Archive for the ‘puros’ Tag

Nosso principal objetivo

1Todos os homens precisam admitir que são pecadores, esta é nossa realidade. Então quando um homem admite ser pecador, porque todos nós somos, seu principal objetivo não deve ser descobrir se é um pecador habitual ou ocasional, se tem ou não o pecado como estilo de vida, se peca muito ou pouco, tentando na verdade se convencer que tem poucos pecados para então se acomodar com o sentimento que poucos pecados é tolerável, se baseando em uma falsa teologia para manter essa tolerância de um estilo de vida com “poucos” pecados. Alguns não somente toleram esse estilo de vida como também se orgulham se sentindo autênticos cristãos, imaginando talvez que uma vida com “poucos” pecados é o máximo que um cristão pode conseguir enquanto estiver neste mundo.

O principal objetivo do homem, ao admitir ser pecador, é descobrir como ficar completamente livre do pecado. Este é o desejo do Senhor para o homem.

“Todo aquele que permanece Nele não vive pecando, todo aquele que vive pecando não o viu, nem o conheceu.” 1 João 3:6

Temos encontrado algumas interpretações estranhas para este texto bíblico. Procuramos de todas as maneiras encontrar desculpas para justificar nossa permanência no pecado. O termo “pecadeiros” tem sido usado constantemente afirmando que, quando o apóstolo João afirma que não podemos permanecer pecando, ele está dizendo que não podemos ser “pecadeiros”, ou seja, não podemos ter o pecado como estilo de vida ou ser pecadores habituais.

Mas será está uma interpretação confiável? O que dizer dos pecados ocasionais? Será que o Senhor os ignora? Não seria estes pecados ocasionais um sinal de que algo dentro de nós ainda precisa ser mudado?

Você já tentou estabelecer uma diferença entre o pecador habitual e o pecador ocasional e analisar a condição destes dois tipos de pecadores? É algo bastante estranho.

Exemplos: Falar mal dos outros todos os dias, pecador habitual. Falar mal dos outros de vez em quando, pecador ocasional. Roubar todas as semanas, pecador habitual. Roubar de vez em quando, pecador ocasional.

Uma grande verdade precisa ser lembrada: pecado é pecado, pecador habitual, pecador ocasional, ambos estão caminhando para a morte.

Cremos que os Adventistas Do Sétimo Dia deveriam ter como princípio a sua opinião baseada e fundamentada na Bíblia e no Espírito de profecia. Vejamos o que a serva do Senhor, Ellen G. White, escreveu sobre 1 João 3:6: 

“Não ganhamos a salvação por nossa obediência; pois a salvação é dom gratuito de Deus, e que obtemos pela fé. Mas a obediência é fruto da fé. “Bem sabeis que Ele Se manifestou para tirar os nossos pecados; e nEle não há pecado. Qualquer que permanece nEle não peca: qualquer que peca não O viu nem O conheceu”. I João 3:5 e 6. Aí é que está a verdadeira prova. Se habitamos em Cristo, se o amor de Deus habita em nós, nossos sentimentos, nossos pensamentos, nossas ações estão em harmonia com a vontade de Deus tal como se expressa nos preceitos de Sua santa lei. “Filhinhos, ninguém vos engane. Quem pratica justiça é justo, assim como Ele é justo.” I João 3:7. A justiça está definida no padrão da santa lei de Deus, expressa nos dez preceitos dados no Sinai. A chamada fé em Cristo que professa desobrigar os homens da obediência a Deus, não é fé, mas presunção. “Pela graça sois salvos, por meio da fé.” Efés. 2:8. Mas “a fé, se não tiver as obras, é morta em si mesma”. Tia. 2:17. Jesus disse de Si mesmo, antes de descer à Terra: “Deleito-Me em fazer a Tua vontade, ó Deus Meu; sim, a Tua lei está dentro do Meu coração.” Sal. 40:8. E justamente antes de ascender para o Céu, declarou: “Tenho guardado os mandamentos de Meu Pai e permaneço no Seu amor.” João 15:10. Diz a Escritura: “Nisto sabemos que O conhecemos: se guardarmos os Seus mandamentos. Aquele que diz que está nEle também deve andar como Ele andou.” I João 2:3 e 6. “Pois também Cristo padeceu por nós, deixando-nos o exemplo, para que sigais as Suas pisadas.” I Ped. 2:21. A condição de vida eterna é hoje justamente a mesma que sempre foi – exatamente a mesma que foi no paraíso, antes da queda de nossos primeiros pais – perfeita obediência à lei de Deus, perfeita justiça. Se a vida eterna fosse concedida sob qualquer condição inferior a essa, correria perigo a felicidade do Universo todo. Estaria aberto o caminho para que o pecado, com todo o seu cortejo de infortúnios e misérias, se imortalizasse.” Caminho a Cristo pág. 61-62.

A serva do Senhor não deixa margem para algum tipo de interpretação que tolere o pecado, habitual ou ocasional, e afirma  que a vida que devemos ter é “exatamente a mesma que foi no paraíso, antes da queda de nossos primeiros pais – perfeita obediência à lei de Deus, perfeita justiça.” Esta continua sendo a condição para nossa salvação e será pelo poder de Deus que os salvos alcançarão este objetivo.

“Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, de maneira que obedeçais às suas paixões; nem ofereçais cada um os membros do seu corpo ao pecado, como instrumentos de iniquidade; mas oferecei-vos a Deus, como ressurretos dentre os mortos, e os vossos membros, a Deus, como instrumentos de justiça. Porque o pecado não terá domínio sobre vós; pois não estais debaixo da lei, e sim da graça.”Rom. 6:12-14

“Todo aquele que é nascido de Deus não vive na prática do pecado; pois o que permanece nele é a divina semente; ora, esse não pode viver pecando, porque é nascido de Deus.” 1 João 3:9

 A Lição da Escola Sabatina do 4° trim. 1990 – A Carta aos Romanos, comentando estes textos bíblicos deixa claro que, no coração em que Cristo reina, não existe espaço para o pecado, seja habitual ou ocasional. “Todo pecado é do diabo, e se Cristo vive na vida pelo Espírito Santo, o pecado não poderá existir ali.”

“O pecado permanece na vida, se não reina mais nela?” Rom. 6:12-14

“Nossa natureza humana decaída certamente continua tendo propensões para o mal. Mas esse “eu” decaído é subjugado diariamente pelo poder de Cristo em nosso íntimo. (Ver Gál. 2:20.) Em Rom. 6:12, Paulo está falando sobre o perigo de ceder aos impulsos de nossa natureza humana decaída. Quando fazemos isso, o pecado reina em nosso corpo. Quando Cristo reina na vida, o pecado não poderá fazê-lo.

João enfatizou a mesma verdade. (Ver 1 S. João3:8-9.) Ele não ensinou que, embora o pecado habitual seja do diabo, o pecado ocasional é permissível. Todo pecado é do diabo, e se Cristo vive na vida pelo Espírito Santo, o pecado não poderá existir ali.

“Vencer como Cristo venceu. Apegar-se-á o homem ao poder divino, resistindo a Satanás com determinação e perseverança, como Cristo lhe deu exemplo em Seu conflito com o inimigo no deserto da tentação?Deus não pode salvar o homem contra a sua vontade do poder dos ardis de Satanás. O homem precisa utilizar seu poder humano, ajudado pelo divino poder de Cristo, para resistir e vencer, custe o que custar. Em suma, o homem precisa vencer como Cristo venceu.” – Testimonies, vol. 4, pág. 32-33” (Lição da Escola Sabatina 4° trim. 1990 A Carta aos Romanos pág. 74)

Vimos que na lição da escola sabatina tanto o pecado habitual como o ocasional não deve ser tolerado e a serva do Senhor afirma que precisamos vencer “como Cristo venceu.” A possibilidade de pecar continuará existindo, continuaremos sendo susceptíveis ao pecado, mas enquanto Cristo estiver realmente reinando no coração, não pecaremos, seja de forma habitual ou ocasional.

Esta é uma verdade que precisamos enfrentar. Este deve ser o nosso propósito, nosso alvo: eliminar da nossa vida completamente o pecado, habitual ou ocasional. A última geração será composta por servos de Deus que foram transformados pelo Senhor Espírito Santo e obtiveram completa vitória sobre o pecado. Que o Senhor nos ajude e nos transforme.

Para esclarecer melhor pensemos nesta estória: uma pessoa que descobre que é portadora do vírus HIV. Imaginemos que sua  primeira pergunta ao médico foi: “Então doutor eu tenho muitos ou poucos vírus?” Então o médico responde: “Bom, a doença está em sua fase inicial.” Seria ridículo se a pessoa doente interpretasse a resposta do médico como sendo uma afirmação de que ela ainda esta com poucos vírus e se acomodasse, não procurando se tratar e eliminar completamente esta doença do seu organismo. O que aconteceria com esta pessoa? A doença aumentaria, a quantidade de vírus se multiplicaria levando essa pessoa a morte. O que torna uma pessoa aidética é o fato de possuir o vírus HIV, não importando a quantidade. Muitos vírus, poucos vírus, até mesmo um vírus será fatal se o seu portador não for tratado.

O mesmo acontece com o pecado. Apenas um pecado contamina toda a alma:

“Se um pecado é nutrido na alma, ou uma prática errônea conservada na vida, todo o ser é contaminado. O homem torna-se instrumento de injustiça.” DTN, pág. 313

“Qualquer hábito ou prática conducente ao pecado, capaz de trazer desonra sobre Cristo, convém ser posto de lado, seja qual for o sacrifício. Aquilo que desonra a Deus, não pode ser benéfico à alma. A bênção do Céu não pode seguir qualquer homem no violar os eternos princípios do direito. E um pecado alimentado é suficiente para operar a degradação do caráter e desencaminhar a outros.” DTN, pág. 439

Vimos que um pecado se não for eliminado é “suficiente para operar a degradação do caráter e desencaminhar a outros.” Então concluímos que assim como uma pessoa que tem AIDS  de lutar pela eliminação do vírus em seu organismo, nós também devemos lutar pela eliminação completa do pecado em nossa vida. Devemos dar graças a Deus porque a eliminação do pecado de forma plena é possível através do sangue de Jesus.

“Se, porem, andarmos na luz, como ele está na luz, mantemos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, seu filho, nos purifica de todo pecado.” 1 João 1:7

“Ponde a vontade do lado de Cristo. Desejai servi-Lo e, agindo sobre Sua Palavra, recebereis força. Seja qual for a má prática, a dominante paixão que, devido à longa condescendência, acorrenta alma e corpo, Cristo é capaz de libertar, e anseia fazê-lo. Comunica vida à alma morta em ofensas. Efés. 2:1. Porá em liberdade o cativo preso pela fraqueza, o infortúnio e as cadeias do pecado.” DTN, pág. 203

Certa vez perguntei a um irmão o que ele pensava sobre a possibilidade de perfeição de caráter, passar a viver sem pecar. Este irmão pensou e então respondeu que acreditava ser possível chegar bem perto da perfeição, quase perfeito, uma vida quase sem pecado. Bom este irmão foi sincero e é isso que a maioria pensa. E assim como este irmão, a grande maioria acredita que perfeição de caráter e passar a viver sem pecar é impossível. Algum detalhe, algum pequeno detalhe impediria a plena perfeição.

Vejamos o que a serva do Senhor diz sobre aqueles que não renunciaram “completamente” a seus maus hábitos, cristãos quase perfeitos, uma vida quase sem pecados.

“Alguns há, que parece sempre buscarem a pérola celestial. Não renunciam, porém, completamente a seus maus hábitos. Não morrem para o próprio eu, para que Cristo viva neles. Por este motivo, não acham a pérola valiosa. Não venceram sua ambição profana e seu amor às atrações do mundo. Não tomam a cruz e não seguem a Cristo no caminho da abnegação e sacrifício. Quase cristãos mas não plenamente, parecem estar perto do reino do Céu, mas não podem ali entrar. Quase, mas não completamente salvos, significa estar não quase, porém completamente perdidos.” Parábolas de Jesus pág. 118

Que o Senhor tenha misericórdia de nós e aumente nossa fé. Este é um assunto é essencial e extremamente importante para nossa salvação. Precisamos buscar a plena libertação do pecado para nossa vida e também para que possamos ser mensageiros do Senhor, levando a todos que estão escravizados pelo pecado, esta mensagem maravilhosa, de libertação plena do pecado que o Senhor esta nos oferecendo.

“Quando alguém se volta da imperfeição humana para contemplar a Jesus, dá-se uma divina transformação no caráter. O Espírito de Cristo que opera no coração conforma-o a Sua imagem. Seja pois vosso esforço exaltar a Jesus. Que os olhos do espírito se dirijam ao “Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo”. João 1:29. Empenhando-vos nesta obra, lembrai-vos de que “aquele que fizer converter do erro do seu caminho um pecador salvará da morte uma alma e cobrirá uma multidão de pecados”. Tia. 5:20.” Parábolas de Jesus pág. 250-251

Jesus é o nosso libertador! Falemos a todos que não precisamos mais viver como escravos do pecado.

“O Espírito do Senhor Deus está sobre mim, porque o Senhor me ungiu para pregar as boas novas aos quebrantados aos quebrantados, enviou-me a curar os quebrantados de coração, a proclamar libertação aos cativos e a pôr em liberdade os algemados.” Isaías 61:1

NOSSO GRANDE DEUS É REALMENTE MARAVILHOSO!!!

 QUE O SENHOR SEJA LOUVADO HOJE E SEMPRE!!!

“Cristo não só morreu como nosso sacrifício, mas viveu como nosso exemplo. Em Sua natureza humana, Ele Se apresenta completo, perfeito, imaculado. Ser um cristão é ser como Cristo. Todo o nosso ser, nossa alma, o corpo, o espírito, devem ser purificados, enobrecidos, santificados, até que reflitamos a Sua imagem e imitemos o Seu exemplo.” Ellen White e a Humanidade de Cristo, pág. 150

É Deus exato?

Temos alguns estudos bíblicos que são preparados para que na pregação do evangelho os adventistas possam estudar com os não adventistas. Gostaria de analisar o  estudo número 15 do estudo “A Bíblia Fala” que tem como título, “É Deus Exato?”

Este estudo tem o seguinte texto como introdução:

“Enquanto conversava com o ministro de sua igreja, disse uma senhora: “Eu sei que não estou procedendo como devia, mas Deus compreenderá. Estou certa de que Ele passará por alto os pequeninos pecados que faço, contanto que eu seja sincera.” Parece ser esta a atitude de muitos professos cristãos. Estão, com efeito, dizendo, por suas ações, que Deus não é exato, que Ele fecha os olhos ao pecado, contanto que a pessoa professe ser sincera em sua maneira de proceder. A bíblia diz que Deus salva Seu povo dos seus pecados, mas em parte alguma diz que os salvará nos seus pecados.

Ensina a bíblia que Deus tem determinadas leis no universo, e que essas leis existem para proteger a liberdade de Suas criaturas. Existem porque Deus viu que a violação desses princípios traria doenças, tristezas e morte a seus violadores. Em Provérbios 16:25 diz Salomão: “Há caminho, que parece direito ao homem, mas afinal são caminhos de morte.”

O homem que tome arsênico, pensando tratar-se de um xarope para tosse, morrerá tão depressa como outro que tomou o mesmo veneno sabendo que o é. Aquilo que o homem pensa, não modifica a substância do que bebe. O pensar uma pessoa que o errado seja certo, não consegue transformar o errado em certo, o mal em bem.

Verdade é que Deus por vezes tem passado por alto alguns atos maus da humanidade. Agora, porém, já concedeu ao homem bastante esclarecimento, de modo que não há desculpa para o pecado. Disse Jesus aos fariseus: “Se fosseis cegos, não teríeis pecado algum, mas, porque agora dizeis: Nós vemos, subsiste o vosso pecado.” S. João 9:40. S. Paulo, em Atos 17:30, afirma que nos tempos da ignorância dom homem Deus passou por alto sua conduta pecaminosa, mas agora lhe ordena que se arrependa.”

Temos neste estudo também alguns exemplos bíblicos de como é exata a obediência que o Senhor requer do homem. Saul, Uzá, Adão, mulher de Ló, homem de Deus.

Já fiz com algumas pessoas este estudo tentando mostrar sempre que Deus não desculpará as pessoas que deliberadamente não querem obedecer ao Senhor, não querem por exemplo guardar o sábado, se abster de alimentos impróprios que destroem o santuário de Deus, enfim não querem obedecer a Deus segundo as orientações da bíblia.

Descobri recentemente que antes que nós adventistas ministremos este estudo aos não adventistas é necessário que nós o façamos a nós mesmos.

Ou será que o Senhor é exato, apenas para os não adventistas?  Na verdade nossa responsabilidade é maior, vamos recapitular uma parte do texto que nos prova que realmente nossa responsabilidade é maior.

Afirmamos que não somos cegos e que não somos ignorantes quanto a vontade de Deus. Então com certeza o Senhor não passará por alto nossos pecados. Deus está clamando pelo nosso arrependimento, por uma mudança de conduta do nosso povo.

Vejamos um texto, no qual, a serva do Senhor, de uma forma muito clara afirma que Deus deseja livrar a “todos” dos seus pecados e não em seus pecados:

“Mas orar em nome de Cristo significa muito. Quer dizer que havemos de aceitar-Lhe o caráter, manifestar-Lhe o espírito e fazer Suas obras. A promessa do Salvador é dada sob condição. “Se Me amardes”, diz, “guardareis os Meus mandamentos.” João 14:15. Ele salva os homens, não em pecado, mas do pecado; e os que O amam manifestarão seu amor pela obediência.” DTN pág. 668

Veja bem este texto tem aplicações para todos, adventistas e não adventistas.

Na verdade como povo que possui mais luz, temos uma responsabilidade maior de sermos mais santos, mais puros.

“Somos da mesma fé, membros de uma família, filhos todos do mesmo Pai celestial, tendo a mesma bendita esperança da imortalidade. Quão íntimo e terno não deveria ser o laço que nos une! O povo do mundo observa-nos para ver se nossa fé está exercendo influência santificadora sobre nosso coração. São rápidos para discernir qualquer defeito de nossa vida, qualquer incoerência de nossos atos. Não lhe demos ocasião para vituperar nossa fé. …”Maravilhosa Graça pág. 208

“Nós, como povo, professamos possuir mais verdades do que qualquer outro na Terra. Neste caso, nossa conduta e caráter devem também corresponder à nossa profissão.”Testemunhos Seletos vol. 2 pág. 12

O Senhor deseja que ensinemos não apenas por preceitos, mas também pelo exemplo.

“A vida de Cristo deve ser revelada na humanidade. O homem foi o ato culminante da criação de Deus, formado à imagem de Deus e destinado a ser Sua similitude; mas Satanás tem procurado obliterar a imagem de Deus no homem e imprimir-lhe sua própria imagem. O homem é muito precioso a Deus porque foi formado à Sua imagem. Este fato deve impressionar-nos com a importância de ensinar, por preceito e exemplo,o pecado de contaminar, pela condescendência com o apetite ou por qualquer outra prática pecaminosa, o corpo que deve representar a Deus para o mundo. …”Exaltai-O MM 1992 pág.48

“O Filho unigênito do infinito Deus, através de Suas palavras e de Seu exemplo prático, deixou-nos um exemplo simples, que devemos imitar. Por meio de Suas palavras Ele nos ensinou a obedecer a Deus, e por experiência própria nos mostra como podemos obedecer a Deus. Esta é precisamente a obra que Ele deseja todo homem faça: obedecer a Deus inteligentemente, e por preceito e exemplo ensinar aos outros o que precisam fazer, de modo a serem obedientes filhos de Deus.

Jesus ajudou o mundo todo a obter um conhecimento inteligente de Sua missão e obra divinas. Ele veio para representar o caráter do Pai ao nosso mundo, e ao estudarmos a vida, as palavras e obras de Jesus Cristo, seremos auxiliados de todas as maneiras no aprendizado da obediência a Deus; ao imitarmos o exemplo que Ele nos deixou, seremos cartas vivas, conhecidas e lidas por todos os homens. Somos instrumentos humanos vivos para representar no caráter a Jesus Cristo perante o mundo.

Cristo deu não apenas regras explícitas mostrando como podemos nos tornar filhos obedientes, mas também nos mostrou através de Sua própria vida e caráter como fazer as coisas que são corretas e aceitáveis diante de Deus, de modo a não haver desculpa para não fazermos as coisas que são agradáveis a Sua vista. …

O Grande Mestre veio ao nosso mundo para estar à testa da humanidade, e desse modo erguê-la e santificá-la por meio de Sua santa obediência a todos os requisitos divinos, mostrando que é possível obedecer a todos os mandamentos de Deus. Ele demonstrou que uma vida toda de obediência é possível. Como o Pai deu o Seu Filho, assim Ele dá ao mundo homens escolhidos, representativos, para exemplificarem em sua vida a vida de Jesus Cristo. Manuscrito 1, 1892.” Cuidado De Deus pág.  344

“Se Adão não pôde suportar a menor das provas, não poderia ter resistido a uma prova maior, caso houvessem sido confiadas a ele maiores responsabilidades.Se tivesse sido designada a Adão alguma prova grande, aqueles cujo coração, se inclina para o mal desculpar-se-iam então, dizendo: “Isto é uma coisa trivial, e Deus não é tão exigente a respeito de coisas pequenas”. E haveria contínua transgressão em coisas consideradas pequenas, as quais ficam sem reprovação humana. O Senhor, porém, tornou patente que o pecado, em qualquer grau, é ofensivo para Ele.” Patriarcas e Profetas, pág. 61

“É requerida obediência exata, e os que dizem não ser possível levar uma vida perfeita, lançam sobre Deus a acusação de injustiça e falsidade.” – Reimpressões De Review and Herald, vol. 6pág. 519, ver também Review and Herald, 7de fevereiro de 1957, pág. 30. (Lição da Escola Sabatina, 2° trim. 1989, “Triunfo no Presente e Glória no Futuro” pág. 48

Deus seja para sempre louvado!