Archive for the ‘Perfeição’ Category

Salário Do Pecado

CemitérioPrecisamos aceitar a verdade de que somos pecadores vivendo como escravos do pecado e de que necessitamos da graça de Deus para nos livrar dessa miserável condição.

“Se dissermos que não temos pecado nenhum, a nós mesmos nos enganamos, e a verdade não está em nós.” 1° João 1:8

O verso acima nos ensina que, se não reconhecemos nossa condição de pecadores, estamos enganando a nós mesmos e a verdade não está em nós.

“Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.” 1 João 1:9

Este outro verso nos ensina como nossa vida de escravos do pecado pode ser mudada. Se confessarmos nossos pecados, Deus é “fiel e justo para nos perdoar os pecados” e ainda mais, Ele também irá nos “purificar de toda injustiça.” O Senhor nos oferece mais que o perdão, Ele nos oferece também a purificação mediante o sangue de Jesus. Louvado seja o Senhor!

“Se dissermos que não temos cometido pecado, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós.” 1° João 1:10

Infelizmente, algumas pessoas têm usado 1ª João 1:8 e 1ª João 1:10 como argumento para justificarem o fato de não acreditarem na possibilidade do homem no poder de Deus passar a viver livre do pecado. Estes versos não estão afirmando ser impossível a libertação do homem do pecado. A mensagem nestes versos é simplesmente a necessidade da conscientização da nossa realidade de escravos do pecado para que, então, cientes da nossa miserável condição, possamos buscar em Jesus o perdão e a purificação.

Nosso principal objetivo

“Filhinhos meus, estas coisas vos escrevo para que não pequeis. Se, todavia, alguém pecar, temos Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo.” 1° João 2:1

Não podemos de forma alguma nos acomodar na condição de escravos do pecado. A mensagem é muito clara.  “Filhinhos meus, estas coisas vos escrevo para que não pequeis.” Entre “estas coisas” que o apóstolo João escreveu para que não pequemos estão os versos 8 e 10 de 1°João.  Sendo assim, estes versos não podem ser utilizados para argumentar contra a possibilidade do homem viver livre do pecado. Não podemos continuar arrumando desculpas para o pecado.  Nosso objetivo diante de tudo que o Senhor disponibiliza para nos libertar deve ser sempre, não pecar.

Em nossa caminhada rumo à libertação do pecado, nosso maravilhoso Deus providenciou meios para que quando pecamos, possamos em Jesus obtermos o perdão. Mas novamente lembramos que não podemos nos acomodar no pecado devido o fato de termos a Jesus como nosso advogado. Jesus não atua como advogado para aqueles que estão acomodados ao pecado. Jesus intercede somente por aqueles que estão na caminhada rumo à plena libertação do pecado. Ao pecarem confessam a Deus sentindo o verdadeiro arrependimento e continuam com o propósito de serem totalmente libertados do pecado. “Filhinhos meus, estas coisas vos escrevo para que não pequeis. Se, todavia, alguém pecar, temos Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo.” 1° João 2:1  Nosso principal objetivo deve ser sempre não pecar. Viver sem pecar.

“Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor.” Rom. 6:23

Algumas pessoas ainda têm afirmado que o que não podemos é pecar de “forma habitual,”  não podemos ser “pecadeiros.”  Se esse tipo de afirmação for  realmente verdadeira nós precisamos então reescrever Romanos 6:23.  “Porque o salário do pecado [Habitual] é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor.”

Uma questão muito importante a ser considerada: Será que podemos nos contentar em ter como objetivo eliminar em nossa vida apenas o pecado habitual?  Será que podemos afirmar que o pecado ocasional não tem também como salário a morte?

A verdade é que pecado tanto habitual como ocasional procede do diabo e ambos conduzem a morte. Portanto devemos ter como objetivo, pelo poder de Deus, eliminar qualquer tipo de pecado em nossa vida. Devemos pensar no pecado como sendo uma doença que resulta em morte. Enquanto tivermos alguma quantidade, mesmo que pequena, desta doença em nós, estaremos condenados à morte. Apenas um pecado contamina todo o ser e torna o homem “instrumento de injustiça”.

Se um pecado é nutrido na alma, ou uma prática errônea conservada na vida, todo o ser é contaminado. O homem torna-se instrumento de injustiça.” DTN, pág.313

Alguém pode dizer: Mas Cristo veio salvar pecadores! Sim, isso realmente é verdade. Mas é bom lembrar que Cristo veio salvar pecadores dos seus pecados: “Ela dará à luz um filho e lhe porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo dos pecados deles.” Mateus 1:21

“O pecado permanece na vida, se não reina mais nela?” Rom. 6:12-14

“Nossa natureza humana decaída certamente continua tendo propensões para o mal. Mas o “eu” decaído é subjugado diariamente pelo poder de Cristo em nosso íntimo. (Ver Gál. 2:20) Em Rom. 6:12, Paulo está falando sobre o perigo de ceder aos impulsos de nossa natureza humana decaída. Quando fazemos isso, o pecado reina em nosso corpo. Quando Cristo reina na vida, o pecado não poderá fazê-lo.

João enfatizou a mesma verdade. (Ver 1° S. João3:8-9) Ele não ensinou que, embora o pecado habitual seja do diabo, o pecado ocasional é permissível. Todo pecado é do diabo, e se Cristo vive na vida pelo Espírito Santo, o pecado não poderá existir ali. (Lição da Escola Sabatina, 4° trim. 1990, A Carta aos Romanos, pág. 74)

Para que não fique nenhuma dúvida de que, nós não podemos continuar pensando que devemos eliminar de nossa vida apenas o pecado habitual, é bom nos lembrarmos de alguns exemplos da palavra de Deus onde vemos que mesmo os pecados ocasionais  ou mesmo apenas um pecado, pode conduzir o homem à morte:

Adão e Eva, não tiveram que desenvolver o hábito de pecar, apenas um único pecado os tornou condenados a morte.

Uzá, não existe nenhuma indicação na palavra de Deus que nos faça acreditar que ele tinha o hábito de tocar na arca, apenas uma vez foi o suficiente para que ele morresse por ter desobedecido ao Senhor. 2° Samuel 6:1-7

Moisés, quarenta anos de obediência no deserto e apenas um pecado o impediu de entrar na terra prometida. Esse único pecado teria impedido sua salvação se ele não tivesse se arrependido e buscado no Senhor o perdão.

“Não houvesse a vida de Moisés sido maculada por aquele único pecado, deixando de dar a Deus a glória de tirar água da rocha, em Gades, e teria entrado na Terra Prometida.” Patriarcas e Profetas, pág. 348.

“Olhando retrospectivamente para suas experiências como chefe do povo de Deus, uma ação errada mareava a relação das mesmas. Se se pudesse apagar aquela transgressão, sentia não se arrecearia da morte. Assegurou- se- lhe que o arrependimento, e a fé no sacrifício prometido, eram tudo que Deus exigia, e de novo Moisés confessou seu pecado, e implorou perdão em nome de Jesus.” Patriarcas e Profetas, pág. 345.

Precisamos parar de arrumar desculpas para o pecado. Precisamos também, urgentemente, entender e aceitar que Cristo veio nos salvar do pecado e ter como objetivo uma vida totalmente livre do pecado pelo poder de Deus.

Ser redimido significa parar de pecar.

Queremos comparar o próximo texto do Espírito de profecia com alguns textos bíblicos que já citamos aqui para que nós possamos entender o que realmente significa ser salvo.

“Quanto mais humilde for a nossa visão a cerca de nós mesmos, mais claramente veremos o caráter imaculado de Jesus. […] Não enxergar o contraste marcante entre Cristo e nós é não conhecer a nós mesmos. Aquele que não aborrece a si mesmo não pode entender o significado da redenção. Ser redimido significa parar de pecar.”- RH, 25/09/1900 (Ellen White e a Humanidade de Cristo, pág. 193)

A primeira parte do texto do Espírito de profecia tem o mesmo objetivo  de 1° João 1:8 e  1° João 1:10, ao nos conscientizar de nossa condição de pecadores para que possamos buscar em Jesus a salvação.

“Quanto mais humilde for a nossa visão a cerca de nós mesmos, mais claramente veremos o caráter imaculado de Jesus. […] Não enxergar o contraste marcante entre Cristo e nós é não conhecer a nós mesmos. Aquele que não aborrece a si mesmo não pode entender o significado da redenção. […]”

“Se dissermos que não temos pecado nenhum, a nós mesmos nos enganamos, e a verdade não está em nós.” 1° João 1:8

“Se dissermos que não temos cometido pecado, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós.” 1° João 1:10

Como ser salvo e o que significa ser salvo

 “Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.” 1 João 1:9

Sendo que o salário do pecado habitual ou ocasional é a morte (Rom. 6:23) e que todos os homens estão condenados porque todos são pecadores (1°João 1:8 e 1:10), em 1° João 1:9 descobrimos como alcançamos a salvação. O Senhor nos concede perdão e purificação, ou seja, nos livra das conseqüências do pecado e do próprio pecado.

Por tudo que já vimos fica agora mais fácil de entender o que realmente significa ser salvo ou redimido: “Ser redimido significa parar de pecar.”-

Deus seja para sempre louvado pelo que já fez e pelo que deseja fazer em nossa vida!!!

Anúncios

Lição sobre o Santuário

santuario-celestial

Estamos vivendo os últimos dias da história desse mundo de pecado e sofrimento. Sendo assim, é de grande valia o estudo do Santuário, pois nele “podemos aprender verdades sobre o caráter e a obra de Deus”.

No estudo do santuário e dos rituais ali realizados encontramos a representação de todos os  acontecimentos do plano da salvação. Devemos estudar com muito carinho todo o plano da salvação, o que Senhor já fez e o que Ele está fazendo agora por nós para buscarmos no Senhor o devido preparo para os acontecimentos futuros como fechamento da porta da graça e o fim da intercessão do nosso Salvador que também são representados nos rituais do santuário.

Que o Senhor nos ajude neste trimestre e nos ilumine com o Senhor Espírito Santo para aprendermos realmente todas as “verdades sobre o caráter e a obra de Deus” que nos foram reveladas.

licao-o-santuario1“A Bíblia é clara: o santuário celestial é um lugar real e, a partir dele, podemos aprender verdades sobre o caráter e a obra de Deus.” lição da Escola Sabatina 4° trim. 2013, “O Santuário” p. 3 – Lição do Professor

“A morada do Rei dos reis, em que milhares de milhares O servem, e milhões de milhões estão em pé diante dEle (Dn. 7:10), sim, aquele templo, repleto da glória do trono eterno, onde serafins, seus resplandecentes guardas, velam a face em adoração- não poderia encontrar na estrutura mais magnificente que hajam erigido as mãos humanas, senão pálido reflexo de sua imensidade e glória. Contudo, importantes verdades relativas ao santuário celestial e a grande obra ali levada a efeito pela redenção do homem, eram ensinadas pelo santuário terrestre e seu culto (Ellen G. White, O Grande Conflito, p. 414).

 “Com base na citação do livro O Grande Conflito (acima), o que Ellen G. White quis dizer quando declarou que muitas ‘importantes verdades’ para nossa salvação eram ensinadas no santuário terrestre e seu culto? Quais são essas verdades, e porque elas são importantes?”  lição da Escola Sabatina 4° trim. 2013, “O Santuário” p. 9 – Lição do Professor

“Davi também desejava ‘aprender [a verdade de Deus] no Seu templo’ (Sl. 27:4 RC). Qual é a ‘verdade presente’ da mensagem do santuário a ser investigada atentamente nestes últimos dias?” lição da Escola Sabatina 4° trim. 2013, “O Santuário” p. 49 – Lição do Professor

 “A primeira cena introdutória mostra Cristo, vestido como sumo sacerdote, andando entre os sete candeeiros (Ap. 1:12-20). A segunda mostra a sala do trono celestial, e os versos revelam uma grande variedade de imagem do santuário: trono, tochas de fogo, mar, Cordeiro que foi morto, sangue, taças de ouro cheias de incenso (Ap. 4:5). A terceira cena se refere ao serviço contínuo de intercessão  no contexto do primeiro compartimento do santuário9 celestial (Ap. 8:2-6). A quarta cena, central, nos dá um vislumbre da arca da aliança no segundo compartimento (Ap. 11:19). A quinta cena revela todo tabernáculo no Céu (Ap. 15:5-8). A sexta cena é única, no sentido de que não contém referências explícitas ao santuário, talvez para ilustrar que a obra de Cristo ali esta concluída (Ap. 19:1-10). A cena final trata da gloriosa cidade santa na Terra, retratada como o tabernáculo que ‘descia do Céu’ (Ap. 22:1-8. Um estudo cuidadoso dessas cenas revela que elas são interligadas, mostrando uma progressão interna na salvação realizada por Deus: o fim de Seu ministério como Sumo Sacerdote e, o tabernáculo da Nova Terra.”lição da Escola Sabatina 4° trim. 2013, “O Santuário” p. 8 – Lição do Professor

Verdade contestada

“Que aspectos da ‘verdade presente’ da mensagem do santuário são mais centrais e mais fortemente contestados hoje em dia?” lição da Escola Sabatina 4° trim. 2013, “O Santuário” p. 51 – Lição do Professor

Temos encontrado, infelizmente, algumas pessoas que tem contestado a verdade sobre a necessidade da plena purificação antes do fim da intercessão do Salvador. Nosso coração carnal insisti em não aceitar a renuncia de todo pecado em tempo oportuno para nossa salvação, ou seja, antes do fechamento da porta da graça, que acontece com o fim da intercessão de Cristo por nós. Essa é uma verdade que não pode de forma alguma ser negligenciada.

Temos no estudo bíblico, “As Revelações do Santuário” informações importantes sobre o fim da intercessão de Cristo e o fechamento da porta da graça.

1-      Que evento profético aponta para a obra de Cristo no Santuário Celestial e Seu retorno a essa Terra? Apocalipse 15:8

Antes da volta de Jesus a essa Terra, a Bíblia anuncia o derramamento das sete pragas sobre os que rejeitaram o plano de salvação (AP 16:1-21). Consequentemente a definição dos salvos já foi realizada, pois os justos não sofrerão os efeitos das pragas (Sl 91:7-11; 23:1-6). O início das pragas marca o fim do juízo investigativo e da intercessão de Cristo.

2-      O que vai ocorrer quando Jesus terminar o juízo investigativo? Apocalipse 22:11

Esse evento é chamado de “fechamento da porta da graça”. Quando isso acontecer, cessa o ministério de intercessão do Espírito Santo e não há mais oportunidade de salvação para os ímpios.  Nesse tempo, a humanidade enfrentará uma crise mundial sem precedentes, pois os anjos de Deus não mais estarão segurando os quatro ventos da Terra (Ap 7:1-3). Inicia-se então, o tempo de angústia (Dn 12:1).

Estudo n° 21, “Fechamento Da Porta Da Graça” do estudo bíblico, “As Revelações do Santuário” Autor Pr. Paulo S. Godinho, supervisão e editoração Pr. Sidnei Silva Mendes

Único texto de toda lição onde é mencionado o fechamento da porta da graça.

“Enquanto é transmitido o chamado final de Apocalipse 14:6-12, a porta da graça ainda está aberta, porque as pessoas ainda estão sendo chamadas a se afastar de Babilônia e adorar o Deus verdadeiro.” lição da Escola Sabatina 4° trim. 2013, “O Santuário” p. 136 – Lição do Professor

Sinceramente, é muito pouco ter encontrado em toda a lição apenas um texto que menciona o fechamento da porta da graça. Não existe em toda a lição uma definição clara do que seja o fechamento da porta da graça e do preparo necessário para que possamos estar entre os salvos naquele momento. Não entendemos como em uma lição onde estudamos temas importantes como, dia da expiação, juízo investigativo, Cristo como nosso Sacerdote ou intercessor, enfim, temas que estão relacionados com o fechamento da porta da graça e, no entanto este tema não ser comentado na lição.

Ocasião oportuna

 “Jesus Cristo e o Pai celestial Se reúnem (na linguagem bíblica ‘interceder’ significa ‘reunir-se, a fim de ajudar os seres humanos em suas lutas diárias contra o mal. O primeiro resultado concreto dessa reunião entre o pai celestial e Jesus foi a dádiva do Espírito Santo aos cristãos (At 2). Todo o Céu está unido para nos ajudar em nossas lutas contra o pecado, Satanás e a tentação (Jo. 15:5; Fl 4:13). Jesus Cristo não veio para nos salvar ‘no’ pecado, mas do pecado (Mt 1:21). Hebreus 4:16 explica eloqüentemente por que necessitamos do ministério de intercessão de nosso Sumo Sacerdote: ‘Acheguemo-nos, portanto, confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e  acharmos graça para socorro em ocasião oportuna’. Estamos constantemente precisando de Jesus e dependemos completamente dEle e do Espírito Santo. O Espírito é chamado Parakletos, o que significa que ‘Ele é alguém chamado para ajudar’, Alguém para estar ao lado(Jo 14:26).”  lição da Escola Sabatina 4° trim. 2013, “O Santuário” p. 103 – Lição do Professor

Encontramos este texto que está apenas na lição do professor onde vemos que Cristo veio nos salvar do pecado e não no pecado. Nesse texto a lição destaca a nossa necessidade de Cristo e do Espírito Santo, mas não comenta um detalhe importante de Hebreus 4:16, que é o fato de existir uma “ocasião oportuna” para buscarmos essa ajuda,  não podemos esquecer que depois do fechamento da porta da graça será tarde demais.

  

 Tempo de angústia, justos sem intercessor

“Deixando Ele o santuário, as trevas cobrem os habitantes da Terra. Naquele tempo terrível os justos devem viver à vista de um Deus santo, sem intercessor. Removeu-se a restrição que estivera sobre os ímpios, e Satanás tem domínio completo sobre os que finalmente se encontram impenitentes. Terminou a longanimidade de Deus: O mundo rejeitou a Sua misericórdia, desprezou-Lhe o amor, pisando Sua lei. Os ímpios passaram os limites de seu tempo de graça; o Espírito de Deus, persistentemente resistido, foi, por fim, retirado. Desabrigados da graça divina, não têm proteção contra o maligno. Satanás mergulhará então os habitantes da Terra em uma grande angústia final.” Grande Conflito pág. 614

 

Confiança na intercessão de Cristo

 Devemos ter confiança na intercessão de Cristo que ocorre agora, mas devemos estar atentos para o fato de que essa intercessão um dia terminará. A lição comenta a confiança que devemos ter na intercessão de Cristo, mas novamente lamentamos por não encontrarmos nada sobre o fim da intercessão.

Advogado e Intercessor

2- Que grande esperança e promessa encontramos em Romanos 8:31-34?

“Porém não precisamos temer. A promessa de que nada nem ninguém pode nos separar do amor de Deus se centraliza em vários pontos importantes: ‘Deus é por nós (v. 31), Deus entregou Seu Filho por nós (v. 33) Deus nos dá graciosamente todas as coisas (v. 32) e Deus nos justifica (v. 33). Jesus Cristo está do nosso lado. Ele é a resposta ao medo da condenação, pois morreu, ressuscitou, e agora esta continuamente intercedendo por nós à direita de Deus, no santuário celestial (v. 34)” lição da Escola Sabatina 4° trim. 2013, “O Santuário” p. 96 – Lição do Professor

 “A fidelidade de Deus é imutável. Mesmo que sejamos ‘infiéis, Ele permanece fiel, pois de maneira nenhuma pode negar-Se a Si mesmo’ (2° Tim. 2:13). Nossa infidelidade ou descrença não mudará a intenção divina para conosco. Suas promessas não são abaladas pelas nossas falhas morais. As promessas ainda estarão disponíveis para nós, porque fidelidade é parte da natureza divina.” lição da Escola Sabatina 4° trim. 2013, “O Santuário” p. 163 – Lição do Professor

 “Porém não precisamos temer. […] e agora esta continuamente intercedendo por nós à direita de Deus, no santuário celestial”

“A fidelidade de Deus é imutável. Mesmo que sejamos ‘infiéis […] Suas promessas não são abaladas pelas nossas falhas morais. As promessas ainda estarão disponíveis para nós

Realmente devemos confiar na intercessão e no amor do nosso Salvador Jesus Cristo, mas devemos temer sim e nos preocupar com a nossa condição atual de escravos do pecado e então buscarmos na intercessão de Jesus o devido preparo para nossa salvação sabendo que há um tempo determinado para isso.

“Quando nos lembramos que ninguém sabe quando seu tempo de graça findará, como ousamos viver despreocupados, desprevenidos para encontrar com nosso Senhor? Como ousamos continuar pecadores e maculados? Por que não temos medo? Por que não estamos perturbados?  Por que não percebemos nosso perigo?  […] O Senhor operaria poderosamente por Seu povo, se este abandonasse as obras das trevas e se revestisse de Sua justiça. […] Manuscrito 13, 8 de junho de 1902

“Os pretensos crentes, que chegam despreparados ao tempo de angústia, confessarão, em seu desespero, seus pecados perante o mundo em palavras de angústia, enquanto que os ímpios exultam sobre seu desespero. O caso de todos eles é sem esperança. Os que adiaram a preparação para o dia de Deus não podem fazer essa preparação no tempo de angústia nem em qualquer período futuro.” – Signs of the Times, 27 de novembro de 1879. (O Batismo do Espírito Santo pág.112)

“No tempo de angústia, precisamente antes da vinda de Cristo, os justos serão preservados pelo ministério de anjos celestiais; não haverá segurança para o transgressor da lei de Deus. Os anjos não poderão proteger, então, aqueles que estão a desrespeitar um dos preceitos divinos.” Patriarcas e Profetas pág. 256

“Há esperança para cada um de nós, mas de uma só maneira – apegando-nos a Cristo e empregando toda energia para obter a perfeição de Seu caráter. Essa religião piegas que faz pouco do pecado, e só realça o amor de Deus pelo pecador, encoraja os pecadores a crer que Deus os salvará enquanto continuarem no pecado, sabendo que é pecado. É isso que estão fazendo muitos que professam crer na verdade presente.” Cristo Triunfante pág. 81

 

Dia da Expiação, purificação do santuário e do povo de Deus

 “O ritual do Dia da Expiação aponta para a obra do juízo investigativo realizada por Cristo no santuário celestial e revela as atividades especiais do povo de Deus durante esse tempo.” lição da Escola Sabatina 4° trim. 2013, “O Santuário” p. 75

3- Juízo investigativo. O Dia da Expiação implicava um dia de juízo investigativo divino. Aqueles que não afligissem a alma (literalmente, ‘humilhar-se’ em arrependimento) nesse dia seriam ‘eliminados’, ou seja, estariam condenados (Lv 16:29-30; 23:27,29 e 32). Teólogos judeus modernos reconhecem essa função do Dia da Expiação.” lição da Escola Sabatina 4° trim. 2013, “O Santuário” p. 77

“O sumo sacerdote fazia expiação com o sangue do bode do Senhor, purificando todo o santuário. O mesmo procedimento também efetuava a purificação do povo para que, quando o santuário fosse purificado de todos os pecados das pessoas, elas também fossem purificadas. Nesse sentido, o Dia da Expiação era único, pois somente nesse dia tanto o santuário quanto o povo eram purificados.” lição da Escola Sabatina 4° trim. 2013, “O Santuário” p. 69

“Assim como a atenção do povo de Deus se voltava para o sacerdote, Jesus é o centro exclusivo de nossa atenção. Como as atividades do sumo sacerdote na Terra traziam purificação para as pessoas, igualmente a obra de Jesus no santuário celestial faz o mesmo por nós (Rom. 8:34; 1°João1:9). lição da Escola Sabatina 4° trim. 2013, “O Santuário” p. 70

“Se alguém no antigo Israel não seguisse essas instruções, devia ser eliminado e destruído (Lv 23:29,30). O Dia da Expiação realmente significava nada menos do que vida e morte. Ele exigia completa lealdade para  com Deus.” lição da Escola Sabatina 4° trim. 2013, “O Santuário” p. 72

5- Purificação. O Dia da Expiação envolvia uma obra de purificação corporativa para o povo de Deus (Lv 16:30; Ez. 36:25-27; Ml.3:2,3). Mas note que era Deus quem assumia a responsabilidade pela purificação dos que permitiam que Ele fizesse essa obra em sua vida.” lição da Escola Sabatina 4° trim. 2013, “O Santuário” p. 77

Para a nossa salvação devemos entender e aceitar que deveremos ser completamente purificados e libertados da escravidão do pecado antes do fechamento da porta da graça.

“Vi que ninguém poderia participar do “refrigério” a menos que obtivesse a vitória sobre toda tentação, orgulho, egoísmo, amor ao mundo, e sobre toda má palavra e ação. Deveríamos, portanto, estar-nos aproximando mais e mais do Senhor, e achar-nos fervorosamente à procura daquela preparação necessária para nos habilitar a estar em pé na batalha do dia do Senhor.”  Primeiros Escritos, pág. 71.

“Cumpre-nos remediar os defeitos de caráter, purificar de toda a contaminação o templo da alma. Então a chuva serôdia cairá sobre nós, como caiu a temporã sobre os discípulos no dia de Pentecoste.”   Testemunhos Seletos, vol. 2, pág. 69.

“A chuva serôdia virá, e a bênção de Deus encherá toda alma que estiver purificada de toda contaminação. É nossa obra hoje entregar nossa alma a Cristo, para estarmos preparados para o tempo de refrigério pela presença do Senhor – preparados para o batismo do Espírito Santo.”  Mensagens Escolhidas, vol. 1, pág. 191. Eventos Finais pág. 192

“Agora, enquanto nosso grande Sumo Sacerdote está a fazer expiação por nós, devemos procurar tornar-nos perfeitos em Cristo. Nem mesmo por um pensamento poderia nosso Salvador ser levado a ceder ao poder da tentação. Satanás encontra nos corações humanos algum ponto em que pode obter apoio; algum desejo pecaminoso é acariciado, por meio do qual suas tentações asseguram a sua força. Mas Cristo declarou de Si mesmo: “Aproxima-se o príncipe deste mundo, e nada tem em Mim.” João 14:30. Satanás nada pôde achar no Filho de Deus que o habilitasse a alcançar a vitória. Tinha guardado os mandamentos de Seu Pai, e não havia nEle pecado que Satanás pudesse usar para a sua vantagem. Esta é a condição em que devem encontrar-se os que subsistirão no tempo de angústia.Grande Conflito pág. 623

 

A forma como vemos o nosso aperfeiçoamento de caráter

 “A consciência pode ser libertada da condenação. Pela fé em Seu sangue, todos podem ser aperfeiçoados em Cristo Jesus. Graças a Deus por não estarmos lidando com impossibilidades. Podemos pretender santificação. Podemos fruir o favor de Deus. Não devemos estar ansiosos acerca do que Cristo e Deus pensam de nós, mas do Deus pensa de Cristo, nosso substituto. (Ellen G White, Mensagens Escolhidas, v.2, p. 32,33)

Pense nas seguintes palavras: “Não devemos estar ansiosos acerca do que Cristo e Deus pensam de nós, mas do Deus pensa de Cristo, nosso substituto.” Como isso nos ajuda a entender o conceito de ser aperfeiçoado ‘em Cristo Jesus?’” lição da Escola Sabatina 4° trim. 2013, “O Santuário” p. 100 – Lição do Professor

Não podemos nos acomodar com algum pecado e pensar que mesmo que eu permaneça com ele, o Senhor irá olhar para mim e ver Jesus.

O Senhor vê os salvos em Jesus da seguinte forma: Deus olha para o passado desse salvo e vê Jesus que morreu para que ele fosse perdoado. No tempo presente deste salvo, olha e vê Jesus revelado em sua vida, reinando de forma soberana em seu coração.

Não podemos nos enganar com o pensamento de que podemos usar Jesus como uma capa para encobrir nossos pecados não arrependidos e não abandonados.

“Não é genuíno nenhum arrependimento que não opere a reforma. A justiça de Cristo não é uma capa para encobrir pecados não confessados e não abandonados; é um princípio de vida que transforma o caráter e rege a conduta. Santidade é integridade para com Deus; é a inteira entrega da alma e da vida para habitação dos princípios do Céu.” O Desejado de Todas as Nações, pág. 555

Os seres celestiais cooperarão com o agente humano que procura com fé decidida a perfeição de caráter que se manifeste na ação perfeita. A todo que se empenha nesta obra, Cristo diz: Estou à tua destra, para te auxiliar.” Parábolas De Jesus, p. 332

 

“O Senhor tomou grande cuidado para que tudo nos fosse agradável e aprazível, no entanto, empenhou-Se muito mais para nos conceder o dom por meio do qual podemos aperfeiçoar o caráter cristão, segundo o padrão de Cristo.”   MM Perto Do Céu, p.85

 

“Deus somente aceitará os que estão decididos a ter um alvo elevado. Coloca cada agente humano sob a obrigação de fazer o melhor. De todos é requerido perfeição moral. Nunca devemos abaixar a norma de justiça com o fim de acomodar à prática do mal, tendências herdadas ou cultivadas. Precisamos compreender que imperfeição de caráter é pecado. Todos os justos atributos de caráter habitam em Deus como um todo perfeito e harmonioso, e todo aquele que aceita a Cristo como Salvador pessoal, tem o privilégio de possuir estes atributos.”  Parábolas De Jesus, pág. 330

 

Como reagir diante da aparente demora de Jesus

“A igreja Adventista tem proclamado a mensagem do juízo por muitos anos. Cristo ainda não voltou. Como devemos reagir a essa aparente demora? Por que é importante lembrar que temos uma compreensão limitada do tempo? Pense em algumas das profecias de tempo muito longas e como alguém que viveu naqueles tempos poderia facilmente ter sido desencorajado acerca do que, de sua perspectiva, parecia estar demorando.” lição da Escola Sabatina 4° trim. 2013, “O Santuário” p. 113

Não devemos achar como sendo coisa normal essa longa espera pela volta de Jesus, já era para Jesus ter voltado,  a verdade é que nós estamos retardando a volta de Jesus, é a nossa teimosia em permanecer no pecado que tem impedido nosso devido preparo para que Jesus venha nos buscar.

”Houvessem os adventistas, depois do grande desapontamento de 1844, sustido firme sua fé e seguido avante unidos, segundo a providência de Deus lhes abria o caminho, recebendo a mensagem do terceiro anjo e no poder do Espírito Santo proclamando-a ao mundo, haveriam visto a salvação de Deus, o Senhor teria operado poderosamente com os esforços deles, a obra haveria sido concluída, e Cristo teria vindo antes para receber Seu povo para dar-lhe o seu galardão. Não era a vontade de Deus que a vinda de Cristo houvesse sido assim retardada. … Por quarenta anos a incredulidade, a murmuração e a rebelião excluíram o antigo Israel da terra de Canaã. Os mesmos pecados têm retardado a entrada do Israel moderna na Canaã celestial. Em nenhum dos casos houve falta da parte das promessas de Deus. É a incredulidade, o mundanismo, a falta de consagração e a contenda entre o professo povo de Deus que nos têm detido neste mundo de pecado e dor por tantos anos. Evangelismo, págs. 695 e 696.” Eventos Finais pág. 24

“Houvesse a igreja de Cristo feito a obra que lhe era designada, como Ele ordenou, o mundo inteiro haveria sido antes advertido, e o Senhor Jesus teria vindo à Terra em poder e grande glória. O Desejado de Todas as Nações, pág. 634.” Eventos Finais pág. 24

“Talvez tenhamos de permanecer muitos anos mais neste mundo por causa de insubordinação, como aconteceu com os filhos de Israel; mas por amor de Cristo, Seu povo não deve acrescentar pecado a pecado, responsabilizando a Deus pela conseqüência de seu próprio procedimento errado. Evangelismo, págs. 695 e 696 Eventos Finais pág. 24-25.”

Não é a vontade de Deus que este mundo de sofrimento continue existido por muito tempo, a verdade é que já era para Jesus ter voltado, é a nossa rebeldia não aceitando de forma real a purificação que o Senhor deseja realizar em nós que tem retardado a volta de Jesus. Que o Senhor nos ajude para que possamos aceitar todas as verdades importantes para nossa salvação, e assim estar preparados para a volta de Jesus e abreviar Sua volta e o fim desse mundo de tanto sofrimento.

“Todo cristão tem o privilégio, não só de esperar a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, como também de apressá-la. Se todos os que professam Seu nome produzissem fruto para Sua glória, quão depressa não estaria o mundo todo semeado com a semente do evangelho! Rapidamente amadureceria a última grande seara e Cristo viria recolher o precioso grão. Parábolas de Jesus, pág. 69.”

Dando o evangelho ao mundo, está em nosso poder apressar a volta de nosso Senhor. Não nos cabe apenas aguardar, mas apressar o dia de Deus. II Ped. 3:12. O Desejado de Todas as Nações, págs. 633 e 634.”  Eventos Finais pág. 25

“Quando já o fruto se mostra, mete-lhe logo a foice, porque está chegada a ceifa.” Mar. 4:29. “Cristo aguarda com fremente desejo a manifestação de Si mesmo em Sua igreja. Quando o caráter de Cristo se reproduzir perfeitamente em Seu povo, então virá para reclamá-los como Seus.”  Parábolas De Jesus, pág. 69

Deus seja para sempre louvado!

ÚLTIMA GERAÇÃO

filhos de DeusÚltima geração de salvos será composta por servos de Deus totalmente libertados da escravidão do pecado. Antes que seja fechada a porta da graça esses servos de Deus selados e na plenitude do Espírito, pela graça de Deus estarão vivendo sem pecar. Mesmo estando vivendo no tempo de angústia enfrentando grandes provações essa última geração de salvos provará ser possível sim, fortalecido pela graça de Deus, viver sem pecar, fortalecidos pelo Senhor Espírito Santo estarão prestando plena obediência a lei de Deus.

No livro A Vitória da Igreja na Crise Final, publicado pela Casa Publicadora Brasileira encontramos informações importantes sobre a última geração. Neste livro o Pr. Fernando Chaij afirma que no final “toda a hoste dos remidos” estarão vivendo sem pecar. “Desta maneira estarão reivindicando a Deus, Seu amor, Sua lei, Seu caráter e sabedoria.” 

Textos do livro A Vitória da Igreja na Crise Final

“Temos que recordar, não obstante, que da igreja estiver vivendo quando terminar o tempo de graça, Deus espera um nível particularmente alto de semelhança com Cristo, sendo que a última igreja deverá estar excepcionalmente isenta de mancha, e o estará em realidade. Uma experiência de provas e perseguições, junto com uma obra especial do Espírito Santo, permitirá que esta excelência seja possível. Os santos, desta maneira, estarão preparados para receber o selo de Deus. “Os que hão de receber o selo do Deus vivo, e ser protegidos, no tempo de angústia, devem refletir completamente a imagem de Jesus.” Primeiros Escritos, p. 70. “Nenhum de nós jamais receberá o selo de Deus, enquanto o caráter tiver uma nódoa ou mácula sequer.” Test. Seletos, vol. 2, p. 69. Esta condição particular, adquirida por muitos filhos de Deus através da História, será a característica prevalecente de toda a igreja – a parte que há de receber o selo de Deus e ser salva – no momento em que expirar o tempo de graça.  Nossa cooperação voluntária com o poder do Céu permite que o Senhor opere milagres, e esse ideal se torna perfeitamente possível. Deus o predisse e fez ampla provisão para que esta experiência seja uma realidade, tanto individual como coletivamente.” Pr. Fernando Chaij, “A Vitória da Igreja na Crise Final”, pág. 20-21

“Deus porém, tem outro grande propósito ao nos deixar passar pela última hora de angústia.  Satanás, o grande rebelde, tem acusado a Deus de ser arbitrário, e  de requerer de Suas criaturas o cumprimento de uma lei injusta e impossível de se cumprir. Nesse tempo, em virtude de um nível especial de experiência cristã adquirido pelos remidos antes do fim do processo do selamento, eles se tornarão testemunhas vivas em favor de Deus, perante todo o Universo, quanto à possibilidade de uma vida sem pecado, uma vida de perfeita obediência. Neste aspecto não serão somente alguns casos isolados de seres humanos aqui e ali os que poderão mostrar a falsidade da acusação satânica, mas toda a hoste dos remidos que, mediante uma completa entrega a Deus e ao poder do Espírito Santo, viverão uma vida sem pecado, testificando da justiça que caracteriza a Deus e Sua lei perfeita.”  Pr. Fernando Chaij, “A Vitória da Igreja na Crise Final”, pág. 53

“Durante o tempo de angústia, o Universo inteiro observará os nefastos resultados do governo que Satanás têm exercido no mundo, e a completa falsidade de sua acusação de que a lei de Deus é injusta, e impossível de ser obedecida. Nas mais difíceis circunstâncias, quando estiverem rodeados de lutas, perseguição e ameaça de morte, todos os remidos estarão cumprindo a lei de Deus de modo perfeito, mediante a graça de Cristo, sem um Mediador, e mantendo imaculado seu caráter. Desta maneira estarão reivindicando a Deus, Seu amor, Sua lei, Seu caráter e sabedoria.”  Pr. Fernando Chaij, “A Vitória da Igreja na Crise Final”, pág. 57

“Os 144.000 têm o nome de seu Pai escrito em suas testas. Estes não foram contaminados com falcas doutrinas. Seguem o Cordeiro onde quer que vá. São os remidos, as primícias para Deus e o Cordeiro. Em sua boca não se achou engano. Estão sem falta diante do trono de Deus. (Apoc. 14:1-5). Entes cantam um cântico, cântico maravilhoso de vitória e felicidade. Serão uma inegável demonstração diante do Universo, de que lhes foi possível permanecer sem pecado durante o tempo de angústia. E esta é uma prova de que haveria sido absolutamente possível que Adão e Eva obedecessem perfeitamente á lei de Deus, o que revela que a acusação de Satanás, segundo a lei de Deus era injusta e impossível de ser guardada por parte do homem, era uma total falsidade. Para os triunfantes da hora final foi mais difícil alcançar este alvo de obediência perfeita, porque eles possuíam uma mente e corpo humanos que haviam sofrido os efeitos de seis mil anos de pecado e degradação. Mas, pela fé, e por uma total dependência do poder de Deus, cumpriam o pacto com Cristo, e agora vão receber sua eterna recompensa.  Pr. Fernando Chaij, “A Vitória da Igreja na Crise Final”, pág. 100-101        

Quem são os cento e quarenta e quatro mil, e porque este número.Testemunho e Serviço

Em primeiro lugar, sabemos que todos os santos que estiverem vivos ao final do tempo da graça e que passam pelo tempo de angústia, estarão entre eles. ( PE, 15.) Sabemos ainda que todos eles serão filhos de Deus, selados, e que estarão perfeitamente unidos. ( PE, 15.) Pr. Fernando Chaij, “A Vitória da Igreja na Crise Final”, pág. 114

Sinais de identificação dos 144.000. Este é o aspecto importante deste estudo: saber quais são as características que estas pessoas bem-aventuradas necessitam ter, a fim de procurar adquiri-las pela graça de Deus.

  1. Foram remidos dentre os da Terra ( Apoc. 14:3). Foram comprados pelo precioso sangue de Jesus Cristo, e ao responder ao grande preço pago por Ele, foram separados do mundo como filhos de Deus numa hora muito especial da história humana.
  2. São selados (Apoc. 7:4). Em outras palavras, obtiveram a vitória sobre o pecado e as manchas do caráter, de modo que os anjos puderam pôr sobre eles o selo do Deus vivo. O selo representa uma lei perfeita que foi escrita nas tábuas de carne do coração. Representa o caráter perfeito de Deus que lhe foi concedido pela fé. Foram também estabelecidos numa experiência sã e permanente com Deus, de modo que podem passar pelo tempo de angústia sem mediador, e podem fazê-lo só pela graça sustentadora de Cristo e Seu poder.
  3. O nome do Pai está escrito em suas frontes (Apoc. 14:1). “’Deus, Nova Jerusalém’, e tinham uma estrela gloriosa que continha o novo nome de Jesus”. Primeiros Escritos, pág. 15

O nome do Pai é o nome geral, o que chamaríamos sobre nome, ou nome de família, que lhes foi dado porque foram adotados como filhos de Deus. Mas junto com este nome recebem também um nome novo, o qual ninguém conhece senão aquele que o recebe (Apoc. 2:17). Este é um nome individual, o primeiro nome. Ninguém conhece este primeiro nome, porque é dado de acordo com uma experiência particular que lhes permitiu desenvolver qualidades definidas que o indivíduo necessitava para aperfeiçoar o caráter e ser semelhante a Cristo. 

  1. Eles não se contaminaram com mulheres, porque são virgens (Apoc. 14:4). Não se comprometeram com falsas doutrinas de igrejas espúrias, ou com atividades proibidas pela bíblia e que são equiparadas à idolatria. Guardaram uma relação de fidelidade como que conjugal com o celestial esposo, e mantiveram-se livres de falsas crenças e práticas.
  2. Em sua boca não se achou engano (Apoc. 14:5). São verazes em todo sentido, porque “Jeová aborrece a língua mentirosa”. Prov. 6:16,17. E também porque “Deus é um Deus de verdade”(Deut. 32:4), sendo também Ele mesmo a personificação da verdade na pessoa de Seu Filho Jesus Cristo. (S. João 14:6)

Quão necessário é que desenvolvamos esta qualidade moral agora mesmo em nossas transações e em nosso falar, visto que ao fazê-lo estaremos adquirindo uma das qualidades básicas da vida cristã, necessária para a transladação.

  1. São sem mancha (Apoc. 14:5). Estas são grandes palavras. Normalmente falamos acerca de uma perfeição relativa, e um processo de crescimento e maturidade espiritual. Mas a passagem aqui se refere a um estado de impecabilidade, a uma vida sem mácula. E isto não é um mero desejo, mas um fato consumado. O revelador viu que os que os 144.000 eram imaculados. E se, se tratava de um fato observado pelo apóstolo, significa que Deus nos pode prover condições para alcançá-lo também.

Nenhum poder ou esforço humano pessoal basta para consegui-lo. Mas quando este vaso terreno que é nossa vida é posto incondicionalmente nas mãos capazes do divino Artífice, Ele assume a hábil e difícil tarefa de produzir um vaso perfeito, o que requererá nada menos que um grande milagre do Espírito Santo.

A geração que vive por ocasião da segunda vinda de Jesus terá alcançado esta condição em sua experiência. Estarão selados. Serão mantidos sem pecado pelo poder operador e protetor do Espírito de Deus. E demonstrarão diante de todo o Universo que o ideal de Deus estabelecido no princípio – obediência  perfeita a uma lei perfeita – era uma possibilidade total. Pr. Fernando Chaij, “A Vitória da Igreja na Crise Final” pág. 116 – 118

Deus seja louvado por ter concedido ao Pr. Fernando Chaij sabedoria e coragem para nos trazer informações tão importantes para nossa salvação.

Reavivamento Prometido: missão cumprida

 Reavivamento

“Porque a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens. Ela nos ensina a renunciar à impiedade e às paixões mundanas e a viver de maneira sensata, justa e piedosa nesta era presente, enquanto aguardamos a bendita esperança: a gloriosa manifestação de nosso grande Deus e Salvador, Jesus Cristo.” Tito 2:11-13 (NVI)

“O Senhor não demora em cumprir a sua promessa, como julgam alguns. Pelo contrário, ele é paciente com vocês, não querendo que ninguém pereça, mas que todos cheguem ao arrependimento.” 2 Pedro 3:9 (NVI)

Por estes textos percebemos claramente que o Senhor deseja a salvação de todos. Para isso, Ele está concedendo agora a chuva Temporã e em breve, concederá a chuva Serôdia para aqueles que estiverem preparados.

A verdadeira preparação se fará através da purificação de nossa vida ao buscarmos refletir o caráter de Cristo no tempo da Chuva Temporã que vem sobre nós agora. E somente por esta purificação e transformação através do Senhor Espírito Santo, é que seremos dignos de recebermos a Chuva Serôdia.

Ellen G. White afirma assim: “A chuva serôdia, amadurecendo a seara da Terra, representa a graça espiritual que prepara a igreja para a vinda do Filho do homem. Mas a menos que a chuva temporã haja caído, não haverá vida; a ramagem verde não brotará. Se a chuva temporã não fizer seu trabalho, a serôdia não desenvolverá a semente até a perfeição.” Testemunhos Para Ministros, pág. 506.

Ser purificado agora para não ser consumido no futuro

“O estudioso LeRoy Froom explica a expressão “batismo de fogo: “trata-se aqui de uma frase explicativa, completando a idéia. É a maneira escriturística de repetir para salientar e reforçar um só pensamento. Devemos ser batizados com fogo divino agora para escaparmos da destruição do fogo consumidor mais tarde “(A Vinda do Consolador, p.265, 266). A presença pessoal de Cristo, por intermédio do Espírito Santo, é uma presença purificadora. O Espírito Santo sonda íntimo de nosso ser, penetra os pensamentos, purifica o coração e fortalece a vida espiritual.” Comentário Adicional na Lição de Professor, pág. 168

Nossa dificuldade em compreender e aceitar quando e o quanto o Senhor quer e pode nos purificar na chuva Temporã, é na verdade o motivo de não estarmos preparados para recebermos a chuva Serôdia. Vejamos que o Pr. Mark Finley, autor da lição, reconhece que realmente não estamos preparados para recebermos a chuva Serôdia:

“A razão pela qual Deus nos pede que oremos pelo Espírito Santo não é que Ele não esteja disposto a nos dar o Espírito, mas porque não estamos preparados para recebê-Lo.” Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 90 – Lição de Aluno; pág. 162 – Lição de Professor

A lição da escola sabatina traz uma pergunta interessante para iniciarmos um entendimento do preparo que precisamos ter, para recebermos o Espírito Santo. As respostas a estas perguntas nos esclarecerão sobre nossa falta de preparo:

“Quais são os pré-requisitos para receber a chuva serôdia? Por que o Espírito Santo ainda não foi derramado na plenitude do poder?” Comentário Adicional na Lição de Professor, pág. 166

QUAIS SÃO OS PRÉ-REQUISITOS PARA RECEBER A CHUVA SERÔDIA?

  • Oração;
  • nosso desejo de receber;
  • plena purificação dos pecados.

Já afirmamos anteriormente a necessidade da purificação plena para recebermos a Chuva Serôdia e agora, apresentaremos mais alguns textos do Espírito de profecia que confirmam esta necessidade:

“Vi que ninguém poderia participar do “refrigério” a menos que obtivesse a vitória sobre toda tentação, orgulho, egoísmo, amor ao mundo, e sobre toda má palavra e ação. Deveríamos, portanto, estar-nos aproximando mais e mais do Senhor, e achar-nos fervorosamente à procura daquela preparação necessária para nos habilitar a estar em pé na batalha do dia do Senhor.” Primeiros Escritos, pág. 71.

“Cumpre-nos remediar os defeitos de caráter, purificar de toda a contaminação o templo da alma. Então a chuva serôdia cairá sobre nós, como caiu a temporã sobre os discípulos no dia de Pentecoste.” Testemunhos Seletos, vol. 2, pág. 69. Eventos Finais pág. 192

UM ALERTA! – Os que não estão buscando a purificação plena agora esperando que as falhas sejam supridas pela chuva Serôdia “estão cometendo um erro terrível”. Eis a confirmação desta afirmação:

“Muitos têm, em grande parte, deixado de receber a chuva temporã. Não têm obtido todos os benefícios que Deus assim para eles tem provido. Esperam que as falhas sejam supridas pela chuva serôdia. Quando a maior abundância da graça estiver para ser outorgada, tencionam abrir o coração para recebê-la. Estão cometendo um erro terrível.” Testemunhos Para Ministros  pág.  506 -507 (O Batismo do Espírito Santo pág. 60)

 

POR QUE O ESPÍRITO SANTO AINDA NÃO FOI DERRAMADO NA PLENITUDE DO PODER?

Já vimos que a plena purificação é um dos pré-requisitos para recebermos a plenitude do Espírito Santo. Agora não fica difícil sabermos o porquê de não recebermos a Chuva Serôdia. Basta olharmos para nossa vida ainda apegada ao pecado e nossa religiosidade apenas superficial para entendermos porque pedimos, pedimos e não recebemos a tão necessária chuva Serôdia. 

Em nome de Jesus clamamos que mudemos de vida e almejemos aquilo que realmente tem valor:

“Mas, tudo o que é exposto pela luz torna-se visível, pois a luz torna visíveis todas as coisas. Por isso é que foi dito: “Desperta, ó tu que dormes, levanta-te dentre os mortos e Cristo resplandecerá sobre ti“. Tenham cuidado com a maneira como vocês vivem; que não seja como insensatos, mas como sábios, aproveitando ao máximo cada oportunidade, porque os dias são maus. Portanto, não sejam insensatos, mas procurem compreender qual é a vontade do Senhor.” Efésios 5:13-17 (NVI)

Lição reavivamento e reformaPERGUNTAS DA INTRODUÇÃO DA LIÇÃO

No início do trimestre desafiamos nossos irmãos a responderem as perguntas que encontramos na introdução da lição Reavivamento e Reforma:

  1. Será que Deus está esperando algum momento mágico para derramar o Espírito Santo sobre a igreja?
  2. O que significa uma vida cheia do Espírito?
  3. Há algo que possamos fazer para cooperar com Deus, a fim de receber o Espírito Santo?
  4. Onde começam o reavivamento e a reforma?

A seguir alguns textos que encontramos na lição, na bíblia e no Espírito de Profecia onde temos as respostas para estas perguntas:

1. Será que Deus está esperando algum momento mágico para derramar o Espírito Santo sobre a igreja?

“A promessa do Espírito Santo não é limitada a algum século ou raça.” Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 61 – Lição de Professor

“No cenáculo, os discípulos arrependeram-se e confessaram seus pecados a Deus e uns aos outros. Foram reconciliados com Deus e unidos aos irmãos. Prepararam o coração para receber o derramamento do Espírito Santo no Pentecostes. O pecado impede esse mesmo derramamento em nossa vida, bloqueando o fluxo do Espírito de Deus. Arrependimento e confissão de pecados específicos abrem os canais obstruídos da alma, para que recebamos o mais precioso dom de Deus, o Espírito Santo em sua plenitude. Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 75 – Lição de Professor

“Quando a igreja de Cristo estiver unida, focalizada na mensagem e apaixonada pela missão, o reavivamento virá.” Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 88 – Lição de Professor

“A descida do Espírito Santo sobre a igreja é olhada como estando no futuro; é, porém, o privilégio da igreja tê-la agora. Buscai-a, orai por ela, crede nela. Precisamos tê-la, e o Céu espera para concedê-la. Evangelismo, pág. 701.”  Eventos Finais pág. 109

É bom que todos possam compreender claramente que o Senhor não está esperando algum “momento mágico” para nos conceder a chuva Serôdia. Ele deseja nos conceder essa graça maravilhosa agora! É a nossa rebeldia, despreparo e prioridades mundanas que estão impedindo que o Senhor derrame sobre nós a plenitude do Espírito Santo. Misericórdia Senhor!

Irmãos, até quando?

2. O que significa uma vida cheia do Espírito?

“Enfatize que a mensagem a Laodiceia, em Apocalipse 3, é o apelo de Deus para irmos além da experiência cristã casual (que nos custa pouco), para uma vida de total comprometimento com Jesus. Esse apelo não é apenas para abandonarmos atitudes e hábitos que nos separam de Jesus, mas para conhecermos e amarmos a Cristo de modo tão profundo que jamais pensaríamos em desagradar Aquele que tanto nos ama.” Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 10 – Lição de Professor

“Jesus deu um exemplo do que é uma vida cheia do Espírito Santo. É uma vida de obediência voluntária e humilde submissão à vontade do  Pai. E uma vida de oração, dedicada ao serviço e ministério e dominada pelo desejo ardente de ver pessoas salvas no reino do Pai.” Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 60 – Lição de Professor

“Como é uma vida cheia do Espírito Santo? Considere a vida de Jesus, e você perceberá uma vida cheia do Espírito. Ele nasceu do Espírito, recebia diariamente a plenitude do Espírito, foi batizado pelo Espírito e ministrava no poder do Espírito (Lc. 1:35; 4,18; Mt. 3:11-17). Jesus viveu para glorificar oi Pai. Em Sua vida, revelou como era o Pai. Por isso Ele disse: “Eu faço sempre o que Lhe agrada” (João 8:29). Ele foi um filho obediente, comprometido em fazer a vontade do Pai, vivendo para glorificar a Deus (Hb. 5:8; Mt. 26:39; Jo. 17:4). Sua vida refletiu o fruto do verdadeiro reavivamento: uma vida obediente.” Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 64 – Lição de Professor

 “A transformação do caráter é o testemunho de que Cristo habita no ser. O Espírito de Deus produz nova vida na alma, levando os pensamentos e os desejos à obediência à vontade de Cristo, e o homem interior é renovado segundo a imagem de Deus.” Profetas e Reis, pág. 225. (A Vinda do Consolador, pág. 63)

“O Espírito Santo procura habitar em cada alma. Caso Ele seja bem-vindo com hóspede honrado, os que O receberem se tornarão completos em Cristo. A boa obra começada será terminada; os pensamentos santos, as celestiais afeições e os atos semelhantes aos de Cristo tomarão o lugar dos pensamentos impuros, dos sentimentos perversos e dos atos obstinados.” Conselhos Sobre Saúde, pág. 561 (A Vinda do Consolador, pág. 62)

“É pelo Espírito Santo que o coração é purificado. Por meio do Espírito, o crente torna-se participante da natureza divina. Cristo concedeu o Seu Espírito como um poder divino para vencer todas as tendências para o mal, quer hereditárias, quer cultivadas, e imprimir na Igreja o Seu caráter. […]Review and Herald, 19 de novembro de 1908.  (Minha Consagração Hoje, pág. 46)

3. Há algo que possamos fazer para cooperar com Deus, a fim de receber o Espírito Santo?

“Só podemos esperar um reavivamento em resposta a oração.” (Ellen G. White, Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 121). Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 16 – Lição de Professor

“Fazer o que Deus diz, mesmo que isso seja contrário aos nossos desejos pessoais, prepara-nos para receber a plenitude do poder do Espírito Santo.” Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 16 – Lição de Professor

“Arrependimento e confissão são dois prerrequisitos necessários para que recebamos o poder do Espírito Santo em abundância.” Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 68 – Lição de Professor

“É ’a bondade de Deus’ que  nos leva ao arrependimento.É o poder de convencimento do Espírito Santo que nos conscientiza da necessidade de um Salvador que perdoa os pecados. Ao mesmo tempo, devemos lembrar que o Espírito Santo não enche corações  impenitentes. (RO. 2:8; Atos 2:38,39; 3:19). Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 69 – Lição de Professor

“No cenáculo, os discípulos arrependeram-se e confessaram seus pecados a Deus e uns aos outros. Foram reconciliados com Deus e unidos aos irmãos. Prepararam o coração para receber o derramamento do Espírito Santo no Pentecostes. O pecado impede esse mesmo derramamento em nossa vida, bloqueando o fluxo do Espírito de Deus. Arrependimento e confissão de pecados específicos abrem os canais obstruídos da alma, para que recebamos o mais precioso dom de Deus, o Espírito Santo em sua plenitude.” Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 75 – Lição de Professor

“A ‘unidade’, ou harmonia dos discípulos preparou o coração deles para receber a plenitude do poder do Espírito Santo. […] É importante notar que somente depois que os discípulos entraram em união perfeita, quando não mais contendiam pelas posições mais elevadas, o Espírito Santo foi derramado. Estavam unânimes. Todas as divergências haviam sido postas de lado.” (Ellen G. White, Conselhos Para Igreja, p. 98). Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 82 – Lição de Professor

“Quando os obreiros tiverem a presença permanente de Cristo em seu coração, quando estiver morto todo egoísmo, quando não mais houver nenhuma rivalidade, nenhuma contenda por supremacia, quando existir unidade, quando eles se santificarem de maneira que o amor de uns pelos outros seja visto e sentido, então as chuvas da graça do Espírito Santo hão de vir tão seguramente sobre eles como é certo que a promessa de Deus não falhará em um jota ou em um til” (Ellen G. White, Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 175) Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 152 – Lição de Professor

4-   Onde começam o reavivamento e a reforma?

“Um reavivamento da verdadeira piedade entre nós, eis a maior e a mais urgente de todas as nossas necessidades. Importa haver diligente esforço para obter a bênção do Senhor, não porque Deus não esteja disposto a outorgá-la, mas porque nos encontramos carecidos de preparo para recebê-la. Nosso Pai celeste está mais disposto a dar Seu Espírito Santo àqueles que Lho peçam, do que pais terrenos o estão a dar boas dádivas a seus filhos. Cumpre-nos, porém, mediante confissão, humilhação, arrependimento e fervorosa oração, cumprir as condições estipuladas por Deus em Sua promessa para conceder-nos Sua bênção. Só podemos esperar um reavivamento em resposta à oração. Mensagens Escolhidas, vol. 1, pág. 121.” Eventos Finais, pág. 189

“Um reavivamento da verdadeira piedade entre nós, eis a maior e a mais urgente de todas as nossas necessidades.” Está muito claro, o que precisa ser reavivado é a “verdadeira piedade.” Não é fácil definir piedade, mas nos ajudará muito saber quando começa a verdadeira piedade.

Quando começa a verdadeira piedade? “A verdadeira piedade começa quando termina toda transigência com o pecado.” O Maior Discurso de Cristo pág. 91

Precisamos entender e aceitar que o “reavivamento da verdadeira piedade” de que tanto precisamos começa quando termina toda transigência ou tolerância com o pecado. Precisamos parar de ficar justificando nossas atitudes pecaminosas. Ao buscarmos na graça de Deus poder para levarmos uma vida completamente santificada, uma vida sem nenhuma tolerância com o pecado, quando agirmos assim estaremos começando em nossa vida a verdadeira piedade.

A última geração de servos de Deus terá eliminado toda tolerância com o pecado. Pela graça de Deus serão purificados e levarão uma vida santa. Quando ocorrer este processo, os verdadeiros filhos de Deus iluminarão revelando Seu caráter neste mundo mergulhado em trevas.

Lembremos que, o primeiro passo é buscar poder em Deus para morrer o nosso eu e deixá-Lo viver em nós. Ao acontecer esta morte do eu, estaremos em total dependência de Deus, pois já será Ele quem viverá em nós e assim será eliminado a vontade de viver em pecado.

Agora, quando isso vai acontecer? Quando, de uma forma clara e objetiva, iremos no poder de Deus buscar nossa plena libertação da escravidão do pecado? Isso um dia acontecerá, gostaria muito que acontecesse em nossa geração.

Textos que revelam a obra final do povo de Deus na Terra

 “A Terra se encherá da glória de Deus. “A Terra se encherá do conhecimento da glória do Senhor, como as águas cobrem o mar” (Hc 2:14). Em visão profética, João viu um anjo mensageiro descer do Céu “e a Terra se iluminou com a sua glória” (Ap 18:1). A glória de Deus, Seu caráter amoroso, será revelada através do poder do Espírito Santo a um mundo que espera e ao Universo expectante. Cada pessoa no planeta Terra terá a oportunidade de ouvir e compreender a mensagem de Deus para os últimos dias.” Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 163 – Lição de Professor

“Servos de Deus, com o rosto iluminado e a resplandecer de santa consagração, se apressarão de um lugar para o outro para proclamar a mensagem Céu. Por milhares de vozes em toda a extensão da Terra, será dada a advertência. Serão operados prodígios, os doentes serão curados, e sinais e maravilhas seguirão os cristãos “(Ellen G. White, O Grande Conflito, p. 612). A obra na terra será concluída. Jesus virá. Todo o Céu e a Terra se alegrarão. Não há prioridade mais importante em nossa vida do que experimentar um reavivamento da graça de Deus em nosso coração, diariamente, e convidar Seu Espírito Santo para nos moldar á sua imagem (1Jo 3:1-3). Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 164 – Lição de Professor

Sua glória e Seu caráter

“Mediante o derramamento do Espírito Santo no poder da chuva serôdia, a Terra será iluminada com a gloria de Deus. Ocorrerá a maior manifestação do poder do Espírito Santo desde o Pentecoste. A luz da palavra de Deus penetra os mais escuros recantos da Terra. A glória de Deus é o seu caráter (Êx 33:18, 19). O eterno caráter de amor se manifestará em Seu povo, de modo que o mundo e o Universo expectante verão que a graça de Deus é suficiente para superar todos os poderes do mal. Na vida e no testemunho, a igreja revelará esse caráter de amor. Por intermédio do poder divino, a mensagem triunfara e Jesus virá (Mt. 24:14). Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 168 – Lição de Professor

A última geração, vivendo a plenitude do Espírito revelará o caráter de Deus então Jesus voltará. Mais uma vez afirmamos que seria maravilhoso se isso acontecesse na nossa geração.

“Nesta última geração, a parábola do grão de mostarda deve alcançar notável e triunfante cumprimento. A pequena semente tornar-se-á uma árvore. A última mensagem de advertência e misericórdia deve ir “a toda nação, e tribo, e língua, e povo” (Apoc. 14:6), para “tomar deles um povo para o Seu nome” (Atos 15:14); e a Terra será iluminada por Sua glória. (Apoc. 18:1.)” Parábolas de Jesus, pág. 79

“Quando já o fruto se mostra, mete-lhe logo a foice, porque está chegada a ceifa.” Mar. 4:29. Cristo aguarda com fremente desejo a manifestação de Si mesmo em Sua igreja. Quando o caráter de Cristo se reproduzir perfeitamente em Seu povo, então virá para reclamá-los como Seus. Todo cristão tem o privilégio, não só de esperar a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, como também de apressá-la. (II Ped. 3:12.)  Se todos os que professam Seu nome produzissem fruto para Sua glória, quão depressa não estaria o mundo todo semeado com a semente do evangelho! Rapidamente amadureceria a última grande seara e Cristo viria recolher o precioso grão.” Parábolas De Jesus, pág. 69

Deus seja para sempre louvado!

Reforma: curando relacionamentos quebrados

 Vaso sendo colado

O estudo de Sábado a tarde da lição diz:

“Mesmo depois do Pentecostes, o relacionamento entre os cristãos às vezes foi hostil.” Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 80 – Lição de Aluno, pág. ???? – Lição de Professor

Realmente aconteceram dificuldade de relacionamento e estão registrados na Bíblia. Certamente é para nosso aprendizado e crescimento. Mas será que isto era vontade de Deus? Como pode pessoas cheias do Espírito Santo tiveram atitudes assim?

O Espírito Santo trabalha o coração e vai mondando-nos à semelhança de Jesus. É certo afirmar que quando houveram estes conflitos, os envolvidos, por algum momento, deixaram de viver o poder e deixaram o poder humano prevalecer.

Um dos episódios mais conhecidos foi quando Pedro foi repreendido por Paulo. A serva do Senhor, Ellen G. White, escreveu-nos sobre este fato:

“Quando Pedro, posteriormente, visitou Antioquia, captou a confiança de muitos por sua conduta prudente para com os conversos gentios. Por algum tempo ele agiu de acordo com a luz dada pelo Céu. Dominou seu natural preconceito até o ponto de sentar-se à mesa com os conversos gentios. Mas quando certos judeus zelosos da lei cerimonial vieram de Jerusalém, Pedro mudou, desavisadamente, o seu procedimento para com os conversos do paganismo. Alguns “judeus também dissimulavam com ele, de maneira que até Barnabé se deixou levar pela sua dissimulação”. Gál. 2:13. Esta revelação de fraqueza da parte daqueles que haviam sido respeitados e amados como dirigentes, produziu dolorosa impressão na mente dos crentes gentios. A igreja foi ameaçada de divisão. Mas Paulo, que viu a subversiva influência do erro praticado para com a igreja pela duplicidade de atitude da parte de Pedro, reprovou-o abertamente por dissimular assim seus verdadeiros sentimentos. Na presença da igreja, Paulo argüiu a Pedro: “Se tu, sendo judeu, vives como os gentios, e não como judeu, por que obrigas os gentios a viverem como judeus?” Gál. 2:14. Pedro viu o erro em que havia caído, e procurou imediatamente reparar, tanto quanto possível, o mal que causara. Deus, que conhece o fim desde o princípio, permitiu que Pedro revelasse essa fraqueza de caráter, para que o provado apóstolo visse nada haver em si de que se pudesse vangloriar. Mesmo os melhores homens, se entregues a si próprios, errarão no julgamento. Deus viu também que no tempo por vir, alguns seriam tão iludidos que atribuiriam a Pedro e seus pretensos sucessores as elevadas prerrogativas que só a Deus pertencem. E esse registro de fraqueza do apóstolo permanece como uma prova de sua falibilidade, e de que ele, de modo algum, esteve acima do nível dos outros apóstolos.” Atos dos Apóstolos, pág. 197-199

Outro caso é a dissensão deu-se pelo conflito em Barnabé e Paulo. Esta história é descrita pela serva do Senhor assim:

“Paulo e seus companheiros continuaram viagem para Perge, na Panfília. Seu caminho era penoso; encontraram dificuldades e privações, e estavam cercados de perigos por todos os lados. Nas vilas e cidades por onde passavam, e ao longo das estradas desertas, estavam rodeados de perigos visíveis e invisíveis. Mas Paulo e Barnabé tinham aprendido a confiar no poder libertador de Deus. O coração deles estava cheio de fervente amor pelas almas a perecer. Como fiéis pastores na busca da ovelha perdida, não abrigavam o pensamento de facilidades ou conveniências próprias. Esquecidos de si mesmos, não fraquejavam quando cansados, famintos ou com frio. Eles tinham em vista um único objetivo – a salvação dos que vagueavam distantes do redil. Foi aqui que Marcos, dominado por temor e desânimo, hesitou por um momento em seu propósito de consagrar-se de todo o coração à obra do Senhor. Pouco habituado a sacrifícios, desanimaram-no os perigos e privações do caminho. Trabalhara com êxito sob circunstâncias favoráveis, mas agora, em meio da oposição e dos perigos que tantas vezes cercam o missionário pioneiro, não suportou as dificuldades como bom soldado da cruz. Devia aprender ainda a enfrentar valorosamente os perigos, perseguições e adversidades. À medida que os apóstolos avançavam, encontrando dificuldades cada vez maiores, Marcos intimidou-se, e perdendo todo o ânimo, recusou-se a prosseguir, retornando a Jerusalém. Esta deserção fez com que Paulo julgasse por algum tempo desfavoravelmente a Marcos; severamente mesmo. Por outro lado, Barnabé se inclinava a desculpá-lo devido a sua inexperiência. Estava ansioso por que Marcos não abandonasse o ministério, pois nele via qualidades que o habilitariam para ser útil obreiro de Cristo. Anos depois sua solicitude por Marcos foi ricamente recompensada; pois o jovem se entregou sem reservas ao Senhor e à tarefa de proclamar a mensagem do evangelho em campos difíceis. Sob a bênção de Deus e a sábia orientação de Barnabé, ele se tornou um valoroso obreiro. Paulo se reconciliou mais tarde com Marcos, recebendo-o como colaborador. Recomendou-o também aos colossenses, como “cooperador no reino de Deus” e como tendo para ele “sido consolação”. Col. 4:11. Não muito tempo antes de sua morte, Paulo tornou a falar de Marcos como lhe sendo “muito útil para o ministério”. II Tim. 4:11.Atos dos Apóstolos, pag. 169-170

Não é vontade de Deus que seus filhos tenham dissensões entre si. Nos dois relatos acima vemos homens guiados pelo Senhor Espírito Santo cometendo pecados. Mas um fato chama atenção. O poder espiritual não era o mesmo para todos. Paulo e Barnabé estavam cheios de poder e Marcos não estava pronto. Aceitou viajar, mas nas dificuldades resolveu abandoná-los. Realmente Marcos possuía qualidades, mas precisava amadurecê-las para não colocar risco na obra. Paulo, humanamente falando, achou-se no direito de não confiar em Marcos o que levou à dissensão com Barnabé.

Chamamos atenção que o pecado será totalmente erradicado quando Cristo voltar. É verdade que o poder do Espírito Santo nos levará a viver uma vida de plena comunhão com Cristo e que poderá nos livrar do pecado. Mas ainda somos humanos e não estamos isentos da possibilidade de pecar. Mas nossa humanidade não é desculpa para continuarmos escravos do pecado. Com certeza, quando estivermos consagrados ou santificados em Cristo e pecarmos, foi o momento em que deixamos de olhar para Ele. Mas mesmo assim o Espírito Santo nos convencerá da nossa atitude e correremos novamente para os braços de Cristo, arrependidos e certos que estaremos purificados. Louvado Seja o Senhor!

A misericórdia de Deus se renova a cada dia e é certo que Ele precisa concluir Sua obra neste mundo para Jesus voltar. Alertamos que não podemos ficar acomodados à nossa condição de pecadores, sabendo que  é hoje que temos a oportunidade de arrependimento, perdão e purificação. Esta oportunidade se findará com o fechamento da porta da graça.

Da competição para a integração

A lição aborda também o assunto “da competição para a integração”. Com todo respeito, seja na igreja ou em qualquer outro lugar, as competições são ferramentas satânicas para disseminar o mal entre as pessoas. Jogos de futebol, cartas ou qualquer outro “divertimento” levarão pessoas a serem melhores que as outros e dependendo dos casos podem causar uma desunião para o resto da vida e quando ainda, podem levar até a morte. Infelizmente somos patrocinadores destes planos satânicos em nossa vida e dos outros também. CUIDADO COM AS COMPETIÇÕES DENTRO DA IGREJA MESMO QUE ESTAS SEJAM PARA FINS DE “UNIDADE”. Nossos cultos de JA estão repletos disso.

Felizmente o Pr. Mark Finley, autor da lição, faz sua parte e procura nos alinhar à vontade de Deus de viver a integração e cooperação para o crescimento da obra:

“Deus nos chama à cooperação, não à competição. Cada cristão é dotado por Deus para cooperar no ministério ao corpo de Cristo e servir a comunidade (1Co 12:11). Não há dons maiores e ou menores. Todos são necessários na igreja de Cristo (1Cor 12:18-23). Os dons recebidos de Deus não são para exibição egoísta. Eles são concedidos pelo Espírito Santo para o serviço.” Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 83 – Lição de Aluno, pág. ???? – Lição de Professor

 

Do atrito ao perdão

Paulo escreveu assim: “Por isso procuro sempre conservar minha consciência limpa diante de Deus e dos homens.” Atos 24:16

Ellen G. White afirma que: “Conquanto confessando que “conforme aquele caminho que chamam seita” adorava ao Deus de seus pais, sustentou que sempre havia crido em “tudo quanto está escrito na lei e nos profetas”; e que em harmonia com o claro ensino das Escrituras, cria na ressurreição dos mortos. Declarou ainda mais que o propósito orientador de sua vida era “sempre ter uma consciência sem ofensa, tanto para com Deus como para com os homens”. Atos 24:14-16.”

É interessante este pensamento de Paulo e nos serve de grande conselho. Possuir este mesmo “propósito orientador de vida” nos levará a sermos mais amorosos, humildes e sinceros diante de Deus e dos homens.

Infelizmente os atritos são mais populares que o perdão em nosso dia a dia. Mas é fato que o perdão vem de Deus e deve ser vivido com intensidade. Desafiamos o irmão leitor a perdoarem “tudo” e “todos” que nos fizeram algum mal.  Você é capaz? Se achar que não for, busque auxílio no Senhor Espírito Santo. Ele é capaz de transformá-lo para a glória de Deus. Experimente…

“O perdão também é muito importante para o bem-estar espiritual. A incapacidade de perdoar alguém nos ofendeu, mesmo que a pessoa não mereça, pode prejudicar-nos mais do que a ela. Se alguém nos prejudicou e a dor nos consome por dentro porque não conseguimos perdoar, estamos permitindo que ela nos machuque ainda mais.” Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 84 – Lição de Aluno, pág. ???? – Lição de Professor

Quando assim vivermos, estaremos deixando Deus viver em nós. Louvado Seja Deus!

 

Do rancor para a restauração

E o que fazer dos relacionamentos problemáticos que temos?

É comum dizermos que somos todos irmãos na igreja, que amamos e somos amados e no entanto, no primeiro problema com alguém, distanciamos de Cristo e julgamos, afastamos e causamos barreiras deste com os outros. Infelizmente é que continuamos os mesmos achando que, mesmo com estes problemas, estamos bem com Deus e queremos ir fazer Sua obra nas cadeias, nas ruas, nos lares. Desculpe-nos, mas que hipocrisia! Como queremos unir pessoas fora da igreja se não demonstramos amor a quem está próximo?

Jesus deu alguns conselhos práticos:

“Portanto, se você estiver apresentando sua oferta diante do altar e ali se lembrar de que seu irmão tem algo contra você, deixe sua oferta ali, diante do altar, e vá primeiro reconciliar-se com seu irmão; depois volte e apresente sua oferta.” Mateus 5:23-24

“Se o seu irmão pecar contra você, vá e, a sós com ele, mostre-lhe o erro. Se ele o ouvir, você ganhou seu irmão. Mas se ele não o ouvir, leve consigo mais um ou dois outros, de modo que ‘qualquer acusação seja confirmada pelo depoimento de duas ou três testemunhas’. Se ele se recusar a ouvi-los, conte à igreja; e se ele se recusar a ouvir também a igreja, trate-o como pagão ou publicano.” Mateus 18:15-17

É simples assim. Foi Jesus quem ensinou. Diferente desta prática, é obra do maligno.

“Não permitas que teu ressentimento redunde em maldade. Não consintas que a ferida supure abrindo-se em termos impertinentes, que venham a deixar uma nódoa no espírito dos que te ouvem. Não admitas que persistam no teu espírito e no seu, pensamentos amargos. Vai ter com teu irmão e em humildade e sinceridade resolve com ele o problema.” Obreiros Evangélicos, pág. 499 – Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 85 – Lição de Aluno, pág. ???? – Lição de Professor

“É verdade que há uma indignação justificável, mesmo nos seguidores de Cristo. Quando vêem que Deus é desonrado, e Seu serviço exposto ao descrédito; quando vêem o inocente opresso, uma justa indignação agita a alma. Tal ira, nascida da sensibilidade moral, não é pecado. Mas os que, a qualquer suposta provocação, se sentem em liberdade de condescender com a zanga ou o ressentimento, estão abrindo o coração a Satanás. Amargura e animosidade devem ser banidas da alma, se queremos estar em harmonia com o Céu.” O Desejado de todas as Nações, pág. 310

Convidamos ao irmão que reveja sua vida. A harmonia com o caráter de Cristo deve ser nosso propósito de vida e nEle não havia nada que o fizesse promover dissensões ou atritos. Jesus é nosso padrão de vida, nosso exemplo perfeito e devemos focar nEle nosso crescimento para a santificação. Busquemos o verdadeiro reavivamento. 

“Os grandes reavivamentos espirituais  do passado promoveram a cura nos relacionamentos. O Espírito Santo aproxima as pessoas de Deus e umas das outras. Quebram barreiras em nosso relacionamento com Deus e com nossos semelhantes. Em resumo, a maior demonstração do poder do evangelho não é necessariamente o que a igreja diz, mas como ela vive. “Nisto conhecerão todos que sois Meus discípulos: se tiverdes amor uns aos outros” (Jo 13:35). Sem esse amor, toda a nossa conversa sobre reavivamento e reforma não significará nada.” Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 80 – Lição de Aluno, pág. ???? – Lição de Professor

Ajude-nos Senhor a responder à sua vontade. Que seja louvado o Seu Nome em nosso viver diário.

Reforma: nova maneira de pensar

buscar em Deus

Pensar é uma especialidade humana presenteada por Deus. Somos seres racionais diferentes de vários outros seres criados. Por este motivo é nosso privilégio e dever exercer esta especialidade para honra e glória dEle. Não é aconselhável deixar de pensar deixando que outros pensem por nós. Pensar é individual assim como salvação também é. Em se tratando de salvação não é certo depender de pessoas e ser arrastadas por elas com conceitos básicos, sem um estudo e encontro com a Verdade.  

Para termos definido nossos melhores pensamentos sobre qualquer assunto, o mais aconselhável é estudar a bíblia e os escritos de Ellen G. White, a serva do Senhor que foi inspirada pelo Senhor Espírito Santo para direcionarmos a uma melhor compreensão da vontade divina.

Sobre a palavra de Deus, Jesus Cristo aconselha assim: “Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam;” João 5:39

É fato que a Igreja Adventista do Sétimo Dia é a igreja de Deus, a última igreja e a detentora da verdade divina para os últimos dias. Infelizmente é notável também que, por possuirmos a verdade divina, cresceu-se uma presunção por parte de alguns líderes e membros pregadores.  Chamamos atenção desta maneira por causa da palavra pregada que algumas vezes não direcionam o ouvinte para um discernimento correto em direção aos caminhos de Deus. Desta forma, não podemos deixar que estes definam os nossos pensamentos ou conceitos à maneira deles ou em conformidade com o mundo.

A Bíblia assim diz: “Assim diz o Senhor: Maldito o homem que confia no homem, e faz da carne o seu braço, e aparta o seu coração do Senhor!” Jeremias 17:5

O apóstolo Paulo aconselha: “Logo que anoiteceu, os irmãos enviaram Paulo e Silas para Beréia. Chegando ali, eles foram à sinagoga judaica. Os bereanos eram mais nobres do que os tessalonicenses, pois receberam a mensagem com grande interesse, examinando todos os dias as Escrituras, para ver se tudo era assim mesmo.” Atos 17:10-11 (NVI)

Consideramo-nos o Israel espiritual e devemos também proceder como os bereanos para realmente termos definido nossos conceitos a respeito da vontade de Deus para nossa vida sem precisar de nos encher de conceitos errôneos que nos conduzirão para a perdição.

Infelizmente muitos de nossos pensamentos e conceitos têm sido fundamentados em achismos ou baseados em definições humanas. Ao mesmo tempo estamos sendo chamados para termos o caráter de Cristo e, para assim sermos, precisamos harmonizar nossos pensamentos e atitudes com os dEle. A lição traz o seguinte comentário afirmando esta questão:

“Se tivermos uma reforma em nosso pensamento, teremos uma reforma em nossas ações. Reforma ocorre quando o Espírito Santo harmoniza nossos pensamentos com os pensamentos de Cristo. Quando isso acontece, nossas ações seguem o mesmo caminho.” Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 73 – Lição de Aluno; pág. 133 – Lição de Professor

Se queremos ser como Cristo e se queremos viver como Ele viveu, precisamos urgentemente redirecionar nossos pensamentos e conceitos à sua vontade. Precisamos compreender que o homem não alcança um estilo de vida mais elevado do que aquele é desejado e, se nos conformarmos com o pensamento de que é impossível viver a vida de Cristo, santificada e pura, continuaremos no pecado e perderemos a salvação.

“É lei, tanto da natureza intelectual como da espiritual, que, pela contemplação, nos transformamos. O espírito gradualmente se adapta aos assuntos com os quais lhe é permitido ocupar-se. Identifica-se com aquilo que está acostumado a amar e reverenciar. Jamais se levantará o homem acima de sua norma de pureza, de bondade ou de verdade. Se o eu é o seu mais alto ideal, nunca atingirá ele qualquer coisa mais elevada. Antes, cairá constantemente. A graça de Deus unicamente tem poder para soerguer o homem. Abandonado a si mesmo, seu caminho inevitavelmente será em direção descendente.” Ellen G. White, O Grande Conflito, p. 555 – Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 74 – Lição de Aluno; pág. 134 – Lição de Professor

 “O ideal de Deus para sua igreja e para nós, como indivíduos, é maior do que podemos imaginar. Todo o Céu anseia revelar Seu caráter de amor através de Seu povo.“  Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 78 – Lição de Aluno; pág. 138 – Lição de Professor

Não cumpriremos a missão que o Senhor nos confiou enquanto não aceitarmos Seu ideal para nós. Todo o Céu está esperando a manifestação do poder de Deus em nossas vidas e é a  nossa incredulidade que está atrasando esta obra.

“A mudança ocorre quando permitimos que o Espírito Santo transforme nosso pensamento. Pensamentos transformados levam a ações transformadas. Sentimentos não são um guia seguro. A decisão de se render às convicções produzidas pelo Espírito Santo, a despeito de nossas emoções, e receber o poder de Deus para a mudança, são o caminho para a transformação do caráter.”  Lição da E S Reavivamento e Reforma,  pág. 140

“Muitos professam estar ao lado do Senhor, mas não estão; o peso de todas as suas ações acha-se do lado de Satanás. Por que meio havemos de determinar de que lado nos encontramos? Quem possui o coração? Em quem estão nossos pensamentos? Sobre quem gostamos de conversar? Quem possui nossas mais calorosas afeições e melhores energias? Se nos achamos do lado do Senhor, nossos pensamentos estão com Ele, e nossos mais suaves pensamentos são a Seu respeito. Não temos amizade com o mundo; tudo quanto temos e somos, consagramos a Ele.”   Ellen G. White,  A Fé Pela Qual Eu Vivo, Meditação Matinal 1959, pág. 220

“Toda pessoa tem o privilégio de ser um conduto vivo, pelo qual Deus pode comunicar ao mundo os tesouros de Sua graça, as insondáveis riquezas de Cristo. Nada há que Cristo mais deseje do que agentes que representem ao mundo Seu Espírito e caráter. Não há nada de que o mundo mais necessite que da manifestação do amor do Salvador, mediante a humanidade. Todo o Céu está à espera de condutos pelos quais possa ser vertido o óleo santo para ser uma alegria e bênção para os corações humanos.”  Ellen G. White, Parábolas de Jesus, pág. 419. – Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 79 – Lição de Aluno; pág. 139 – Lição de Professor

Um alerta interessante: “Desperta, ó tu que dormes, levanta-te dentre os mortos e Cristo resplandecerá sobre ti” Efésios 5:14 (NVI)

A importância da mente

“Portanto, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está assentado à destra de Deus. Pensai nas coisas que são de cima, e não nas que são da terra; Porque já estais mortos, e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus. Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, então também vós vos manifestareis com ele em glória.” Colossenses 3:1-4

É interessante notar no texto bíblico de Colossences acima, as prioridades que precisamos ter em nossa vida. Há um contraste do que é de valor e do que não é.  No mesmo verso é chamado a atenção para o resultado de vivermos as prioridades citadas: “Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, então também vós vos manifestareis com ele em glória.”

Se ainda não colocamos nossas prioridades de acordo com este conselho divino, é melhor que o façamos urgentemente e mesmo que não tenhamos vontade de fazê-lo, clamemos poder para esta transformação enquanto há tempo oportuno. É necessário passar por uma reforma urgente e assim afirma o texto da lição:

“Reforma significa olhar para Jesus, permitir que Ele encha nossa mente, molde nossos pensamentos e guie nossas ações. Quando contemplamos Jesus, Ele nos guia a padrões mais elevados do que a mera rigidez das regras. Realmente, não podemos olhar para Jesus e permanecer os mesmos. Quando pensamos Seus pensamentos, temos somente um desejo: fazer Sua vontade.” Lição E. S. 3° Trim. 2013, pág. 74 – Lição de Aluno; pág. 134 – Lição de Professor

Deus é Maravilhoso! Louvado seja.

Um dia Jesus Cristo, orando pediu ao Pai:

“Dei-lhes a tua palavra, e o mundo os odiou, porque não são do mundo, assim como eu não sou do mundo. Não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal. Não são do mundo, como eu do mundo não sou. Santifica-os na tua verdade; a tua palavra é a verdade.” João 17:14-17

Não somos do mundo e não há justificativas para termos pensamentos mundanos. Se queremos estar com Jesus em breve, precisamos estar e ficar ligados a Ele para sermos achados dignos de vê-Lo voltar e subir com Ele também. Para que ocorra o milagre de estarmos no mundo e não vivermos segundo ele, devemos viver segundo a vontade de Deus através de Sua palavra.

O apóstolo Paulo nos dá um belo conselho para assim viver:

“As armas com as quais lutamos não são humanas; pelo contrário, são poderosas em Deus para destruir fortalezas. Destruímos argumentos e toda pretensão que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levamos cativo todo pensamento, para torná-lo obediente a Cristo.” 2 Coríntios 10:4-5 (NVI)

Talvez neste momento, olhamos para nós e afirmamos:

“Sou um miserável pecador! Não consigo viver no mundo de pecado com uma vida santificada, de obediência. O pecado em mim faz eu pensar, dizer e viver o que não é Deus. Não tenho escapatória, a menos que Jesus, na Sua volta, me purifique e transforme.”

Meu querido irmão ou irmã, não se curve tão fácil a estas afirmações satânicas. Hoje é o tempo de mudança. Hoje é o tempo de poder. Hoje é o tempo de preparo para encontrar com Cristo. Não sabemos o dia que Ele virá e é certo que será uma surpresa. Por ser surpresa, devemos estar preparados e esperando-O santificados e humildes, imaculados e irrepreensíveis (2 Pedro 3:14)

Algumas promessas valiosas:

“Finalmente, irmãos, tudo o que for verdadeiro, tudo o que for nobre, tudo o que for correto, tudo o que for puro, tudo o que for amável, tudo o que for de boa fama, se houver algo de excelente ou digno de louvor, pensem nessas coisas. Tudo o que vocês aprenderam, receberam, ouviram e viram em mim, ponham-no em prática. E o Deus da paz estará com vocês.” Filipenses 4:8-9 (NVI)

“Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece.” Filipenses 4:13

“Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que não vos deixará tentar acima do que podeis, antes com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar.” 1 Coríntios 10:13

Que o Senhor nos ajude. Deus seja para sempre louvado!