Archive for the ‘Poder do Espírito Santo’ Tag

Cristo obedeceu como homem

Humanidade de CristoAlguns questionamentos interessantes sobre a humanidade de Cristo encontram-se a seguir e gostaríamos da apreciação dos queridos irmãos:

  • É certo afirmar que somente Jesus poderia viver de forma impecável por ser Ele filho de Deus e que nós não podemos passar a viver da mesma forma porque nós temos pai e mãe pecadores? Justifique sua resposta.
  • É certo afirmar que somente Jesus poderia viver plenamente sem contaminação do pecado “porque Ele era Deus” e que para nós não há “escapatória” porque nós somos apenas humanos? Justifique sua resposta.
  • É certo afirmar que nós não podemos comparar a obediência que Cristo prestou a Deus com a obediência que o Senhor espera de nós porque Jesus era divino humano, filho de Maria e fecundado pelo Espírito Santo e nós somos apenas humanos? Justifique sua resposta.

Com estes questionamentos em mente convidamos nossos irmãos para analisarem os textos a seguir. Antes da leitura, busquem a Deus em oração. Acreditamos ser de grande importância esta reflexão para que possamos encontrar respostas às indagações acima levando-nos a compreender o plano da salvação, a obra que o Senhor deseja fazer em nossa vida e a obediência que o Ele espera de nós. 

“O grande Mestre veio a nosso mundo, não somente para fazer expiação pelo pecado, mas também para ser um mestre tanto por preceito como pelo exemplo. Veio mostrar ao homem como guardar a lei na humanidade, de modo que ele não tivesse nenhuma desculpa para seguir seu próprio critério imperfeito. Vemos a obediência de Cristo. Sua vida era sem pecado. A obediência durante toda a Sua vida é uma censura à humanidade desobediente. A obediência de Cristo não deve ser posta de lado como se fosse completamente diferente da obediência que Ele requer de nós individualmente. Cristo nos mostrou que é possível para toda a humanidade obedecer às leis de Deus. ”ME, vol. 3, pág. 135

“O homem precisa atravessar o mesmo terreno que Cristo atravessou. Como Ele venceu todas as tentações que Satanás lhe apresentou, assim o homem deve vencer. Aqueles que sinceramente lutam por vencer, são trazidos a uma unidade com Cristo, que os anjos dos céus nunca poderão compreender.” SDABC, VOL. 7, pág. 926

“Tive a liberdade e poder para apresentar Jesus, que tomou sobre Si as fraquezas e levou a dor e as tristezas da humanidade, vencendo em nosso favor. Ele foi feito à semelhança de Seus irmãos, com as mesmas susceptibilidades físicas e mentais. Assim como nós, em tudo Ele foi tentado, mas sem pecar; e Ele sabe como socorrer aqueles que são tentados. Estais oprimidos e perplexos? Assim esteve Jesus. Sentis a necessidade de encorajamento? Assim sentia Jesus. Da maneira como vos tenta Satanás, assim tentava ele a majestade do céu.”-RH, 10/02/1885. (Ellen White e a Humanidade de Cristo, pág. 152 )

“Não precisamos classificar a obediência de Cristo, por si mesma, como alguma coisa para a qual Ele Se achava particularmente adaptado, por Sua especial natureza divina, pois Ele Se encontrava diante de Deus como o representante do homem e foi tentado como substituto e fiador do homem. Se Cristo possuísse um poder especial que o homem não tem o privilégio de possuir, Satanás ter-se-ia aproveitado desse fato. A obra de Cristo era tirar das reivindicações de Satanás o seu domínio sobre o homem, e só podia fazê-lo da maneira como Ele veio – como homem, tentado como homem e prestando a obediência de um homem. […]” Mensagens Escolhidas vol. 3, pág. 139

“Tende em mente que a vitória e a obediência de Cristo são as de um verdadeiro ser humano. Em nossas conclusões, cometemos muitos erros devido a nossas idéias errôneas acerca da natureza humana de nosso Senhor. Quando atribuímos a Sua natureza humana um poder que não é possível que o homem tenha em seus conflitos com Satanás, destruímos a inteireza de Sua humanidade. Ele concede Sua graça e poder imputados a todos os que O aceitam pela fé. A obediência de Cristo a Seu Pai era a mesma obediência que é requerida do homem.” Mensagens Escolhidas vol. 3 pág. 139

“A obediência de Cristo a Seu Pai era a mesma obediência que é requerida do homem. O homem não pode vencer as tentações de Satanás sem combinar o poder divino com o seu auxílio. Assim foi com Jesus Cristo: Ele podia lançar mão do poder divino. Ele não veio ao nosso mundo para prestar a obediência de um Deus inferior a um superior, mas como homem, para obedecer à Santa Lei de Deus, e desta maneira Ele é nosso exemplo. O Senhor Jesus veio ao nosso mundo, não para revelar o que Deus podia fazer, e, sim, o que o homem podia realizar, mediante a fé no poder de Deus para ajudar em toda emergência. O homem deve, pela fé, ser participante da natureza divina e vencer toda tentação com que é assaltado.” Nossa Alta Vocação, pág. 46

“Tenho recebido cartas, afirmando que Cristo não podia ter tido a mesma natureza que o homem, pois nesse caso, teria caído sob tentações semelhantes. Se não possuísse natureza humana, não poderia ter sido exemplo nosso. Se não fosse participante de nossa natureza, não poderia ter sido tentado como o homem tem sido. Se não Lhe tivesse sido possível ceder à tentação, não poderia ser nosso Auxiliador. Era uma solene realidade esta de que Cristo veio para ferir as batalhas como homem, em favor do homem. Sua tentação e vitória nos dizem que a humanidade deve copiar o Modelo; deve o homem tornar-se participante da natureza divina.” Mensagens Escolhidas vol. 1, pág. 408

 “É bem claro que Ellen White via Cristo prestando a obediência de um homem, o que fez dEle o exemplo no “que o homem podia realizar, mediante a fé no poder de Deus”. Jesus, portanto, como um exemplo, guarda “os mandamentos de Deus da mesma maneira que a humanidade pode guardá-los”. A vida de Cristo foi uma clara evidência de que a obediência é possível, pois Ele não era “particularmente adaptado” nem por “Sua especial natureza divina” nem por uma natureza humana extraordinariamente fortalecida para obedecer à vontade de Deus.”  Woodrow W. Whidden, Ellen White e a Humanidade de Cristo, pág. 57

“Se Cristo tivesse sido enganado pelas tentações de Satanás e exercido Seu poder miraculoso para aliviá-Lo da dificuldade, teria quebrado o acordo feito com Seu Pai, de ser um réu em favor da humanidade.” No Deserto Da Tentação, pág.27

“Muitos dizem, todavia, que Jesus não era como nós outros, que Ele não esteve no mundo da mesma forma que nós, que Ele era divino e que nós não podemos ser vencedores como Ele foi vencedor. Mas Paulo escreve: ‘Porque, na verdade, Ele não tomou a natureza dos anjos, mas tomou a descendência de Abraão. Pelo que convinha que Ele em tudo fosse semelhante aos irmãos.”-RH,1°/04/1892; (Ellen White e a Humanidade de Cristo, pág. 161)

“Esta foi a posição que Cristo ocupou quando veio ao nosso mundo, entrando em conflito com o líder rebelde dos anjos caídos. Deus formulou um plano, e Cristo aceitou a posição. Ele concordou em encontrar o inimigo diretamente, como todo ser humano deve fazer. Foram-Lhe providos todos os poderes celestes para ajudá-Lo nesse grande conflito; e o homem, se andasse no caminho e na vontade de Deus, receberia o mesmo poder preservador. As mesmas inteligências celestiais ministram àqueles que serão herdeiros para a salvação, para que possam vencer toda tentação, grande ou pequena, como Cristo venceu.” Olhando Para O Alto, pág. 42

“Cristo venceu como Homem sem pecado, não caído, perfeito. Como Messias Ele obteve vitória sobre as tentações do inimigo, tornando-nos possível vencer como Ele venceu. Devemos vencer em todo encontro com o inimigo. Devemos ser vitoriosos tornando-nos participantes da natureza divina, escapando à corrupção que há no mundo mediante a sensualidade. Cada vitória que Ele conquistou em Sua humanidade torna-nos possível obter a vitória, por recebê-Lo e nEle crer. “Mas, a todos quantos O receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus.” João 1:12. Cada vitória que Ele conquistou na humanidade assegura-nos seus genuínos frutos. Cada ataque derrotado de Satanás marca a ocasião de uma vitória para a humanidade.[…]” Olhando Para O Alto, pág. 11

“Nestas palavras indica-se uma obra individual para cada um de nós. Cumpre-nos fazer decididos esforços para vencer como Cristo venceu. Ninguém é dispensado dessa luta. Se as portas da santa cidade se hão de abrir para nós completamente, se havemos de ver o Rei em Sua beleza, temos de vencer agora como Cristo venceu. …” Filhos E Filhas De Deus, pág. 371

 “Precisamos compreender que pele fé em Cristo é nosso privilégio ser participante da natureza divina e livrar-nos da corrupção das paixões que há no mundo. Então somos purificados de todo pecado, de todos os defeitos de caráter. Não precisamos reter nenhuma propensão pecaminosa.” Comentários de Ellen G. White, SDABC, vol. 7, pág. 943  ( Lição da Escola Sabatina 2° Trim. 1990, pág. 50)

“Cristo não só morreu como nosso sacrifício, mas viveu como nosso exemplo. Em Sua natureza humana, Ele Se apresenta completo, perfeito, imaculado. Ser um cristão é ser como Cristo. Todo o nosso ser, nossa alma, o corpo, o espírito, devem ser purificados, enobrecidos, santificados, até que reflitamos a Sua imagem e imitemos o Seu exemplo.” RH, 28/01/1882( Ellen White e a Humanidade de Cristo, pág. 150 )

“Foram tomadas amplas providências para que o homem finito e decaído possa estar tão ligado com Deus que, por meio da mesma Fonte pela qual Cristo venceu em Sua natureza humana ele consiga resistir firmemente a todas as tentações, como Cristo o fez.” Manuscrito 94, 1893  (Ellen White e a Humanidade de Cristo, pág. 166)

“É por meio do Espírito que o coração é purificado. Por Ele torna-se o crente participante da natureza divina. Cristo deu Seu Espírito como um poder divino para vencer toda tendência hereditária e cultivada para o mal, e gravar Seu próprio caráter em Sua igreja. Disse Jesus a respeito do Espírito: “Ele Me glorificará.” O Salvador veio glorificar o Pai pela demonstração de Seu amor; assim o Espírito havia de glorificar a Cristo, revelando ao mundo a Sua graça. A própria imagem de Deus tem de ser reproduzida na humanidade. A honra de Deus, a honra de Cristo, acha-se envolvida no aperfeiçoamento do caráter de Seu povo.” DTN,  pág. 671

“Cristo […] não transgrediu a lei de Deus em nenhum detalhe. Mais que isso, Ele eliminou qualquer desculpa do homem caído que pudesse alegar alguma razão para não guardar a lei de Deus. Cristo estava cercado das fraquezas da humanidade, era afligido com as mais ferozes tentações, tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, e mesmo assim desenvolveu um caráter reto. Nenhuma mancha de pecado foi encontrada sobre Ele.”-ST, 16/01/1896  (Ellen White e a Humanidade de Cristo, pág. 173)

“Em nosso favor, Ele deixou de lado Suas vestes reais, desceu do trono celestial e condescendeu em cobrir Sua divindade com a humildade, tornando-Se como um de nós, a não ser pelo pecado, para que a Sua vida e caráter pudessem ser um padrão para todos imitarem, a fim de poderem ter o precioso dom da vida eterna.”-YI, 20/10/1886  (Ellen White e a Humanidade de Cristo, pág. 154)

“Cristo veio para sofrer em favor da raça caída, pois Satanás se gabara de que ninguém poderia resistir aos seus ardis e viver uma vida imaculada neste mundo. Revestido com a natureza humana, o Redentor sujeitou-Se a todas as tentações com as quais são cercados os seres humanos, e venceu em todos os aspectos. O registro de Sua vida é entregue ao mundo, para que ninguém tenha dúvidas quanto ao poder da graça de Deus. Para cada pessoa que se empenha em busca da perfeição do caráter cristão, este mundo torna-se um campo de batalha, no qual se trava o conflito entre o bem e o mal. E todos os que confiam em Cristo obterão a vitória. Carta 38, 1907. Cristo Triunfante, pág. 32

A perfeita humanidade de Cristo é a mesma que podemos ter mediante ligação com Ele. Como Deus, Cristo não pôde ser tentado, como não o foi, em relação com Sua lealdade no Céu. Mas ao humilhar-Se assumindo a nossa natureza, podia ser tentado. Não assumira nem mesmo a natureza dos anjos, porém a humanidade, perfeitamente idêntica à nossa, mas sem a mácula do pecado. …” Cristo Triunfante, pág. 208

“Mesmo essas figuras, porém, deixam de apresentar o privilégio da relação do crente para com Cristo. Jesus disse: “Assim como o Pai, que vive, Me enviou, e Eu vivo pelo Pai, assim, quem de Mim se alimenta, também viverá por Mim.” Como o Filho de Deus vivia pela fé no Pai, assim devemos nós viver pela fé em Cristo. Tão plenamente estava Cristo submetido à vontade de Deus, que unicamente o Pai aparecia em Sua vida. Embora tentado em todos os pontos como nós, manteve-Se diante do mundo imaculado do mal que O rodeava. Assim também nós devemos vencer como Cristo venceu. Sois seguidor de Cristo? Então tudo quanto se acha escrito a respeito da vida espiritual está escrito para vós, e pode ser alcançado mediante vossa união com Cristo.” DTN, pág. 389

“Em nossa própria força, é-nos impossível escapar a os clamores de nossa natureza caída. Satanás trar-nos-á tentações por esse lado. Cristo sabia que o inimigo viria a toda criatura humana, para se aproveitar da fraqueza hereditária e, por suas falsas insinuações, enredar todos cuja confiança não se firma em Deus. E, passando pelo terreno que devemos atravessar nosso Senhor nos preparou o caminho para a vitória.” DTN, pág. 71

O Filho de Deus era irrepreensível.“Precisamos ter como alvo essa perfeição, e vencer como Ele venceu, caso queiramos ter um lugar à Sua direita.” Testimonies, vol. 3, pág. 336. Filhos e Filhas de Deus, pág. 154

“Como era Jesus revestido da natureza humana, assim pretende Deus que sejam os Seus seguidores. Cumpre-nos viver, em Sua força, a vida de pureza, a vida nobre vivida pelo Salvador.” Testimonies, vol. 8, págs. 286 e 289. Filhos e Filhas de Deus, pág. 21 

“O ramo aparentemente seco, sendo ligado com a videira viva, torna-se parte dela. … A alma, morta em ofensas e pecados, precisa passar por idêntico processo. … Como o enxerto recebe vida quando unido à videira, assim participa o pecador da natureza divina quando ligado a Cristo. O homem finito une-se ao infinito Deus. Quando assim ligados, as palavras de Cristo permanecem em nós, e não somos atuados por sentimentos intermitentes, mas por um princípio vivo e permanente.” Testimonies, vol. 4, págs. 354 e 355. Filhos e Filhas de Deus, pág 291 

Cristo foi um representante diante do homem e diante dos anjos, do caráter do Deus do Céu. Demonstrou Ele o fato de que quando a humanidade confia inteiramente em Deus, os homens podem observar os mandamentos e viver, e Sua lei pode ser como a menina dos olhos.” Testemunhos Para Ministros, pág. 226.

O exemplo de Cristo é de autoridade para todo filho e filha de Adão. Ele representou em Sua vida a lei de Deus, dando aos homens um exemplo do que a obediência a todo preceito realizará pela natureza humana. Ele é nosso exemplo, e todo aquele que é dotado de faculdades de raciocínio está no dever de seguir-Lhe as pegadas; pois Sua vida é um modelo perfeito para toda a humanidade. Cristo é a consumada norma de caráter a que todo homem pode atingir tornando-se participante da natureza divina. “E estais perfeitos nEle.” Col. 2:10. . The Youth’s Instructor, 18 de outubro de 1894. Filhos e Filhas de Deus, pág 137

“Cristo reúne em Sua pessoa a plenitude e perfeição da Divindade, e a da humanidade sem pecado. Ele enfrentou todas as tentações que assaltaram a Adão, e as venceu porque em Sua humanidade confiava no poder divino. Este assunto precisa decididamente ser mais estudado do que o é. Os cristãos não se aprofundam. Contentam-se com uma experiência espiritual de superfície, e por isso só têm os bruxoleios da luz, quando podiam ter muito mais amplo conhecimento, e discernirem com mais clareza a maravilhosa perfeição da humanidade de Cristo, que sobreleva muito acima de toda a grandeza humana e de todo humano poder. A vida de Cristo é uma revelação de como seres humanos se podem tornar por meio da união e comunhão com a natureza divina. … Homens e mulheres inventam desculpas para a sua inclinação para o pecado. O pecado é apresentado como uma necessidade, um mal que não pode ser vencido. O pecado, no entanto, não é uma necessidade. Cristo viveu neste mundo, desde a infância à idade adulta, e no decorrer desse tempo enfrentou e resistiu todas as tentações que assediam os homens. Ele é um modelo perfeito de infância, de juventude e de maturidade.” Manuscrito 31, 1911.

“A vida de Cristo mostrou o que a humanidade pode fazer se participar da natureza divina. Tudo quanto Cristo recebeu de Deus, podemos nós possuir também. Portanto, pedi e recebei. … Que vossa mente seja possuída pelas gloriosas concepções de Deus. Una-se vossa vida, por elos ocultos, à vida de Jesus. Parábolas de Jesus, pág. 149.”      Fé Pela Qual Eu Vivo, MM, pág. 219

“Não és desculpado por viver uma vida não cristã. Cristo veio a este mundo, sujeitou-Se à vontade de Seu Pai, com um grande propósito – mostrar aos homens e mulheres o que Deus deseja que eles sejam e o que, mediante Sua graça, podem ser. Veio facultar ao homem um caráter semelhante ao do Céu.” Medicina e Salvação, pág. 42

“Tudo posso naquele que me fortalece” Fil. 4:13

“Cristo tomou a humanidade e suportou o ódio do mundo para que pudesse revelar a homens e mulheres que estes poderiam viver sem pecado, que suas palavras, atos, seu espírito, poderiam ser santificados para Deus. Podemos ser cristãos perfeitos se manifestarmos esse poder em nossa vida. Quando a luz do céu repousar sobre nós continuamente, representaremos a Cristo. Foi a justiça revelada em Sua vida que O distinguiu do mundo e despertou seu ódio. […] As palavras de Cristo são ditas para Seu povo em todas as épocas- para nós sobre quem o fim dos séculos é chegado.”- Manuscrito 97, 16 de outubro de 1909, “ Eu Sou a Videira Verdadeira”, sermão pregado em San José, Califórnia. Olhando Para O Alto MM, pág. 297.

“Quando Cristo vier, será então demasiado tarde para que os erros sejam corrigidos, demasiado tarde para que o caráter seja mudado, demasiado tarde para obter um caráter santo. Agora é o tempo da preparação; agora é o tempo em que podemos ter nossos defeitos removidos; agora é o tempo em que nossos pecados devem ser submetidos, de antemão ao juízo, ser confessados e pelo arrependimento obter perdão para nossos nomes. Que Deus ajude aqueles que ensinam a verdade a serem modelos de piedade, repletos de mansidão e de bons frutos. Carta 60, 1886. Olhando Para o Alto, pág. 367

“Quem não possui suficiente fé em Cristo para crer que Ele pode guardá-lo de pecar, não tem a fé necessária para entrar no reino de Deus.” Ellen G. White, Review and Herald, 10 de março de 1904 (Lição da Escola Sabatina, 3° Trim. 1995, lição 7, pág. 5)

“Há esperança para cada um de nós, mas de uma só maneira – apegando-nos a Cristo e empregando toda energia para obter a perfeição de Seu caráter. Essa religião piegas que faz pouco do pecado, e só realça o amor de Deus pelo pecador, encoraja os pecadores a crer que Deus os salvará enquanto continuarem no pecado, sabendo que é pecado. É isso que estão fazendo muitos que professam crer na verdade presente.” Cristo Triunfante, pág. 81

Deus seja Louvado!

Mais informações sobre este assunto clique aqui: A HUMANIDADE DE CRISTO

Anúncios

Co-participantes da natureza divina

natureza“Pelas quais nos tem sido doadas as suas preciosas e mui grandes promessas, para que por elas vos torneis co-participantes da natureza divina, livrando-vos da corrupção das paixões que há no mundo.” 2° Pedro 1:4

Neste texto fantástico vemos que o homem co-participante da natureza divina é libertado “da corrupção das paixões que há no mundo.”

Cristo vivendo neste mundo com a nossa natureza e mesmo assim não tendo sido contaminado com o pecado, sendo sacrificado por nós com Sua morte, tornou possível o perdão para todo aquele que O aceita como Salvador – Justiça Imputada. .

Mas o nosso maravilhoso Deus tem algo a mais para nos oferecer além do perdão.

Jesus Cristo sendo Deus assumindo nossa natureza humana e vivendo completamente livre da contaminação do pecado, construiu uma ponte sobre o abismo que o pecado havia colocado entre Deus e o homem. Jesus Cristo sendo Deus assumindo nossa natureza e vencendo o pecado tornou possível para o homem, pelo poder de Deus, tornar-se participante da natureza divina e também passar a viver uma vida vitoriosa sobre o pecado. Passar a viver como Cristo viveu – Justiça Comunicada. Deus seja louvado!

Nos textos a seguir veremos o que representa para o homem tornar-se co-participante da natureza divina. Que  possamos estar sempre louvando o nosso maravilhoso Deus pelo que fez e pelo que deseja fazer por nós.

“O Senhor Jesus pôs uma ponte sobre o abismo causado pelo pecado. Ele ligou a Terra com o Céu, e o homem finito com o Deus infinito. Jesus, o Redentor do mundo, só podia guardar os mandamentos de Deus da mesma maneira que a humanidade pode guardá-los. “Pelas quais nos têm sido doadas as Suas preciosas e mui grandes promessas para que por elas vos torneis co-participantes da natureza divina, livrando-vos da corrupção das paixões que há no mundo.” II Ped. 1:4.” Mensagens Escolhidas, vol. 3, pág. 140

“Cristo disse: “Assim procedo… como o Pai Me ordenou.” João 14:31. Ele veio ao nosso mundo numa missão da parte do Pai. Veio para superar o abismo que o pecado ocasionou entre Deus e o homem. Deveria ser feita uma provisão para reconciliação, para uma união do humano com a natureza divina. Cristo santificaria todos os que nEle cressem. No dom de Cristo ao mundo Deus proveu a todos um poder para vencer o mal. Ele nos concedeu “preciosas e mui grandes promessas, para que por elas vos torneis co-participantes da natureza divina, livrando-vos da corrupção das paixões que há no mundo”. II Ped. 1:4.” Olhando Para O Alto, pág. 143

“O Filho de Deus a cada passo era assaltado pelos poderes das trevas. Após o Seu batismo foi pelo Espírito levado ao deserto onde por quarenta dias sofreu tentação. Tenho recebido cartas, afirmando que Cristo não podia ter tido a mesma natureza que o homem, pois nesse caso, teria caído sob tentações semelhantes. Se não possuísse natureza humana, não poderia ter sido exemplo nosso. Se não fosse participante de nossa natureza, não poderia ter sido tentado como o homem tem sido. Se não Lhe tivesse sido possível ceder à tentação, não poderia ser nosso Auxiliador. Era uma solene realidade esta de que Cristo veio para ferir as batalhas como homem, em favor do homem. Sua tentação e vitória nos dizem que a humanidade deve copiar o Modelo; deve o homem tornar-se participante da natureza divina.” Mensagens Escolhidas, vol. 2 Pág. 408

“Não hesitamos em dizer-vos que a fim de obter a herança imortal e a natureza eterna, deveis ser vencedores nesta vida probatória. Tudo que macula e mancha a alma precisa ser removido, precisa ser purificado do coração. Temos de saber o que significa ser participante da natureza divina, havendo escapado das corrupções que pela concupiscência há no mundo. Estais dispostos a guerrear contra as concupiscências da carne? Estais prontos a batalhar contra o inimigo de Deus e do homem? Satanás está resolvido a escravizar toda pessoa, se puder fazê-lo; pois realiza um jogo de desespero para conquistar as almas dos homens de Cristo e da vida eterna. Permitireis que ele vos arrebate as graças do Espírito de Deus e implante em vós sua própria natureza corrupta? ou aceitareis a grande provisão da salvação, e, mediante os méritos do Sacrifício Infinito feito em vosso favor, tornar-vos-eis participantes da natureza divina?” Este Dia Com Deus, pág. 173

“Deus tomou todas as providências para nossos pensamentos se tornarem puros, elevados, aprimorados e enobrecidos. Ele não só prometeu purificar-nos de toda a injustiça, mas tomou uma real providência para o suprimento da graça que nos erguerá os pensamentos para Ele e nos habilitará a apreciar Sua santidade. Podemos reconhecer que somos possessão de Cristo e que devemos manifestar ao mundo o Seu caráter. Preparados pela graça celestial, tornando-nos revestidos da justiça de Cristo, nas vestes nupciais, e somos habilitados para participar da ceia das bodas. Tornamo-nos um com Cristo, participantes da natureza divina, purificados, aprimorados, elevados, sendo reconhecidos como filhos de Deus – herdeiros de Deus e co-herdeiros de Jesus Cristo.”  The Youth’s Instructor, 28 de outubro de 1897” Mente, Caráter E Personalidade vol.2, pág. 660

“O Senhor Jesus veio ao nosso mundo, não para revelar o que Deus podia fazer, e, sim, o que o homem podia realizar, mediante a fé no poder de Deus para ajudar em toda emergência.O homem deve, pela fé, ser participante da natureza divina e vencer toda tentação com que é assaltado. O Senhor requer agora que todo filho e filha de Adão, pela fé em Jesus Cristo, O sirva na natureza humana que temos atualmente. O Senhor Jesus pôs uma ponte sobre o abismo causado pelo pecado. Ele ligou a Terra com o Céu, e o homem finito com o Deus infinito. Jesus, o Redentor do mundo, só podia guardar os mandamentos de Deus da mesma maneira que a humanidade pode guardá-los. “Pelas quais nos têm sido doadas as Suas preciosas e mui grandes promessas para que por elas vos torneis co-participantes da natureza divina, livrando-vos da corrupção das paixões que há no mundo.” II Ped. 1:4. Precisamos seguir o exemplo de Cristo, tendo em mente Sua qualidade de Filho e Sua humanidade. Não foi como Deus que foi tentado no deserto, nem devia como Deus suportar as contradições dos pecadores contra Si mesmo. Foi a Majestade do Céu que Se tornou homem – humilhou-Se até nossa natureza humana.” Mensagens Escolhidas, vol. 3 Pág. 140

“Tão profundo era o interesse do Senhor nos seres que criara, tão grande Seu amor pelo mundo, que Ele “deu o Seu Filho unigênito, para que todo aquele que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna”. João 3:16. Cristo veio para conceder ao homem poder moral, para o elevar, enobrecer e fortalecer, habilitando-o a ser participante da natureza divina, tendo escapado da corrupção que pela concupiscência há no mundo. Provou Ele aos habitantes dos mundos não caídos, e aos seres humanos, que a lei pode ser guardada. Conquanto possuísse a natureza do homem, obedeceu Ele à lei de Deus, vindicando a justiça divina ao exigir que ela fosse obedecida. No juízo a Sua vida será um argumento irrefutável em favor da lei de Deus.” Nos Lugares Celestiais, pág. 38

“Qualquer sacrifício a que pudesse submeter-se um ser humano Cristo suportou, não obstante Satanás fez todo o esforço para seduzi-Lo com tentações; mas quanto maior a tentação, mais perfeito era o sacrifício. Tudo que era possível o homem sofrer no conflito com Satanás, Cristo sofreu em Sua natureza humana e divina combinadas. Obediente, sem pecado até ao final, morreu Ele pelo homem, substituto e penhor seu, suportando tudo que os homens jamais suportam da parte do enganoso tentador, para que possa o homem vencer, tornando-se participante da natureza divina.” Mensagens Escolhidas, vol.1  Pág. 342

Poderemos ser participantes da natureza divina. Seremos todos tentados de maneiras diversas, mas quando somos tentados precisamos recordar que uma provisão foi feita pela qual podemos vencer. … Aquele que realmente crê em Cristo torna-se participante da natureza divina e tem poder do qual se pode valer sob toda tentação. Não cairá em tentação nem será derrotado. Em tempo de prova reclamará as promessas, e por tal meio escapará às corrupções que há no mundo.” Olhando Para O Alto, pág.249

  • Nossa decaída natureza humana ligada com à divindade de Cristo

“Embora não houvesse nenhuma mancha de pecado em Seu caráter, Ele condescendeu em ligar nossa decaída natureza humana com a Sua divindade. Tomando assim a natureza humana, Ele honrou a humanidade. Tendo assumido nossa natureza decaída, Ele demonstrou o que ela poderia tornar-se pela aceitação da ampla provisão que fizera para ela e tornando-se participante da natureza divina.” Carta 81, 1896. Mensagens Escolhidas, vol.  3 Pág. 134

“Não devemos ter dúvidas acerca da perfeita ausência de pecado na natureza humana de Cristo. Nossa fé deve ser uma fé inteligente, olhando para Jesus com perfeita confiança, com plena e inteira fé no Sacrifício expiador. Isto é necessário para que a alma não seja envolvida em trevas. Esse santo Substituto é capaz de salvar perfeitamente; pois Ele apresentou, ao maravilhoso Universo, perfeita e completa humildade em Seu caráter humano, e perfeita obediência a todas as reivindicações de Deus. Poder divino é dado ao homem, para que ele possa tornar-se participante da natureza divina, havendo escapado da corrupção que pela concupiscência há no mundo. Por isso é que o homem arrependido e crente pode tornar-se a justiça de Deus em Cristo.”  Mensagens Escolhidas, vol.  1 Pág. 256

“É essencial que cada súdito do reino de Deus seja obediente à lei de Jeová. … O fato de que a lei é santa, justa e boa, deve ser testificado perante todas as nações, línguas e povos, aos mundos não caídos, aos anjos, serafins e querubins. Os princípios da lei de Deus foram mostrados no caráter de Jesus Cristo, e aquele que coopera com Cristo, tornando-se participante da natureza divina, adquirirá o caráter divino, e tornar-se-á uma ilustração da divina lei. … Maravilhosa Graça, pág. 56

“O exemplo de Cristo é de autoridade para todo filho e filha de Adão. Ele representou em Sua vida a lei de Deus, dando aos homens um exemplo do que a obediência a todo preceito realizará pela natureza humana. Ele é nosso exemplo, e todo aquele que é dotado de faculdades de raciocínio está no dever de seguir-Lhe as pegadas; pois Sua vida é um modelo perfeito para toda a humanidade. Cristo é a consumada norma de caráter a que todo homem pode atingir tornando-se participante da natureza divina. “E estais perfeitos nEle.” Col. 2:10.” Filhos E Filhas De Deus, pág. 137

“O Senhor Jesus veio ao nosso mundo, não para revelar o que Deus podia fazer, e, sim, o que o homem podia realizar, mediante a fé no poder de Deus para ajudar em toda emergência. O homem deve, pela fé, ser participante da natureza divina e vencer toda tentação com que é assaltado. O Senhor requer agora que todo filho e filha de Adão, pela fé em Jesus Cristo, O sirva na natureza humana que temos atualmente.”  Mensagens Escolhidas, vol.  3 Pág. 140

“Poderemos ser participantes da natureza divina. Seremos todos tentados de maneiras diversas, mas quando somos tentados precisamos recordar que uma provisão foi feita pela qual podemos vencer. … Aquele que realmente crê em Cristo torna-se participante da natureza divina e tem poder do qual se pode valer sob toda tentação. Não cairá em tentação nem será derrotado. Em tempo de prova reclamará as promessas, e por tal meio escapará às corrupções que há no mundo.” Olhando Para O Alto, pág. 249

O poder do mal se estivera fortalecendo por séculos, e alarmante era a submissão dos homens a esse cativeiro satânico. Ao pecado só se poderia resistir e vencer por meio da poderosa operação da terceira pessoa da Trindade, a qual viria, não com energia modificada, mas na plenitude do divino poder. É o Espírito que torna eficaz o que foi realizado pelo Redentor do mundo. É por meio do Espírito que o coração é purificado. Por Ele torna-se o crente participante da natureza divina. Cristo deu Seu Espírito como um poder divino para vencer toda tendência hereditária e cultivada para o mal, e gravar Seu próprio caráter em Sua igreja. O Desejado de Todas as Nações, pág. 671.

“De todos os Seus atos piedosos, o Redentor do mundo declara: “Eu não posso de Mim mesmo fazer coisa alguma.” João 5:30. “Esse mandamento recebi de Meu pai.” João 10:18. Tudo quanto faço é em cumprimento de ordens e da vontade de Meu Pai celestial. A história da vida cotidiana de Jesus é o registro exato do cumprimento do propósito de Deus para com o homem. Sua vida e caráter eram o desdobramento ou a representação da perfeição de caráter que o homem consegue por se tornar participante da natureza divina, e vencendo o mundo na luta diária. The Youth’s Instructor, 23 de abril de 1912.” A Fé Pela Qual Eu Vivo, pág.114

Deus seja para sempre louvado!

Agradável, mas perigosa e fatal

1Ultimamente tem surgido em nossas igrejas e na sociedade algumas mensagens que, se não forem analisadas à luz da palavra de Deus, podem levar as pessoas a acreditarem que poderão ser salvas mesmo ainda estando com algum pecado não confessado e não abandonado.

Seguem algumas destas afirmações:

  • “Não podemos é ter o pecado como estilo de vida”
  • “O que não podemos é ser pecadeiros”
  • “Perfeição na esfera humana.”

Este último, a título de exemplo, “perfeição na esfera humana”, alguns a utilizam querendo indicar a existência de um tipo de perfeição com pecados que, por algum motivo, o Senhor irá ignorá-los considerando o portador desta “perfeição”, perfeito em condições de ser salvo.

Outro dia encontrei em um de nossos livros a seguinte afirmação: “Agora suponhamos que eu morra aqui mesmo. Ainda tenho defeitos. Ainda há crescimentos que não atingi. Isso quer dizer que estou perdido? É claro que não. O registro perfeito de Cristo ainda me cobre. […]”

Convenhamos que este tipo de mensagem realmente pode ser agradável para quem lê ou ouve este texto. Todavia devemos estar atentos, pois ela é também perigosa e fatal. Mas será que existe a possibilidade de alcançarmos a salvação ainda tendo defeitos de caráter, ainda tendo alguma mácula em seu caráter?

Acredito que o Senhor julgará os homens de acordo com a luz que eles receberam. Pode ser que alguns alcancem a salvação mesmo tendo morrido fazendo algo que consideramos pecado, mas mesmo essas pessoas eu não posso afirmar que serão salvas ainda estando em pecado. O que acontece é que, o que é considerado pecado para aquele que tem conhecimento não é considerado para aquele que ainda está na ignorância.

Mas agora vamos pensar nas pessoas que tem o conhecimento da vontade de Deus, mas não possuem a prática desse conhecimento, não vivem em plena harmonia com a vontade do Senhor. Pensemos também naquelas que tem acesso ao conhecimento da vontade de Deus e mesmo assim permanecem na ignorância por estarem negligenciando todas as orientações de Deus para levarem uma vida santa.

Analisemos alguns textos da serva do Senhor, para que então encontremos respostas para essas indagações:

“O ideal de Deus para Seus filhos é mais alto do que pode alcançar o pensamento humano. “Sede vós pois perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos Céus.” Mat. 5:48. Este mandamento é uma promessa. O plano da redenção visa ao nosso completo libertamento do poder de Satanás. Cristo separa sempre do pecado a alma contrita. Veio para destruir as obras do diabo, e tomou providências para que o Espírito Santo fosse comunicado a toda alma arrependida, para guardá-la de pecar. A influência do tentador não deve ser considerada desculpa para qualquer má ação. Satanás rejubila quando ouve os professos seguidores de Cristo apresentarem desculpas quanto à sua deformidade de caráter. São essas escusas que levam ao pecado. Não há desculpas para pecar. Uma santa disposição, uma vida cristã, são acessíveis a todo filho de Deus, arrependido e crente.” DTN, pág. 312

O texto afirma claramente que o Senhor: “[…] tomou providências para que o Espírito Santo fosse comunicado a toda alma arrependida, para guardá-la de pecar” e em sua continuidade afirma também que “Não há desculpas para pecar”.

Uma vez que o Senhor tomou providências para que o homem possa viver livre do pecado não há nenhuma justificativa para que o homem seja salvo mesmo ainda estando em pecado sendo que não há desculpa para o pecado.

“A promessa do Salvador é dada sob condição. “Se Me amardes”, diz, “guardareis os Meus mandamentos.” João 14:15. Ele salva os homens, não em pecado, mas do pecado; e os que O amam manifestarão seu amor pela obediência.” DTN, pág. 668

Esse texto é muito claro o Senhor salva os homens do pecado não em pecado.

“Justiça é fazer o bem, e é pelos atos que todos serão julgados. Nosso caráter é revelado pelo que fazemos. As obras mostram se a fé é genuína.” Parábolas De Jesus, pág. 312

“A justiça de Cristo não encobrirá pecado algum acariciado. O homem pode ser intimamente transgressor da lei; todavia, se não comete um ato visível de transgressão, pode ser considerado, pelo mundo, possuidor de grande integridade. A lei de Deus, porém, lê os segredos do coração. Todo ato é julgado pelos motivos que o sugeriram. Somente quem estiver de acordo com os princípios da lei de Deus, permanecerá em pé no Juízo. Deus é amor. Demonstrou Ele este amor na dádiva de Cristo. Quando “deu o Seu Filho unigênito, para que todo aquele que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3:16), nada reteve de Sua possessão adquirida. Deu todo o Céu, do qual podemos tirar poder e eficiência para não sermos repelidos nem derrotados por nosso grande adversário. Mas o amor de Deus não O leva a desculpar o pecado. Não o desculpou em Satanás; não o escusou em Adão ou em Caim; nem o desculpará em qualquer outro homem. Não tolerará nossos pecados, e não passará por sobre nossos defeitos de caráter. Espera que vençamos em Seu nome.” Parábolas De Jesus, pág. 316

“Cristo, porém, não nos deu garantia alguma de que é fácil alcançar perfeição de caráter. Não se herda caráter perfeito e nobre. Não o recebemos por acaso. O caráter nobre é ganho por esforço individual mediante os méritos e a graça de Cristo. Deus dá os talentos e as faculdades mentais; nós formamos o caráter. É formado por combates árduos e relutantes com o próprio eu. As tendências herdadas devem ser banidas por um conflito após outro. Devemos esquadrinhar-nos detidamente e não permitir que permaneça traço algum incorreto.” Parábolas De Jesus, pág. 331

Queridos irmãos, “nosso caráter é revelado pelo que fazemos”, sendo assim o Senhor não poder considerar de forma alguma pessoa com algum defeito de caráter como sendo uma pessoa perfeita. Ele não irá ignorar nossos pecados. Espera que pelo Seu poder fiquemos completamente livres do pecado e apela para que não permitamos a permanência de “traço algum incorreto” em nosso caráter.

Atentemos agora com fé e carinho, o seguintes textos:

“Quando Cristo vier, nosso corpo vil deverá ser transformado, e feito segundo Seu corpo glorioso, mas o caráter vil não se tornará santo então. A transformação do caráter precisa ocorrer antes de Sua vinda. Nossa natureza precisa ser pura e santa; importa possuir a mente de Cristo, de modo que Ele veja com prazer Sua imagem refletida em nossa vida. […] José conservou sua integridade quando cercado de idólatras no Egito, em meio de pecado e blasfêmia e de influências corruptoras. Quando tentado a desviar-se da senda da virtude, sua resposta foi: “Como, pois, faria eu este tamanho mal, e pecaria contra Deus?” Gên. 39:9. Enoque, José e Daniel confiavam numa força que era infinita. Eis o único caminho seguro para os cristãos seguirem em nossos dias. […] Review and Herald, 1º de setembro de 1885” Nossa Alta Vocação, pág. 276

“Os pais criam em alto grau a atmosfera do círculo doméstico, e quando há desinteligência entre os pais, os filhos participam do mesmo espírito. Tornai fragrante a atmosfera do lar mediante terna solicitude. Se vos alienastes e deixastes de ser cristãos bíblicos, convertei-vos; pois o caráter que apresentardes no tempo de graça será o caráter que tereis por ocasião da vinda de Cristo. Se desejais ser santos no Céu, deveis sê-lo primeiro na Terra. Os traços de caráter que nutrirdes na vida não se mudarão pela morte ou pela ressurreição. Saireis do sepulcro com a mesma disposição que manifestáveis no lar e na sociedade. Jesus não muda o caráter em Sua vinda. A obra de transformação precisa ser feita agora. Nossa vida diária está determinando nosso destino. Carta 18b, 1891.” O Lar Adventista pág. 16

“Nossos traços de caráter não se alterarão:

Se quereis ser santos no Céu precisais ser primeiro santos na Terra. Os traços de caráter que acalentais na vida não serão modificados pela morte ou pela ressurreição. Saireis da sepultura com a mesma disposição que manifestastes em vosso lar e na sociedade. Jesus não altera o caráter em Sua vinda. A obra de transformação tem de ser efetuada agora. Nossa vida diária está determinando o nosso destino. Precisamos arrepender-nos dos defeitos de caráter, vencê-los pela graça de Cristo e formar um caráter simétrico neste período de prova, a fim de que sejamos habilitados para as mansões lá do alto. Manuscript Releases, vol. 13, pág. 82.” Eventos Finais, pág. 295

É muito claro! O caráter não é modificado pela morte ou pela ressurreição, nem na volta de Jesus. Os salvos serão aqueles que terão alcançado a vitória pelo poder de Deus sobre todo defeito de caráter antes da morte, ou antes da volta de Jesus, mais precisamente antes do fechamento da porta da graça.

A serva do Senhor, Ellen G. White, nos alerta sobre o perigo e fatalidade em ouvir e dar créditos a mensagens que colocam em risco nossa salvação:

“Há esperança para cada um de nós, mas de uma só maneira – apegando-nos a Cristo e empregando toda energia para obter a perfeição de Seu caráter. Essa religião piegas que faz pouco do pecado, e só realça o amor de Deus pelo pecador, encoraja os pecadores a crer que Deus os salvará enquanto continuarem no pecado, sabendo que é pecado. É isso que estão fazendo muitos que professam crer na verdade presente.” Cristo Triunfante, pág. 81

  • Satanás trabalha para que todos vivam como derrotados caminhando para a morte eterna:

“O que encobre as suas transgressões, nunca prosperará; mas o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia.” Prov. 28:13. Se os que escondem e desculpam suas faltas pudessem ver como Satanás exulta sobre eles, como escarnece de Cristo e dos santos anjos, pelo procedimento deles, apressar-se-iam a confessar seus pecados e deixá-los. Por meio dos defeitos do caráter, Satanás trabalha para obter o domínio da mente toda, e sabe que, se esses defeitos forem acariciados, será bem-sucedido. Portanto, está constantemente procurando enganar os seguidores de Cristo com seu fatal sofisma de que lhes é impossível vencer. Mas Jesus apresenta em seu favor Suas mãos feridas, Seu corpo moído; e declara a todos os que desejam segui-Lo: “A Minha graça te basta.” II Cor. 12:9. “Tomai sobre vós o Meu jugo, e aprendei de Mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. Por que o Meu jugo é suave, e o Meu fardo é leve.” Mat. 11:29 e 30. Ninguém, pois, considere incuráveis os seus defeitos. Deus dará fé e graça para vencê-los.” Cristo Em Seu Santuário, pág. 118

  • Cuidado com as teorias humanas:

“Posto que a vida do cristão deva ser caracterizada pela humildade, não deveria assinalar-se pela tristeza e depreciação de si mesmo. É privilégio de cada um viver de tal maneira que Deus o aprove e abençoe. Não é da vontade de nosso Pai celestial que sempre estejamos sob condenação e trevas. O andar cabisbaixo e com o coração cheio de preocupações não constitui prova de verdadeira humildade. Podemos ir a Jesus e ser purificados, permanecendo diante da lei sem opróbrio e remorsos. “Nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito.” Rom. 8:1.

Por meio de Jesus os decaídos filhos de Adão se tornam “filhos de Deus”. “Assim O que santifica, como os que são santificados, são todos de um; por cuja causa não Se envergonha de lhes chamar irmãos.” Heb. 2:11. A vida cristã deve ser de fé, vitória e alegria em Deus. “Todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo, a nossa fé.” I João 5:4. Com acerto disse Neemias, servo de Deus: “A alegria do Senhor é a vossa força.” Nee. 8:10. E Paulo diz: “Regozijai-vos sempre no Senhor; outra vez digo, regozijai-vos.” Filip. 4:4. “Regozijai-vos sempre. Orai sem cessar. Em tudo dai graças; porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco.” I Tess. 5:16-18.

São estes os frutos da conversão e santificação bíblica; e é porque os grandes princípios da justiça apresentados na lei de Deus são com tanta indiferença considerados pelo mundo cristão, que esses frutos são tão raramente testemunhados. É por isso que tão pouco se manifesta dessa profunda e estável obra do Espírito de Deus, a qual assinalava os avivamentos em anos anteriores.

É ao contemplar que somos transformados. E, negligenciando os preceitos sagrados nos quais Deus revelou aos homens a perfeição e santidade de Seu caráter, e atraindo o espírito do povo aos ensinos e teorias humanos, que de estranho poderá haver no conseqüente declínio na viva piedade da igreja? Diz o Senhor: “A Mim Me deixaram, o manancial de águas vivas, e cavaram cisternas, cisternas rotas, que não retêm as águas.” Jer. 2:13.” Grande Conflito, pág. 478

  • Não devemos ser negligentes na luta contra o pecado, o fim está próximo:

“Considerando a brevidade do tempo, nós como povo devemos vigiar e orar, e em caso algum permitir que sejamos desviados da solene obra de preparo para o grande acontecimento à nossa frente. Por isso que o tempo aparentemente se estende, muitos se tornaram descuidados e indiferentes em relação a suas palavras e ações. Não reconhecem o perigo em que se acham, e não vêem nem compreendem a misericórdia de nosso Deus em lhes estender o tempo de graça, a fim de que tenham tempo para formar o caráter para a vida futura imortal. Cada momento é do mais alto valor. O tempo lhes é concedido, não para ser empregado em seguir sua própria comodidade e tornarem-se habitantes da Terra, mas para ser empregado na obra de vencer cada defeito de seu caráter e em ajudar os outros, pelo exemplo e pelo esforço pessoal, a verem a beleza da santidade. Deus tem sobre a Terra um povo que, com fé e santa esperança, está acompanhando o rolo da profecia a cumprir-se rapidamente, e buscando purificar a alma na obediência à verdade, a fim de que não sejam encontrados sem as vestes nupciais quando Cristo aparecer. … Os sinais preditos na profecia estão-se cumprindo rapidamente em volta de nós. Isto deve despertar todo verdadeiro seguidor de Cristo, levando-o a zelosa ação. Testemunhos Seletos, vol. 1, pág. 503-505.” Exaltai-O, pág. 352

“Quando Cristo vier, será então demasiado tarde para que os erros sejam corrigidos, demasiado tarde para que o caráter seja mudado, demasiado tarde para obter um caráter santo. Agora é o tempo da preparação; agora é o tempo em que podemos ter nossos defeitos removidos; agora é o tempo em que nossos pecados devem ser submetidos, de antemão ao juízo, ser confessados e pelo arrependimento obter perdão para nossos nomes. Que Deus ajude aqueles que ensinam a verdade a serem modelos de piedade, repletos de mansidão e de bons frutos. Carta 60, 1886. 26 de dezembro, Olhando Para o Alto, pág. 367

“Não nos devemos sentar, esperando que nos sobrevenha, por maneira miraculosa, uma mudança de caráter quando Jesus aparecer nas nuvens do céu com poder e grande glória. Não, meus jovens amigos, somos destinados ao juízo, e a graça nos é assegurada aqui nesta vida, a fim de formarmos caracteres para a vida futura, imortal. The Youth’s Instructor, 24 de agosto de 1893.” Filhos E filhas De Deus, pág. 9

Entre nós, há os que, como Acã, farão confissões quando for demasiado tarde para se salvarem. […] Eles não estão em harmonia com o que é correto. Desprezam o testemunho positivo que atinge o coração, e gostariam que fossem silenciados todos os que fazem repreensões.” Testimonies, vol. 3, pág. 272. Eventos Finais, pág. 175-176

“Os pretensos crentes, que chegam despreparados ao tempo de angústia, confessarão, em seu desespero, seus pecados perante o mundo em palavras de angústia, enquanto que os ímpios exultam sobre seu desespero. O caso de todos eles é sem esperança.  Os que adiaram a preparação para o dia de Deus não podem fazer essa preparação no tempo de angústia nem em qualquer período futuro.” – Signs of the Times, 27 de novembro de 1879. (O Batismo do Espírito Santo, pág.112)

Vejamos o que acontecerá com aqueles que “não renunciam completamente seus maus hábitos”:

“Alguns há, que parece sempre buscarem a pérola celestial. Não renunciam, porém, completamente a seus maus hábitos. Não morrem para o próprio eu, para que Cristo viva neles. Por este motivo, não acham a pérola valiosa. Não venceram sua ambição profana e seu amor às atrações do mundo. Não tomam a cruz e não seguem a Cristo no caminho da abnegação e sacrifício. Quase cristãos mas não plenamente, parecem estar perto do reino do Céu, mas não podem ali entrar. Quase, mas não completamente salvos, significa estar não quase, porém completamente perdidos.” Parábolas De Jesus, pág. 118

Ficou muito claro e definido aqui que os que pensam entrar no céu sem preparo ou esperando que Cristo nos transformará quando Ele voltar, perderão a vida eterna. Clamamos em nome de Cristo nosso Salvador, antes que seja demasiado tarde, que O busquem e mude o estilo de vida a glorificá-lo em sua vida em atos, palavras, pensamentos e ações.

Oremos pelos nossos pregadores e por nós, para que a mensagem pura da Palavra de Deus se faça eloquente em nossas igrejas, para uma transformação santificada segundo a vontade dEle. Que sejamos como os bereanos, podendo distinguir o certo e o errado à luz do “Assim diz o Senhor”:

“E logo os irmãos enviaram de noite Paulo e Silas a Beréia; e eles, chegando lá, foram à sinagoga dos judeus. Ora, estes foram mais nobres do que os que estavam em Tessalônica, porque de bom grado receberam a palavra, examinando cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim.” Atos 17:10-11

Que o Senhor Espírito Santo me purifique eliminando completamente a presença do pecado em nossa vida!

Seja esta nossa oração, nosso desejo, nosso objetivo.

Tentação e Propensão

2Cristo foi tentado em todas as coisas, mas em momento algum teve propensões para pecar.

“Ellen White é as vezes bastante explícita sobre a diferença entre Cristo e as outras pessoas. Em 1890, por exemplo, ela escreveu que Cristo não assumira a natureza dos anjos, porém a humanidade, perfeitamente idêntica à nossa, mas sem mácula do pecado. (…) Sua natureza finita era pura e imaculada. (…) Não devemos tornar-nos comuns e terrenos em nossas ideias, e em nossas ideias pervertidas não devemos pensar que a possibilidade de Cristo ceder às tentações de Satanás degradou Sua humanidade e [que] Ele possuía as mesmas propensões pecaminosas e corruptas do ser humano. (…) Cristo assumiu nossa natureza caída mas não corrompida.” Ms, 57, 1890 (Em Busca de Identidade, pág. 124)

 “A combinação da natureza divina com a humana O fez capaz de ceder às tentações de Satanás. A provação de Cristo aqui foi muito maior do que a de Adão e Eva, pois Cristo tomou a nossa natureza caída, mas não corrompida; e, a menos que Ele desse ouvidos às palavras de Satanás em lugar das palavras de Deus, não seria corrompido.” Manuscrito 57, 1890 (Ellen White e a Humanidade de Cristo pág. 158)

“Eu vos apresento o grande Exemplo […] Ele realmente enfrentou e resistiu às tentações de Satanás como qualquer filho da humanidade. Somente assim poderia Ele ser um exemplo perfeito para o homem. Ele sujeitou-se à humanidade para Se familiarizar com todas as tentações com as quais o homem é assediado. Ele levou sobre Si as fraquezas e carregou as dores dos filhos de Adão.”

“Ele tornou-SE semelhante aos irmãos (Heb. 2:17). Assim como eles, também sentiu alegria e tristeza. Seu corpo era susceptível ao cansaço, como o teu. Sua mente, assim como a tua, podia ser molestada e ficar perplexa. Se tivesse provações, Ele também as teve. … Como um homem, Jesus foi exposto a duras situações, conflitos e tentações. …” Carta, 17  1878  (Ellen White e a Humanidade de Cristo pág. 148 e 149)

Dos textos mencionados podemos concluir que:

1° – Propensão é algo diferente de tentação, pois Cristo teve as tentações, foi tentado em tudo, mas não teve propensões de forma alguma.

2° – Cristo provou que é possível mesmo estando cercado de tentações não ter propensões para pecar.

Para entender melhor, segue uma pequena ilustração:

Dois amigos Paulo e Pedro, ambos casados trabalham em um mesmo lugar. No ambiente de trabalho esses dois amigos tem diariamente contato com muitas mulheres bonitas. Paulo mesmo sendo cristão se vê constantemente lutando com seus desejos carnais. A luta é bem mais difícil quando uma de suas colegas se insinua e faz uma brincadeira provocante. Fato é que Paulo se sente atormentado quando sente esses desejos carnais. Paulo sabe que esta não é uma condição que agrada a Deus, mas não sabe o que fazer para se ver livre desses desejos pecaminosos.

Pedro mesmo trabalhando no mesmo lugar não está tendo os mesmos problemas de Paulo. Pedro ama sua esposa e acima de tudo ama a Deus. Mesmo quando uma mulher lhe provoca não tem o desejo de trair sua esposa ou de entristecer a Deus. Além de não ter o desejo de trair sua esposa ou entristecer a Deus, até mesmo  pensar nesta possibilidade é algo para ele completamente repugnante.

Tentações são circunstâncias a que todos nos estamos sujeitos. Propensão é inclinação ou pendor para o mal presente no coração que não é dominado completamente pelo Senhor Espírito Santo. Propensão é desejo de pecar!

Temos uma natureza pervertida com propensões para pecar, uma natureza que gosta de pecar. Esta natureza precisa ser transformada. Mas graças ao nosso grande Deus a transformação é possível, que através do poder do Senhor Espírito Santo, o homem pode ter sua natureza transformada.

“Jesus continuou: “O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito”.  João 3:6. O coração, por natureza, é mau, e “quem do imundo tirará o puro? Ninguém”.  Jó 14:4. Invenção alguma humana pode encontrar o remédio para a alma pecadora. “A inclinação da carne é inimizade contra Deus; pois não é sujeita à lei de Deus, nem em verdade o pode ser”. Rom. 8:7. “Do coração procedem os maus pensamentos, mortes, adultérios, prostituições, furtos, falsos testemunhos e blasfêmias”. Mat. 15:19. A fonte do coração se deve purificar para que a corrente se possa tornar pura. Aquele que se esforça para alcançar o Céu por suas próprias obras em observar a lei, está tentando o impossível. Não há segurança para uma pessoa que tenha religião meramente legal, uma forma de piedade. A vida cristã não é uma modificação ou melhoramento da antiga,mas uma transformação da natureza. Tem lugar a morte do eu e do pecado, e uma vida toda nova. Essa mudança só se pode efetuar mediante a eficaz operação do Espírito Santo.” DTN, pág. 172

Esta transformação é o novo nascimento.

“A natureza humana é vil, e o caráter do homem deve ser transformado antes que possa harmonizar-se com o puro e santo no reino imortal de Deus. Essa transformação é o novo nascimento.” ST, 15/11/1883 (Ellen White e a Humanidade de Cristo, pág. 133 )

Esse é o motivo de Jesus afirmar: “Em verdade, em verdade te digo, se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.” João 3:3

No novo nascimento nos tornamos co-participantes da natureza divina e então pelo poder de Deus ficamos livres das paixões e corrupções que há no mundo. O momento em que recebemos o poder do Senhor Espírito Santo, nos tornamos vencedores sobre todas as tendências herdadas ou cultivadas para o mal. Neste ponto de libertação recebemos o caráter de Cristo.

 “Pelas quais nos têm sido doadas as suas preciosas e mui grandes promessas, para que por elas vos torneis co-participantes da natureza divina, livrando-vos da corrupção das paixões que há no mundo.”II Pedro 1:4

“Descrevendo aos discípulos a obra oficial do Espírito Santo, Jesus procurou inspirar-lhes a alegria e esperança que Lhe animavam o próprio coração. Regozijava-Se Ele pelas abundantes medidas que providenciara para auxílio de Sua igreja. O Espírito Santo era o mais alto dos dons que Ele podia solicitar do Pai para exaltação de Seu povo. Ia ser dado como agente de regeneração, sem o qual o sacrifício de Cristo de nenhum proveito teria sido. O poder do mal se estivera fortalecendo por séculos, e alarmante era a submissão dos homens a esse cativeiro satânico. Ao pecado só se poderia resistir e vencer por meio da poderosa operação da terceira pessoa da Trindade, a qual viria, não com energia modificada, mas na plenitude do divino poder. É o Espírito que torna eficaz o que foi realizado pelo Redentor do mundo. É por meio do Espírito que o coração é purificado. Por Ele torna-se o crente participante da natureza divina. Cristo deu Seu Espírito como um poder divino para vencer toda tendência hereditária e cultivada para o mal, e gravar Seu próprio caráter em Sua igreja.” DTN, pág. 671

O resultado é maravilhoso. É um novo estilo de vida onde o pecar se tornou aborrecível, uma mudança radical, pensamentos, impulsos e ações enfim, um estilo de vida em que o coração esta plenamente em harmonia com Deus.

“Mas orar em nome de Cristo significa muito. Quer dizer que havemos de aceitar-Lhe o caráter, manifestar-Lhe o espírito e fazer Suas obras. A promessa do Salvador é dada sob condição. “Se Me amardes”, diz, “guardareis os Meus mandamentos.” João 14:15. Ele salva os homens, não em pecado, mas do pecado; e os que O amam manifestarão seu amor pela obediência. Toda a verdadeira obediência vem do coração. Deste procedia também a de Cristo. E se consentirmos, Ele por tal forma Se identificará com os nossos pensamentos e ideais, dirigirá nosso coração e espírito em tanta conformidade com o Seu querer, que, obedecendo-Lhe, não estaremos senão seguindo nossos próprios impulsos. A vontade, refinada, santificada, encontrará seu mais elevado deleite em fazer o Seu serviço. Quando conhecermos a Deus como nos é dado o privilégio de O conhecer, nossa vida será de contínua obediência. Mediante o apreço do caráter de Cristo, por meio da comunhão com Deus, o pecado se nos tornará aborrecível. Como Cristo viveu a lei na humanidade, assim podemos fazer, se nos apegarmos ao Forte em busca de força.” DTN, pág. 668

“Não precisamos reter nenhuma propensão pecaminosa.”

Purificação de todo pecado. “Precisamos compreender que pele fé em Cristo é nosso privilégio ser participante da natureza divina e livrar-nos da corrupção das paixões que há no mundo. Então somos purificados de todo pecado, de todos os defeitos de caráter. Não precisamos reter nenhuma propensão pecaminosa.” Comentários de Ellen G. White, SDABC, vol. 7, pág. 943  ( Lição da Escola Sabatina 2° Trim. 1990 pág. 50)

O Senhor perdoa e liberta. Não poderemos entrar no Céu enquanto estivermos corrompidos por velhos gostos, inclinações ou propensões, ídolos, ideias e teorias.

Definição de perdão. ”O perdão de Deus não é meramente um ato judicial pelo qual Ele nos livra da condenação. É não somente perdão pelo pecado, mas livramento do pecado. É o transbordamento de amor redentor que transforma o coração.” O Maior Discurso de Cristo, pág. 114

“Ser perdoado da maneira que Cristo perdoa, é não somente ser perdoado, mas renovado no espírito do nosso entendimento. O Senhor diz: ‘Dar-vos-ei coração novo.’ A imagem de Cristo deve ser gravada  na própria mente, coração e alma. O apóstolo declara: ‘Nós temos a mente de Cristo.’ Sem o, processo transformador que só pode ocorrer pelo poder divino, as propensões originais para pecar permanecem no coração em toda a sua intensidade, para forjar novas algemas, para impor uma escravidão que nunca poderá ser rompida pelo poder humano. Mas os homens não poderão entrar no Céu com seus velhos gostos, inclinações, ídolos, ideias e teorias.”   Ellen G. White, Review and Herald, 19/08/1890  (Lição da Escola Sabatina 2° Trim. 1990, pág. 43)

“Deus tomou todas as providências para nossos pensamentos se tornarem puros, elevados, aprimorados e enobrecidos. Ele não só prometeu purificar-nos de toda a injustiça, mas tomou uma real providência para o suprimento da graça que nos erguerá os pensamentos para Ele e nos habilitará a apreciar Sua santidade. Podemos reconhecer que somos possessão de Cristo e que devemos manifestar ao mundo o Seu caráter. Preparados pela graça celestial, tornando-nos revestidos da justiça de Cristo, nas vestes nupciais, e somos habilitados para participar da ceia das bodas. Tornamo-nos um com Cristo, participantes da natureza divina, purificados, aprimorados, elevados, sendo reconhecidos como filhos de Deus – herdeiros de Deus e co-herdeiros de Jesus Cristo.” The Youth’s Instructor, 28 de outubro de 1897. 1990 pág. 43 (Mente Caráter e Personalidade, pág. 660)

“O que deveis compreender é a verdadeira força da vontade. Esta é o poder que governa a natureza do homem, o poder da decisão ou de escolha. Tudo depende da reta ação da vontade. O poder da escolha deu-o Deus ao homem; a ele compete exercê-lo. Não podeis mudar vosso coração, não podeis por vós mesmos consagrar a Deus as vossas afeições; mas podeis escolher servi-Lo. Podeis dar-Lhe a vossa vontade; Ele então operará em vós o querer e o efetuar, segundo a Sua vontade. Desse modo toda a vossa natureza será levada sob o domínio do Espírito de Cristo; vossas afeições centralizar-se-ão nEle; vossos pensamentos estarão em harmonia com Ele. O desejo de bondade e santidade é, em si mesmo é louvável; de nada, porém, valerão essas virtudes, se ficarem somente no desejo. Muitos se perderão enquanto esperam e desejam ser cristãos. Não chegam ao ponto de render a vontade a Deus. Não escolhem agora ser cristãos.” Caminho a Cristo pág. 47

Senhor, eu quero ter o meu coração purificado!