Archive for abril \26\UTC 2013|Monthly archive page

Não há desculpas para o pecado

livres do pecadoImagine a humanidade presa no fundo de um grande abismo e cercada por todos os lados por grandes muralhas de pedra impossíveis de serem escaladas. Cristo assumindo a humanidade com todas as suas susceptibilidades, em seu estado caído e mesmo assim não tendo Se contaminado de forma alguma com o pecado, demonstrou como os homens poderiam, fortalecidos por Deus, escapar desse terrível abismo.

Cristo é um exemplo perfeito para o homem de como viver sem o pecado e ao mesmo tempo Ele é o meio pelo qual isso poderá se tornar uma realidade em nossa vida.

Cristo é a fonte de poder, o meio de livramento ou a escada pela qual podemos nos livrar deste abismo que nos prende chamado pecado. Deus seja louvado! Um estudo mais aprofundado poderá ser apreciado na apostila Humanidade de Cristo)

“Cristo é a escada que Jacó viu, tendo a base na Terra, e o topo chegando à porta do Céu, ao próprio limiar da glória. Se aquela escada houvesse deixado de chegar à Terra, por um único degrau que fosse, teríamos ficado perdidos. Mas Cristo vem ter conosco onde nos achamos. Tomou nossa natureza e venceu, para que, revestindo-nos de Sua natureza, nós pudéssemos vencer. Feito “em semelhança da carne do pecado” (Rom. 8:3), viveu uma vida isenta de pecado. Agora, por Sua divindade, firma-Se ao trono do Céu, ao passo que, pela Sua humanidade, Se liga a nós. Manda-nos que, pela fé nEle, atinjamos à glória do caráter de Deus. Portanto, devemos ser perfeitos, assim como “é perfeito vosso Pai que está nos Céus”. Mat. 5:48.” O Desejado De Todas As Nações, pág. 311-312

Nos próximos textos do Espírito de Profecia veremos que, por tudo que o Senhor já fez por nós e deseja fazer em nós, não há nenhuma desculpa que justifique a existência e permanência do pecado em nossa vida:

Homens e mulheres inventam desculpas para a sua inclinação para o pecado. O pecado é apresentado como uma necessidade, um mal que não pode ser vencido. O pecado, no entanto, não é uma necessidade. Cristo viveu neste mundo, desde a infância à idade adulta, e no decorrer desse tempo enfrentou e resistiu todas as tentações que assediam os homens. Ele é um modelo perfeito de infância, de juventude e de maturidade.” Manuscrito 31, 1911.

A vida de Cristo mostrou o que a humanidade pode fazer se participar da natureza divina. Tudo quanto Cristo recebeu de Deus, podemos nós possuir também. Portanto, pedi e recebei. … Que vossa mente seja possuída pelas gloriosas concepções de Deus. Una-se vossa vida, por elos ocultos, à vida de Jesus. Parábolas de Jesus, pág. 149.” Fé Pela Qual Eu Vivo, MM 1959, pág. 219

“A atuação do tentador não deve ser usada como desculpa para que alguém aja erradamente. Satanás se rejubila quando ouve os professos seguidores de Cristo arranjando desculpas para suas deformidades de caráter. São tais desculpas que conduzem ao pecado. Um temperamento santificado, uma vida semelhante à de Cristo, podem ser conseguidos por todo penitente filho de Deus. Review and Herald, 31 de outubro de 1907.” Refletindo A Cristo, MM 1988, pág. 285

“Não há segurança para homem algum, jovem ou idoso, a menos que sinta a necessidade de buscar de Deus conselho a cada passo. Somente os que mantêm íntima comunhão com Deus aprenderão a estimá-Lo acima dos homens, a reverenciar o que é puro, bom, humilde e manso. O coração precisa ser fortalecido como o de José. Então as tentações para que se afaste da integridade serão enfrentadas com decisão: “Como, pois, faria eu este tamanho mal e pecaria contra Deus?” Gên. 39:9. A mais forte tentação não é desculpa para o pecado. Não importa quão severa seja a pressão exercida sobre vós, o pecado é ato vosso. A sede da dificuldade é o coração não renovado. Manuscrito 19a, 1890.” O Lar Adventista, pág. 331

“Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá  que sejais tentados além das vossas forças pelo contrário, juntamente com à tentação, vos proverá livramento de sorte que a possais suportar.” 1° Coríntios 10:13

“A influência do tentador não deve ser considerada desculpa para qualquer má ação. Satanás rejubila quando ouve os professos seguidores de Cristo apresentarem desculpas quanto à sua deformidade de caráter. São essas escusas que levam ao pecado. Não há desculpas para pecar. Uma santa disposição, uma vida cristã, são acessíveis a todo filho de Deus, arrependido e crente.” O Desejado de Todas as Nações, pág. 311.

“Satanás … transforma-se em anjo de luz, achega-se aos jovens com suas enganosas tentações, e é bem-sucedido em os atrair, passo a passo, do caminho do dever. Ele é descrito como um acusador, enganador, mentiroso, atormentador e homicida. … É a ação de Satanás tentar-vos; é vossa a de ceder-lhe. Não se acha no poder de todo o exército satânico o forçar o tentado a transgredir. Não há desculpa para o pecado.” Mensagens aos Jovens, págs. 429 e 430

 “O grande Mestre veio a nosso mundo, não somente para fazer expiação pelo pecado, mas também para ser um mestre tanto por preceito como pelo exemplo. Veio mostrar ao homem como guardar a lei na humanidade, de modo que ele não tivesse nenhuma desculpa para seguir seu próprio critério imperfeito. Vemos a obediência de Cristo. Sua vida era sem pecado. A obediência durante toda a Sua vida é uma censura à humanidade desobediente. A obediência de Cristo não deve ser posta de lado como se fosse completamente diferente da obediência que Ele requer de nós individualmente. Cristo nos mostrou que é possível para toda a humanidade obedecer às leis de Deus. …’ ME, Vol. 3, pág. 135

“Cristo foi afligido, insultado, maltratado; à esquerda e à direita era Ele assaltado por tentações, e todavia não pecou, antes apresentou a Deus obediência perfeita, inteiramente satisfatória. Removeu assim toda sombra de desculpa à desobediência. Veio para mostrar ao homem a maneira de obedecer, de observar todos os mandamentos. Lançou mão do poder divino, e é esta a única esperança do pecador. Deu a vida para que ao homem fosse possível partilhar da natureza divina, havendo escapado à corrupção que se encontra no mundo mediante a concupiscência. …” Mensagens Aos Jovens, pág. 165

Se existe justificativa ou uma boa desculpa não é justo haver punição.

Uma pessoa está envolvida em um acontecimento que é considerado como sendo um erro, mas prova existir uma justificativa ou uma boa desculpa para aquele acontecimento, então essa pessoa é desculpada, ou seja, é perdoada.

Exemplificando melhor a afirmação acima imaginemos que esta pessoa dirige um caminhão em uma rua de forte inclinação. Este caminhão desce em alta velocidade atinge alguns carros que estavam estacionados, fere algumas pessoas e destrói parte de uma casa onde finalmente parou. Ao ser realizada uma investigação fica constatado que aquele caminhão, apesar de receber constantemente todos os cuidados necessários para uma boa manutenção em uma oficina legalizada e credenciada pelo fabricante, sendo que, portanto deveria estar em perfeito estado de uso, apresentou falhas mecânicas consequência de um erro da equipe que realizou a última manutenção desse caminhão.

Creio que todos concordam que não seria justo culpar aquele motorista pelo acontecido. Naquele momento era impossível que ele parasse aquele caminhão. Nesta história este motorista está mais como vítima do que culpado. A culpa e as cobranças pelo acontecido deve ser  atribuída aquela equipe que realizou a última manutenção do caminhão.

Vamos pensar agora no pecado. Se é verdade ser impossível viver sem o pecado, punir o pecador seria o mesmo que punir aquele motorista que está em um caminhão desgovernado por ser impossível controla-lo. Justo seria então Deus salvar a todos, porque afinal todos estariam em uma situação impossível de se escapar e então, teriam uma boa desculpa para permanecerem no pecado.

Deus não salvará homem algum em seus pecados, mas nosso Deus não deixará de ser justo ao condenar e destruir o pecador que não abandonar todos seus pecados. Nosso Deus concede para os homens todas as condições necessárias para que os homens passem a viver completamente livre do pecado, sendo assim permanecer no pecado é na verdade uma atitude de rejeição da graça de Deus oferecida para nossa libertação. (Ver: Cristo veio nos salvar do pecado)

Arrumar desculpas para o pecado é o mesmo que defendê-lo.

Arrumar desculpas para o pecado ou para o pecador é o mesmo que defendê-lo. Este pecador tendo justificativas ou uma desculpa não poderia ser condenado pelo Senhor, suas atitudes deixariam de ser consideradas erradas ou deixaria de ser pecado diante de Deus.

“O pecado é um intruso, por cuja presença nenhuma razão se pode dar. É misterioso, inexplicável; desculpá-lo corresponde a defendê-lo. Se para ele se pudesse encontrar desculpa, ou mostrar-se causa para a sua existência, deixaria de ser pecado. Nossa única definição de pecado é a que é dada na Palavra de Deus; é: “quebrantamento da lei”; é o efeito de um princípio em conflito com a grande lei do amor, que é o fundamento do governo divino.”  Grande Conflito, pág. 493

É necessário colocar um ponto final nesta história de vida pecaminosa. Precisamos parar, dar um basta em arrumar desculpas para o pecado. Precisamos orar mais e pedir que o Senhor venha aumentar nossa fé,  pedir que expulse completamente o pecado da nossa vida.

Afirmar que é impossível viver sem pecar é limitar o poder de Deus e exaltar Satanás. Cremos que nosso Deus é poderoso e viver sem pecado pode se tornar uma realidade em nossa vida agora. Você crê? Deus seja louvado!

“Tudo posso naquele que me fortalece.”  Filipenses 4:13

 “A religião que faz do pecado coisa leve, confiando no amor de Deus para com o pecador a despeito de suas ações, só anima o pecador a crer que Deus o receberá mesmo continuando naquilo que sabe ser pecado. Isto é o que estão fazendo alguns que professam crer na verdade presente. A verdade é mantida à parte da vida, e essa é a razão por que ela não tem poder para convencer e converter a alma.” Testemunhos Seletos, vol. 2, pág. 212

“Há esperança para cada um de nós, mas de uma só maneira – apegando-nos a Cristo e empregando toda energia para obter a perfeição de Seu caráter. Essa religião piegas que faz pouco do pecado, e só realça o amor de Deus pelo pecador, encoraja os pecadores a crer que Deus os salvará enquanto continuarem no pecado, sabendo que é pecado. É isso que estão fazendo muitos que professam crer na verdade presente.” Cristo Triunfante, MM 2002, pág. 80

“Essa religião sentimental que não faz caso do pecado e que só se demora no amor de Deus pelo pecador, estimula-o a crer que Deus o salvará embora continue em pecado e saiba que é pecado. É assim que estão procedendo muitos que professam crer na verdade presente. A verdade é mantida fora de sua vida, e esta é a razão por que ela não tem mais poder para convencer e converter a alma. Deve haver o máximo esforço de todo nervo, e espírito e músculo para deixar o mundo, seus costumes, suas práticas e suas modas. […] Se abandonardes o pecado e exercerdes viva fé, as riquezas das bênçãos do Céu serão vossas. Carta 53, 1887.” Mensagens Escolhidas,  vol. 3, pág. 155

“Quem não possui suficiente fé em Cristo para crer que Ele pode guardá-lo de pecar, não tem a fé necessária para entrar no reino de Deus.” Ellen G. White, Review and Herald, 10 de março de 1904 (Lição da Escola Sabatina, 3° Trim. 1995, lição 7, pág. 5)

O “Caminho” para a libertação

andar como Jesus andou

Temos visto pessoas usando 1° João 1:8 e 1° João 1:10  para justificar a existência e principalmente a permanência do pecado na vida dos homens, sendo portanto segundo essas pessoas impossível que o pecado seja eliminado completamente na vida do homem. Será que essas pessoas estão certas ao chegarem a essa conclusão se baseando nesses dois versos? Que seja o desejo de cada um de nós recebermos do Senhor sabedoria para estudarmos Sua palavra! Que o Senhor Espírito Santo nos ilumine!

“Se dissermos que não temos pecado nenhum, a nós mesmos nos enganamos, e a verdade não está em nós.” 1° João 1:8

“Se dissermos que não pecamos, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós.”  1 João 1:10

1° João 1:8 e 1° João 1:10 é a declaração de uma condição que todos os homens devem reconhecer, somos todos pecadores e necessitamos da graça de Deus.

Quando acontece o diagnóstico de uma grave doença passa existir a necessidade que, o portador desta doença, aceite o diagnóstico e consequentemente sinta a necessidade também de ser tratado e também aceite o tratamento. 1° João 1:8 é o diagnóstico da doença chamada pecado. Os portadores desta doença são todos os homens. Tratamento: o sangue de Jesus.

“Todo aquele que é nascido de Deus não vive na prática do pecado; pois o que permanece nele é a divina semente; ora, esse não pode viver pecando, porque é nascido de Deus.” 1° João 3:9

Aparentemente existe contradição entre 1° João 1:8, 1° João 1:10 e 1 João 3:9. Mas não existe. Estes versos realmente não se contradizem, mas se completam.

1° João 1:8 e 1° João 1:10  descrevem uma condição que devemos reconhecer como sendo uma realidade na vida de todos os homens para então nos achegarmos a Deus, buscando cura, restauração e libertação.

1° João 3:9 descreve a condição de vida que alcançará todo aquele que realmente estiver vivendo ao lado de Jesus: uma vida livre da escravidão do pecado.                                      

  • O Caminho da libertação

Agora uma mudança da nossa vida como pecadores declarada em 1° João 1:8 para uma vida livre do pecado declarada em 1° João 3:9 existe um Caminho que podemos encontrar nas santas escrituras:

  • “Se dissermos que não temos pecado nenhum, a nós mesmos nos enganamos, e a verdade não está em nós.” 1 João 1:8
  • “Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.” 1 João 1:9
  • “Se dissermos que não temos cometidos pecado, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós.” 1 João 1:10

Vemos que entre dois versos que nos fala da nossa condição como pecadores está um verso nos mostra o Caminho para a libertação. Nesse verso encontramos o perdão que o Senhor quer nos oferecer (Justiça Imputada) e também a purificação que o Senhor quer operar em nossa vida, (Justiça Comunicada).

“O perdão de Deus não é meramente um ato judicial pelo qual Ele nos livra da condenação. É não somente perdão pelo pecado, mas livramento do pecado. É o transbordamento de amor redentor que transforma o coração.” O Maior Discurso de Cristo, pág. 114

“A religião de Cristo significa mais que o perdão dos pecados; significa remover nossos pecados e encher o vácuo com as graças do Espírito Santo. Significa iluminação divina e regozijo em Deus. Significa um coração despojado do próprio eu e abençoado pela presença de Cristo. Quando Cristo reina na alma há pureza e libertação do pecado. A glória, a plenitude, a perfeição do plano do evangelho são cumpridas na vida. A aceitação do Salvador traz paz perfeita, perfeito amor, segurança perfeita. A beleza e fragrância do caráter de Cristo manifestadas na vida, testificam de que em verdade Deus enviou Seu Filho ao mundo para o salvar.” Parábolas de Jesus, pág. 419-420

“Como o perdão de Deus é identificado com a justificação, os mesmos dois aspectos que se encontram no perdão precisam ser incluídos na definição bíblica da justificação: a)  O ato legal pelo qual Deus declara extinta a culpa do pecador (Rom.8:1)e lhe atribui a justiça de Cristo; e b) a transformação do coração do pecador na experiência do novo nascimento.” Lição da Escola Sabatina, 2° trim. 1990,  Cristo o Único Caminho, pág. 43

Vejamos no texto a seguir  que 1 João 1:9  pode e deve ser aplicado destacando também a purificação que o Senhor deseja realizar em nossa vida e não somente de perdão:

“Quando pedimos bênçãos terrestres, a resposta a nossa oração talvez seja retardada, ou Deus nos dê outra coisa que não aquilo que pedimos; não assim, porém, quando pedimos livramento do pecado. É Sua vontade limpar-nos dele, tornar-nos Seus filhos, e habilitar-nos a viver uma vida santa. Cristo “Se deu a Si mesmo por nossos pecados, para nos livrar do presente século mau, segundo a vontade de Deus nosso Pai” Gál. 1:4. E “esta é a confiança que temos nEle, que, se pedirmos alguma coisa, segundo a Sua vontade, Ele nos ouve. E, se sabemos que nos ouve em tudo o que pedimos, sabemos que alcançamos as petições que Lhe fizemos”. I João 5:14 e 15. “Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo, para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça.” I João 1:9.” DTN, pág. 266

  • Purificação através do sangue de Jesus 

“Se, porém, andarmos na luz, como Ele está na luz, mantemos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, Seu Filho, nos purifica de todo pecado.” 1 J oão 1:7 

“A religião de Jesus Cristo significa algo mais do que conversa. A justiça de Cristo consiste em ações corretas e boas obras provenientes de motivos puros e altruístas. Justiça exterior, enquanto faltar o adorno interior, de nada valerá. “Ora, a mensagem que, da parte dEle, temos ouvido e vos anunciamos é esta: que Deus é luz, e não há nEle treva nenhuma. Se dissermos que mantemos comunhão com Ele e andarmos nas trevas, mentimos e não praticamos a verdade. Se, porém, andarmos na luz, como Ele está na luz, mantemos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, Seu Filho, nos purifica de todo pecado.” I João 1:5-7. Se não temos a luz e o amor de Deus, não somos Seus filhos. Se não ajuntamos com Cristo, espalhamos. Todos temos influência, e essa influência repercute sobre o destino dos outros, para seu bem presente e futuro, ou para sua perda eterna.”  Este Dia Com Deus, pág. 180

“As Escrituras nos ensinam a buscar santificar corpo, alma e espírito a Deus. Nesta obra, devemos ser coobreiros de Deus. Muito se pode fazer para restaurar a imagem moral de Deus no homem, para melhorar as faculdades físicas, mentais e morais. Grandes mudanças se podem operar no organismo físico mediante obediência às leis de Deus e não introduzindo no corpo coisa alguma que contamine. E se bem que não possamos pretender a perfeição da carne, podemos possuir perfeição cristã da alma. Mediante o sacrifício feito em nosso favor, os pecados podem ser perfeitamente perdoados. Nossa confiança não está no que o homem pode fazer; sim, naquilo que Deus pode fazer pelo homem por meio de Cristo. Quando nos entregamos inteiramente a Deus, e cremos plenamente, o sangue de Cristo purifica de todo pecado. A consciência pode ser libertada da condenação. Pela fé em Seu sangue, todos podem ser aperfeiçoados em Cristo Jesus. Graças a Deus por não estarmos lidando com impossibilidades. Podemos pretender santificação.” ME, vol. 2 pág.32

  • Andar como Jesus andou 

“Aquele que diz que está nEle também deve andar como Ele andou.” I João 2:6.

Vejamos um texto maravilhoso da serva do Senhor onde ela menciona 1° João 2:6: 

“Jesus – Nosso Modelo Perfeito”

“Aquele que diz que está nEle também deve andar como Ele andou.” I João 2:6.

Temos diante de nós o exemplo mais elevado e mais santo. Jesus não pecou quer por pensamento, palavra ou ato. Tudo quanto fez, caracterizou-se pela perfeição. Ele nos mostra o caminho por onde andou, dizendo: “Se alguém quiser vir após Mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz e siga-Me.” Mat. 16:24. Review and Herald, 26 de abril de 1906. Cristo reúne em Sua pessoa a plenitude e perfeição da Divindade, e a da humanidade sem pecado. Ele enfrentou todas as tentações que assaltaram a Adão, e as venceu porque em Sua humanidade confiava no poder divino. Este assunto precisa decididamente ser mais estudado do que o é. Os cristãos não se aprofundam. Contentam-se com uma experiência espiritual de superfície, e por isso só têm os bruxoleios da luz, quando podiam ter muito mais amplo conhecimento, e discernirem com mais clareza a maravilhosa perfeição da humanidade de Cristo, que sobreleva muito acima de toda a grandeza humana e de todo humano poder. A vida de Cristo é uma revelação de como seres humanos se podem tornar por meio da união e comunhão com a natureza divina. … Homens e mulheres inventam desculpas para a sua inclinação para o pecado. O pecado é apresentado como uma necessidade, um mal que não pode ser vencido. O pecado, no entanto, não é uma necessidade. Cristo viveu neste mundo, desde a infância à idade adulta, e no decorrer desse tempo enfrentou e resistiu todas as tentações que assediam os homens. Ele é um modelo perfeito de infância, de juventude e de maturidade. Manuscrito 31, 1911. A vida de Cristo mostrou o que a humanidade pode fazer se participar da natureza divina. Tudo quanto Cristo recebeu de Deus, podemos nós possuir também. Portanto, pedi e recebei. … Que vossa mente seja possuída pelas gloriosas concepções de Deus. Una-se vossa vida, por elos ocultos, à vida de Jesus. Parábolas de Jesus, pág. 149.” Fé Pela Qual Eu Vivo, MM, pág. 219

Agora um texto maravilhoso ressaltando 1 João 3:3:                

“Ser puro como Ele é puro” 

“E a si mesmo se purifica todo o que nele tem esta esperança, assim como ele é puro.” 1 João 3:3

Tenhamos como único objetivo a glória de Deus. Não permitamos que coisa alguma se interponha entre nós e Ele. Se prosseguirmos “em conhecer ao Senhor” saberemos que “a Sua saída será como a alva; e Ele descerá sobre nós como a chuva, como chuva serôdia que rega a Terra”. Se somos participantes da natureza divina, refletiremos na vida e no caráter a imagem de nosso Senhor divino. Não podemos ser indolentes em procurar obter essa perfeição de caráter. Não podemos submeter-nos passivamente às nossas circunstâncias, pensando que outros farão a obra para nós. “E a si mesmo se purifica todo o que nEle tem esta esperança, assim como Ele é puro.”  Exaltai-o, pág. 334

Outra preciosidade, agora para 1 João 3:7:

 Justo como Ele é justo”

“Filhinhos, não vos deixeis enganar por ninguém; aquele que pratica a justiça é justo, assim como Ele é justo.” 1 João 3:7

“Os filhos de Deus não serão como os mundanos, pois a verdade recebida no coração será o meio de purificar o coração e transformar o caráter, e fazer com que o seu recebedor adquira uma mente semelhante à de Deus. A menos que o homem se torne mentalmente semelhante a Deus, ele continuará em sua depravação natural. Se Cristo habitar no coração, Ele será sentido no lar, no escritório, na feira, na igreja. O poder da verdade será manifestado na elevação e enobrecimento da mente, e no abrandamento e submissão do coração, levando o homem todo a ter harmonia com Deus. Aquele que é transformado pela verdade difundirá luz sobre o mundo. Aquele que possui a esperança de Cristo no íntimo purificará a si mesmo assim como Ele é puro. A esperança do aparecimento de Cristo é uma grande esperança, uma esperança de vasto alcance. E a esperança de ver o Rei em Sua formosura, e de ser semelhante a Ele. […] Aquele que espera em Cristo é aperfeiçoado no amor de Deus, e seus propósitos, pensamentos, palavras e ações estão em harmonia com a vontade de Deus expressa nos mandamentos da Sua lei. No coração do homem que espera em Cristo não há nada que guerreie contra algum preceito da lei de Deus. Se o Espírito de Cristo está no coração, o caráter de Cristo será revelado, e haverá mansidão sob provocação, e paciência sob provação. “Filhinhos, não vos deixeis enganar por ninguém; aquele que pratica a justiça é justo, assim como Ele é justo.” I João 3:7. A justiça pode ser definida unicamente pela grande norma moral de Deus, os Dez Mandamentos. Não há outra regra pela qual medir o caráter. Signs of the Times, 20 de junho de 1895.”  Refletindo A Cristo, pág. 51

Nos textos que a seguir veremos que a serva do Senhor, ao comentar a primeira epístola de João, revela com muita clareza que é a vontade do Senhor que seus filhos tenham uma vida completamente livre da presença do pecado: 

“Vencer o Mundo Pela Fé”

“Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé.” I João 5:4.

Satanás apresenta hoje em dia as mesmas tentações que apresentava a Cristo, oferecendo-nos os reinos deste mundo em troca de nossa submissão. Mas sobre os que olham a Jesus como autor e consumador de sua fé, as tentações de Satanás não têm poder. Ele não pode fazer pecar aquele que, pela fé, aceita as virtudes dAquele que foi tentado em todos os pontos em que nós o somos, mas sem pecado.

Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Seu Filho unigênito, para que todo aquele que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” João 3:16. Aquele que se arrepende de seu pecado e aceita o dom da vida do Filho de Deus, não pode ser vencido. Lançando, pela fé, mão da natureza divina, torna-se filho de Deus. Ele ora, crê. Quando tentado e provado, suplica o poder que Cristo deu ao morrer, e vence pela Sua graça. Isso todo pecador necessita compreender. Ele precisa arrepender-se de seu pecado, precisa crer no poder de Cristo, e aceitar esse poder de salvar e guardá-lo do pecado. Review and Herald, 28 de janeiro de 1909.

O cristão não deve manter seus hábitos pecaminosos e nutrir seus defeitos de caráter; mas ser renovado no espírito de sua mente segundo a semelhança divina. Seja qual for a natureza de vossos defeitos, o Espírito do Senhor vos habilitará a discerni-los, e ser-vos-á dada graça por meio da qual eles sejam vencidos. Pelos méritos do sangue de Cristo podeis ser um vencedor, sim, mais que vencedor. …

A verdade precisa ser recebida no coração, e realizará a santificação do caráter. Ela refinará e elevará a vida, habilitando-vos para a entrada nas mansões que Jesus foi preparar para os que O amam. O Céu vale tudo para nós, e se o perdermos, tudo perderemos.” Manuscrito 51. Filhos e Filhas de Deus, pág. 349 

“Somos Guardados de Pecar”

“Qualquer que permanece nEle não peca.” I João 3:6.

A mera profissão de piedade é destituída de valor. O que permanece em Cristo, esse é cristão. Pois “qualquer que nEle tem esta esperança purifica-se a si mesmo, como também Ele é puro”. I João 3:3. Em todos os lugares, em todas as nações, nossa juventude deve cooperar com Deus. A única maneira por que uma pessoa pode ser pura, é tornar-se semelhante a Deus no espírito. Como podemos conhecer a Deus? – Estudando Sua Palavra. [ …] É pela fé em Jesus Cristo que a verdade é aceita no coração e o instrumento humano é limpo e purificado. Jesus foi “ferido pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre Ele, e, pelas Suas pisaduras, fomos sarados”. Isa. 53:5. É possível ser sarado enquanto se está conscientemente cometendo pecado? – Não; é a fé genuína que diz: “Sei que tenho cometido pecado, mas que Jesus me perdoou; e daqui em diante resistirei à tentação em Sua força e por Sua força.” “Qualquer que nEle tem esta esperança [permanente nele] purifica-se a si mesmo, como também Ele é puro. I João 3:3. Tem em sua vida um princípio permanente, que o habilita a vencer a tentação. “Qualquer que permanece nEle não peca.” I João 3:6. Deus tem poder para a pessoa que está em Cristo, quando essa se acha sob tentação. “Qualquer que peca não O viu nem O conheceu.” I João 3:6. Isto é, todo aquele que é um crente genuíno, é santificado pela verdade, na vida e no caráter. “Filhinhos, ninguém vos engane. Quem pratica [não professa praticar] a justiça é justo, assim como Ele é justo.” I João 3:7. “Qualquer que é nascido de Deus não comete pecado; … porque é nascido de Deus. Nisto são manifestos os filhos de Deus e os filhos do diabo.” Ora notai onde está a distinção: “Qualquer que não pratica a justiça e não ama a seu irmão não é de Deus.” I João 3:9 e 10. “Meus filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas por obra e em verdade.” I João 3:18. The Youth’s Instructor, 15 de fevereiro de 1894.    Filhos e Filhas de Deus, pág. 297

“Mas notai aqui que a obediência não é mera aquiescência externa, mas sim o serviço de amor. A lei de Deus é uma expressão de Sua própria natureza; é uma corporificação do grande princípio do amor, sendo, daí o fundamento de Seu governo no Céu e na Terra. Se nosso coração é renovado à semelhança de Deus, se o amor divino é implantado na alma, não será então praticado na vida a lei de Deus? Implantado no coração o princípio do amor, renovado o homem segundo a imagem dAquele que o criou, cumpre-se a promessa do novo concerto: “Porei as Minhas leis em seu coração e as escreverei em seus entendimentos.” Heb. 10:16. E se a lei está escrita no coração, não moldará ela a vida? A obediência – nosso serviço e aliança de amor – é o verdadeiro sinal de discipulado. Assim diz a Escritura: “Porque esta é a caridade [ou amor] de Deus: que guardemos os Seus mandamentos.” I João 5:3. “Aquele que diz: Eu conheço-O e não guarda os Seus mandamentos é mentiroso, e nele não está a verdade.” I João 2:4. É a fé, e ela só, que, em vez de dispensar-nos da obediência, nos torna participantes da graça de Cristo, a qual nos habilita a prestar obediência. Não ganhamos a salvação por nossa obediência; pois a salvação é dom gratuito de Deus, e que obtemos pela fé. Mas a obediência é fruto da fé. “Bem sabeis que Ele Se manifestou para tirar os nossos pecados; e nEle não há pecado. Qualquer que permanece nEle não peca: qualquer que peca não O viu nem O conheceu”. I João 3:5 e 6. Aí é que está a verdadeira prova. Se habitamos em Cristo, se o amor de Deus habita em nós, nossos sentimentos, nossos pensamentos, nossas ações estão em harmonia com a vontade de Deus tal como se expressa nos preceitos de Sua santa lei. “Filhinhos, ninguém vos engane. Quem pratica justiça é justo, assim como Ele é justo.” I João 3:7. A justiça está definida no padrão da santa lei de Deus, expressa nos dez preceitos dados no Sinai. A chamada fé em Cristo que professa desobrigar os homens da obediência a Deus, não é fé, mas presunção. “Pela graça sois salvos, por meio da fé.” Efés. 2:8. Mas “a fé, se não tiver as obras, é morta em si mesma”. Tia. 2:17. Jesus disse de Si mesmo, antes de descer à Terra: “Deleito-Me em fazer a Tua vontade, ó Deus Meu; sim, a Tua lei está dentro do Meu coração.” Sal. 40:8. E justamente antes de ascender para o Céu, declarou: “Tenho guardado os mandamentos de Meu Pai e permaneço no Seu amor.” João 15:10. Diz a Escritura: “Nisto sabemos que O conhecemos: se guardarmos os Seus mandamentos. Aquele que diz que está nEle também deve andar como Ele andou.” I João 2:3 e 6. “Pois também Cristo padeceu por nós, deixando-nos o exemplo, para que sigais as Suas pisadas.” I Ped. 2:21. A condição de vida eterna é hoje justamente a mesma que sempre foi – exatamente a mesma que foi no paraíso, antes da queda de nossos primeiros pais – perfeita obediência à lei de Deus, perfeita justiça. Se a vida eterna fosse concedida sob qualquer condição inferior a essa, correria perigo a felicidade do Universo todo. Estaria aberto o caminho para que o pecado, com todo o seu cortejo de infortúnios e misérias, se imortalizasse.” Caminho a Cristo pág. 61-62

“Há os que professam possuir santidade, que se declaram santos do Senhor, que reclamam como um direito a promessa de Deus, ao mesmo tempo que recusam obediência aos mandamentos de Deus. Esses transgressores da lei reclamam tudo quanto é prometido aos filhos de Deus; mas isto é presunção da parte deles, pois João nos diz que o verdadeiro amor a Deus se revelará na obediência a todos os Seus mandamentos. Não basta crer na teoria da verdade, fazer uma profissão de fé em Cristo, crer que Jesus não é um impostor, e que a religião da Bíblia não é uma fábula artificialmente composta. “Aquele que diz: Eu conheço-O”, escreveu João, “e não guarda os Seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está a verdade. Mas qualquer que guarda a Sua palavra, o amor de Deus está nele verdadeiramente aperfeiçoado: nisto conhecemos que estamos nEle.” I João 2:4 e 5. “Aquele que guarda os Seus mandamentos nEle está, e Ele nele.” I João 3:24.

João não ensinou que a salvação devia ser adquirida pela obediência, mas que a obediência é fruto da fé e do amor. “E bem sabeis que Ele Se manifestou para tirar os nossos pecados”, disse, “e nEle não há pecado. Qualquer que permanece nEle não peca; qualquer que peca não O viu nem O conheceu.” I João 3:5 e 6. Se estivermos em Cristo, se o amor de Deus estiver no coração, nossos sentimentos, pensamentos e ações estarão em harmonia com a vontade de Deus. O coração santificado está em harmonia com os preceitos da lei de Deus.” Atos dos Apóstolos, pág. 562-563 

O Caminho para alcançarmos uma vida livre da escravidão do pecado é Jesus. Não existe nada em nossa vida que não possa ser mudado por esta graça maravilhosa. Devemos parar de justificar o pecado e aceitarmos de fato, em espírito e em verdade, a Jesus. Clamemos poder ao Senhor Espírito Santo para que possa nos transformar e nos libertar completamente da presença e poder do pecado. Que o Senhor seja louvado!!!

A Lição da Escola Sabatina, 4° trim. 1990, A Carta aos Romanos, pág.74, diz assim:

 “O pecado permanece na vida, se não reina mais nela?” Rom. 6:12-14

“Nossa natureza humana decaída certamente continua tendo propensões para o mal. Mas esse “eu” decaído é subjugado diariamente pelo poder de Cristo em nosso íntimo. (Ver Gál. 2:20.) Em Rom. 6:12, Paulo está falando sobre o perigo de ceder aos impulsos de nossa natureza humana decaída. Quando fazemos isso, o pecado reina em nosso corpo. Quando Cristo reina na vida, o pecado não poderá fazê-lo.

João enfatizou a mesma verdade. (Ver 1 S. João3:8-9.) Ele não ensinou que, embora o pecado habitual seja do diabo, o pecado ocasional é permissível. Todo pecado é do diabo, e se Cristo vive na vida pelo Espírito Santo, o pecado não poderá existir ali.”

“Cristo tomou a humanidade e suportou o ódio do mundo para que pudesse revelar a homens e mulheres que estes poderiam viver sem pecado, que suas palavras, atos, seu espírito, poderiam ser santificados para Deus. Podemos ser cristãos perfeitos se manifestarmos esse poder em nossa vida. Quando a luz do céu repousar sobre nós continuamente, representaremos a Cristo. Foi a justiça revelada em Sua vida que O distinguiu do mundo e despertou seu ódio. […] As palavras de Cristo são ditas para Seu povo em todas as épocas- para nós sobre quem o fim dos séculos é chegado.”- Manuscrito 97, 16 de outubro de 1909, “ Eu Sou a Videira Verdadeira”, sermão pregado em San José, Califórnia. Olhando Para O Alto MM, pág. 297.

Jesus pode nos guardar de tropeçar

não quero tropeçarUm texto formidável para reflexão:

Jesus pode nos guardar de tropeçar

“Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeços e para vos apresentar com exultação, imaculados diante da sua glória.”  Judas 24

1-De quantos pecados Jesus pode nos livrar? Judas 24; 1° cor. 10:13; Efé. 6:16

Não somente Jesus pode nos livrar da apostasia, Ele também pode nos proteger de cair em pecado, e ainda nos apresenta “imaculados diante de Sua glória” (Judas 24). Uma vez que não temos de enfrentar qualquer tentação além de nossa capacidade para resistir quando somos fortalecidos pelo Senhor (1° Cor. 10:13), não há motivos para sermos vencidos por qualquer tentação. Com “escudo da fé, com o qual podeis apagar todos os dardos inflamados do maligno.” (Efé. 6:16) Todos é uma palavra absoluta; não há forma alguma de Satanás atingir a quem está protegido por Cristo.

Argumentar que, por causa das tendências humanas naturais para o pecado, há alguns pecados que não conseguimos vencer é depreciar o poder de Cristo. Ele promete poder para vencer a qualquer tentação, venha de onde vier; e promete neutralizar todos os ataques de Satanás contra nós. Por que duvidar dEle?

2-Que outras promessas encorajadoras temos a respeito do poder de Cristo para nos fazer vitoriosos? João 10:29; Efés. 3:20; Heb. 2:18

As implicações dessas promessas são enormes. Cristo pode nos dar a vitória sobre o orgulho, intolerância, egoísmo, inveja, desonestidade, impureza, amargura e hipocrisia. Ele pode colocar paz onde havia paixão, amor onde havia ódio, e confiança onde havia medo.

“Estamos nos preparando para encontrar-nos com Aquele que, acompanhado por uma comitiva de santos anjos, há de aparecer nas nuvens do céu, para dar aos fiéis e justos o toque final da imortalidade. Quando Ele vier, não nos há de purificar de nossos pecados, remover de nós os defeitos que há em nosso caráter, ou curar-nos das fraquezas de nosso temperamento e disposição. Se acaso esta obra houver de ser efetuada em nós, sê-lo-á totalmente antes daquela ocasião.” Ellen G. White, Testemunhos Seletos, vol. 1, pág. 355

Será que você está pensando que, pelo fato de não ter vencido alguns pecados, Cristo irá desculpa-los e salvar você com seus pecados? Qual o remédio para essa atitude?

Lição da Escola Sabatina, “Iluminados Pelo Espírito” 3° trim. 1995, lição 7, pág. 2

Outro texto:

Onde o pecado é abundante, a graça de Deus é mais abundante ainda (Rom. 5:20), não para equilibrar ou desculpar, mas para perdoar e remover o pecado. “A fim de que, como o pecado reinou pela morte, assim também reinasse a graça pela justiça para a vida eterna, mediante Jesus Cristo nosso Senhor” (Rom. 5:21). A justiça da qual Paulo está falando é a justiça de Cristo que, quando aceita, subjuga o pecado e nos fortifica para viver em harmonia com a vontade de Deus. Temos que conservar bem claro na mente que Cristo pode nos livrar de cair. Não é requerido de nós que, em momento algum, vivamos pela nossa própria força. Pela graça, avançamos com a força de nosso Salvador, a nós concedida pelo Espírito Santo (Rom. 14:4; Efé. 3:15-16). A graça de Deus determina, coloca-nos e nos conserva no caminho da verdade.

“Por meio da poderosa atuação do Espírito Santo que o governo de Satanás será vencido e subjugado. É o Espírito Santo que convence do pecado e o expele da alma com a permissão do agente humano. … Através dos méritos de Cristo pode o homem habilitar-se para exercer as mais nobres faculdades do seu ser e libertar-se do pecado.” Ellen G. White, Minha Consagração Hoje, (Meditações Matinais, 1989, pág. 43). O Senhor não nos permitirá contentar com menos do que a completa vitória que Ele nos concede (1° João 5:4; Fil. 3:14-15)

O padrão do antigo testamento

Perfeição é conformidade com o caráter de Deus. O evangelho é o meio para remover todos os obstáculos e providenciar todos os recursos para conseguir essa conformidade (Rom. 1:16-17; 2° Cor. 4:3-7; 3:17-18).

O que pensaria você a respeito de um sapateiro que coloca uma sola errada em seu sapato, ou de um mecânico que não consegue consertar um defeito visível? É claro que perderia a confiança neles e tentaria encontrar melhor atendimento em outro lugar.

O que pensaria você a respeito de Deus se Ele pudesse apenas salvar a pessoa de parte de seus pecados, mas, pelas Suas limitações deixasse ainda algum resíduo de pecado nessa pessoa? Claro que não iríamos atribuir todo poder e majestade a Deus, nem olharíamos o plano da salvação como algo completo e competente. Mas, graças a Deus, não temos que chegar a essa conclusão. Ele fez uma provisão completa, de acordo com a perfeição de caráter que Ele requer (2° Crôn. 16:9; Sal. 18:30-32; 1° João 2:5).

Lição da Escola Sabatina, “Iluminados Pelo Espírito” 3° trim. 1995, lição 7, pág. 3A

Só nos resta dizer:

Amém! Louvado seja Senhor! Faça a obra que precisa ser feita em meu coração em nome de Jesus.

Sede vós pois perfeitos

perfeição“Sede vós pois perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos céus.” Mateus 5:48

Alguns afirmam que esse verso é um chamado do Senhor para que o homem, pelo poder de Deus, passe a viver sem o pecado.

Outros afirmam que é impossível para o homem passar a viver sem pecar que a perfeição nesse verso não é estar sem pecado.

Afinal, qual a interpretação correta desse verso? O chamado do Senhor para perfeição é um chamado para passar a viver completamente livre do pecado ou não?

Ellen G. White e Mateus 5:48

Você já teve curiosidade de saber o que Ellen G. White escreveu sobre esse verso? O texto a seguir é um comentário maravilhoso dessa abençoada serva do Senhor sobre Mateus 5:48:

“O ideal de Deus para Seus filhos é mais alto do que pode alcançar o pensamento humano. “Sede vós pois perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos Céus.” Mat. 5:48. Este mandamento é uma promessa. O plano da redenção visa ao nosso completo libertamento do poder de Satanás. Cristo separa sempre do pecado a alma contrita. Veio para destruir as obras do diabo, e tomou providências para que o Espírito Santo fosse comunicado a toda alma arrependida, para guardá-la de pecar.

A influência do tentador não deve ser considerada desculpa para qualquer má ação. Satanás rejubila quando ouve os professos seguidores de Cristo apresentarem desculpas quanto à sua deformidade de caráter. São essas escusas que levam ao pecado. Não há desculpas para pecar. Uma santa disposição, uma vida cristã, são acessíveis a todo filho de Deus, arrependido e crente.

O ideal do caráter cristão, é a semelhança com Cristo. Como o Filho do homem foi perfeito em Sua vida, assim devem Seus seguidores ser perfeitos na sua. Jesus foi em todas as coisas feito semelhante a Seus irmãos. Tornou-Se carne, da mesma maneira que nós. Tinha fome, sede e fadiga. Sustentava-Se com alimento e refrigerava-Se pelo sono. Era Deus em carne. Ele compartilhou da sorte do homem; não obstante, foi o imaculado Filho de Deus. Seu caráter deve ser o nosso. Diz o Senhor dos que nEle crêem: “Neles habitarei, e entre eles andarei; e Eu serei o seu Deus e eles serão o Meu povo.” II Cor. 6:16.

Cristo é a escada que Jacó viu, tendo a base na Terra, e o topo chegando à porta do Céu, ao próprio limiar da glória. Se aquela escada houvesse deixado de chegar à Terra, por um único degrau que fosse, teríamos ficado perdidos. Mas Cristo vem ter conosco onde nos achamos. Tomou nossa natureza e venceu, para que, revestindo-nos de Sua natureza, nós pudéssemos vencer. Feito “em semelhança da carne do pecado” (Rom. 8:3), viveu uma vida isenta de pecado. Agora, por Sua divindade, firma-Se ao trono do Céu, ao passo que, pela Sua humanidade, Se liga a nós. Manda-nos que, pela fé nEle, atinjamos à glória do caráter de Deus. Portanto, devemos ser perfeitos, assim como “é perfeito vosso Pai que está nos Céus”. Mat. 5:48.” O Desejado De Todas As Nações, pág. 311-312

Perfeição é sim libertação do pecado.

Nesse texto vemos claramente que para Ellen G. White, perfeição é sim libertação do pecado. Existe na graça de Deus poder suficiente para que o homem seja completamente libertado do pecado. Deus seja louvado!!!

“O plano da redenção visa ao nosso completo libertamento do poder de Satanás. Cristo separa sempre do pecado a alma contrita.”

“Veio para destruir as obras do diabo, e tomou providências para que o Espírito Santo fosse comunicado a toda alma arrependida, para guardá-la de pecar.”

Não há desculpas para pecar. Uma santa disposição, uma vida cristã, são acessíveis a todo filho de Deus, arrependido e crente.”

“Ele compartilhou da sorte do homem; não obstante, foi o imaculado Filho de Deus. Seu caráter deve ser o nosso.”

“Tomou nossa natureza e venceu, para que, revestindo-nos de Sua natureza, nós pudéssemos vencer.”

“Manda-nos que, pela fé nEle, atinjamos à glória do caráter de Deus. Portanto, devemos ser perfeitos, assim como “é perfeito vosso Pai que está nos Céus”. Mat. 5:48.”

Que o nosso Deus seja sempre louvado pelo que fez por nós e pelo que deseja fazer em nós.

“Cristo tomou a humanidade e suportou o ódio do mundo para que pudesse revelar a homens e mulheres que estes poderiam viver sem pecado, que suas palavras, atos, seu espírito, poderiam ser santificados para Deus. Podemos ser cristãos perfeitos se manifestarmos esse poder em nossa vida. Quando a luz do Céu repousar sobre nós continuamente, representaremos a Cristo. Foi a justiça revelada em Sua vida que O distinguiu do mundo e despertou seu ódio. […] As palavras de Cristo são ditas para Seu povo em todas as épocas – para nós sobre quem o fim dos séculos é chegado. Manuscrito 97, 1909.” Olhando Para O Alto, pág. 297

“O homem caiu. A imagem de Deus nele se acha deformada. Por causa da desobediência ele se tornou depravado em suas inclinações e debilitado em suas faculdades, aparentemente incapaz de esperar qualquer outra coisa além de tribulação e castigo. Mas Deus, por intermédio de Cristo, planejou um escape, e diz a todos: “Portanto, sede vós perfeitos.” Mat. 5:48. O Seu propósito é que o homem seja correto e digno diante dEle, e assim o Seu plano não será frustrado. Ele enviou o Seu Filho a este mundo a fim de pagar a penalidade do pecado, e mostrar ao homem como viver uma vida sem pecado.” Signs of the Times, 30 de março de 1904. Cuidado de Deus, MM 1995, pág. 320

A mentira de satanás

MandamentosExiste alguma possibilidade do homem passar a obedecer à lei de Deus de forma completa?

Satanás tem afirmado desde o princípio ser impossível para os homens obedecer aos mandamentos do Senhor. Esta afirmação de Satanás é verdadeira? Encontraremos as respostas nos próximos textos escritos pela serva do Senhor. Que o nosso Deus nos ilumine.

 “Cristo foi enviado ao mundo para desmentir a falsidade de Satanás, de que Deus fizera uma lei que o homem não podia guardar. Assumindo a forma humana, Ele veio à Terra e, por uma vida de obediência, mostrou que Deus fizera uma lei que o homem podia guardar. Mostrou que é possível ao homem obedecer perfeitamente a lei. Aqueles que aceitam Cristo como seu Salvador, tornam-se participantes de Sua natureza divina e capacitados a seguir Seu exemplo, vivendo em obediência a todos os preceitos da lei. Pelos méritos de Cristo, o homem deve mostrar pela obediência que podia estar no Céu e não se rebelaria. Manuscrito 48, 1893.” Fé E Obras, pág. 114

“Satanás alegava ser impossível para os seres humanos guardarem a lei de Deus. A fim de provar a falsidade dessa alegação, Cristo deixou Seu elevado comando, tomou sobre Si a natureza do homem e veio à Terra para colocar-Se à cabeça da raça caída, com o objetivo de demonstrar que a humanidade poderia enfrentar as tentações de Satanás. Ele tornou-Se a Cabeça da humanidade para ser assaltado com tentações em todos os pontos em que a caída natureza humana seria tentada, para que pudesse saber como socorrer a todos que são tentados. Assumindo nossa natureza, Ele foi fiel ao padrão divino de justiça, obtendo vitória sobre Satanás. Ele foi tentado em todos os pontos como nós, mas permaneceu sem pecado.” Olhando Para O Alto, pág. 166

“Através de seu domínio sobre os homens, adquiriu império sobre o mundo. Cristo viera para desmentir a pretensão de Satanás. Como Filho do homem, o Salvador permaneceria leal a Deus. Assim se provaria que Satanás não havia adquirido inteiro domínio sobre a raça humana, e que sua pretensão ao mundo era falsa. Todos quantos desejassem libertação de seu poder, seriam postos em liberdade. O domínio perdido por Adão em conseqüência do pecado, seria restaurado.” O Desejado De Todas As nações, pág. 115

“Cristo […] não transgrediu a lei de Deus em nenhum detalhe. Mais que isso, Ele eliminou qualquer desculpa do homem caído que pudesse alegar alguma razão para não guardar a lei de Deus. Cristo estava cercado das fraquezas da humanidade, era afligido com as mais ferozes tentações, tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, e mesmo assim desenvolveu um caráter reto. Nenhuma mancha de pecado foi encontrada sobre Ele.” – ST, 16/01/1896  (Ellen White e a Humanidade de Cristo, pág. 173)

“Cristo não só morreu como nosso sacrifício, mas viveu como nosso exemplo. Em Sua natureza humana, Ele Se apresenta completo, perfeito, imaculado. Ser um cristão é ser como Cristo. Todo o nosso ser, nossa alma, o corpo, o espírito, devem ser purificados, enobrecidos, santificados, até que reflitamos a Sua imagem e imitemos o Seu exemplo. RH, 28/01/1882( Ellen White e a Humanidade de Cristo, pág. 150 )

Sim! É possível sim, pelo poder de Deus, o homem obedecer de forma completa a lei de Deus. Jesus Cristo veio ao nosso mundo assumindo a natureza humana para provar ser possível para o homem obedecer a todos os mandamentos do Senhor.

Sendo assim Jesus provou para todos que Satanás estava errado ao afirmar que não existe a possibilidade dos homens guardarem todos os mandamentos do Senhor.  Aqueles que hoje negam a existência da possibilidade dos homens obedecerem plenamente à lei de Deus estão ajudando a Satanás a proclamar uma grande mentira. Misericórdia Senhor!

“Se me amais, guardai os meus mandamentos.” João 14:15

Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor; do mesmo modo que eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai, e permaneço no seu amor.”  João 15:10

  • Plena obediência é o mesmo que vida sem pecado 

“O grande Mestre veio ao nosso mundo não somente para fazer expiação pelo pecado, mas também para ser um mestre tanto por preceito como pelo exemplo. Veio mostrar ao homem como guardar a lei na humanidade, de nodo que ele não tivesse nenhuma desculpa para seguir seu próprio critério imperfeito. Vemos a obediência de Cristo. Sua vida era sem pecado. A obediência durante toda a Sua vida é uma censura à humanidade desobediente. A obediência de Cristo não deve ser posta de lado como se fosse completamente diferente da obediência que Ele requer de nós individualmente. Cristo nos mostrou que é possível para toda a humanidade obedecer as leis de Deus.” Mensagens Escolhidas, vol. 3, pág. 135 e 136

“Vemos a obediência de Cristo. Sua vida era sem pecado.” Jesus obedeceu à lei de Deus de forma plena.  A vida de Jesus era sem pecado.  Podemos dizer que estar obedecendo de forma completa é o mesmo que estar vivendo sem pecar. 

Seria um absurdo alguém afirmar que existe a possibilidade de um homem estar obedecendo toda à lei de Deus, uma obediência completa, verdadeira, pelo poder de Deus tendo a lei escrita em seu coração e ao mesmo tempo estar vivendo em pecado.

Já vimos que Jesus provou ser possível para os homens pelo poder de Deus obedecer a todos os mandamentos do Senhor. Vimos também que estar obedecendo a todos os mandamentos de Deus é o mesmo que estar vivendo sem o pecado. 

Então logicamente se existe a possibilidade do homem passar a obedecer a todos os mandamentos de Deus. Consequentemente  existe a possibilidade do homem passar a viver sem pecar.

Deus seja louvado!

Como encontramos no Espírito de profecia declarações confirmando ser possível uma obediência plena de lei de Deus, deveríamos encontrar também afirmações da possibilidade do homem pelo poder de Deus passar a viver sem o pecado, visto ser obediência plena o mesmo que estar vivendo livre da escravidão do pecado.

Assim como a serva do Senhor escreveu que Jesus veio ao nosso mundo para provar que os homens, pelo poder de Deus, podem guardar toda a lei de Deus ela também escreveu que Jesus veio ao nosso mundo para provar que os homens podem pelo poder de Deus passar a viver sem o pecado. É o que veremos a seguir:

  • Jesus veio ao nosso mundo para provar ser possível para os homens obedecerem a toda a lei de Deus. 

“Satanás tem afirmado que os homens não podem guardar os mandamentos de Deus. Para provar que eles podem, Cristo tornou-Se homem e viveu em perfeita obediência, uma evidência para seres humanos pecadores, para os mundos não caídos e para os anjos celestiais de que o homem pode guardar a lei de Deus através do poder divino que é derramado em abundância sobre todos os que creem. A fim de revelar Deus ao mundo, e para demonstrar ser verdade aquilo que Satanás tem negado, Cristo apresentou-Se como voluntário para tomar a humanidade, e em Seu poder a humanidade pode obedecer a Deus- ST, 10/05/1899 (Ellen White e a Humanidade de Cristo, pág. 188 e 189)

  • Jesus veio ao nosso mundo para provar ser possível para os homens viver sem o pecado.

“Cristo tomou a humanidade e suportou o ódio do mundo para que pudesse revelar a homens e mulheres que estes poderiam viver sem pecado, que suas palavras, atos, seu espírito, poderiam ser santificados para Deus. Podemos ser cristãos perfeitos se manifestarmos esse poder em nossa vida. Quando a luz do céu repousar sobre nós continuamente, representaremos a Cristo. Foi a justiça revelada em Sua vida que O distinguiu do mundo e despertou seu ódio. […] As palavras de Cristo são ditas para Seu povo em todas as épocas- para nós sobre quem o fim dos séculos é chegado.”- Manuscrito 97, 16 de outubro de 1909, “ Eu Sou a Videira Verdadeira”, sermão pregado em San José, Califórnia. Olhando para o Alto, MM, pág. 297

“O homem caiu. A imagem de Deus nele se acha deformada. Por causa da desobediência ele se tornou depravado em suas inclinações e debilitado em suas faculdades, aparentemente incapaz de esperar qualquer outra coisa além de tribulação e castigo. Mas Deus, por intermédio de Cristo, planejou um escape, e diz a todos: “Portanto, sede vós perfeitos.” Mat. 5:48. O Seu propósito é que o homem seja correto e digno diante dEle, e assim o Seu plano não será frustrado. Ele enviou o Seu Filho a este mundo a fim de pagar a penalidade do pecado, e mostrar ao homem como viver uma vida sem pecado.” Signs of the Times, 30 de março de 1904. Cuidado De Deus, MM 1995, pág. 320

Obediência a Deus é liberdade do cativeiro do pecado, livramento das paixões e impulsos humanos. O homem pode ser vencedor de si mesmo, vencedor de suas inclinações, vencedor dos principados e potestades, e dos “príncipes das trevas deste século”, e das “hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais”. Efés. 6:12. A Ciência do Bom Viver, pág. 131. (Mente, Caráter e Personalidade, pág. 123)

  • Acusação de Satanás

“Exatamente aqui, neste pequenino átomo de mundo, desdobraram-se as mais grandiosas cenas já conhecidas pela humanidade. Todo o universo celestial foi espectador, intensamente interessado. Por quê? Ia-se ferir a grande batalha entre o poder das trevas e o Príncipe da Luz. A obra de Satanás era engrandecer constantemente o seu poder. … A todo momento apresentava ele a Deus numa luz falsa. Apresentava-O como Deus de injustiça, e não de misericórdia. Estava a provocar constantemente o espírito dos homens, de modo que tivessem uma visão incorreta de Deus.” Manuscrito 7, 1888.    Nos Lugares Celestiais, pág. 11

“Desde o princípio a grande controvérsia fora a respeito da lei de Deus. Satanás procurara provar que Deus era injusto, que Sua lei era defeituosa, e que o bem do Universo exigia que ela fosse mudada. Atacando a lei, visava ele subverter a autoridade de seu Autor. “ Patriarcas e Profetas, pág. 69

Satanás acusa ao nosso Deus de injustiça. Afirma que a lei do Senhor é defeituosa sendo portanto, impossível de ser obedecida. Mas como já vimos Satanás está errado. A lei pode ser obedecida e Deus é justo. Ele requer do homem plena obediência porque Cristo provou ser possível essa obediência pelo Seu poder. Cristo veio ao nosso mundo e derrotou Satanás obedecendo sempre todos os mandamentos e está pronto para conceder poder para que o mesmo possa acontecer em nossa vida.

  • Jesus vindicando a justiça divina

 “Tão profundo era o interesse do Senhor nos seres que criara, tão grande Seu amor pelo mundo, que Ele “deu o Seu Filho unigênito, para que todo aquele que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna”. João 3:16. Cristo veio para conceder ao homem poder moral, para o elevar, enobrecer e fortalecer, habilitando-o a ser participante da natureza divina, tendo escapado da corrupção que pela concupiscência há no mundo. Provou Ele aos habitantes dos mundos não caídos, e aos seres humanos, que a lei pode ser guardada. Conquanto possuísse a natureza do homem, obedeceu Ele à lei de Deus, vindicando a justiça divina ao exigir que ela fosse obedecida. No juízo a Sua vida será um argumento irrefutável em favor da lei de Deus.” Nos Lugares Celestiais, pág. 38

  • O que estão fazendo aqueles que negam ser possível obedecer plenamente à lei de Deus.

“É requerida obediência exata, e os que dizem não ser possível levar uma vida perfeita, lançam sobre Deus a acusação de injustiça e falsidade.” – Reimpressões De Review and Herald, vol. 6, pág. 519, ver também Review and Herald, 7 de fevereiro de 1957, pág. 30. (Lição da Escola Sabatina, 2° trim. 1989, “Triunfo no Presente e Glória no Futuro” pág. 48

Vimos que Satanás procurara provar que Deus era injusto… (Patriarcas e Profetas, pág. 69) e agora com a afirmação acima da serva do Senhor,devemos ficar apercebidos com nossa atitude. Quem afirma não haver possibilidade do homem obedecer  a lei de Deus, está sendo mentiroso e ajudando a Satanás a propagar uma grande mentira. Assim como Satanás criticou a lei e acusou nosso Deus de ser injusto, também aqueles que afirmam não haver nenhuma possibilidade do homem levar uma vida perfeita  “ lançam sobre Deus a acusação de injustiça e falsidade.” Misericórdia Senhor!

  • O que torna possível o homem guardar a lei de Deus

“Deus ia ser manifesto em Cristo, “reconciliando consigo o mundo”. II Cor. 5:19. O homem se tornara tão degradado pelo pecado que lhe era impossível, por si mesmo, andar em harmonia com Aquele cuja natureza é pureza e bondade. Mas Cristo, depois de ter remido o homem da condenação da lei, poderia comunicar força divina para se unir com o esforço humano. Assim, pelo arrependimento para com Deus e fé em Cristo, os caídos filhos de Adão poderiam mais uma vez tornar-se “filhos de Deus”. I João 3:2.” Patriarcas E Profetas, pág. 64

“Por meio das tentações de Satanás o gênero humano todo se tornou transgressor da lei de Deus; mas, pelo sacrifício de Seu Filho, abriu-se um caminho por onde podem voltar a Deus. Mediante a graça de Cristo, podem habilitar-se a prestar obediência à lei do Pai.” Patriarcas e Profetas, pág. 338.

“Satanás tem afirmado que os homens não podem guardar os mandamentos de Deus. Para provar que eles podem, Cristo tornou-Se homem e viveu em perfeita obediência, uma evidência para seres humanos pecadores, para os mundos não caídos e para os anjos celestiais de que o homem pode guardar a lei de Deus através do poder divino que é derramado em abundância sobre todos os que creem.A fim de revelar Deus ao mundo, e para demonstrar ser verdade aquilo que Satanás tem negado, Cristo apresentou-Se como voluntário para tomar a humanidade, e em Seu poder a humanidade pode obedecer a Deus- ST, 10/05/1899 (Ellen White e a Humanidade de Cristo, pág. 188 e 189)

Não existe nenhuma possibilidade do homem guardar a lei de Deus por suas próprias forças, mas ao receber força divina que lhe é comunicada, obedecerá plenamente à lei do Senhor. Através da atuação do nosso Senhor Espírito Santo a lei de Deus é escrita no coração do homem e então ele passa a viver em harmonia com os princípios divinos:

“Mas esta é a aliança que farei com a casa de Israel depois daqueles dias, diz o SENHOR: Porei a minha lei no seu interior, e a escreverei no seu coração; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo.” Jeremias 31:33

  • Homens obedecendo como Jesus

Por Sua obediência perfeita tornou possível a todo homem obedecer aos mandamentos de Deus. Ao nos sujeitarmos a Cristo, nosso coração se une ao Seu, nossa vontade imerge em Sua vontade, nosso espírito torna-se um com Seu espírito, nossos pensamentos serão levados cativos a Ele; vivemos Sua vida. Isto é o que significa estar trajado com as vestes de Sua justiça. Quando então o Senhor nos contemplar, verá não o vestido de folhas de figueira, não a nudez e deformidade do pecado, mas Suas próprias vestes de justiça que são a obediência perfeita à lei de Jeová. Parábolas de Jesus, pág. 312

“O Grande Mestre veio ao nosso mundo para estar à testa da humanidade, e desse modo erguê-la e santificá-la por meio de Sua santa obediência a todos os requisitos divinos, mostrando que é possível obedecer a todos os mandamentos de Deus. Ele demonstrou que uma vida toda de obediência é possível. Como o Pai deu o Seu Filho, assim Ele dá ao mundo homens escolhidos, representativos, para exemplificarem em sua vida a vida de Jesus Cristo. Manuscrito 1, 1892.”  Cuidado De Deus, pág.  344

  • Quem subsistirá no tempo de angústia?

“Agora, enquanto nosso grande Sumo Sacerdote está a fazer expiação por nós, devemos procurar tornar-nos perfeitos em Cristo. Nem mesmo por um pensamento poderia nosso Salvador ser levado a ceder ao poder da tentação. Satanás encontra nos corações humanos algum ponto em que pode obter apoio; algum desejo pecaminoso é acariciado, por meio do qual suas tentações asseguram a sua força. Mas Cristo declarou de Si mesmo: “Aproxima-se o príncipe deste mundo, e nada tem em Mim.” João 14:30. Satanás nada pôde achar no Filho de Deus que o habilitasse a alcançar a vitória. Tinha guardado os mandamentos de Seu Pai, e não havia nEle pecado que Satanás pudesse usar para a sua vantagem. Esta é a condição em que devem encontrar-se os que subsistirão no tempo de angústia.” O Grande Conflito, pág. 623.

A graça que o nosso maravilhoso Deus nos oferece pode nos transformar a tal ponto, que passamos a exemplificar em nossa vida a vida de Jesus. Que esse seja o nosso objetivo, a plena obediência da lei de Deus, passar a viver sem o pecado antes que feche a porta da graça, porque essa é a condição dos que subsistirão no tempo de angústia.

“Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens, ensinando-nos que, renunciando à impiedade e às concupiscências mundanas, vivamos neste presente século sóbria, e justa, e piamente, aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do grande Deus e nosso Salvador Jesus Cristo; O qual se deu a si mesmo por nós para nos remir de toda a iniquidade, e purificar para si um povo seu especial, zeloso de boas obras.” Tito 2:11-14

“Visto que todas essas coisas hão de ser assim desfeitas, deveis ser tais como os que vivem em santo procedimento e piedade, esperando e apressando a vinda do dia de Deus, por causa do qual os céus, incendiados, serão desfeitos, e os elementos abrasados se derreterão. Nós, porém, segundo a sua promessa, esperamos novos céus e nova terra, nos quais habita justiça. Por essa razão, pois, amados, empenhai-vos por serdes achados por ele em paz, sem mácula e irrepreensíveis.”  2° Pedro 3:11-14

Deus seja para sempre louvado!

As antigas casas da Dalmácia

Espirito Santo purificador

  • Feitos à Prova de Fogo Para o Dia de Deus

“É-nos dito que, faz muitos anos, na antiga Dalmácia, as casas eram feitas de pedra calcárea betuminosa, que é macia e pode ser facilmente cortada e moldada. Desse material se fazia a casa inteira – as paredes, o telhado, o teto, o soalho-tudo por fora e por dentro. Quando, terminada, porém, a casa era inabitável porque exalava um forte odor de betume. Completava-se então a estrutura submetendo-a à ação do fogo. Enquanto era queimada, como carvão, o fogo extrai o betume dos poros da pedra saturada, até que todo o combustível se desprendia em gás e fumaça, e o fogo ia diminuindo até apagar-se por falta de abastecimento.

Então a casa estava terminada, com a aparência de alvo mármore, atraente, limpa e habitável se mais tarde fosse atingida por um grande incêndio, a casa não se queimaria porque nela não ficara nada inflamável. Achava-se à prova de fogo.

Também nós, por natureza e por condescendência, somos saturados com o combustível e mal cheiroso betume do pecado. No vindouro fogo o último dia de todos esses elementos serão consumidos por eterna destruição. O único meio de escape é sermos queimados agora pelo batismo de fogo, e ser assim tornados a prova de fogo naquele grande dia que arderá como uma fornalha. E assim podemos tornar-nos lindos templos para eterna habitação de nosso Deus.”  A vinda do Consolador, pág. 283-284

“Virá o nosso Deus, e não se calará; um fogo se irá consumindo diante dele, e haverá grande tormenta ao redor dele.” Salmos 50:3

  • Os que continuarem em pecado serão destruídos na volta de Jesus

“Vi um novo céu, e uma nova Terra. Porque já o primeiro céu e a primeira Terra passaram.” Apoc. 21:1. O fogo que consome os ímpios, purifica a Terra. Todo vestígio de maldição é removido.”  História Da Redenção, pág. 430

“Eu, em verdade, vos batizo com água, para o arrependimento”, disse João, “mas Aquele que vem após mim é mais poderoso do que eu; cujas alparcas não sou digno de levar; Ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo”. Mat. 3:11. O profeta Isaías declarara que o Senhor purificaria o Seu povo de suas iniqüidades “com o espírito de justiça, e com o espírito de ardor” Isa. 4:4. As palavras do Senhor a Israel, eram: “E porei contra ti a Minha mão, e purificarei inteiramente as tuas escórias; e tirar-te-ei toda a impureza.” Isa. 1:25. Para o pecado, onde quer que se encontre, “nosso Deus é um fogo consumidor”. Heb. 12:29. O Espírito de Deus consumirá pecado em todos quantos se submeterem a Seu poder. Se os homens, porém, se apegarem ao pecado, ficarão com ele identificados. Então a glória de Deus, que destrói o pecado, tem que destruí-los.’ O Desejado De Todas As Nações,  pág. 107

“Se vos apegais ao eu, recusando entregar a Deus a vossa vontade, estais preferindo a morte. Para o pecado, seja onde for que ele se encontre, Deus é um fogo consumidor. Se preferis o pecado, e vos recusais a abandoná-lo, a presença de Deus, que consome o pecado, tem de consumir-vos.” O Maior Discurso De Cristo, pág. 62

Nosso Deus é maravilhoso! As mensagens que Ele nos envia são muito claras. Precisamos permitir que o Senhor nos purifique completamente e não podemos continuar arrumando desculpas para continuarmos em pecado. Esta atitude nos conduzirá a perdição.

Vamos orar e estudar mais queridos irmãos! Não somos deste mundo e ele é horrível. Clamemos ao nosso Deus aceitando a divina obra que Ele quer realizar em nossa vida. Peçamos que Ele nos prepare e tire de nós todo pecado e somente assim estaremos realmente preparados para a volta de Jesus.

“A vida cristã é uma constante marcha avante. Jesus coloca-Se como refinador e purificador de Seu povo; e quando Sua imagem estiver perfeitamente refletida neles, eles estarão perfeitos e santos, e preparados para a trasladação. Exige-se do cristão uma obra perfeita. Somos exortados a purificar-nos de toda a imundícia da carne e do espírito, aperfeiçoando a santidade no temor de Deus. Aí vemos onde está a grande obra. Há um trabalho contínuo para o cristão. Testemunhos Seletos, vol. 1, pág. 114.; Maravilhosa Graça, MM 1974, pág. 289

“Quando nos lembramos  que ninguém sabe quando seu tempo de graça findará, como ousamos viver despreparados, desprevenidos para encontrar com nosso Senhor? Como ousamos continuar pecadores e maculados? Por que não temos medo? Por que não estamos perturbados? Por que não percebemos nosso perigo? […] O Senhor operaria poderosamente por Seu povo, se este abandonasse as obras das trevas e se revestisse de Sua justiça. […]”- Manuscrito 13, 8 de junho de 1902, “O Povo de Deus Deve Ser Portador de Luz”. Olhando Para O Alto, MM, pág. 167

“Não podemos ser agora indiferentes, negligentes e descuidosos, recusando apartar-nos do pecado, mas devemos estar morrendo para os nossos defeitos de caráter e esperar tornar-nos puros, santos e moldados em caráter, à semelhança de um palácio. Quando Cristo vier, será então demasiado tarde para que os erros sejam corrigidos, demasiado tarde para que o caráter seja mudado, demasiado tarde para obter um caráter santo.”Carta 60, 1886. Olhando Para o Alto, pág. 367

 “Por isso, como a língua de fogo consome a palha, e o restolho se desfaz pela chama, assim será a sua raiz como podridão, e a sua flor se esvaecerá como pó; porquanto rejeitaram a lei do SENHOR dos Exércitos, e desprezaram a palavra do Santo de Israel.” Isaías 5:24

Um conselho divino:

“Buscai ao SENHOR enquanto se pode achar, invocai-o enquanto está perto. Deixe o ímpio o seu caminho, e o homem maligno os seus pensamentos, e se converta ao SENHOR, que se compadecerá dele; torne para o nosso Deus, porque grandioso é em perdoar. Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o SENHOR. Porque assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos.” Isaías 55:6-9

Deus seja louvado!