João 1:5-7. Se não temos a luz e o amor de Deus, não somos Seus filhos. Se não ajuntamos com Cristo, espalhamos. Todos temos influência, e essa influência repercute sobre o destino dos outros, para seu bem presente e futuro, ou para sua perda eterna.”  Este Dia Com Deus, pág. 180

“As Escrituras nos ensinam a buscar santificar corpo, alma e espírito a Deus. Nesta obra, devemos ser coobreiros de Deus. Muito se pode fazer para restaurar a imagem moral de Deus no homem, para melhorar as faculdades físicas, mentais e morais. Grandes mudanças se podem operar no organismo físico mediante obediência às leis de Deus e não introduzindo no corpo coisa alguma que contamine. E se bem que não possamos pretender a perfeição da carne, podemos possuir perfeição cristã da alma. Mediante o sacrifício feito em nosso favor, os pecados podem ser perfeitamente perdoados. Nossa confiança não está no que o homem pode fazer; sim, naquilo que Deus pode fazer pelo homem por meio de Cristo. Quando nos entregamos inteiramente a Deus, e cremos plenamente, o sangue de Cristo purifica de todo pecado. A consciência pode ser libertada da condenação. Pela fé em Seu sangue, todos podem ser aperfeiçoados em Cristo Jesus. Graças a Deus por não estarmos lidando com impossibilidades. Podemos pretender santificação.” ME, vol. 2 pág.32

  • Andar como Jesus andou 

“Aquele que diz que está nEle também deve andar como Ele andou.” I João 2:6.

Vejamos um texto maravilhoso da serva do Senhor onde ela menciona 1° João 2:6: 

“Jesus – Nosso Modelo Perfeito”

“Aquele que diz que está nEle também deve andar como Ele andou.” I João 2:6.

Temos diante de nós o exemplo mais elevado e mais santo. Jesus não pecou quer por pensamento, palavra ou ato. Tudo quanto fez, caracterizou-se pela perfeição. Ele nos mostra o caminho por onde andou, dizendo: “Se alguém quiser vir após Mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz e siga-Me.” Mat. 16:24. Review and Herald, 26 de abril de 1906. Cristo reúne em Sua pessoa a plenitude e perfeição da Divindade, e a da humanidade sem pecado. Ele enfrentou todas as tentações que assaltaram a Adão, e as venceu porque em Sua humanidade confiava no poder divino. Este assunto precisa decididamente ser mais estudado do que o é. Os cristãos não se aprofundam. Contentam-se com uma experiência espiritual de superfície, e por isso só têm os bruxoleios da luz, quando podiam ter muito mais amplo conhecimento, e discernirem com mais clareza a maravilhosa perfeição da humanidade de Cristo, que sobreleva muito acima de toda a grandeza humana e de todo humano poder. A vida de Cristo é uma revelação de como seres humanos se podem tornar por meio da união e comunhão com a natureza divina. … Homens e mulheres inventam desculpas para a sua inclinação para o pecado. O pecado é apresentado como uma necessidade, um mal que não pode ser vencido. O pecado, no entanto, não é uma necessidade. Cristo viveu neste mundo, desde a infância à idade adulta, e no decorrer desse tempo enfrentou e resistiu todas as tentações que assediam os homens. Ele é um modelo perfeito de infância, de juventude e de maturidade. Manuscrito 31, 1911. A vida de Cristo mostrou o que a humanidade pode fazer se participar da natureza divina. Tudo quanto Cristo recebeu de Deus, podemos nós possuir também. Portanto, pedi e recebei. … Que vossa mente seja possuída pelas gloriosas concepções de Deus. Una-se vossa vida, por elos ocultos, à vida de Jesus. Parábolas de Jesus, pág. 149.” Fé Pela Qual Eu Vivo, MM, pág. 219

Agora um texto maravilhoso ressaltando 1 João 3:3:                

“Ser puro como Ele é puro” 

“E a si mesmo se purifica todo o que nele tem esta esperança, assim como ele é puro.” 1 João 3:3

Tenhamos como único objetivo a glória de Deus. Não permitamos que coisa alguma se interponha entre nós e Ele. Se prosseguirmos “em conhecer ao Senhor” saberemos que “a Sua saída será como a alva; e Ele descerá sobre nós como a chuva, como chuva serôdia que rega a Terra”. Se somos participantes da natureza divina, refletiremos na vida e no caráter a imagem de nosso Senhor divino. Não podemos ser indolentes em procurar obter essa perfeição de caráter. Não podemos submeter-nos passivamente às nossas circunstâncias, pensando que outros farão a obra para nós. “E a si mesmo se purifica todo o que nEle tem esta esperança, assim como Ele é puro.”  Exaltai-o, pág. 334

Outra preciosidade, agora para 1 João 3:7:

 Justo como Ele é justo”

“Filhinhos, não vos deixeis enganar por ninguém; aquele que pratica a justiça é justo, assim como Ele é justo.” 1 João 3:7

“Os filhos de Deus não serão como os mundanos, pois a verdade recebida no coração será o meio de purificar o coração e transformar o caráter, e fazer com que o seu recebedor adquira uma mente semelhante à de Deus. A menos que o homem se torne mentalmente semelhante a Deus, ele continuará em sua depravação natural. Se Cristo habitar no coração, Ele será sentido no lar, no escritório, na feira, na igreja. O poder da verdade será manifestado na elevação e enobrecimento da mente, e no abrandamento e submissão do coração, levando o homem todo a ter harmonia com Deus. Aquele que é transformado pela verdade difundirá luz sobre o mundo. Aquele que possui a esperança de Cristo no íntimo purificará a si mesmo assim como Ele é puro. A esperança do aparecimento de Cristo é uma grande esperança, uma esperança de vasto alcance. E a esperança de ver o Rei em Sua formosura, e de ser semelhante a Ele. […] Aquele que espera em Cristo é aperfeiçoado no amor de Deus, e seus propósitos, pensamentos, palavras e ações estão em harmonia com a vontade de Deus expressa nos mandamentos da Sua lei. No coração do homem que espera em Cristo não há nada que guerreie contra algum preceito da lei de Deus. Se o Espírito de Cristo está no coração, o caráter de Cristo será revelado, e haverá mansidão sob provocação, e paciência sob provação. “Filhinhos, não vos deixeis enganar por ninguém; aquele que pratica a justiça é justo, assim como Ele é justo.” I João 3:7. A justiça pode ser definida unicamente pela grande norma moral de Deus, os Dez Mandamentos. Não há outra regra pela qual medir o caráter. Signs of the Times, 20 de junho de 1895.”  Refletindo A Cristo, pág. 51

Nos textos que a seguir veremos que a serva do Senhor, ao comentar a primeira epístola de João, revela com muita clareza que é a vontade do Senhor que seus filhos tenham uma vida completamente livre da presença do pecado: 

“Vencer o Mundo Pela Fé”

“Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé.” I João 5:4.

Satanás apresenta hoje em dia as mesmas tentações que apresentava a Cristo, oferecendo-nos os reinos deste mundo em troca de nossa submissão. Mas sobre os que olham a Jesus como autor e consumador de sua fé, as tentações de Satanás não têm poder. Ele não pode fazer pecar aquele que, pela fé, aceita as virtudes dAquele que foi tentado em todos os pontos em que nós o somos, mas sem pecado.

Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Seu Filho unigênito, para que todo aquele que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” João 3:16. Aquele que se arrepende de seu pecado e aceita o dom da vida do Filho de Deus, não pode ser vencido. Lançando, pela fé, mão da natureza divina, torna-se filho de Deus. Ele ora, crê. Quando tentado e provado, suplica o poder que Cristo deu ao morrer, e vence pela Sua graça. Isso todo pecador necessita compreender. Ele precisa arrepender-se de seu pecado, precisa crer no poder de Cristo, e aceitar esse poder de salvar e guardá-lo do pecado. Review and Herald, 28 de janeiro de 1909.

O cristão não deve manter seus hábitos pecaminosos e nutrir seus defeitos de caráter; mas ser renovado no espírito de sua mente segundo a semelhança divina. Seja qual for a natureza de vossos defeitos, o Espírito do Senhor vos habilitará a discerni-los, e ser-vos-á dada graça por meio da qual eles sejam vencidos. Pelos méritos do sangue de Cristo podeis ser um vencedor, sim, mais que vencedor. …

A verdade precisa ser recebida no coração, e realizará a santificação do caráter. Ela refinará e elevará a vida, habilitando-vos para a entrada nas mansões que Jesus foi preparar para os que O amam. O Céu vale tudo para nós, e se o perdermos, tudo perderemos.” Manuscrito 51. Filhos e Filhas de Deus, pág. 349 

“Somos Guardados de Pecar”

“Qualquer que permanece nEle não peca.” I João 3:6.

A mera profissão de piedade é destituída de valor. O que permanece em Cristo, esse é cristão. Pois “qualquer que nEle tem esta esperança purifica-se a si mesmo, como também Ele é puro”. I João 3:3. Em todos os lugares, em todas as nações, nossa juventude deve cooperar com Deus. A única maneira por que uma pessoa pode ser pura, é tornar-se semelhante a Deus no espírito. Como podemos conhecer a Deus? – Estudando Sua Palavra. [ …] É pela fé em Jesus Cristo que a verdade é aceita no coração e o instrumento humano é limpo e purificado. Jesus foi “ferido pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre Ele, e, pelas Suas pisaduras, fomos sarados”. Isa. 53:5. É possível ser sarado enquanto se está conscientemente cometendo pecado? – Não; é a fé genuína que diz: “Sei que tenho cometido pecado, mas que Jesus me perdoou; e daqui em diante resistirei à tentação em Sua força e por Sua força.” “Qualquer que nEle tem esta esperança [permanente nele] purifica-se a si mesmo, como também Ele é puro. I João 3:3. Tem em sua vida um princípio permanente, que o habilita a vencer a tentação. “Qualquer que permanece nEle não peca.” I João 3:6. Deus tem poder para a pessoa que está em Cristo, quando essa se acha sob tentação. “Qualquer que peca não O viu nem O conheceu.” I João 3:6. Isto é, todo aquele que é um crente genuíno, é santificado pela verdade, na vida e no caráter. “Filhinhos, ninguém vos engane. Quem pratica [não professa praticar] a justiça é justo, assim como Ele é justo.” I João 3:7. “Qualquer que é nascido de Deus não comete pecado; … porque é nascido de Deus. Nisto são manifestos os filhos de Deus e os filhos do diabo.” Ora notai onde está a distinção: “Qualquer que não pratica a justiça e não ama a seu irmão não é de Deus.” I João 3:9 e 10. “Meus filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas por obra e em verdade.” I João 3:18. The Youth’s Instructor, 15 de fevereiro de 1894.    Filhos e Filhas de Deus, pág. 297

“Mas notai aqui que a obediência não é mera aquiescência externa, mas sim o serviço de amor. A lei de Deus é uma expressão de Sua própria natureza; é uma corporificação do grande princípio do amor, sendo, daí o fundamento de Seu governo no Céu e na Terra. Se nosso coração é renovado à semelhança de Deus, se o amor divino é implantado na alma, não será então praticado na vida a lei de Deus? Implantado no coração o princípio do amor, renovado o homem segundo a imagem dAquele que o criou, cumpre-se a promessa do novo concerto: “Porei as Minhas leis em seu coração e as escreverei em seus entendimentos.” Heb. 10:16. E se a lei está escrita no coração, não moldará ela a vida? A obediência – nosso serviço e aliança de amor – é o verdadeiro sinal de discipulado. Assim diz a Escritura: “Porque esta é a caridade [ou amor] de Deus: que guardemos os Seus mandamentos.” I João 5:3. “Aquele que diz: Eu conheço-O e não guarda os Seus mandamentos é mentiroso, e nele não está a verdade.” I João 2:4. É a fé, e ela só, que, em vez de dispensar-nos da obediência, nos torna participantes da graça de Cristo, a qual nos habilita a prestar obediência. Não ganhamos a salvação por nossa obediência; pois a salvação é dom gratuito de Deus, e que obtemos pela fé. Mas a obediência é fruto da fé. “Bem sabeis que Ele Se manifestou para tirar os nossos pecados; e nEle não há pecado. Qualquer que permanece nEle não peca: qualquer que peca não O viu nem O conheceu”. I João 3:5 e 6. Aí é que está a verdadeira prova. Se habitamos em Cristo, se o amor de Deus habita em nós, nossos sentimentos, nossos pensamentos, nossas ações estão em harmonia com a vontade de Deus tal como se expressa nos preceitos de Sua santa lei. “Filhinhos, ninguém vos engane. Quem pratica justiça é justo, assim como Ele é justo.” I João 3:7. A justiça está definida no padrão da santa lei de Deus, expressa nos dez preceitos dados no Sinai. A chamada fé em Cristo que professa desobrigar os homens da obediência a Deus, não é fé, mas presunção. “Pela graça sois salvos, por meio da fé.” Efés. 2:8. Mas “a fé, se não tiver as obras, é morta em si mesma”. Tia. 2:17. Jesus disse de Si mesmo, antes de descer à Terra: “Deleito-Me em fazer a Tua vontade, ó Deus Meu; sim, a Tua lei está dentro do Meu coração.” Sal. 40:8. E justamente antes de ascender para o Céu, declarou: “Tenho guardado os mandamentos de Meu Pai e permaneço no Seu amor.” João 15:10. Diz a Escritura: “Nisto sabemos que O conhecemos: se guardarmos os Seus mandamentos. Aquele que diz que está nEle também deve andar como Ele andou.” I João 2:3 e 6. “Pois também Cristo padeceu por nós, deixando-nos o exemplo, para que sigais as Suas pisadas.” I Ped. 2:21. A condição de vida eterna é hoje justamente a mesma que sempre foi – exatamente a mesma que foi no paraíso, antes da queda de nossos primeiros pais – perfeita obediência à lei de Deus, perfeita justiça. Se a vida eterna fosse concedida sob qualquer condição inferior a essa, correria perigo a felicidade do Universo todo. Estaria aberto o caminho para que o pecado, com todo o seu cortejo de infortúnios e misérias, se imortalizasse.” Caminho a Cristo pág. 61-62

“Há os que professam possuir santidade, que se declaram santos do Senhor, que reclamam como um direito a promessa de Deus, ao mesmo tempo que recusam obediência aos mandamentos de Deus. Esses transgressores da lei reclamam tudo quanto é prometido aos filhos de Deus; mas isto é presunção da parte deles, pois João nos diz que o verdadeiro amor a Deus se revelará na obediência a todos os Seus mandamentos. Não basta crer na teoria da verdade, fazer uma profissão de fé em Cristo, crer que Jesus não é um impostor, e que a religião da Bíblia não é uma fábula artificialmente composta. “Aquele que diz: Eu conheço-O”, escreveu João, “e não guarda os Seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está a verdade. Mas qualquer que guarda a Sua palavra, o amor de Deus está nele verdadeiramente aperfeiçoado: nisto conhecemos que estamos nEle.” I João 2:4 e 5. “Aquele que guarda os Seus mandamentos nEle está, e Ele nele.” I João 3:24.

João não ensinou que a salvação devia ser adquirida pela obediência, mas que a obediência é fruto da fé e do amor. “E bem sabeis que Ele Se manifestou para tirar os nossos pecados”, disse, “e nEle não há pecado. Qualquer que permanece nEle não peca; qualquer que peca não O viu nem O conheceu.” I João 3:5 e 6. Se estivermos em Cristo, se o amor de Deus estiver no coração, nossos sentimentos, pensamentos e ações estarão em harmonia com a vontade de Deus. O coração santificado está em harmonia com os preceitos da lei de Deus.” Atos dos Apóstolos, pág. 562-563 

O Caminho para alcançarmos uma vida livre da escravidão do pecado é Jesus. Não existe nada em nossa vida que não possa ser mudado por esta graça maravilhosa. Devemos parar de justificar o pecado e aceitarmos de fato, em espírito e em verdade, a Jesus. Clamemos poder ao Senhor Espírito Santo para que possa nos transformar e nos libertar completamente da presença e poder do pecado. Que o Senhor seja louvado!!!

A Lição da Escola Sabatina, 4° trim. 1990, A Carta aos Romanos, pág.74, diz assim:

 “O pecado permanece na vida, se não reina mais nela?” Rom. 6:12-14

“Nossa natureza humana decaída certamente continua tendo propensões para o mal. Mas esse “eu” decaído é subjugado diariamente pelo poder de Cristo em nosso íntimo. (Ver Gál. 2:20.) Em Rom. 6:12, Paulo está falando sobre o perigo de ceder aos impulsos de nossa natureza humana decaída. Quando fazemos isso, o pecado reina em nosso corpo. Quando Cristo reina na vida, o pecado não poderá fazê-lo.

João enfatizou a mesma verdade. (Ver 1 S. João3:8-9.) Ele não ensinou que, embora o pecado habitual seja do diabo, o pecado ocasional é permissível. Todo pecado é do diabo, e se Cristo vive na vida pelo Espírito Santo, o pecado não poderá existir ali.”

“Cristo tomou a humanidade e suportou o ódio do mundo para que pudesse revelar a homens e mulheres que estes poderiam viver sem pecado, que suas palavras, atos, seu espírito, poderiam ser santificados para Deus. Podemos ser cristãos perfeitos se manifestarmos esse poder em nossa vida. Quando a luz do céu repousar sobre nós continuamente, representaremos a Cristo. Foi a justiça revelada em Sua vida que O distinguiu do mundo e despertou seu ódio. […] As palavras de Cristo são ditas para Seu povo em todas as épocas- para nós sobre quem o fim dos séculos é chegado.”- Manuscrito 97, 16 de outubro de 1909, “ Eu Sou a Videira Verdadeira”, sermão pregado em San José, Califórnia. Olhando Para O Alto MM, pág. 297.

Libertação do pecado

abraco_de_jesus1É possível para o homem deixar de ser pecador antes da glorificação?

Se deixar de ser pecador se refere a uma condição em que o homem não será mais susceptível ao pecado mesmo antes da glorificação a resposta é: Não! Não é possível. Temos uma natureza caída, enfraquecida, somos susceptíveis ao pecado e continuaremos assim até a glorificação. Enquanto reinar Satanás estaremos em perigo. Devemos orar e vigiar. Principalmente devemos estar constantemente unidos ao Senhor para não pecarmos. Pecaremos se não estivermos perto do Senhor.

Agora se deixar de ser pecador tem o sentido de um estilo de vida em que o homem pelo poder de Deus passe a viver sem o pecado a resposta é: Sim, é possível. Acreditamos sim ser possível para o homem pelo poder de Deus deixar de pecar enquanto estiver vivendo uma vida de plena comunhão com nosso Senhor.

Essa pessoa que, por estar unida verdadeiramente ao Senhor foi libertada da escravidão do pecado, jamais dirá de uma forma arrogante que já não está pecando. Esta graça maravilhosa será imperceptível para aquele que a recebe. As outras pessoas é que irão testificar que esses servos de Deus transformados tem Jesus reinando no coração e que, portanto estão livres do pecado.

Não somos propagadores da crença “Carne Santa.” Não queremos ser confundidos com pessoas que acreditavam que o novo nascimento acontece através de uma forte experiência emocional com perda de consciência. Pessoas que acreditavam também que a possibilidade de pecar seria eliminada mesmo antes da glorificação. Como já explicamos o que pode ser eliminado da vida do homem antes da glorificação é o pecado não a possibilidade de pecar. 

Todos nós estamos presos. Uma grande muralha nos cerca impedindo nossa liberdade. Imagine você tentando mover ou destruir essa muralha com as próprias mãos. Impossível! Não importa o quanto você tente, não existe força em nós mesmo suficiente para vencer ou destruir essa muralha.

Agora não podemos esquecer que temos um Deus que nos ama e que está disposto a nos ajudar. Precisamos orar, pedir ao Senhor que aumente nossa fé para que passemos a acreditar em promessas maravilhosas da palavra de Deus como esta: “Tudo posso naquele que me fortalece.” Fil. 4:13

Sim queridos irmãos, com Cristo nos fortalecendo não existe muralha que não possa ser destruída. Não existe pecado que não possa ser vencido.

Precisamos pedir ao Senhor que nos conceda aquela fé que remove montanhas e “que destrói muralhas.”

“Ao que Jesus lhes disse: Tende fé em Deus; porque em verdade vos afirmo que, se alguém disser a esse monte: Ergue-te e lança-te no mar, e não duvidar no seu coração, mas crer que se fará o que diz, assim será com ele.” Marcos 11:22-23

Encontramos várias citações em lições da Escola Sabatina e no Espírito de profecia comentando a palavra de Deus, onde constatamos que é possível sim para o homem mediante o poder do Senhor passar a viver sem o pecar. Sendo assim a crença da possibilidade do homem pelo poder de Deus ser libertado da escravidão do pecado e passar a viver sem pecar, está fundamentada na palavra de Deus.

  • Textos bíblicos sobre libertação do pecado: 

“Mas vós, irmãos, não estais em trevas, para que esse dia como ladrão vos apanhe de surpresa; porquanto vós todos sois filhos da luz e filhos do dia; nós não somos da noite, nem das trevas. Assim, pois, não durmamos como os demais; pelo contrário, vigiemos e sejamos sóbrios. […] O mesmo Deus da paz vos santifique em tudo; e o vosso espírito, alma e corpo sejam conservados íntegros e irrepreensíveis na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo.” I° Tessalonicenses 5:4-6 e 23

 “Todo aquele que permanece nele não vive pecando; todo aquele que vive pecando não o viu, nem o conheceu.” 1° João 3:6

“Todo aquele que é nascido de Deus não vive na prática do pecado; pois o que permanece nele é a divina semente; ora, esse não pode viver pecando, porque é nascido de Deus.”1° João 3:9

“Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não vive em pecado; antes, Aquele que nasceu de Deus o guarda, e o maligno não lhe toca.” 1° João 5:18

“O qual também vos confirmará até o fim, para serdes irrepreensíveis no dia de nosso dia de nosso Senhor Jesus Cristo..” I° Cor.1:8

“Agora, porém, vos reconciliou no corpo da sua carne, mediante a sua morte, para apresentar-vos perante ele santos, inculpáveis e irrepreensíveis.” Colossenses 1:22

Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeços e para vos apresentar com exultação, imaculados diante da sua glória.” Judas 24

“Para aprovardes as coisas excelentes e serdes sinceros e inculpáveis para o dia de Cristo.”  Fil. 1:10

“A fim de que seja o vosso coração confirmado em santidade, isento de culpa, na presença de nosso Deus e Pai, na vinda de nosso Senhor Jesus, com todos os seus santos.” I° Tess. 3:13

“Exorto-te, perante Deus, que preserva a vida de todas as coisas, e perante Jesus Cristo, que, diante de Pôncio Pilatos, fez a boa confissão, que guardes o mandato, irrepreensível, até a manifestação de nosso Senhor Jesus Cristo.” 2° Timóteo 6:13-14

“Visto que todas essas coisas hão de ser assim desfeitas, deveis ser tais como os que vivem em santo procedimento e piedade, esperando e apressando a vinda do dia de Deus, por causa do qual os céus, incendiados, serão desfeitos, e os elementos abrasados se derreterão. Nós, porém, segundo a sua promessa, esperamos novos céus e nova terra, nos quais habita justiça. Por essa razão, pois, amados, empenhai-vos por serdes achados por ele em paz, sem mácula e irrepreensíveis.”  2° Pedro 3:11-14

“Digo, porém: andai no Espírito e jamais satisfareis à concupiscência da carne.” Gál. 5:16

“Que diremos, pois? Permaneceremos no pecado, para que seja a graça mais abundante? De modo nenhum! Como viveremos ainda no pecado, nós os que para ele morremos? Romanos 6:1 e 2

“Porque o pecado não terá domínio sobre vós; pois não estais debaixo da lei, e sim da graça. E daí? Havemos de pecar porque não estamos debaixo da lei, e sim da graça? De modo nenhum! Romanos 6:14 e 15

  • Textos de lições da escola sabatina:

“Qual a justificativa de João para a primeira vinda de Jesus?” 1° João 3:8

“Jesus veio para destruir as obras de Satanás. Ele fez isso (1) Ao cumprir a penalidade por todo pecado humano (1° João 2:2; 1° Pedro2:24; 2° Cor. 5:21);

(2) Adquirindo o direito de restaurar a imagem de Deus nos seres humanos pecadores (João 14:18-21; 2° Cor. 3:18)

(3) Demonstrando como os crentes podem viver sem pecar (1° Pedro2:21-23);

(4) Afastando a concepção errada a respeito de Deus e acabando com os enganos satânicos (1° João 4:8-9), “Quando Jesus morreu no calvário, homens e anjos puderam perceber a malignidade de Satanás, bem como o amor de Deus pelo mundo caído.”- Ellen G. White, Review and Herald, 12 de julho de 1892.” (Lição da Escola Sabatina, “Deus é Amor”, 2° Trim. 1997, lição 6, pág. 5)

“Como Efésios 4:13 define o que os autores do Novo Testamento entendiam por perfeição cristã?”

“A ‘perfeita varonilidade’ é definida como sendo ‘a medida da estatura da plenitude de Cristo’. Em outras palavras, a perfeição cristã é ser semelhante a Cristo. Se ‘Deus é amor’ , Cristo é amor perfeitamente exemplificado. Não podemos igualar ao caráter infinitamente perfeito de Cristo, mas deveríamos copiá-lo. (Ellen G. White.  Testimonies, vol. 2 pág. 549) Podemos refletir Seu amor e viver sem cometer pecado. (Ver Apoc. 3:21)

“Quem não possui suficiente fé em Cristo para crer que Ele pode guardá-lo de pecar, não tem a fé necessária para entrar no reino de Deus.” Ellen G. White, Review and Herald, 10 de março de 1904 (Lição da Escola Sabatina 3° Trim. 1995, lição 7, pág.5)

Lição da Escola Sabatina comentando Gálatas 5:16-18:

“Notemos primeiro o contexto. Gálatas 5:16 indica que se andarmos “no Espírito” teremos vitória sobre os desejos da carne. O verso 17 apresenta o conflito que prossegue na vida de todo cristão. O verso 18 enfatiza o ponto realçado no verso 16, mas em palavras um pouco diferentes. A frase: “Se sois guiados pelo Espírito” (verso 18) descreve a mesma experiência de andar “no Espírito” (verso 16) A pessoa que “não satisfaz aos desejos da carne” (verso 16) é aquela que não está “sob a lei” (verso 18). No contexto, o ponto do verso 18 é que se o Espírito Santo nos dirige a vida, não vivemos em pecado. Não estamos usando a lei como meio de salvação, nem estamos transgredindo a lei. Pelo poder do Espírito Santo, estamos tendo vitória espiritual.

As inferências ou deduções práticas dessa mensagem são muito amplas.  Como  crentes em Cristo que estão andando “no Espírito”, não precisamos pecar.  A vitoria total é uma possibilidade bem real; Cristo tomou todas as providências necessárias para isso.  Quando caímos, a culpa é inteiramente nossa; pois não permitimos que o Espírito Santo faça o que lhe apraz, em nossa vida; não nos apoderamos de seu poder para dar-nos vitória. O ideal de Cristo para seu povo é a vitória total.  “Podemos vencer. Sim, plena e completamente. Jesus morreu para conceder-nos um meio de escape, afim de que pudéssemos vencer toda falta, resistir a toda tentação e finalmente sentar-nos com Ele em Seu trono.” – Ellen G. White, Our High Calling. pág, 353.

“Vi que ninguém poderia participar do ‘ refrigério’ a menos que obtivesse a vitoria sobre toda tentação, orgulho, egoísmo, amor ao mundo, e sobre toda má palavra e ação. Deveríamos,  portanto, estar-nos aproximando mais e mais do Senhor, acha-nos  fervorosamente á procura daquela preparação necessária para nos habilitar a estar em pé na batalha do dia do Senhor. Lembrem todos que Deus é santo, e que unicamente estes santos poderão morar em Sua presença.” – Primeiros Escritos, pág. 71 (Lição Escola Sabatina “Cristo O Único Caminho” 2° Trim., 1990, pág. 148)

“Porque o salário do pecado é a morte.” (Rom. 6:23) significa que aquele que pecou está sujeito à morte eterna incondicional. Nossa resolução de nos comportarmos bem no futuro não altera a sentença. Somente se aceitarmos o Substituto Divino poderemos ter perdão, absolvição e poder de viver sem cometer pecado.” (Lição Escola Sabatina “Cristo O Único Caminho” 2° Trim., 1990, pág. 46)

Lição da Escola Sabatina comentando Rom. 6:12-14:

“O pecado permanece na vida se não reina mais nela?” Rom. 6:12-14

“Nossa natureza humana decaída certamente continua tendo propensões para o mal. Mas esse “eu” decaído é subjugado diariamente pelo poder de Cristo em nosso íntimo. (Ver Gál. 2:20.) Em Rom. 6:12, Paulo está falando sobre o perigo de ceder aos impulsos de nossa natureza humana decaída. Quando fazemos isso, o pecado reina em nosso corpo. Quando Cristo reina na vida, o pecado não poderá fazê-lo.

João enfatizou a mesma verdade. (Ver 1 S. João 3:8-9) Ele não ensinou que, embora o pecado habitual seja do diabo, o pecado ocasional é permissível. Todo pecado é do diabo, e se Cristo vive na vida pelo Espírito Santo, o pecado não poderá existir ali.

Vencer como Cristo venceu. Apegar-se-á o homem ao poder divino, resistindo a Satanás com determinação e perseverança, como Cristo lhe deu exemplo em Seu conflito com o inimigo no deserto da tentação? Deus não pode salvar o homem contra a sua vontade do poder dos ardis de Satanás. O homem precisa utilizar seu poder humano, ajudado pelo divino poder de Cristo, para resistir e vencer, custe o que custar. Em suma, o homem precisa vencer como Cristo venceu.’ – Testimonies, vol. 4, pág. 32-33” (Lição da Escola Sabatina, 4° trim., 1990, A Carta aos Romanos pág. 74)

  • Espírito de profecia – Ellen G. White, a serva do Senhor: 

“O grande Mestre veio a nosso mundo, não somente para fazer expiação pelo pecado, mas também para ser um mestre tanto por preceito como pelo exemplo. Veio mostrar ao homem como guardar a lei na humanidade, de modo que ele não tivesse nenhuma desculpa para seguir seu próprio critério imperfeito. Vemos a obediência de Cristo. Sua vida era sem pecado. A obediência durante toda a Sua vida é uma censura à humanidade desobediente. A obediência de Cristo não deve ser posta de lado como se fosse completamente diferente da obediência que Ele requer de nós individualmente. Cristo nos mostrou que é possível para toda a humanidade obedecer às leis de Deus. ”ME, vol. 3, pág. 135 

“A obediência de Cristo a Seu Pai era a mesma obediência que é requerida do homem. O homem não pode vencer as tentações de Satanás sem combinar o poder divino com o seu auxílio. Assim foi com Jesus Cristo: Ele podia lançar mão do poder divino. Ele não veio ao nosso mundo para prestar a obediência de um Deus inferior a um superior, mas como homem, para obedecer à Santa Lei de Deus, e desta maneira Ele é nosso exemplo. O Senhor Jesus veio ao nosso mundo, não para revelar o que Deus podia fazer, e, sim, o que o homem podia realizar, mediante a fé no poder de Deus para ajudar em toda emergência. O homem deve, pela fé, ser participante da natureza divina e vencer toda tentação com que é assaltado.” Nossa Alta Vocação, p. 46

“Esta foi a posição que Cristo ocupou quando veio ao nosso mundo, entrando em conflito com o líder rebelde dos anjos caídos. Deus formulou um plano, e Cristo aceitou a posição. Ele concordou em encontrar o inimigo diretamente, como todo ser humano deve fazer. Foram-Lhe providos todos os poderes celestes para ajudá-Lo nesse grande conflito; e o homem, se andasse no caminho e na vontade de Deus, receberia o mesmo poder preservador. As mesmas inteligências celestiais ministram àqueles que serão herdeiros para a salvação, para que possam vencer toda tentação, grande ou pequena, como Cristo venceu.” Olhando Para O Alto, pág. 42

O Filho de Deus era irrepreensível.“Precisamos ter como alvo essa perfeição, e vencer como Ele venceu, caso queiramos ter um lugar à Sua direita.” Testimonies, vol. 3, pág. 336. Filhos e Filhas de Deus pág. 154

“Como era Jesus revestido da natureza humana, assim pretende Deus que sejam os Seus seguidores. Cumpre-nos viver, em Sua força, a vida de pureza, a vida nobre vivida pelo Salvador.” Testimonies, vol. 8, págs. 286 e 289. Filhos e Filhas de Deus, pág. 21

“Por Sua obediência perfeita tornou possível a todo homem obedecer aos mandamentos de Deus. Ao nos sujeitarmos a Cristo, nosso coração se une ao Seu, nossa vontade imerge em Sua vontade, nosso espírito torna-se um com Seu espírito, nossos pensamentos serão levados cativos a Ele; vivemos Sua vida. Isto é o que significa estar trajado com as vestes de Sua justiça. Quando então o Senhor nos contemplar, verá não o vestido de folhas de figueira, não a nudez e deformidade do pecado, mas Suas próprias vestes de justiça que são a obediência perfeita à lei de Jeová.”  Parábolas de Jesus, pág. 312.

“Vem o príncipe do mundo”, disse Jesus; “ele nada tem em Mim.” João 14:30. Nada havia nEle que correspondesse aos sofismas de Satanás. Ele não consentia com o pecado. Nem por um pensamento cedia à tentação. O mesmo se pode dar conosco. A humanidade de Cristo estava unida à divindade; estava habilitado para o conflito, mediante a presença interior do Espírito Santo. E veio para nos tornar participantes da natureza divina. Enquanto a Ele estivermos ligados pela fé, o pecado não mais terá domínio sobre nós. Deus nos toma a mão da fé, e a leva a apoderar-se firmemente da divindade de Cristo, a fim de atingirmos a perfeição de caráter.” DTN, pág. 123

“Cristo tomou a humanidade e suportou o ódio do mundo para que pudesse revelar a homens e mulheres que estes poderiam viver sem pecado, que suas palavras, atos, seu espírito, poderiam ser santificados para Deus. Podemos ser cristãos perfeitos se manifestarmos esse poder em nossa vida. Quando a luz do céu repousar sobre nós continuamente, representaremos a Cristo. Foi a justiça revelada em Sua vida que O distinguiu do mundo e despertou seu ódio. […] As palavras de Cristo são ditas para Seu povo em todas as épocas- para nós sobre quem o fim dos séculos é chegado.”- Manuscrito 97, 16 de outubro de 1909, “ Eu Sou a Videira Verdadeira”, sermão pregado em San José, Califórnia. Olhando Para O Alto MM, pág. 297.

“O homem caiu. A imagem de Deus nele se acha deformada. Por causa da desobediência ele se tornou depravado em suas inclinações e debilitado em suas faculdades, aparentemente incapaz de esperar qualquer outra coisa além de tribulação e castigo. Mas Deus, por intermédio de Cristo, planejou um escape, e diz a todos: “Portanto, sede vós perfeitos.” Mat. 5:48. O Seu propósito é que o homem seja correto e digno diante dEle, e assim o Seu plano não será frustrado. Ele enviou o Seu Filho a este mundo a fim de pagar a penalidade do pecado, e mostrar ao homem como viver uma vida sem pecado.” Signs of the Times, 30 de março de 1904. Cuidado De Deus MM 1995, pág. 320

“Quem não possui suficiente fé em Cristo para crer que Ele pode guardá-lo de pecar, não tem a fé necessária para entrar no reino de Deus.” Ellen G. White, Review and Herald, 10 de março de 1904 (Lição da Escola Sabatina 3° Trim. 1995, lição 7, pág. 5)

Ao SENHOR DEUS CRIADOR, MANTENEDOR, MISERICORDIOSO, JUSTO, CHEIO DE AMOR VERDADEIRO, seja nosso louvor, honra e glória!

Na aba APOSTILAS temos uma compilação com estes textos e outros que poderão elucidar o assunto. Pode ser baixado aqui: É POSSÍVEL VIVER SEM PECAR

Tempo Sem Intercessor

Tempo

“E me farão um santuário, para que Eu possa habitar no meio deles.” Êxodo 25:8

O santuário que Moisés construiu com seus rituais era símbolo ou “sombra” do verdadeiro santuário que está nos Céus construído pelo Senhor. Vemos em Êxodo 25:9 que o santuário terrestre foi construído segundo um modelo que foi mostrado para Moisés:

“Segundo tudo o que Eu te mostrar para modelo do tabernáculo e para modelo de todos os seus móveis, assim mesmo o fareis.” Êxodo 25:9

“Ora, o essencial das coisas que temos dito é que possuímos tal sumo sacerdote, que assentou à destra do trono da Majestade nos céus, como ministro do santuário e do verdadeiro tabernáculo que o Senhor erigiu, não o homem.” Hebreus 8:1-2

Todo ritual do santuário e as “leis referentes ao santuário” foram escritos por Moisés em um livro e colocado ao lado da arca da Aliança do Senhor – Deuteronômio 31:24-26. Em Hebreus 10:1 afirma que todo esse ritual era uma representação ou sombra do que Cristo faria por nós como cordeiro que foi sacrificado e de Sua atuação para nos salvar no santuário celestial:

“Porque, tendo a lei a sombra dos bens futuros, e não a imagem exata das coisas, nunca, pelos mesmos sacrifícios que continuamente se oferecem cada ano, pode aperfeiçoar os que a eles se chegam.” Hebreus 10:1

Para um melhor conhecimento do santuário celestial é nescessário lermos Hebreus 8,9 e 10, Apocalipse 11:19. Estes textos bíblicos e outros comprovam a existência de um santuário celestial onde Cristo está intercedendo por nós.

Para um estudo mais detalhado sobre o santuário e seus rituais recomendamos o estudo dos livros: “O Ritual do Santuário” do Pr. M.L. Andreasen e “Cristo Em Seu Santuário” de Ellen G. White. Com a ajuda do Senhor Espírito Santo, ao estudarmos o santuário terrestre com seus rituais, compreenderemos melhor os acontecimentos no santuário celestial e, consequentemente, o plano da salvação.

“A intercessão de Cristo no santuário celestial, em prol do homem, é tão essencial ao plano da redenção, como o foi Sua morte sobre a cruz. Pela Sua morte iniciou essa obra, para cuja terminação ascendeu ao Céu, depois de ressurgir. Pela fé devemos penetrar até o interior do véu, onde nosso Precursor entrou por nós (Heb. 6:20). Ali se reflete a luz da cruz do Calvário. Ali podemos obter intuição mais clara dos mistérios da redenção.” Cristo Em Seu Santuário, pág.118

“O assunto do santuário e do juízo de investigação, deve ser claramente compreendido pelo povo de Deus.” Cristo Em Seu Santuário, pág.117

Neste artigo, queremos apresentar de forma resumida apenas a atuação final de Cristo no santuário celestial para nos salvar.

Como Adventistas do 7° Dia acreditamos que a partir de 1844, Jesus passou do lugar santo para o santíssimo no santuário celestial, dando início então, ao juízo investigativo.

O dia de Expiação no santuário terrestre representava o último período de Cristo no santuário celestial. O dia da Expiação representa o tempo do juízo investigativo, o tempo em que Cristo atua como nosso Sumo Sacerdote intercedendo por nós.

Aqui faz-se necessário um entendimento sobre o que acontecia no santuário neste dia da Expiação:

O dia da expiação era um dia importantíssimo para a nação de Israel. Era um sábado, dia santo para nação, dia de purificação, dia para serem purificados de todos os seus pecados. Levítico 15: 31-32

Todos deveriam estar com as atenções voltadas para o santuário. Era aquele um momento solene para todos, tempo de reflexão e oração.

O ano todos os pecados de todos que tomavam parte nos rituais eram trazidos para o santuário e ali depositados de uma forma simbólica. Durante o ano aquele que pecava tinha a oportunidade de confessar seus pecados cumprir um determinado ritual e então obter o perdão.

O dia da expiação era o único dia em que o sumo sacerdote entrava no segundo compartimento do santuário, chamado santíssimo. Neste dia era feito purificação do santuário. Aquele que não tomasse parte nos rituais do santuário, especialmente no dia da expiação seria expulso de Israel. Levítico 23:29.

É sempre bom lembrar que todo o ritual era apenas uma representação do que Cristo faria e está fazendo por nós. Sempre foi através do que Jesus fez por nós que o homem pode ser perdoado e restaurado.

O dia da expiação representava a última etapa do tempo no qual o pecador tem a oportunidade de confessar seus pecados e obter o perdão e restauração.

Hoje, no santuário celestial, Jesus está cumprindo esta etapa final do ritual. Estamos vivendo o dia da expiação, tempo do juízo investigativo em que Jesus atua como nosso intercessor oferecendo o Seu próprio sacrifício para que possamos, após termos confessado com verdadeiro arrependimento, obter o perdão e a purificação. Hebreus 9:11-12.

Quando terminar o juízo investigativo, Cristo não estará mais atuando como intercessor. Tendo findado a intercessão,  a porta da graça se fecha e inicia-se o tempo de angústia. Neste momento, os salvos serão aqueles que terão alcançado pela graça de Deus a libertação da escravidão do pecado, vivendo em plena harmonia com os princípios do Senhor. Pela graça de Deus, durante o tempo de angústia, os salvos permanecerão vivendo sem pecar, diante de um Deus santo, mesmo sem intercessor.

Durante o tempo de angústia Cristo não estará atuando como intercessor pelos homens. Mas naquele momento terrível de lutas, Cristo estará presente na vida dos salvos porque um dia Ele prometeu: “[…] E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século.” Mateus 28:20.

Esta citação de Mateus 28:20 não configura intercessão, mas presença. Cristo não estará atuando como intercessor pelos salvos, mas estará capacitando-os a viverem de forma irrepreensível, sem mácula diante de Deus, somente através da graça maravilhosa de Jesus. Os salvos simplesmente estarão vivendo a vida santificada que escolheram viver antes do fechamento da porta da graça. Passarão o tempo de angústia porque acreditaram e viveram segundo as palavras de Jesus: “Eu sou a videira, vós, os ramos. Quem permanece em mim, e eu, nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.” João 15:5

Ao passo que os salvos serão aqueles que estarão vivendo de forma irrepreensível quando fechar a porta da graça os perdidos serão aqueles que, ainda estarão vivendo como escravos do pecado, ainda terão pecados não confessados e não abandonados. Ao fechar a porta da graça será tarde demais para eles obterem o perdão, tarde demais para serem salvos. Eles negligenciaram o tempo oportuno para obterem a salvação. 

A seguir relacionamos alguns textos de Ellen G. White, a serva do Senhor, sobre tempo em que os salvos terão que viver sem um intercessor, fechamento da porta da graça, como os salvos deverão estar vivendo quando a porta da graça fechar, como eles viverão durante o tempo de angústia:

  • Tempo Sem Intercessor

“Estes são os que seguem o Cordeiro para onde quer que vai.” Apoc. 14:1-5. “Estes, tendo sido trasladados da Terra, dentre os vivos, são tidos como as primícias para Deus e para o Cordeiro.” Apoc. 15:3. “Estes são os que vieram de grande tribulação” (Apoc. 7:14); passaram pelo tempo de angústia tal como nunca houve desde que houve nação; suportaram a aflição do tempo da angústia de Jacó; permaneceram sem intercessor durante o derramamento final dos juízos de Deus. O Grande Conflito, págs. 648 e 649.” Eventos Finais, pág. 268

“Deixando Ele o santuário, as trevas cobrem os habitantes da Terra. Naquele tempo terrível os justos devem viver à vista de um Deus santo, sem intercessor. Removeu-se a restrição que estivera sobre os ímpios, e Satanás tem domínio completo sobre os que finalmente se encontram impenitentes. Terminou a longanimidade de Deus: O mundo rejeitou a Sua misericórdia, desprezou-Lhe o amor, pisando Sua lei. Os ímpios passaram os limites de seu tempo de graça; o Espírito de Deus, persistentemente resistido, foi, por fim, retirado. Desabrigados da graça divina, não têm proteção contra o maligno. Satanás mergulhará então os habitantes da Terra em uma grande angústia final.” Grande Conflito, pág. 614

“Enquanto Jesus oficiava no santuário, era impossível serem derramadas as pragas; mas, terminando ali a Sua obra, e encerrando-se a Sua intercessão, nada havia para deter a ira de Deus, e ela irrompeu com fúria sobre a cabeça desabrigada do pecador culpado, que desdenhou a salvação e odiou a correção. Naquele tempo terrível, depois de finalizada a mediação de Jesus, os santos passaram a viver à vista de um Deus santo, sem intercessor. Cada caso estava decidido, cada jóia contada. Jesus demorou um momento no compartimento exterior do santuário celestial, e os pecados que tinham sido confessados enquanto Ele esteve no lugar santíssimo, foram colocados sobre Satanás, o originador do pecado, que deve sofrer o castigo deles.” História Da Redenção, pág. 403

“Retirando-Se Jesus do lugar santíssimo, ouvi o tilintar das campainhas sobre Suas vestes; e, ao sair Ele, uma nuvem de trevas cobriu os habitantes da Terra. Não havia então mediador entre o homem culpado e Deus, que fora ofendido. Enquanto Jesus permanecera entre Deus e o homem culposo, achava-se o povo sob repressão; quando, porém, Ele saiu de entre o homem e o Pai, essa restrição foi removida, e Satanás teve completo domínio sobre os que afinal não se arrependeram. Enquanto Jesus oficiava no santuário, era impossível serem derramadas as pragas; mas, terminando ali a Sua obra, e encerrando-se a Sua intercessão, nada havia para deter a ira de Deus, e ela irrompeu com fúria sobre a cabeça desabrigada do pecador culpado, que desdenhou a salvação e odiou a correção. Naquele tempo terrível, depois de finalizada a mediação de Jesus, os santos passaram a viver à vista de um Deus santo, sem intercessor. Cada caso estava decidido, cada jóia contada. Jesus demorou um momento no compartimento exterior do santuário celestial, e os pecados que tinham sido confessados enquanto Ele esteve no lugar santíssimo, foram colocados sobre Satanás, o originador do pecado, que deve sofrer o castigo deles.” Primeiros Escritos, pág. 280

  •  Tempo Sem Um Mediador 

“Vi que muitos negligenciavam a preparação tão necessária, esperando que o tempo do “refrigério” e da “chuva serôdia” os habilitasse para estar em pé no dia do Senhor, e viver à Sua vista. Oh, quantos vi eu no tempo de angústia sem abrigo! Haviam negligenciado a necessária preparação, e portanto não podiam receber o refrigério que todos precisam ter para os habilitar a viver à vista de um Deus santo. Os que … deixam de purificar o espírito na obediência da verdade, … chegarão ao tempo em que as pragas cairão, e verão que necessitam ser esculpidos e preparados para a edificação. Não haverá, porém, tempo para o fazer, e nem Mediador para pleitear sua causa perante o Pai. Antes desse tempo sairá a declaração terrivelmente solene de que: “Quem é injusto faça injustiça ainda; e quem está sujo suje-se ainda; e quem é justo faça justiça ainda; e quem é santo seja santificado ainda.” Apoc. 22:11.”  Testemunhos Seletos, vol. 2, pág. 60 (Cuidado de Deus, pág. 353)

“Os que estiverem vivendo sobre a Terra quando a intercessão de Cristo cessar no santuário celestial, deverão, sem mediador, estar em pé na presença do Deus santo. Suas vestes devem estar imaculadas, o caráter liberto de pecado, pelo sangue da aspersão. Mediante a graça de Deus e seu próprio esforço diligente, devem eles ser vencedores na batalha contra o mal. Enquanto o juízo investigativo prosseguir no Céu, enquanto os pecados dos crentes arrependidos estão sendo removidos do santuário, deve haver uma obra especial de purificação, ou de afastamento de pecado, entre o povo de Deus na Terra. Esta obra é mais claramente apresentada nas mensagens do capítulo 14 de Apocalipse.[…]” Cristo Em Seu Santuário, pág. 99

“Vi também que muitos não compreendem o que devem ser a fim de viverem a vista do Senhor sem um sumo sacerdote no santuário, durante o tempo de angústia. Os que ao de receber o selo do Deus vivo, e ser protegidos, no tempo de angústia, devem refletir completamente a imagem de Jesus” P.E., pág. 71; Vida e Ensinos, pág. 112

  • Fechamento da Porta da Graça

“Quem vos descreverá as lamentações que se levantarão, quando, na linha divisória que separa tempo e eternidade, o justo Juiz erguer a voz e declarar: “É tarde demais!” Por muito tempo estiveram abertos os amplos portais do Céu, e os mensageiros celestes convidaram e rogaram: “Quem quiser, receba de graça da água da vida.” Apoc. 22:17. “Hoje, se ouvirdes a Sua voz, não endureçais o vosso coração.” Heb. 3:15. Mas afinal sai o decreto: “Continue o injusto fazendo injustiça, continue o imundo ainda sendo imundo; o justo continue na prática da justiça, e o santo continue a santificar-se.” Apoc. 22:11.” Cristo Triunfante, pág. 78

“Os cristãos professos que chegarem ao tempo de angústia sem estarem preparados, confessarão em seu desespero os seus pecados perante o mundo com palavras de angústia consumidora, ao passo que os ímpios exultam de sua agonia. O caso de todos estes é sem esperança. Quando Cristo Se levantar e deixar o Lugar Santíssimo, começará o tempo de angústia, estará decidido o caso de cada pessoa, e não haverá sangue expiatório para purificar do pecado e corrupção. Quando sai do Santíssimo, Jesus fala em tom decisivo e autoridade real: “Continue o injusto fazendo injustiça, continue o imundo ainda sendo imundo; o justo continue na prática da justiça, e o santo continue a santificar-se. E eis que venho sem demora, e comigo está o galardão que tenho para retribuir a cada um segundo as suas obras.” Apoc. 22:11 e 12. Signs of the Times, 27 de novembro de 1879.” Recebereis Poder, pág. 343

“Quando Jesus Se erguer, no Lugar Santíssimo, depuser Suas vestes intercessoras, e vestir Seus trajes de vingança, sairá a ordem: “Continue o injusto fazendo injustiça… o justo continue na prática da justiça, e o santo continue a santificar-se. E eis que venho sem demora, e comigo está o galardão”. Apoc. 22:11 e 12. Testimonies, vol. 8, págs. 313-315.” Refletindo a Cristo, pág. 304

“Os sinais da vinda de Cristo estão-se cumprindo rapidamente. Satanás vê que não lhe resta senão pouco tempo para operar, e tem posto seus agentes a trabalhar no sentido de revoltar as pessoas do mundo, para que os homens sejam enganados, iludidos, e se conservem ocupados e absorvidos até que termine o tempo da graça, e para sempre se feche a porta da misericórdia.” Conselhos Aos Pais, Professores e Estudantes, pág. 414

“Quando a obra de investigação se encerrar, examinados e decididos os casos dos que em todos os séculos professaram ser seguidores de Cristo, então, e somente então, se encerrará o tempo da graça, fechando-se a porta da misericórdia. Assim, esta breve sentença – “As que estavam preparadas entraram com Ele para as bodas, e fechou-se a porta” – nos conduz através do ministério final do Salvador, ao tempo em que se completará a grande obra para salvação do homem.” Cristo Em Seu Santuário, pág. 101

“A mesma figura do casamento é apresentada na parábola do capítulo 22 de Mateus, onde claramente se representa o juízo de investigação como ocorrendo antes das bodas. Previamente às bodas vem o rei para ver os convidados (Mat. 22:11), a fim de verificar se todos têm trajes nupciais, vestes imaculadas do caráter lavadas e embranquecidas no sangue do Cordeiro (Apoc. 7:14). O que é encontrado em falta, é lançado fora, mas todos os que, sendo examinados, se verificar terem vestes nupciais, são aceitos por Deus e considerados dignos de participar de Seu reino e assentar-se em Seu trono. Esta obra de exame do caráter, para determinar quem está preparado para o reino de Deus, é a do juízo de investigação, obra final do santuário do Céu. Quando a obra de investigação se encerrar, examinados e decididos os casos dos que em todos os séculos professaram ser seguidores de Cristo, então, e somente então, se encerrará o tempo da graça, fechando-se a porta da misericórdia. Assim, esta breve sentença – “As que estavam preparadas entraram com Ele para as bodas, e fechou-se a porta” – nos conduz através do ministério final do Salvador, ao tempo em que se completará a grande obra para salvação do homem.” Cristo Em Seu Santuário, pág. 101

“Quando se encerrar a obra do juízo de investigação, o destino de todos terá sido decidido, ou para a vida, ou para a morte. O tempo da graça finaliza pouco antes do aparecimento do Senhor nas nuvens do céu. Cristo, no Apocalipse, prevendo aquele tempo, declara: “Quem é injusto, faça injustiça ainda; quem está sujo suje-se ainda; e quem é justo, faça justiça ainda; e quem é santo seja santificado ainda. E, eis que cedo venho, e o Meu galardão está comigo, para dar a cada um segundo a sua obra.” Apoc. 22:11 e 12. 

Os justos e os ímpios estarão ainda a viver sobre a Terra em seu estado mortal: estarão os homens a plantar e a construir, comendo e bebendo, todos inconscientes de que a decisão final, irrevogável, foi pronunciada no santuário celestial. Antes do dilúvio, depois que Noé entrou na arca, Deus o encerrou ali, e excluiu os ímpios; mas, durante sete dias, o povo, não sabendo que seu destino se achava determinado, continuou em sua vida de descuido e de amor aos prazeres, zombando das advertências sobre o juízo iminente. “Assim”, diz o Salvador, “será também a vinda do Filho do homem.” Mat. 24:39. Silenciosamente, despercebida como o ladrão à meia-noite, virá a hora decisiva que determina o destino de cada homem, sendo retraída para sempre a oferta de misericórdia ao homem culpado.

“Vigiai, pois, … para que, vindo de improviso, não vos ache dormindo.” Mar. 13:35 e 36. Perigosa é a condição dos que, cansando-se de vigiar, volvem às atrações do mundo. Enquanto o homem de negócios está absorto em busca de lucros, enquanto o amante dos prazeres procura satisfazer aos mesmos, enquanto a escrava da moda está a arranjar os seus adornos – pode ser que naquela hora o Juiz de toda a Terra pronuncie a sentença: “Pesado foste na balança, e foste achado em falta.” Dan. 5:27. O Grande Conflito, págs. 479-491.” Cristo Em Seu Santuário, pág. 119-120

  • Como os salvos estarão vivendo durante o fechamento da porta da graça e o  tempo de angústia.

“Agora, enquanto nosso grande Sumo Sacerdote está a fazer expiação por nós, devemos procurar tornar-nos perfeitos em Cristo.Nem mesmo por um pensamento poderia nosso Salvador ser levado a ceder ao poder da tentação. Satanás encontra nos corações humanos algum ponto em que pode obter apoio; algum desejo pecaminoso é acariciado, por meio do qual suas tentações asseguram a sua força. Mas Cristo declarou de Si mesmo: “Aproxima-se o príncipe deste mundo, e nada tem em Mim.” João 14:30. Satanás nada pôde achar no Filho de Deus que o habilitasse a alcançar a vitória. Tinha guardado os mandamentos de Seu Pai, e não havia nEle pecado que Satanás pudesse usar para a sua vantagem. Esta é a condição em que devem encontrar-se os que subsistirão no tempo de angústia.Grande Conflito, pág. 623

“Vi também que muitos não compreendem o que devem ser a fim de viverem a vista do Senhor sem um sumo sacerdote no santuário, durante o tempo de angústia. Os que ao de receber o selo do Deus vivo, e ser protegidos, no tempo de angústia, devem refletir completamente a imagem de Jesus” P. E. pág. 71; Vida e Ensinos, pág. 112

  • Satanás quer prender os homens no pecado até que seja tarde de mais.

“O grande conflito entre Cristo e Satanás, que tem prosseguido durante quase seis mil anos, logo deve terminar; e o maligno redobra seus esforços para frustrar a obra de Cristo em prol do homem, e prender as almas em suas ciladas. Reter o povo em trevas e impenitência, até que termine a mediação do Salvador e não mais haja sacrifício pelo pecado, é o objetivo que ele procura realizar. Não se fazendo um esforço especial para resistir ao seu poder, prevalecendo a indiferença na igreja e no mundo, Satanás não se preocupa; pois que não se acha em perigo de perder os que está levando em cativeiro, à sua vontade. Mas ao ser chamada a atenção para as coisas eternas, e almas indagarem: “Que é necessário que eu faça para me salvar?” ele está a postos, procurando opor seu poder ao de Cristo, e neutralizar a influência do Espírito Santo.” Grande Conflito, pág. 518

“O grande conflito entre Cristo e Satanás logo será concluído, e o maligno tem duplicado seus esforços para anular o que Cristo realiza pelos seres humanos. O objetivo dele é manter as pessoas em trevas e sem arrependimento, até que termine a intercessão do Salvador. Quando a indiferença prevalece entre os cristãos, Satanás não se preocupa. Mas quando as pessoas indagam: “O que é necessário fazer para ser salvo?”, ele procura opor seu poder ao de Cristo e neutralizar a influência do Espírito Santo.” A Grande Esperança, pág. 26

É triste constatar que mesmo entre aqueles que deveriam estar alertando nosso povo contra as ciladas do inimigo encontramos pessoas pregando que não há necessidade nem mesmo possibilidade do homem se livrar completamente da presença do pecado antes da glorificação, agindo assim sem ter consciência, tais pregadores na verdade estão ajudando Satanás “manter as pessoas em trevas e sem arrependimento, até que termine a intercessão do Salvador.” Estão ajudando Satanás a manter os  homens  em pecado até que seja demasiado tarde para se buscar a salvação. Misericórdia Senhor!

“Os sinais da vinda de Cristo estão-se cumprindo rapidamente. Satanás vê que não lhe resta senão pouco tempo para operar, e tem posto seus agentes a trabalhar no sentido de revoltar as pessoas do mundo, para que os homens sejam enganados, iludidos, e se conservem ocupados e absorvidos até que termine o tempo da graça, e para sempre se feche a porta da misericórdia.” Conselhos Aos Pais, Professores e Estudantes, pág. 414

  • Um alerta para cada um de nós.

“Quando nos lembramos  que ninguém sabe quando seu tempo de graça findará, como ousamos viver despreparados, desprevenidos para encontrar com nosso Senhor? Como ousamos continuar pecadores e maculados? Por que não temos medo? Por que não estamos perturbados? Por que não percebemos nosso perigo? […] O Senhor operaria poderosamente por Seu povo, se este abandonasse as obras das trevas e se revestisse de Sua justiça. […]”– Manuscrito 13, 8 de junho de 1902, “O Povo de Deus Deve Ser Portador de Luz”. Olhando Para O Alto MM, pág. 167

“Quando Cristo vier, será então demasiado tarde para que os erros sejam corrigidos, demasiado tarde para que o caráter seja mudado, demasiado tarde para obter um caráter santo. Agora é o tempo da preparação; agora é o tempo em que podemos ter nossos defeitos removidos; agora é o tempo em que nossos pecados devem ser submetidos, de antemão ao juízo, ser confessados e pelo arrependimento obter perdão para nossos nomes. Que Deus ajude aqueles que ensinam a verdade a serem modelos de piedade, repletos de mansidão e de bons frutos. Carta 60, 1886. 26 de dezembro, Olhando Para o Alto pág. 367

 “Entre nós, há os que, como Acã, farão confissões quando for demasiado tarde para se salvarem. […] Eles não estão em harmonia com o que é correto. Desprezam o testemunho positivo que atinge o coração, e gostariam que fossem silenciados todos os que fazem repreensões.” Testimonies, vol. 3, pág. 272. Eventos Finais, pág. 175-176

“Os pretensos crentes, que chegam despreparados ao tempo de angústia, confessarão, em seu desespero, seus pecados perante o mundo em palavras de angústia, enquanto que os ímpios exultam sobre seu desespero. O caso de todos eles é sem esperança.  Os que adiaram a preparação para o dia de Deus não podem fazer essa preparação no tempo de angústia nem em qualquer período futuro.” – Signs of the Times, 27 de novembro de 1879. O Batismo do Espírito Santo, pág. 112

É interessante percebermos o quanto de conhecimento que temos disponível sobre os assuntos abordados. Infelizmente nossas prioridades mundanas nos cegam ou tapam nossos ouvidos para não atendermos às verdades do Senhor. Muitas vezes, pela nossa falta de tempo, deixamos de atender o clamor do céu e preferimos ouvir pessoas que consideramos “doutores no assunto”, creditando neles nossa salvação.

Estejam atentos e preparados filhos de Deus: “Crede no SENHOR vosso Deus, e estareis seguros; crede nos seus profetas, e prosperareis…” 2 Crônicas 20:20.

Deus seja louvado no nosso viver!

Cristo veio nos salvar do pecado

Cristo na cruz“Mas orar em nome de Cristo significa muito. Quer dizer que havemos de aceitar-Lhe o caráter, manifestar-Lhe o espírito e fazer Suas obras. A promessa do Salvador é dada sob condição. “Se Me amardes”, diz, “guardareis os Meus mandamentos.” João 14:15. Ele salva os homens, não em pecado, mas do pecado; e os que O amam manifestarão seu amor pela obediência.” DTN, pág. 668

O Senhor veio nos salvar do pecado, não em pecado.

O pecado escraviza, traz sofrimento e tem como consequência final a morte eterna. A presença do pecado na vida do homem é um indicativo de que ele ainda precisa ser salvo, ainda está doente, contaminado precisando ser curado.

A salvação ocorre no presente, quando Cristo vier Ele estará buscando aqueles que foram salvos do pecado e que foram purificados completamente antes do fechamento da porta da graça:

“Quando Cristo vier, será então demasiado tarde para que os erros sejam corrigidos, demasiado tarde para que o caráter seja mudado, demasiado tarde para obter um caráter santo. Agora é o tempo da preparação; agora é o tempo em que podemos ter nossos defeitos removidos; agora é o tempo em que nossos pecados devem ser submetidos, de antemão ao juízo, ser confessados e pelo arrependimento obter perdão para nossos nomes. Que Deus ajude aqueles que ensinam a verdade a serem modelos de piedade, repletos de mansidão e de bons frutos. Carta 60, 1886. 26 de dezembro, Olhando Para o Alto, pág. 367

A grande verdade é que a nossa vida testifica se nós realmente fomos salvos por Jesus. A presença de muitos pecados, poucos pecados ou até mesmo de um pecado, nos indica que Cristo ainda não reina plenamente no nosso coração. O coração dividido ainda com a presença do pecado, pertence ao inimigo e será com ele destruído.

Convido meus queridos irmãos para lerem os próximos textos que nos mostram que aqueles que almejam a salvação não podem aceitar nenhum ensinamento que tolere a presença do pecado:

  • A presença de um pecado não vencido, não abandonado levará o homem à perdição eterna:

“E unicamente os que vivem a vida de Cristo, são coobreiros Seus. Se um pecado é nutrido na alma, ou uma prática errônea conservada na vida, todo o ser é contaminado. O homem torna-se instrumento de injustiça.” DTN, pág. 313

“Qualquer hábito ou prática conducente ao pecado, capaz de trazer desonra sobre Cristo, convém ser posto de lado, seja qual for o sacrifício. Aquilo que desonra a Deus, não pode ser benéfico à alma. A bênção do Céu não pode seguir qualquer homem no violar os eternos princípios do direito. E um pecado alimentado é suficiente para operar a degradação do caráter e desencaminhar a outros. Se o pé ou a mão seriam cortados, ou mesmo arrancado o olho, para salvar o corpo da morte, quanto mais zelosos deveríamos ser em lançar fora o pecado, que traz morte à alma!” DTN, pág. 439 

  • Sem a “purificação de coração e vida” o homem não terá parte no reino de Deus:

“João proclamava a vinda do Messias, e chamava o povo ao arrependimento. Como símbolo da purificação do pecado, batizava-os nas águas do Jordão. Assim, por uma significativa lição prática, declarava que os que pretendiam ser o povo escolhido de Deus estavam contaminados pelo pecado, e sem purificação de coração e vida, não poderiam ter parte no reino do Messias.’’ DTN, pág.104 

“Ele salva os homens, não em pecado, mas do pecado; e os que O amam manifestarão seu amor pela obediência.” DTN, pág. 668

Ellen G. White, a serva do Senhor poderia ter escrito o texto acima da seguinte forma: “Ele salva os homens, não com o pecado, mas do pecado […]”. Também poderia ter escrito: “Ele salva os homens, não com a presença pecado, mas do pecado […]”. Porque “em pecado” tem o mesmo sentido que “com o pecado” e também o mesmo sentido que “com a presença do pecado”.

Portanto sem dúvida alguma “salvar do pecado” é algo que elimina o pecado completamente da vida do homem, porque o homem não será salvo “em pecado”, “com o pecado” ou “com a presença do pecado.”

É bom deixar claro que eliminar a presença do pecado na vida do homem não é o mesmo que eliminar a possibilidade do homem pecar. Enquanto estivermos neste mundo contaminado pelo pecado, existirá a possibilidade que o homem venha pecar, mas a existência dessa possibilidade não lhe dá o direito de viver pecando, nem mesmo ocasionalmente.

Aquele que almeja a salvação tem como objetivo uma vida completamente livre da presença do pecado e devemos louvar nosso maravilhoso Deus, porque Ele proveu meios para isto. Que o Senhor seja louvado!!!

Nos textos a seguir veremos a purificação que o Senhor quer efetuar em nossa vida e como ela acontecerá na vida daqueles que aceitam de fato o plano da salvação: 

“Jesus continuou: “O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito”.  João 3:6. O coração, por natureza, é mau, e “quem do imundo tirará o puro? Ninguém”. Jó 14:4. Invenção alguma humana pode encontrar o remédio para a alma pecadora. “A inclinação da carne é inimizade contra Deus; pois não é sujeita à lei de Deus, nem em verdade o pode ser”. Rom. 8:7. “Do coração procedem os maus pensamentos, mortes, adultérios, prostituições, furtos, falsos testemunhos e blasfêmias”. Mat. 15:19. A fonte do coração se deve purificar para que a corrente se possa tornar pura. Aquele que se esforça para alcançar o Céu por suas próprias obras em observar a lei, está tentando o impossível. Não há segurança para uma pessoa que tenha religião meramente legal, uma forma de piedade. A vida cristã não é uma modificação ou melhoramento da antiga, mas uma transformação da natureza. Tem lugar a morte do eu e do pecado, e uma vida toda nova. Essa mudança só se pode efetuar mediante a eficaz operação do Espírito Santo.” DTN, pág. 172

“Quando o Espírito de Deus toma posse do coração, transforma a vida. Os pensamentos pecaminosos são afastados, renunciadas as más ações; o amor, a humildade, a paz tomam o lugar da ira, da inveja e da contenda. A alegria substitui a tristeza, e o semblante reflete a luz do Céu. Ninguém vê a mão que suspende o fardo, nem a luz que desce das cortes celestiais. A bênção vem quando, pela fé, a alma se entrega a Deus. Então, aquele poder que olho algum pode discernir, cria um novo ser à imagem de Deus.”  DTN , pág.173

“Vem o príncipe do mundo”, disse Jesus; “ele nada tem em Mim.” João 14:30. Nada havia nEle que correspondesse aos sofismas de Satanás. Ele não consentia com o pecado. Nem por um pensamento cedia à tentação. O mesmo se pode dar conosco. A humanidade de Cristo estava unida à divindade; estava habilitado para o conflito, mediante a presença interior do Espírito Santo. E veio para nos tornar participantes da natureza divina. Enquanto a Ele estivermos ligados pela fé, o pecado não mais terá domínio sobre nós. Deus nos toma a mão da fé, e a leva a apoderar-se firmemente da divindade de Cristo, a fim de atingirmos a perfeição de caráter.” DTN, pág. 123

Maravilhoso Senhor nos ajude acreditar nesta purificação, a buscá-la, para que possamos testemunhar que servimos a um Deus misericordioso que cura, restaura e liberta. Que o Senhor seja louvado! 

“Quem não possui suficiente fé em Cristo para crer que Ele pode guardá-lo de pecar, não tem a fé necessária para entrar no reino de Deus.” Ellen G. White, Review and Herald, 10 de março de 1904 (Lição da Escola Sabatina 3° Trim. 1995 lição 7 pág.5)

“Visto que todas essas coisas hão de ser assim desfeitas, deveis ser tais como os que vivem em santo procedimento e piedade, esperando e apressando a vinda do dia de Deus, por causa do qual os céus, incendiados, serão desfeitos, e os elementos abrasados se derreterão. Nós, porém, segundo a sua promessa, esperamos novos céus e nova terra, nos quais habita justiça. Por essa razão, pois, amados, empenhai-vos por serdes achados por ele em paz, sem mácula e irrepreensíveis.”  2° Pedro 3:11-14