Archive for the ‘Mudança de Vida’ Tag

Testemunho e serviço: o fruto do reavivamento

Testemunho e Serviço

O comentário de Sábado a tarde da lição diz assim:

“O propósito do reavivamento é encher nosso coração com tanto amor por Jesus que almejemos compartilhar esse amor com todas as pessoas. No genuíno reavivamento, nosso coração é despertado para a bondade, compaixão, perdão e poder de Deus. Ficamos encantados por Seu amor e somos transformados por Sua graça. De tal maneira que não podemos ficar em silêncio.

Em contrapartida, um “reavivamento” que focaliza “apenas a experiência espiritual” erra o alvo. Se o reavivamento desenvolve atitudes críticas com relação às pessoas que não estão à altura do nosso “padrão de santidade”, certamente não é inspirado pelo Céu. Se a ênfase do reavivamento é simplesmente mudar o comportamento exterior, em vez de mudar o coração, algo está errado.

O genuíno reavivamento nunca leva ao egocentrismo ou, especialmente, à autossuficiência ou autoexaltação, mas a uma altruísta preocupação com os outros. Quando nosso coração é renovado pela graça de Deus, desejamos abençoar e servir os que estão em necessidade. Todo o reavivamento genuíno leva a uma ênfase renovada na missão e no serviço.” Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 24 – Lição de Aluno, pág. 42 – Lição de Professor

Temos na lição dessa semana uma definição clara e precisa do genuíno reavivamento e seu propósito. O verdadeiro reavivamento se manifesta em servos de Deus com o coração repleto de amor. Servos de Deus que de forma natural e espontânea, dão testemunho da alegria e satisfação que estão sentindo por terem Cristo reinando no seu coração. Servos de Deus sem egocentrismo, auto suficiência, auto exaltação, espírito de critica ou de julgamento. Nos verdadeiros servos reinam somente amor e o grande desejo de levar a todos a salvação que eles próprios estão desfrutando em Cristo Jesus. Esse é o reavivamento que devemos buscar e que pala graça de Deus, iremos alcançar.

Firmados na necessidade do reavivamento verdadeiro precisamos ter consciência de que não devemos estabelecer nossas “próprias normas” de vida para o testemunho e serviço. Existe uma norma “estabelecida por Deus”. Esta norma não deve ser baixada ou adaptada aos nossos próprios critérios imperfeitos. É a “norma de Deus” e ponto.

Leiamos em oração os textos a seguir:

“Deve ser nosso objetivo sempre alcançar a norma estabelecida por Deus. Devemos erguer-nos acima da gélida atmosfera em que temos vivido até agora, e com a qual Satanás desejaria circundar nossas almas, e respirar na santificada atmosfera do céu.” Review and Herald, 6 de maio 1890 (Cristo Nossa Justça, pág 105)

“Deus requer perfeição moral em todos. Os que receberam luz e oportunidades devem, como mordomos de Deus, aspirar à perfeição, e nunca, nunca baixar a norma de justiça a fim de acomodar tendências herdadas e cultivadas para o mal. Cristo tomou sobre Si nossa natureza humana e viveu nossa vida, para mostrar-nos que podemos ser semelhantes a Ele participando da natureza divina. Podemos ser santos, como Cristo foi santo na natureza humana. Por que, então, há tantos caracteres desagradáveis no mundo? É porque eles não suspeitam que suas maneiras desagradáveis e sua linguagem rude e descortês constituem o resultado de um coração pecaminoso.” Este Dia com Deus – MM 1980, pág. 30

A causa de fracasso dos reavivamentos modernos

“Nas verdades de Sua Palavra, Deus deu aos homens a revelação de Si mesmo; e a todos os que as aceitam servem de escudo contra os enganos de Satanás. Foi a negligência destas verdades que abriu a porta aos males que tanto se estão generalizando agora no mundo religioso. Tem-se perdido de vista, em grande parte, a natureza e importância da lei de Deus. Uma concepção errônea do caráter, perpetuidade e vigência da lei divina, tem ocasionado erros quanto à conversão e santificação, resultando em baixar, na igreja, a norma da piedade. Aqui deve encontrar-se o segredo da falta do Espírito e poder de Deus nos avivamentos de nosso tempo.” Grande Conflito, pág. 465

A norma determinada por Deus é a mesma norma que Cristo viveu no mundo. Logo, Cristo é nosso exemplo perfeito e como Ele devemos viver. Esta norma nos oferece uma comunhão tal com Deus que nossa vida se torna completamente livre da escravidão do pecado, libertação plena do pecado.

É bom frisar que não estamos falando sobre a vida livre da “possibilidade de pecar” antes da glorificação. Estamos falando de vidas livres do pecado enquanto estiverem realmente com Jesus reinando de forma “plena no coração”. Esta é a condição que deverá ser alcançada antes do fechamento da porta da graça por aqueles que desejam subsistir no tempo de angústia. Leiamos o texto a seguir que comprova esta afirmação:

“Satanás nada pôde achar no Filho de Deus que o habilitasse a alcançar a vitória. Tinha guardado os mandamentos de Seu Pai, e não havia nEle pecado que Satanás pudesse usar para a sua vantagem. Esta é a condição em que devem encontrar-se os que subsistirão no tempo de angústia.” O Grande Conflito, pág. 623.

“E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e corpo, sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo.” 1 Tessalonicenses 5:23

Devemos sempre ter como objetivo alcançar a norma estabelecida por Deus

“O Espírito trabalha no coração do homem de acordo com o seu desejo e consentimento, nele implantando natureza nova; mas a classe representada pelas virgens loucas contentou-se com uma obra superficial.” Parábolas de Jesus, pág. 411

“Lembre-se de que nunca alcançará mais elevada norma que a que se propuser. Fixe pois alto seu alvo e passo a passo, embora com esforços dolorosos, abnegação e sacrifício, subi até ao topo a escada do progresso.” Parábolas de Jesus, pág. 331

“É lei, tanto da natureza intelectual como da espiritual, que, pela contemplação, nos transformamos. O espírito gradualmente se adapta aos assuntos com os quais lhe é permitido ocupar-se. Identifica-se com aquilo que está acostumado a amar e reverenciar. Jamais se levantará o homem acima de sua norma de pureza, de bondade ou de verdade. Se o eu é o seu mais alto ideal, nunca atingirá ele qualquer coisa mais elevada. Antes, cairá constantemente. A graça de Deus unicamente tem poder para soerguer o homem. Abandonado a si mesmo, seu caminho inevitavelmente será em direção descendente.” Grande Conflito, pág. 555

“É uma lei do espírito humano que, pelo contemplar, somos transformados. O homem não se elevará acima de suas concepções sobre a verdade, pureza e santidade. Se o espírito nunca é exaltado acima do nível da humanidade, se não é pela fé elevado a contemplar a sabedoria e o amor infinitos, o homem estará constantemente a submergir mais e mais.” Patriarcas e Profetas, pág. 91

Se tivermos por objetivo alcançar nossas próprias normas e não a norma estabelecida por Deus, o máximo que alcançaremos será nossas normas imperfeitas. Qual deve ser nosso propósito em buscar alcançar a norma “estabelecida por Deus?”

Para responder essa pergunta gostaríamos de chamar a atenção dos irmãos para a última frase do texto da lição de sábado: “Todo o reavivamento genuíno leva a uma ênfase renovada na missão e no serviço”.

Nosso propósito ao buscar o reavivamento genuíno e alcançar a norma estabelecida por Deus, não deve ser, como já foi citado, desenvolver um comportamento critico, de auto exaltação ou qualquer outro atributo que desagrade ao nosso Deus.

Nosso objetivo em buscar o reavivamento genuíno deve ser cumprir a missão e o serviço que o Senhor nos confiou. A missão e o serviço resultam em sermos instrumentos usados pelo Senhor para libertar as pessoas que estão sofrendo nas garras de Satanás. É imprescindível que sejamos luz para que elas possam ver e aceitar a proteção dos braços amorosos de Jesus.

Este mundo é horrível! Desastres naturais, violência, fome, doenças, pessoas sofrendo e morrendo. Devemos ter como objetivo viver  e pregar o evangelho, e assim abreviar a volta de Jesus e o fim desse mundo de tanto sofrimento. O apóstolo Pedro em sua segunda carta expressa assim:

“Visto que tudo será assim desfeito, que tipo de pessoas é necessário que vocês sejam? Vivam de maneira santa e piedosa, esperando o dia de Deus e apressando a sua vinda. Naquele dia os céus serão desfeitos pelo fogo, e os elementos se derreterão pelo calor. Todavia, de acordo com a sua promessa, esperamos novos céus e nova terra, onde habita a justiça.” 2 Pedro 3:11-13

Esta e a nossa missão e deve ser o nosso maior objetivo cumpri-la.

Algumas citações animadoras para o tempo do fim:

“A boa-nova é que Ele terá uma geração final de homens e mulheres comprometidos a quem usará para completar Sua missão na Terra.” Mark Finley, O Reavivamento Prometido, pág. 93.

“O mundo que espera e o Universo que assiste devem ver, de uma vez por todas, que a obra da cruz está terminada na vida do povo de Deus. Em outras palavras, Deus deseja desenvolver um grupo de pessoas, no fim dos tempos, que estejam apaixonadas para conhecê-Lo, absolutamente convencidas de que Seu caminho é o melhor e totalmente dispostas a compartilhar o Seu amor com os outros.” Mark Finley, O Reavivamento Prometido, pág. 45.

“Quando Deus tiver um grupo de pessoas cujo objetivo principal for agradá-Lo, Ele derramará Seu Espírito em abundância. Quando orarmos pelo derramamento do Espírito Santo, nosso objetivo não será ter um derramamento do Espírito Santo, nosso objetivo não será ter um poder sobrenatural. O Espírito Santo dá testemunho de Jesus. Ele glorifica a Jesus em nossa vida (João 15:26; 16:14).” Mark Finley, O Reavivamento Prometido, pag. 66.

“Quando Deus tiver um povo totalmente comprometido com Jesus, submisso à Sua vontade, revelando Seu caráter amoroso ao mundo, Ele derramará Seu Espírito no poder do Pentecostes para terminar sua obra.” Mark Finley, O Reavivamento Prometido, pag. 91.

“Todo o Céu nos contempla. A história das eras está brilhando sobre esta geração final de adventistas. Deus quer fazer na vida de cada um de nós “infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos”. Efésios 3:20. “Cristo confiou à igreja um sagrado encargo. Cada membro deve ser um conduto através do qual Deus possa comunicar ao mundo os tesouros da Sua graça, as insondáveis riquezas de Cristo. Não há nada que o Salvador deseje tanto como agentes que representem ao mundo Seu Espírito e Seu caráter. Nada existe que o mundo necessite mais do que a manifestação do amor do Salvador através da humanidade. Todo o Céu está a espera de homens e mulheres cujo intermédio Deus possa revelar o poder do cristianismo. (Atos dos Apóstolos, p. 600)”.” Mark Finley, O Reavivamento Prometido, pag. 83.

O que o Senhor está esperando?

“Quando já o fruto se mostra, mete-lhe logo a foice, porque está chegada a ceifa.” Mar. 4:29. Cristo aguarda com fremente desejo a manifestação de Si mesmo em Sua igreja. Quando o caráter de Cristo se reproduzir perfeitamente em Seu povo, então virá para reclamá-los como Seus.” Parábolas De Jesus pág. 69

Como a missão que o Senhor nos confiou será cumprida?

“Servos de Deus, com o rosto iluminado e a resplandecer de santa consagração, apressar-se-ão de um lugar para outro a fim de proclamar a mensagem do Céu. Por milhares de vozes em toda a extensão da Terra, será dada a advertência. Operar-se-ão prodígios, os doentes serão curados, e sinais e maravilhas seguirão aos crentes. […]  A mensagem há de ser levada não tanto por argumentos como pela convicção profunda do Espírito de Deus.” Grande Conflito pág., 612; Mark Finley, O Reavivamento Prometido, pag. 83.

Deus seja Louvado!

Propensões para pecar eliminadas antes do fechamento da porta da graça

2Já tratamos neste blog a respeito da diferença entre tentação e propensão para pecar (Tentação e Propensão). Voltamos agora na questão tempo em que, devemos ser achados sem pecado e sem propensões sabendo que a transformação de caráter começa agora e devemos permitir que o poder do Senhor Espírito Santo faça esta obra desde já. 

As propensões para pecar serão erradicadas da vida daqueles que serão salvos antes do fechamento da porta da graça.

“Ser perdoado de maneira que Cristo perdoa, é não somente ser perdoado, mas renovado no espírito do nosso entendimento. O Senhor diz:  ‘Dar-vos-ei coração novo’. A imagem de Cristo deve ser gravada na própria mente coração e alma. O apostolo declara: ‘Nos temos a mente de Cristo’. Sem o processo transformador que só pode ocorrer pelo poder divino, as propensões originais para pecar permanecem no coração em toda a sua intensidade, para forjar novas algemas, para impor uma escravidão que nunca poderá ser rompida pelo poder humano. Mas os homens não poderão entrar no céu com os velhos gostos, inclinações, ídolos, ideias e teorias. Ellen G. White, Review and Herald, 19 de agosto de 1890”.  Lição da Escola Sabatina 2° Trim. 1990, pág. 43.

“Porque os que se inclinam para a carne cogitam para das coisas da carne; mas os que se inclinam para o Espírito, das coisas do Espírito. Porque o pendor da carne dá para a morte, mas o do Espírito, para a vida e paz. Por isso, o pendor da carne é inimizade contra Deus, pois não está sujeito à lei de Deus, nem mesmo pode estar. Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus. Vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito, se, de fato, o Espírito de Deus habita em vós. E, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele.” Romanos 8:5-9

Existem para o homem duas possibilidades:

  • 1ª: Estar na “carne” e ter inclinações ou propensões para o pecado, “coisas da carne”
  • 2ª: Estar no Espírito e ter as inclinações ou propensões para as “coisas do Espírito.”

Sendo assim não é possível que os selados cheios do Senhor Espírito Santo ainda retenham alguma propensão ou inclinação para o pecado. Os selados são susceptíveis as propensões para pecar. Eles estarão susceptíveis a terem propensões para o mal devido o fato de ainda possuírem uma natureza pecaminosa, mas uma coisa é ser susceptível a ter propensões pecaminosas a outra é ter estas propensões se manifestando na vida.

Pecar é cometer atos que não estão de acordo com os preceitos do Senhor, mas devemos lembrar que pecar é também sentir o desejo de cometer tais atos.

Aqueles que ainda possuem as propensões pecaminosas não estão sendo guiados pelo Espírito e sim pela carne. Romanos 8:4-5

Permitir que estas propensões pecaminosas ou inclinações para pecar continuem existindo na vida é pecado. É um indicativo que ainda há na vida uma rejeição do poder libertador do Senhor Espírito Santo.

É propósito do Senhor que o homem passe a viver exatamente como Cristo viveu, sem pecado e sem propensões para pecar.

Jesus nunca teve propensões para pecar:

“Seja cuidadoso, exageradamente cuidadoso, ao tratar da natureza humana de Cristo. Não O apresente diante das pessoas como um homem com propensões para o pecado.” Carta 8 1895  (Carta de Baker em Ellen White e a Humanidade de Cristo, pág. 171- 173)

“Nunca, de maneira alguma, deixe a mais leve impressão sobre as mentes humanas de que havia uma mancha ou inclinação para a corrupção sobre Cristo, ou que, de alguma maneira, Ele cedeu à corrupção.” Carta 8 1895  (Carta de Baker em Ellen White e a Humanidade de Cristo, pág. 171- 173)

Vejamos como é o estilo de vida que o Senhor deseja para todos os homens:

“Não precisamos classificar a obediência de Cristo, por si mesma, como alguma coisa para a qual Ele Se achava particularmente adaptado, por Sua especial natureza divina, pois Ele Se encontrava diante de Deus como o representante do homem e foi tentado como substituto e fiador do homem. Se Cristo possuísse um poder especial que o homem não tem o privilégio de possuir, Satanás ter-se-ia aproveitado desse fato. A obra de Cristo era tirar das reivindicações de Satanás o seu domínio sobre o homem, e só podia fazê-lo da maneira como Ele veio – como homem, tentado como homem e prestando a obediência de um homem. […]” Mensagens Escolhidas vol. 3, pág. 139.

“Tende em mente que a vitória e a obediência de Cristo são as de um verdadeiro ser humano. Em nossas conclusões, cometemos muitos erros devido a nossas idéias errôneas acerca da natureza humana de nosso Senhor. Quando atribuímos a Sua natureza humana um poder que não é possível que o homem tenha em seus conflitos com Satanás, destruímos a inteireza de Sua humanidade. Ele concede Sua graça e poder imputados a todos os que O aceitam pela fé. A obediência de Cristo a Seu Pai era a mesma obediência que é requerida do homem.” Mensagens Escolhidas vol. 3, pág. 139.

“A obediência de Cristo a Seu Pai era a mesma obediência que é requerida do homem. O homem não pode vencer as tentações de Satanás sem combinar o poder divino com o seu auxílio. Assim foi com Jesus Cristo: Ele podia lançar mão do poder divino. Ele não veio ao nosso mundo para prestar a obediência de um Deus inferior a um superior, mas como homem, para obedecer à Santa Lei de Deus, e desta maneira Ele é nosso exemplo. O Senhor Jesus veio ao nosso mundo, não para revelar o que Deus podia fazer, e, sim, o que o homem podia realizar, mediante a fé no poder de Deus para ajudar em toda emergência. O homem deve, pela fé, ser participante da natureza divina e vencer toda tentação com que é assaltado. Nossa Alta Vocação, pág. 46.

Os selados terão subjugados pelo poder do Senhor Espírito Santo toda propensão pecaminosa antes do fechamento da porta da graça. Os selados estarão prestando a Deus a verdadeira obediência, aquela que vem do coração. O pecado será para eles algo aborrecível, como Jesus eles amarão a justiça e odiarão a iniquidade. Heb. 1:9

“Toda a verdadeira obediência vem do coração. Deste procedia também a de Cristo. E se consentirmos, Ele por tal forma Se identificará com os nossos pensamentos e ideais, dirigirá nosso coração e espírito em tanta conformidade com o Seu querer, que, obedecendo-Lhe, não estaremos senão seguindo nossos próprios impulsos. A vontade, refinada, santificada, encontrará seu mais elevado deleite em fazer o Seu serviço. Quando conhecermos a Deus como nos é dado o privilégio de O conhecer, nossa vida será de contínua obediência. Mediante o apreço do caráter de Cristo, por meio da comunhão com Deus, o pecado se nos tornará aborrecível.” D.T.N. pág. 668.

Durante o tempo de angústia os selados não manifestarão arrogância dizendo ou sentindo que foram completamente libertados do pecado. Mas podemos afirmar que eles no tempo de angústia já não mais terão propensões para pecar devido o fato da serva do Senhor afirmar que neste tempo os salvos, os selados não terrão “falta oculta para revelar” como mostram os textos a seguir:

“Embora o povo de Deus esteja rodeado de inimigos que se esforçam por destruí-lo, a angústia que sofrem não é, todavia, o medo da perseguição por causa da verdade; receiam não se terem arrependido de todo pecado, e que, devido a alguma falta, não se cumpra a promessa do Salvador: “Eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo.” Apoc. 3:10.” Grande Conflito pág. 619.

“Mas, ao mesmo tempo em que têm uma profunda intuição de sua indignidade, não possuem falta oculta para revelar. Seus pecados foram examinados e extinguidos no juízo; não os podem trazer à lembrança.” Grande Conflito, pág. 620.

O próximo texto é bastante esclarecedor e comprova que durante o tempo de angústia os salvos pelo poder de Deus deverão estar vivendo completamente livres da presença do pecado:

“Agora, enquanto nosso grande Sumo Sacerdote está a fazer expiação por nós, devemos procurar tornar-nos perfeitos em Cristo. Nem mesmo por um pensamento poderia nosso Salvador ser levado a ceder ao poder da tentação. Satanás encontra nos corações humanos algum ponto em que pode obter apoio; algum desejo pecaminoso é acariciado, por meio do qual suas tentações asseguram a sua força. Mas Cristo declarou de Si mesmo: “Aproxima-se o príncipe deste mundo, e nada tem em Mim.” João 14:30. Satanás nada pôde achar no Filho de Deus que o habilitasse a alcançar a vitória. Tinha guardado os mandamentos de Seu Pai, e não havia nEle pecado que Satanás pudesse usar para a sua vantagem. Esta é a condição em que devem encontrar-se os que subsistirão no tempo de angústia.” Grande Conflito pág. 623

“Agora, enquanto nosso grande Sumo Sacerdote está a fazer expiação por nós, devemos procurar tornar-nos perfeitos em Cristo. Nem mesmo por um pensamento poderia nosso Salvador ser levado a ceder ao poder da tentação. Satanás encontra nos corações humanos algum ponto em que pode obter apoio; algum desejo pecaminoso é acariciado, por meio do qual suas tentações asseguram a sua força. Mas Cristo declarou de Si mesmo: “Aproxima-se o príncipe deste mundo, e nada tem em Mim.” João 14:30. Satanás nada pôde achar no Filho de Deus que o habilitasse a alcançar a vitória. Tinha guardado os mandamentos de Seu Pai, e não havia nEle pecado que Satanás pudesse usar para a sua vantagem. Esta é a condição em que devem encontrar-se os que subsistirão no tempo de angústia. O Grande Conflito, pág. 623. (Eventos Finais pág. 267)

Na glorificação a mudança na vida dos salvos não será a erradicação das propensões pecaminosas, isso já terá acontecido antes do fechamento da porta da graça, a mudança que ocorrerá na glorificação na vida dos salvos é que eles não mais serão susceptíveis a terem propensões para pecar porque neste momento será erradicada a natureza pecaminosa. Que Deus seja louvado!

Nosso Deus é maravilhoso. Ele proporcionou meios para que a nossa natureza pudesse ser transformada. Podemos ser co-participantes da natureza divina, passando a viver pelo poder do nosso Senhor Espírito Santo sem pecar e sem propensões para pecar. É fantástico o Senhor está disposto a nos livrar do pecado e das propensões pecaminosas. Não precisaremos, portanto, reter nenhuma propensão pecaminosa.

Devemos vencer no poder do Senhor o pecado e propensões para pecar, antes que seja demasiado tarde.